Congresso do empreendedor acontece neste mês de setembro

Acontece dia 25 e 26 de setembro, no teatro Calil Haddad, a partir das 19h30, o Congresso do Empreendedor, realizado pela ACIM e Sebrae. No dia 25 haverá palestras do empresário Eduardo J. Valério sobre sucessão familiar e da empresária Luiza Helena Trajano, que falará sobre a Magazine Luiza. No dia seguinte, as palestras serão do economista do Banco Votorantim Roberto Padovani, sobre ‘conjuntura econômica e política’, e do ex-vice-presidente de Marketing da Nestshoes, Roni Cunha Bueno.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas em www.congressodoempreendedor.com.br. Cada empresa associada tem direito a uma inscrição. O evento tem apoio de Certeza Consultoria Empresarial, Cocamar, Maringá Park, Sancor Seguros, Sanepar e Unimed.

 

Comente aqui


Morre aos 65 anos o jornalista Marcelo Rezende

O jornalista Marcelo Rezende morreu, às 17h45 deste sábado (16), em São Paulo, aos 65 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos em consequência de um câncer, informou o Hospital Moriah.

Rezende foi diagnosticado no início do ano com câncer no pâncreas com metástase no fígado. Ele se afastou do comando do programa Cidade Alerta, da TV Record, para fazer o tratamento de quimioterapia. Ele estava internado no Hospital Moriah, na Zona Sul de São Paulo.

Em um vídeo postado no dia 3, Marcelo Rezende falou sobre os altos e baixos do tratamento contra o câncer. “O que eu tenho, a doença que eu tenho, o câncer que eu tenho, tem altos e baixos, é como uma montanha-russa. Uma hora eu to lá em cima, outra hora eu to lá embaixo. O mais importante é que eu estou firme e estar firme é aqui, onde a mente funciona. E eu estou firme para enfrentar os baixos, até chegar o momento em que o alto vai deslizar e aí a cura vai chegar. E eu tenho certeza dela porque Deus está comigo, Deus está contigo”, disse o jornalista.

Marcelo Luiz Rezende Fernandes nasceu no Rio de Janeiro, em 12 de novembro de 1951.

Começou sua carreira como repórter esportivo nos anos 70 do Jornal dos Sports. Trabalhou em O Globo, revista Placar e chegou à TV em 1987 para trabalhar na Globo. Entre os destaques está a cobertura do caso da operação da polícia na Favela Naval, em Diadema e a apresentação do programa Linha Direta. Trabalhou também na Band e Rede TV.

O jornalista deixa cinco filhos e dois netos.

Fonte: G1

Comente aqui
   

Maringá quer se transformar em uma Vale do Silício do Paraná

A meta de Maringá para as próximas décadas é ambiciosa e prevê que a cidade se transforme numa espécie de Vale do Silício do Paraná, um polo de inovação e atração de profissionais qualificados de todo Brasil.

“Uma cidade de tecnologia de ponta, com emprego e renda de alto valor agregado”, prevê Ilson Rezende, CEO da empresa de desenvolvimento de software DBI Global Software e presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem).

O plano estratégico definido pelo conselho projeta Maringá -que completa 100 anos em 2047 – chegando a esse status nos próximos 30 anos. Entre as ações propostas estão o estímulo e investimento no setor de TI e em mais três setores também considerados chave para o desenvolvimento: saúde, educação e transações financeiras/seguros.

“O diferencial da nossa cidade é a sua organização social. A sociedade se organizou”, diz Luiz Carlos da Silva, gerente regional noroeste do Sebrae-PR. O plano estratégico socioeconômico e urbanístico, por exemplo, foi encomendado à consultoria PwC e seu custo, de 1 milhão de reais, bancado pelos próprios empresários locais e sociedade civil.

Com fama de cidade projetada e com ótimos indicadores de qualidade de vida, Maringá já colhe frutos dessa virtude rara em tantos municípios brasileiros, a de pensar em longo prazo. Prova disso é que a cidade entrou para a lista das melhores grandes cidades para se viver do Brasil, segundo pesquisa da Delta Economics & Finance/América Economia.

A mobilização começou a tomar forma antes mesmo da virada do milênio. O Codem foi criado ainda na década de 90 e o empresariado da cidade já capitaneou o planejamento da cidade em 1996, até 2020, e em 2010, até 2030.

Além disso, empresários do setor de TI da cidade se mobilizaram e estão organizados há mais de 10 anos por meio de um APL (Arranjo Produtivo Local).

Mercado de TI está aquecido

 Hoje dentre os 400 mil habitantes, 4 mil são profissionais de TI e cidade é sede de 400 empresas de desenvolvimento de software. A DBI é uma delas e está na lista das 45 melhores para começar a carreira no Brasil, segundo o estudo anual da revista “Você S/A, divulgado na edição de setembro.

Para se ter uma ideia, Maringá só perde para São Paulo em números absolutos no que diz respeito ao número de empresas com a certificação internacional CMMI (Capability Maturity Model Integration ou Modelo Integrado de Maturidade em Capacitação), uma das mais importantes do setor de desenvolvimento. O forte da cidade são as soluções de software para empresas (B2B)

“Em 2012, o faturamento das empresas de TI foi de 83 milhões de reais, em 2016 pulou para 600 milhões de reais, numa variação de mais de 600%, e para 2020 a projeção é que faturem 1,1 bilhão de reais”, diz Silva. Esse crescimento também puxa a demanda para outros setores de apoio ao negócio, como marketing e recursos humanos.

Ele garante que é difícil que um profissional da área fique desempregado na cidade. “Quem se forma já sai empregado”, diz o gerente regional do Sebrae. O salário médio em TI na cidade é de 4 mil reais, de acordo com ele.

 Há vagas para profissionais de nível júnior e sênior

Mas as vagas na área de desenvolvimento de software não se restringem apenas a pessoas em começo de carreira. Edoil Barros, gerente de projetos da DBI, mudou-se de São Paulo para Maringá em 2012 e desde então viu crescer também o número de oportunidades em cargos de gestão.

“Quando eu cheguei tinha mais vagas para os jovens, mas o mercado foi evoluindo e, para dar conta do crescimento, as empresas passaram a precisar mais da figura do gestor”, diz Barros, que trabalhou 12 anos na Vivo em São Paulo, onde era coordenador.

Mas o mercado promissor em tecnologia não foi definitivo para que Barros tomasse a decisão de residir permanentemente na cidade e, sim, a qualidade de vida. “Quando me mudei nem sabia que o mercado em TI era tão forte”, conta.

A vontade de sair de São Paulo surgiu quando seu filho, Pedro, nasceu em 2011, e a desafiadora rotina paulistana começou a pesar para ele e a mulher, cuja família é de Maringá. “A gente tinha uma vida muito corrida em São Paulo e a decisão foi balizada mais por conta da família”, diz.

A tranquilidade de viver numa cidade bem arborizada e sem trânsito é um dos principais benefícios da mudança. “São as coisas simples do dia a dia que fazem a diferença”, diz.

É contando sobre a sua rotina que Barros diz convencer outros profissionais que estão pensando em morar e trabalhar em Maringá. Quando há processos seletivos na DBI, Barros é sempre convidado a contar sua experiência, já que deixou São Paulo pela cidade paranaense.

Aos que temem perda salarial, ele sempre indica que não fiquem prestando atenção apenas no valor do salário já que o custo de vida é mais baixo do que em São Paulo.

Segundo Ilson Rezende, CEO da DBI, sem recrutar profissionais de fora não é possível preencher todos os cargos. “Temos demanda para pessoas de outros estados. Mais da metade dos profissionais que a DBI contrata vem de fora”, afirma. No site da empresa, é possível consultar todas as vagas.

Originalmente extraído: http://exame.abril.com.br/carreira/cidade-entre-as-melhores-do-pais-quer-atrair-pessoas-qualificadas/

Exame.com

Por Camila Pati

Comente aqui
  

Programa ‘Inspire-se’ entrevista Joel Cardoso, presidente da UNIJORE

Cultura, cultura e cultura. Essa é a palavra que define a entrevista com o jornalista Joel Cardoso que vai ao ar neste domingo. Não deixe de conferir. Dia 10, às 7h30, na TVC, via canal 15 da NET.

Sobre Joel Cardoso.

Joel Cardoso é jornalista profissional renomado, com pós-graduação em marketing pelo UniCesumar, sócio fundador da Academia de Letras de Maringá e titular da cadeira 25.

Editor da Revista Conexão Paraná e autor de três livros: “Crônicas e Pensamentos”, “Lead”, “Epítome”. Nesta entrevista concedida ao Programa Inspire-se ele revela o projeto para o seu novo livro e informa sobre alguns eventos culturais na cidade de Maringá.

* Em breve entrevista completa no blog.

Comente aqui


O que é Storytelling? Entrevista com o roteirista Alison Ricardo

Os hábitos dos consumidores mudaram.  Por conta disso surgiu o neoconsumidor. Digital, global e multicanal, o neoconsumidor que busca mais um valor: ele quer relacionamento. E as empresas já estão pensando dessa maneira, seja na forma como se relacionam com os seus clientes, atendimento, entrega, pós-venda ou serviços prestados. As marcas atualmente querem ser lembradas e admiradas e, assim, a comunicação deve ser muito mais humanizada.

Pensando nisso o Programa Inspire-se dessa semana vai abordar o tema “Storytelling” que é, em linhas gerais, ‘a arte de contar histórias. ‘Quem esteve falando sobre esse assunto no programa foi o roteirista e produtor áudio-visual, Alison Ricardo, o famoso ‘Rick’. Não deixe de conferir. Domingo, às 7h30 da manhã TVC, via canal 15 da NET. Em breve entrevista completa aqui no blog do Odiario.com.

Comente aqui