Mês: maio 2010



Harry James, fera das big-bands

Harry James (1916 – 1983) foi trompetista e um dos mais famosos músicos de jazz e da era das big-bands.

Esta fera foi tão popular no início da década de 40 que sua gravadora, em determinado momento, foi incapaz de prensar discos em quantidade suficiente para cobrir a demanda.

As bandas que Harry James montou foram sempre de alto nível. Ele alternava longos compromissos nos hotéis e cassinos de Las Vegas com várias turnês nacionais e internacionais, atuando até o fim de sua vida.

Foi em uma dessas turnês que tive o imenso e inesquecível prazer de dançar ao som da sua banda. Foi na noite de 28 de outubro de 1978, no Clube Paineiras do Morumby, em São Paulo, onde eu era sócio. Consegui driblar o seu mau-humor e dele arranquei um valioso autógrafo, exposto neste filme.

Sem categoria
Comente aqui
   

Socorro: índio fica um ano em manicômio por não falar português

Um índio guarani está internado há um ano no Hospital Psiquiátrico de Maringá, pois não fala português. O encaminhamento foi feito por equipes da Secretaria Municipal de Assistência Social.

Segundo reportagem do site O Diário de Maringá, a equipe não conseguia se comunicar com o rapaz. A notícia foi confirmada por uma indígena, que cursa enfermagem na Universidade Estadual de Maringá, e começou a estagiar no centro psiquiátrico.

A Associação Indigenis de Maringá faz a intermediação para a saída dele do hospital. Yuno é paraguaio, mas deve ser levado para uma tribo guarani de Florianópolis.

(Da Folha de Londrina)

Sem categoria
Comente aqui


As Coréias

Ao término da Segunda Guerra Mundial formou-se, na região norte, a República Democrática da Coréia do Norte, de orientação socialista e influenciada pelos ditames do regime socialista soviético. Na região sul, a orientação capitalista prevaleceu com a formação da República da Coréia do Sul. Divididos por uma linha situada no Paralelo 38º, esses dois países logo entraram em conflito, objetivando restabelecer a hegemonia dos territórios sob o comando de um único governo.
A primeira ação nesse sentido foi tomada pelos norte-coreanos, que inspirados pela vitória da revolução comunista de Mao Tsé-tung, resolveram tentar experiência semelhante em território coreano. Logo depois da primeira ofensiva militar que deu início ao conflito, as principais nações do mundo se reuniram em torno da Organização das Nações Unidas para discutir essa questão.
O bloco capitalista, aproveitando a ausência soviética, não reconheceu a legitimidade deste conflito. Os Estados Unidos, maiores interessados em dar fim ao conflito, enviaram um conjunto de tropas lideradas pelo general MacArthur. O propósito inicial da ofensiva norte-americana era expulsar os norte-coreanos e, logo em seguida, conquistar o restante da Coréia passando pelas fronteiras do território chinês.
Inconformados com as pretensões norte-americanas, os chineses resolveram participar do conflito quando, em novembro de 1950, enviaram tropas de apoio aos norte-coreanos. A entrada dos chineses na guerra fez com que os esforços militares norte-americanos fossem intensificados.
Ao longo de mais dois anos, o conflito chegou a um equilíbrio de forças que colocava em risco o interesse de ambos os lados. Dessa forma, os Estados Unidos resolveram possibilitar negociações diplomáticas que pudessem dar fim à Guerra da Coréia.
Em 1953, a assinatura do Armistício de Pan-Munjom encerrou os conflitos e restaurou a linha divisória no Paralelo 38º.
As Nações Unidas e as forças coreanas do sul sofreram 500.000 baixas, enquanto as perdas comunistas foram pelo menos três vezes maiores.
Será que eles se esqueceram disso e vão começar tudo de novo?

Sem categoria
Comente aqui
   

Veja para onde vai seu imposto

Juliane Santos Oliveira, de 23 anos, foi flagrada entregando R$ 200 em dinheiro e o cartão do Bolsa Família, com crédito de R$ 90, para Maria José dos Santos, que teria realizado um aborto em clínica clandestina no município de Nossa Senhora do Socorro, na região metropolitana de Aracaju, em Sergipe.
Sabe de onde saiu o dinheiro? De um cartão do programa federal Bolsa.
De acordo com a Polícia Militar (PM), a “bolsista” estava grávida de cinco meses e foi detida logo após o aborto. A executora do aborto também foi presa junto com outras quatro pessoas enquanto aparentemente sepultavam e tentavam esconder o feto.
Caro pagador de impostos: saiba que não existe o menor controle em relação à distribuição e utilização dos cartões fornecidos pelo governo federal para as Bolsas-Família, Bolsas-Escola, etc. Vagabundagem, jogo, bebidas, drogas e agora até aborto são pagos por você, leitor, que se mata de trabalhar, sua a camisa, é obrigado a mandar anualmente sua declaração de renda, vira-e-mexe é multado e ainda se vê obrigado a sustentar uma cambada de malandros e aproveitadores de má-fé.

Sem categoria
Comente aqui