Mês: junho 2011



Políticos oportunistas

O sistema político brasileiro é um prato cheio para todo tipo de projeções, elucubrações e “chutes” quanto ao seu futuro. Incontestável, entretanto, é a absurda quantidade de oportunistas políticos – ou políticos oportunistas – que pululam desde sempre entre mandatos, cargos, nomeações e penduricalhos em todas as esferas do poder – federal, estadual, mucicipal.

O ex- Ministro Luiz Carlos Bresser Pereira (*), ainda em 1989, já escrevera um estudo intitulado “Clientelismo político”, inserido no ‘Estud. av. vol.3 no.6 São Paulo May/Aug. 1989 – Ideologias econômicas e democracia no Brasil’.

Tomo a liberdade de reproduzir parte do artigo que, apesar dos 12 anos que nos separam, poderia ter sido escrito ontem à noite:

Esta é uma prática política no meio do caminho entre populismo e mera corrupção. As três práticas implicam no uso de fundos públicos. No caso do populismo, temos uma forma impessoal de se assegurar a boa vontade dos grupos ou comunidades beneficiadas pela despesa pública; no caso da corrupção, estamos diante de uma forma pessoal e direta de enriquecimento às custas do erário público; no caso do clientelismo, temos numa forma intermediária entre os dois casos anteriores, uma forma semipessoal de uso dos fundos públicos beneficiando diretamente eleitores potenciais e indiretamente o autor da prática clientelística. No Brasil inventou-se uma palavra nova e muito expressiva para significar clientelismo: fisiologismo. O político fisiológico é um oportunista por definição. É uma pessoa que transforma a política em um negócio como qualquer outro em um negócio em que o político usa seu poder político para realizar trocas, para prestar e receber favores. É um fisiológico porque coloca os interesses pessoais e materiais acima das idéias, acima dos princípios e valores morais que deveriam presidir a ação política.

Estas duas práticas políticas oportunistas estão profundamente arraigadas no sistema político brasileiro. São uma consequência do baixo nível de cidadania do povo. A desinformação, a educação precária, a desconfiança em relação aos candidatos populares são características típicas do eleitor médio brasileiro. Desta forma, nas palavras de WANDERLEY REIS (1988, p. 24), “dificilmente se poderia pretender que, nas condições que caracterizam o eleitorado brasileiro, a estabilização do jogo democrático viesse a ocorrer em torno de partidos ideológicos(…) o processo de agregação partidária de interesses continuará provavelmente a dar-se entre nós através de partidos que combinem o clientelismo tradicional com um apelo eleitoral de tonalidades populistas”.

(*) advogado, administrador de empresas, economista, cientista político, foi ministro da Fazenda, ministro da Administração Federal, ministro de Reforma do Estado e ministro da Ciência e Tecnologia.

Sem categoria
1 Comentário


A vez dos gregos no efeito dominó

78 bilhões de euros (R$ 900 bilhões) é o tamanho do pacote de cortes que o parlamento grego aprovou e anunciou para tentar sair da crise financeira (ou bancarrota, como preferem alguns), o que provocou grande revolta da população nas ruas que não quer apertar os cintos e restringir seus ganhos. Em Atenas, o protesto acabou em uma batalha. A batalha da praça Sintagma foi encoberta por uma nuvem de gás lacrimogênio e o que restou foi muita destruição. (Foto AP)

Sem categoria
Comente aqui
 

Londrina: copiando uma ideia de forma errada

Trânsito em São Paulo: diariamente, tudo congestionado

É de estarrecer: um vereador de Londrina apresentou projeto para implantar um rodízio de carros na cidade, projeto que já passou pela Comissão de Justiça e Constituição do Legislativo. Segundo informações da assessoria de imprensa da Casa, a comissão encaminhou o projeto para a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), que terá que se manifestar à favor ou contra o projeto. A medida pretende implantar no município, em caráter experimental, por seis meses, um “Programa de Restrição ao Trânsito”, que terá o objetivo de reduzir o número de veículos nas ruas de Londrina pelo menos entre segundas e sextas-feiras. O vereador alega que o rodízio de carros “é uma tentativa de minimizar os problemas que os londrinenses vêm sofrendo na área central, principalmente nos horários de pico”.

Seria interessante o vereador buscar informações em São Paulo para ver como foi a implantação do rodízio de veículos. Lá não começou com o rodízio. Pelo número de veículos em Londrina, seria suficiente implantar um simples escalonamento de horários de encerramento de atividades. Por exemplo, bancos, escolas, lojas – sempre expedientes em horários diferenciados. Só esta medida já aliviaria congestionamentos em horários de rush. Assim foi feito em São Paulo, quando ainda não havia tantos veículos nas ruas.

O problema é que esses não-técnicos ouvem o galo cantar, nem sabem aonde, e já pensam em copiar projetos que nada têm a ver com nossa cidade. São Paulo conta com mais de cinco milhões de veículos, Londrina tem 5% desse número. Além disso, São Paulo é rota de passagem de carros, caminhões e ônibus entre o Sul e o Sudeste, Nordeste, Norte, além de ser um centro produtor e de abastecimento de todo Brasil. Sem ordenação no trânsito e sem rodízio, São Paulo viraria um caos.

Londrina ainda é uma cidade muito pequena para esse tipo de experiência, que só viria prejudicar os moradores e principalmente a grande quantidade de visitantes que obrigatoriamente chegam de cidades menores do entorno e que necessitam de médicos, hospitais e laboratórios – e não podem se dar ao luxo de obedecer a rodízios. Seria ótimo que essa péssima ideia fosse abortada no nascedouro.

Sem categoria
Comente aqui
 

Sobrevivendo por milagre

Deu no Estadão:

“Se, do dia para noite, os bancos e as financeiras decidissem cobrar a dívida total das pessoas físicas, isto é, juros e o empréstimo principal, que chegou a R$ 653 bilhões em abril, cada brasileiro teria de entregar o equivalente a 4,8 meses de rendimento para zerar as pendências. Os cálculos levam em conta a estimativa da massa de rendimentos nacional, não apenas nas seis regiões metropolitanas.

Em dezembro de 2009, a dívida das famílias estava em R$ 485 bilhões, subiu para R$ 524 bilhões em abril do ano passado e, em abril deste ano atingiu R$ 653 bilhões. Apesar dos ganhos de renda registrados nesse período, as dívidas abocanharam uma parcela cada vez maior dos rendimentos da população. Quase um ano e meio atrás, a dívida equivalia a 35% da renda anual ou 4,2 meses de rendimento. Em abril deste ano, subiu para 40% da renda ou 4,8 meses de rendimento.

Depois da explosão do consumo no ano passado, Altamiro Carvalho, assessor econômico da Fecomércio-SP, diz que as medidas de aperto no crédito editadas pelo do Banco Central no fim de 2010, a elevação dos juros e a redução dos prazos dos financiamentos tiveram grande influência sobre o aumento da dívidas das famílias neste início de ano. “

Só para complementar: se o brasileiro trabalha 148 dias para o governo, pagando impostos e mais 144 dias para pagar suas dívidas, a aritmética é simples: são 292 dias por ano já amarrados no vermelho. O ano só tem 365 dias. Quem explica esse milagre de sobrevivência?

Sem categoria
Comente aqui


Outdoor impactante

“Já que é para fazer um senhor outdoor, vamos fazer algo impactante”, devem ter concluído anunciante e agência responsáveis por este visual gigantesco e mirabolante. Veja como aproveitaram a lateral do edifício, o pátio de estacionamento e até veículos e quiosque estacionados no pátio. Só o fato de aparecer em vários blogs do mundo já representa uma resposta de sucesso.

Sem categoria
Comente aqui


Enquanto isso, na Central da Copa

Quatro policiais da UPP (Unidades de Polícia Pacificadora) no Morro da Coroa faziam patrulhamento de rotina quando suspeitaram de três homens, por volta das 18h de ontem. Para fugir, o bando jogou uma granada em cima deles. Apenas um dos policiais não foi atingido. Um policial está internado em estado grave após ter sido atingido por uma granada, perdendo uma perna no local e, ao chegar no hospital, teve que amputar a outra. Outros dois policiais foram atingidos por estilhaços e passam bem.

O país da Copa vai indo cada vez melhor! Como Cabral sonhou!

Sem categoria
Comente aqui
 

Sim, o Rio está pronto para a Copa

 

O Maraca está em reformas. Os aeroportos deverão sofrer ampliações. A turma do Cabral está analisando o sistema viário. Os morros estão sob intervenção das UPPs. E o espírito carioca está a toda.

É só ver o que aconteceu ontem: um turista francês caiu de uma altura de cerca de 15 metros lá do alto dos Arcos da Lapa, quando viajava no bondinho de Santa Teresa. Julgando que estivesse no seu país natal, não reparou na insegurança do bondinho e se desequilibrou ao tentar tirar uma foto. Testemunhas disseram à polícia que a grade de proteção não estava fixada na mureta dos Arcos (provavelmente foi furtada para ser vendida como sucata).

Enquanto agonizava no chão, o turista perdeu a máquina fotográfica e a carteira, roubadas por moradores de rua.

Balas perdidas, butins, sequestros, arrastões, milícias, narcotráfico, criminosos agindo na madrugada… sim, o Rio está prontinho para a Copa do Mundo!

Sem categoria
Comente aqui