Mês: novembro 2013



Declarações vergonhosas dos petistas

lula e dilmaAo invés de declararem publicamente sua vergonha, arrependimento e constrangimento pelos iminentes mandados de prisão dos seus correligionários do partido e aliados que se meteram no “imbróglio” do mensalão, eis que os jornais nos trazem as visões tacanhas e egoísticas da governanta dilma e do seu antecessor, o energúmeno lula, “avaliando que a execução antecipada das penas dos réus petistas do mensalão é mais favorável ao governo que a prisão em 2014”.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, “na avaliação do governo, o assunto mensalão só causaria algum estrago para o PT nas disputas de 2014 se os réus do partido fossem presos às vésperas das eleições. Com essa análise, o Planalto e a cúpula do PT argumentam que a decisão do Supremo pela prisão antecipada poupará Dilma de constrangimentos”.

Apesar de muito batida e repisada, a frase “cada país tem o governo que merece” aparece aqui novamente de forma escancarada. Os dirigentes responsáveis pelo país estão mais preocupados com o rumo do seu partido nas próximas eleições do que em nos legarem um exemplo de dignidade, uma postura de estadistas e ressaltarem para o povo brasileiro a importância da honestidade e do zelo com as verbas públicas.

Ah!, petistas, eu morro de vergonha ao declarar que sou brasileiro. Vocês conseguiram!

Sem categoria
Comente aqui


Haddad X Kassab

haddad

Essa briga entre os “brimos” Haddad e Kassab – prefeito e ex-prefeito de São Paulo – evidencia um aspecto que a imprensa ainda não focou: a ineficiência e falta de controle da prefeitura paulistana no gerenciamento do ISS – Imposto Sobre Serviços. Funcionários fraudaram a prefeitura em valores astronômicos – citou-se a cifra de R$500 milhões.

Curiosamente, o atual prefeito fez referência a esse descontrole, o que soa muito estranho em pleno Século XXI, com todas as ferramentas da informática à disposição. O que o prefeito não citou foi o fato de que ainda na década de 1980 – sem computadores, sem informática – a prefeitura já ter controlado muito bem a arrecadação do ISS.

Minha agência de propaganda, ativa à época, teve em determinado ano daquela década um período difícil, com a perda de dois ou três grandes clientes. Obviamente essa perda se refletiu no faturamento da empresa e, por consequência, no recolhimento do ISS. Pois bem, poucos meses após a queda do faturamento recebemos a visita de um fiscal da prefeitura, munido de uma planilha onde constavam os últimos recolhimentos do imposto (em queda livre) e de outra planilha onde se podia analisar o comportamento do setor das agências de propaganda como um todo. A fiscalização tinha como objetivo averiguar se estávamos sonegando imposto e somente após muitas explicações, exibição da documentação e provas de que realmente havíamos perdido clientes, o fiscal se deu por satisfeito. Seu controle foi mais minucioso do que faria um sócio ou uma auditoria externa. (Talvez seja por isso que os empresários considerem o governo seu sócio mais ranzinza).

Por esta demonstração, carece de fundamenros e de verdade a afirmação de que há descontrole na prefeitura de São Paulo: o que existe de fato é um aparente desmonte proposital das estruturas que funcionavam na década de 1980, com um  bando de larápios agindo à luz do dia e a clara intenção do atual prefeito petista em desestabilizar o prefeito anterior, para encobrir a mesma incompetência já demonstrada quando foi ministro da Educação.

Sem categoria
Comente aqui


Cana neles!

tartarugaDepois seis anos desde o início do julgamento e certamenta para surpresa dos brasileiros, o Supremo Tribunal Federal acaba de condenar os envolvidos no chamada Mensalão (que inicialmente eram quarenta) e contra eles deverão ser expedidas ordens de prisão imediata.

Para os padrões brasileiros, esse julgamento pode ser considerado um “rito sumário”. Afinal, o que são seis anos num país onde processos se arrastam por vinte, trinta anos – e geralmente ninguém acaba preso, pelo chamado “transcurso de prazo”?

Mesmo para quem não compactua com as ideias e posturas do presidente do STF, Joaquim Barbosa, deve ser louvada sua ideia incial de “fatiar” os delitos, condenando cada um dos indiciados crime por crime e não pelo seu conjunto; assim, no histórico dia de ontem, 13/11, as condenações foram concluídas, mesmo sem considerar ainda as penas – que depois serão somadas posteriormente – daqueles que entraram com os chamados “embargos infringentes”.

Evidenciou-se ontem que sim, ainda existe justiça nesse país, para satisfação da maior parte do povo brasileiro, conservador por natureza, cumpridor das leis e que assiste estarrecido à decadência dos poderes, ao aumento do desrespeito e à desconstrução das instituições.

Azar de Lewandwsky, Toffoli e de outros magistrados visivelmente cooptados pelo sistema que abrigou e foi conivente com os crimes perpretados por políticos, banqueiros, publicitários, doleiros e os outros envolvidos no esquema do mensalão.

Azar também dos advogados malandros que, mesmo sabendo que navegam contra a legalidade, vivem  impetrando recursos sobre recursos para seus clientes, protelando julgamentos, afrontando a opinião pública e desafiando a ética, o bom senso e a própria justiça. Que lhes sirva de lição: seus nomes serão lembrados nos anais do direito tortuoso.

Sem categoria
Comente aqui


Quem é esse cara para ter passaporte diplomático?

passaporte lulinhaA Justiça Federal de Brasília declarou nulo o passaporte diplomático concedido a Luís Cláudio Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Procuradoria da República no Distrito Federal havia considerado a emissão do documento ilegal e fora do interesse do País.

O energúmeno que foi presidente do Brasil teve a ousadia de mandar conceder o passaporte do filho três dias antes do término do mandato. A partir desse fato, reportagens na imprensa revelaram uma extensa lista de beneficiários do passaporte especial, como parentes do ex-presidente, autoridades religiosas, políticos e ex-ministros. Todos protegidos do PT. O Ministério Público abriu uma investigação preliminar, em janeiro de 2011, para terminar com a farra.

Quem é esse cara, além de filho de ex-presidente, para usufruir uma série de regalias, como acesso à fila separada em aeroportos e tratamento no embarque e desembarque menos rígido nos países com os quais o Brasil tem relação diplomática? O documento também torna dispensável, em alguns países, a exigência do visto de entrada. Fazem jus ao passaporte diplomático, segundo o Itamaraty, “aqueles que desempenham ou vão desempenhar missão ou atividade continuada de especial interesse do País”.

A ação civil pública foi proposta em junho de 2012 depois que o Ministério das Relações Exteriores confirmou ao Ministério Público que Luís Cláudio era o único que não havia devolvido o documento dentre os sete passaportes dados a parentes do ex-presidente. Um mês depois, a Justiça concedeu liminar para suspender o passaporte dado a ele. O passaporte diplomático dele tinha validade até dezembro de 2014. Na sentença, o juiz Jamil Rosa de Jesus Oliveira, da 14ª Vara Federal em Brasília, julgou procedente o pedido do Ministério Público para declarar nulo o passaporte diplomático concedido ao filho do ex-presidente.

Agora, a prepotência e a arrogância do advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o filho de Lula: para demonstrar que no Brasil continua a lei do “sabe com quem está falando?”, o causídico – contra todos os princípios éticos – afirmou que vai apelar da decisão. O advogado sabe que o passaporte é ilegal, mas insiste em desafiar a lei. Devia ser cassado pela OAB.

Bem, eu também vou requerer um passaporte diplomático. Acho que tenho muito mais méritos do que um cara cujo currículo ostenta apenas o fato de ser filho de ex-presidente e jamais somou nada de positivo ao Brasil. Meu passaporte atual – como os anteriores – foi pago na renovação, mas vou inventar uma artimanha para requerer o próximo gratuitamente. E quero um passaporte especial!

Sem categoria
Comente aqui


PT e suas orgias publicitárias

anuncio banco brasil 2009Provavelmente não exista outro país no mundo que use e abuse tanto de verbas publicitárias como esse demagógico e incompetente governo do PT. Pois se analisarmos as necessidades de comunicação dos diversos órgãos, autarquias e ministérios petistas (e haja ministérios!) chegaremos à conclusão de que no mínimo 80% das verbas são absolutamente desnecessárias e desperdício puro.

Quem assiste aos canais a cabo de outros países, como TVE (Espanha), DW (Deutsche Welle alemã), ou os canais francês e japonês, não vê uma única gotinha de publicidade governamental. As regras do jogo lá são rígidas e a publicidade é uma técnica utilizada apenas por empresas comerciais.

A publicidade em sua essência não passa de uma transmissão de informações. E no caso do governo, nem se trata de induzir o receptor das mensagens à compra de algum determinado produto, o que exigiria técnicas apuradas, estudos mercadológicos e muita criatividade. Aqui trata-se de passar informações sobre campanhas de vacinação, novidades sobre atendimento à saúde (se é que se pode chamar o sistema SUS de atendimento exemplar, com raríssimas exceções), de alterações nas regras e procedimentos nos serviços públicos e… e o que mais mesmo?

Esse tipo de informação sempre foi, é e continuará sendo transmitido à população pela mídia como um serviço gratuito de utilidade pública, assim como a metereologia, o trânsito, os telefones de emergência…. Nem é necessário que o governo pague por isso.

Então, o que é que pode se concluir quando tomamos conhecimento de que os gastos com propaganda do governo federal nos dois primeiros anos da gestão de Dilma Rousseff, incluindo estatais, são 23% maiores, na média, do que nos oito anos de mandato de Lula? Pois ao todo, em dez anos de governo petista foram desembolsados, incluindo todos os órgãos da administração, cerca de R$ 16 bilhões, em valores corrigidos pela inflação, segundo levantamento inédito do jornal Estado de São Paulo. valor que permititia fazer quase duas obras de transposição do Rio São Francisco, atualmente super-orçada em R$ 8,2 bilhões. Ou manter congelada em R$ 3 a tarifa de ônibus na cidade de São Paulo durante 50 anos.

No caso dos gastos da administração indireta, como as estatais, o governo argumentou “que se trata de empresas que, apesar de públicas, concorrem no mercado, portanto precisam ter a imagem bem trabalhada”. Essa é a desculpa que o PT encontrou para justificar as orgias de gastos de publicidade principalmente com Petrobrás, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, que de tão frequentes já estão torrando nossa paciência e são visivelmente inúteis e irritantemente repetitivas. Nem os bancos privados disponibilizam de tantas verbas para sua publicidade. E o Banco do Brasil ainda teve a petulância de se recusar a informar os seus gastos com publicidade entre 2003 e 2009, demonstrando sua falta de respeito e prepotência em relação ao dinheiro público e ao povo brasileiro. Coisas de nhonhô e seus vassalos do Século XVI.

Uma coisa é absolutamente certa: já que no mínimo 80% destas verbas publicitárias são desnecessárias, chega-se à conclusão de que toda essa grana serve como compra de jornalistas e “cala boca” para os veículos de comunicação não divulgarem as mazelas petistas que ocorrem em todas as áreas de atuação: uso indevido de aviões e helicópteros, passaportes diplomáticos indevidos, gastos sem controle de cartões corporativos, desvios de verbas por ministros, aspones e gepones, superfaturamento em obras, desmatamento desenfreado, caixa dois de campanhas políticas, mordomias absurdas em viagens ao Exterior, licitações forjadas, aumento desenfreado de impostos, obras do PAC atrasadas… ocuparíamos muito espaço para enumerar todas as irregularidades e mutretas que os petistas vêm nos impingindo no dia-a-dia. Uma vergonha para publicitários que realmente amam sua profissão.

Sem categoria
Comente aqui
 

Introdução à Liberdade

pomba

Por Julio Ernesto Bahr                                                    

Tão pequenino!
Pediu-me para lhe contar sobre liberdade
Puro, casto, ainda menino.
Entenderia? Já teria idade?

– Meu jovem, procurarei lhe explicar
É difícil, mas vou tentar.

– Não pense que a liberdade
Seja um pacote pronto
Que se ache no supermercado.
Oferecendo a possibilidade
De, com um bom desconto,
Comprá-la como um achocolatado.

– Chamamos de liberdade
Ao direito de ir, ao direito de voltar,
De correr ou de perambular
Por todos os cantos da cidade.

– Chamamos de liberdade
A escolha da nossa atividade,
A opção por nossos caminhos,
Acompanhados ou sozinhos.

– Chamamos de liberdade
A simples leitura de um jornal
Onde, na página do editorial
Esteja lá, impressa, toda a verdade.

– Chamamos de liberdade
O dia em que há eleição
Para Presidente, Governador,
Prefeito, Deputado,
Até de um simples Vereador,
Num pleito bem disputado,
Sendo eleitos por nossa decisão,
Nem sempre por unanimidade.

– Chamamos, enfim, de liberdade
(E aqui são minhas conclusões)
A soma da paz com a felicidade,
O fim do medo e da desigualdade,
O silenciar das bocas dos canhões,
Um novo estágio de toda a Humanidade.

Sem categoria
Comente aqui


Horripilante prisão feminina da Alemanha Oriental

prisao da stasi

Se você, leitor(a), imaginou que na Alemanha a tragédia do Holocausto provocada pelos nazistas antes e durante a II Grande Guerra colocou um ponto final nos horrores daquele país, é porque provavelmente jamais tenha ouvido falar na STASI –  a polícia secreta que foi criada nos moldes da Gestapo de Hitler -, nas torturas, assassinatos e prisões existentes na Alemanha Oriental antes da derrubada do Muro de Berlim, que se deu em 09 de novembro de 1989 – há exatos 24 anos.

O canal a cabo DW (Deutsche Welle) apresentou nesta madrugada do dia 9 um programa com três personagens mulheres, todas ex-prisioneiras em uma prisão da chamada DDR (Deutsche Demokratische Republik), cuja tradução é República Democrática Alemã – se é que o lado de lá do Muro poderia ser chamado de democrático.

Cada uma das três mulheres contou seus dramas, pois passaram alguns anos confinadas na prisão. Todas elas foram presas por tentar escapar da Alemanha Oriental – o que era terminantemente proibido –  e foram pegas pelos militares. Não tiveram a sorte de mais de três milhões de alemães orientais que, de alguma forma, conseguiram escapar do massacrante regime socialista soviético. Nenhuma das ex-prisioneiras superou até hoje o terror com que conviveram.

Uma das mulheres entrevistadas está encabeçando um movimento para tentar obter documentos de todas as pessoas que participaram da STASI. Centenas e centenas de pessoas, entre homens, mulheres e até crianças foram cooptadas pela STASI para espionar e dedurar as pessoas que não compactuavam com o regime soviético reinante na Alemanha Oriental, a exemplo do que o nazismo fez com as pessoas que colaboraram com a Gestapo e as SS. Essa mulher corajosa tem vasculhado arquivos, entrevistado as poucas pessoas que se dispuseram a falar o que sabem, mas – como sempre ocorre nos regimes repressivos – há muitas dificuldades para a averiguação das verdades.

Outra das mulheres ex-prisioneiras foi presa grávida e, quando deu à luz, seu filho lhe foi tirado à força e encaminhado para um abrigo de menores órfãos. É a mesma história que ocorreu na Argentina, quando recém-nascidos eram sumariamente roubados de suas mães e acabaram sendo adotadas por famílias ligadas ao regime ditatorial. A mulher alemã só foi encontrar seu filho cerca de vinte anos depois e ele não a perdoa até hoje por “tê-lo abandonado em um orfanato”, segundo suas palavras, consequência da lavagem mental que os alemães orientais lhe impingiram por anos a fio. Esta prisioneira recebeu de certa feita um castigo que a obrigou a permanecer por dias e noites nos úmidos e putrefatos porões subterrâneos da prisão, com inundações de água gelada provocadas várias vezes ao dia pelos soldados, que chegava até a altura dos joelhos, sem a possibilidade de se refugiar ou escalar algum degrau ou objeto que a livrasse da água.

A terceira mulher foi pega já na fronteira com a Alemanha Ocidental, quando os policiais orientais mandaram abrir o porta-malas – e lá estavam ela, o marido e seu filho pequeno. A reportagem da DW mostrou o reencontro da mulher com a irmã quase 25 anos após sua prisão, um reencontro adiado e penoso, porque ela descobriu que o próprio cunhado pertencia à STASI, e ele próprio a denunciara em sua tentativa de fuga.

prisao na ddrA reportagem mostrou os horrores da prisão, cujo prédio foi mantido sem transformações. Celas minúsculas que serviam como solitárias para quem sofresse alguma punição, só podiam ser utilizadas pelas prisioneiras para dormir. No restante do tempo, de 10 a 12 horas, as mulheres eram obrigadas a permanecer de pé na frente das grades da cela, sendo-lhes inclusive negado o direito de usar a privada da cela.

O programa mostrou também os dormitórios coletivos, em cujos espaços enormes foram enfileiradas carreiras e mais carreiras de tri-beliches, quase grudados uns nos outros; outras prisioneiras eram obrigadas a dormir no chão, no espaço entre os beliches e, na escuridão da noite, eram frequentemente pisoteadas pelas prisioneiras que precisavam se utilizar das privadas no dormitório, sem que um único facho de luz as guiasse no escuro.

Outra grave acusação que incide sobre a STASI foi a contratação de médicos, que mandavam misturar psicofármacos na comida para promover confusão mental, sonolência e apatia nas prisioneiras – assim como ocorre em institutos psiquiátricos.

Na busca pela verdade, ficou evidente que os médicos acusados de trabalhar no presídio e cooptados pela STASI se omitem, se escondem e se recusam a falar a verdade. Levará um longo tempo para que as atrocidades cometidas pela Alemanha Oriental cheguem ao conhecimento público.

Sem categoria
Comente aqui
 

Para os favelados brasileiros nada? Nada!!! Para a Venezuela de Maduro tudo? Tudo!!!

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) detectou que existem mais de 11 milhões de favelados no Brasil – e nós todos sabemos que eles vivem em condições totalmente precárias, em sub-moradias, espalhadas em áreas invadidas, formando anéis em volta das cidades, muitas delas, instaladas em lixões. sob linhas de alta tensão, áreas de preservação ambiental, próximas a oleodutos e gasodutos e, tristemente, em encostas de morros deslizantes nas horas das chuvas mais intensas. São pessoas abandonadas à própria sorte. Sorte de que eles precisam quando ocorrem as grandes catástrofes, mas dificilmente recebem, principalmente as melhorias das suas condições de vida prometidas demagogicamente pelos políticos e raramente cumpridas.

mamduro e papel higienicoMas se o Brasil trata tão mal seus filhos pobres e miseráveis, eis que o governo petista se apressou em socorrer o regime chavista da Venezuela: Nicolás Maduro, que está conseguindo levar seu país à bancarrota e se vê ameaçado de levar uma lavada nas eleições municipais em 8 de dezembro, pediu socorro à nossa governanta para tentar reduzir o desabastecimento geral do seu país, demonstrando sua incapacidade e incompetência em gerir os destinos da Venezuela. O demagogo pediu dinheiro para garantir o fornecimento de alimentos e outros produtos do varejo até a eleição, uma medida paliativa e desesperada, que não terá efeitos a médio prazo, já que sua política esvaziou as prateleiras dos supermercados venezuelanos e por lá se formam imensas filas para comprar os mais diversos produtos de primeira necessidade – inclusive papel higiênico, o símbolo dessa insanidade bolivariana esquerdista.

Se por um lado Marco Aurélio Garcia e outros “estrategistas” esquerdistas do Brasil não conseguem, não querem e não se interessam em resolver o problema dos favelados brasileiros, por outro lado bolaram um esquema financeiro para ajudar o ainda verde Maduro, através de dólares a serem remetidos para aquele país, utilizando-se do Programa de Financiamento às Exportações (Proex), do Banco do Brasil, num acordo com o Banco de Venezuela. Segundo o jornal O Estado de São Paulo, “o Banco de Venezuela receberia o dinheiro do financiamento e quitaria a importação diretamente aos fornecedores brasileiros, sem ter de passar pela Cadivi, o órgão venezuelano que regula o câmbio. O Banco de Venezuela pagaria o financiamento ao Banco do Brasil em suaves prestações.” Isso cheira a um grande calote futruro. É a própria esmola com dinheiro alheio (nosso dinheiro, caros contribuintes compulsórios).

E como completa o Estadão: “tudo em nome do compromisso ideológico do governo petista com o chavismo, com cujas agruras o contribuinte brasileiro não tem rigorosamente nada a ver”.

Foto: internet
Sem categoria
Comente aqui