“Ministra Cármen Lúcia não reúne condições sequer para dirigir uma reunião de condomínio”

As palavras do título são de autoria do jornalista José Nêumanne, após o país acompanhar o cansativo blá-blá-blá dos ministros do Supremo Tribunal Federal durante 11 horas e sermos todos surpreendidos com o resultado: por 6 votos contra 5, a “maioria” decidiu que medida cautelar adotada contra um parlamentar, quando for pelo afastamento do mandato, deve ser submetida à aprovação do Legislativo.

O voto de desempate coube à ministra Cármen Lucia, presidente do STF e desapontou a maioria dos brasileiros. Aparentemente ela fraquejou, pois ao declarar seu voto, estava insegura, gaguejou, deu voltas e mais voltas no tema, para finalmente abrir caminho para que senadores e deputados deitem e rolem com a corrupção e a ilegalidade.

Aécio Neves, enrolado em denúncias, recuperará suas funções no Senado como se nada de anormal tivesse ocorrido tão logo a casa vote a sanção determinada pela Primeira Turma do STF – a tendência é que a cautelar seja derrubada pelo plenário da Casa. Está marcado para o dia 17 a sessão do Senado que discutirá o assunto e que agora tem o aval do plenário do STF.

Segundo Cármen Lúcia, “não seria admissível que um Poder se sobreponha a outro” (no caso, dando a entender que o STF não teria poderes sobre o Legislativo).

Eleitor brasileiro, prepare-se: seus queridos representantes vão deitar e rolar, chafurdando na corrupção, praticando atos à seu bel prazer, sem serem incomodados pela justiça. Só mesmo se o próprio Congresso Nacional julgar que eles passaram do limite e aí eventualmente marcar uma sessão para cassação do infrator.

Quantas sessões destas você já teve a oportunidade de assistir? Quantos “coleguinhas deputados e senadores” o Congresso já cassou?

Sem categoria

Um comentário sobre ““Ministra Cármen Lúcia não reúne condições sequer para dirigir uma reunião de condomínio”

  1. augusto faria 13 de outubro de 2017 15:22

    É importante ter mulheres em altos cargos em qualquer área. Mas, mulheres que não sejam “levianas” como essa senhora.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.