E o Beto Richa também “não sabia de nada”?

Nem foi uma surpresa: os paranaenses já estavam com a pulga atrás da orelha e – se pode-se dizer assim – com os bolsos doendo por causa dos estratosféricos custos dos pedágios nas nossas estradas estaduais.

Pois o Ministério Público Federal informou que a 48ª fase da Operação Lava Jato tenta mostrar as “reais causas” do usuário pagar preços tão elevados para se locomover pelas estradas.

Esta fase da operação está apurando corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na concessão de rodovias federais no Paraná. Seis pessoas foram presas temporariamente – duas em Londrina, no norte do Paraná; duas em Curitiba; e duas em São Paulo – e 55 mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Um dos presos é o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR), Nelson Leal.

Um laudo técnico, que usou como parâmetro a tabela do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), da Caixa Econômica Federal, mostrou que o sobrepreço de itens da planilha chegou a 89% em relação ao valor de mercado. O desvio de dinheiro para pagamento de propina pode ter trazido prejuízo para motoristas que passam pelo Paraná.

Nas investigações, a Casa Civil – que fica no Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná –, foi alvo de mandado de busca e apreesão. O delegado Igor Romário de Paula afirmou que essa busca foi “limitada à mesa de trabalho” de um dos investigados, Carlos Nasser, que é considerado homem de confiança de Beto Richa. E o governador não sabia de nada?

Foto meramente ilustrativa
Sem categoria

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.