curiosities (curiosidades)



É verdade que os franceses te ignoram se você falar em inglês com eles?

Recentemente fiz uma viagem de peregrinação para a Espanha, Portugal e França com um grupo de brasileiros. Antes de ir me preocupei muito porque falo fluentemente inglês e estudo espanhol há três anos mas de francês não sei nada.
Muita gente tinha me dito que o francês, mesmo sabendo falar em inglês, não gosta e até te ignora se você chegar já falando em inglês com eles. Então pedi ajuda de uns amigos para saber falar em francês “com licença, eu não sei falar em francês, você pode falar em inglês comigo?”
Pois bem, sabe quantas vezes falei isso? Zero.
De todos os franceses que conversei, todos já cheguei perguntando em inglês mesmo se poderiam falar comigo e somente dois me ignoraram ou disseram que não falavam inglês. O restante falava muito bem e se esforçava para me ajudar. Não tive nenhum problema com a língua lá na França. O único problema que tive é que eles fumam demais e para mim que tenho rinite foi muito difícil. É um povo simpático (mais que na Espanha e menos que em Portugal) e educado.
Então se você for para a França e fala inglês mas não fala francês, não se preocupe, sempre que puderem vão falar com você em inglês sem problema algum. Mesmo assim está nos meus planos aprender francês no próximo ano. Eita língua bonita viu!

2 Comentários


O que é um Dog Day?

Dog day é um dia super quente, como os que foram em Maringá neste verão.
O termo deriva da expressão “Dog days of summer” na tradução dias de cachorro de verão, ou seja, dias extremamente quentes de verão. Essa expressão e inglês é denominada principalmente pra falar das últimas semanas de agosto, quando no hemisfério norte é verão e geralmente é muito quente. Daí a tradição de dizer que o mês de agosto é o mês do cachorro louco.
Esse mesmo período quente de agosto no hemisfério norte coincide com o aparecimento da estrela Sirius, a estrela cachorro, na constelação Canis Major (Cão maior). Daí a correlação com o mês do cachorro louco e os “dog days”

Dog Days of Summer

Dog Days of Summer

1 Comentário


Valentine’s day (14/02): História e significado

Abaixo repost do ano passado.
Outros posts que fiz sobre esta data, expressões sobre amor e curiosidades:
1) Expressões: http://blogs.odiario.com/brunagusmao/2013/02/15/valentines-day-love-idioms/
2) Gírias: http://blogs.odiario.com/brunagusmao/2015/06/11/girias-e-expressoes-do-dia-dos-namorados-e-historia/
3) expressão: http://blogs.odiario.com/brunagusmao/2013/06/12/como-dizer-quem-nao-tem-cao-caca-com-gato-em-ingles/
4) XOXO: http://blogs.odiario.com/brunagusmao/2015/06/02/o-significado-de-x-o-x-o/

Nos EUA o dia dos namorados é chamado de Valentine’s day e é celebrado dia 14/02 e não dia 12/06, como no Brasil.
Sabe qual é a origem desta data?

A história data que no séc. III um padre chamado Valentino (Valentine em inglês) viveu numa época em que o imperador romano Claudius II proibiu que jovens se casassem. O imperador acreditava que os soldados casados teriam mais dificuldade para passar longos períodos longe lutando pelo seu reino, pois ficariam pensando nas suas famílias, com saudades e vontade de voltar para casa. Já os soldados que não fossem casados, na cabeça do imperador, não teriam nenhuma distração que tirasse o foco da guerra. Sentindo que essa lei era injusta, Valentino casava os jovens em segredo até que um dia o imperador descobriu, o aprendeu e sentenciou à morte.
Quando estava preso Valentino recebeu a visita de muitos casais que ele tinha unido e sempre traziam flores e cartas de apoio a ele. Uma das pessoas que visitava o padre com frequência era a filha de um dos guardas da prisão aonde ele estava aguardando seu enforcamento. Acredita-se com os dois acabaram se apaixonando e que ela era cega e pouco antes de ser morto ele deixou uma carta à ela assinada no final “your Valentine” (de seu Valentino). Reza a lenda que o milagre do amor de Valentino deu à moça sua visão de volta. Ele foi enforcado no dia 14/02.

Por esta razão o dia dos namorados é celebrado nos EUA nesta data e as pessoas dão flores (cerca de 180 milhões de rosas são vendidas neste dia), caixas de bombons em formato de coração (cerca de 36 milhões de caixas) e muitos cartões de Happy Valentine’s day. O mais interessante é que os cartões e chocolates são dados não só aos namorados, mas aos amigos, parentes e todos os que você ama. Isso tudo gera cerca de 14 bilhões de dólares por ano nos EUA.

No Brasil acredita-se que a data surgiu no comércio paulista na década de 40, quando o comerciante João Dória trouxe a ideia do exterior e a apresentou aos comerciantes. Para alavancar a vendas no mês de junho, que não tinha nenhum feriado comercial, ele criou o slogan “não é só com beijos que se prova o amor”. A ideia se expandiu pelo Brasil e a data decidida foi dia 12/06 por ser véspera de Santo Antônio, o santo casamenteiro.

Aqui um vídeo com história de Valentine’s day em inglês do canal History
E abaixo outra história em inglês sobre a origem de Valentine’s

Comente aqui


Sem preconceito: carnaval é um feriado religioso

Sei que muita gente vai “cair de pau” em cima do que estou falando, mas Carnaval é um feriado religioso.
Vou reproduzir um post que fiz há dois anos:
“Por mais que possa parecer estranho, o carnaval é um feriado religioso. Nunca cai na mesma data porque o último dia (de carnaval) deve ser sempre o dia anterior a quarta-feira de cinzas, que dá início à quaresma, ou período de penitência, quando antigamente as pessoas faziam jejum de qualquer tipo de comida, vivendo 40 dias a pão e água.

Como antigamente as pessoas não tinham geladeira nem congelador para guardar as comidas por tanto tempo sem estragar, na terça-feira (último dia e que poderiam comer normalmente) geralmente era feito um grande banquete com toda a comida que as pessoas tinham. A celebração acabou sendo chamada de FAT TUESDAY (terça-feira gorda) justamente porque era o dia em que as pessoas comiam e bebiam muito, para depois passar 40 dias de jejum.

A expressão FAT TUESDAY em francês se diz MARDI GRAS, por isso nos EUA muitas pessoas chamam o carnaval de MARDI GRAS ou FAT TUESDAY. No entanto, CARNIVAL é a melhor tradução para carnaval. MARDI GRAS é mais conhecido como o carnaval americano, aquele que é muito famoso em New Orleans, com carros alegóricos com pessoas no topo jogando colares de contas uns para os outros, com o intuito de ter maior número possível, mulheres mostrando os seios e tudo o que tem direito e muita gente bêbada.

Resumindo: MARDI GRAS é o carnaval em francês mas que se tornou símbolo do carnaval de New Orleans e de outras cidades americanas e dura dias. FAT TUESDAY é o último dia de carnaval (inclusive do Mardi Gras) e CARNIVAL seria a equivalência em inglês para a palavra carnaval.” (Bruna Gusmão – 2014)

Muita gente critica o Carnaval porque hoje em dia virou uma bagunça, o povo desviou muito da real celebração. Mas eu lembro de quando era muito pequena ia sempre nas matinês e minha mãe fazia fantasias para mim e minha irmã, costurava tudo e ficava lindo. Tinha marchinha de carnaval que tinha uma expressão cultural muito linda. Nós geralmente ganhávamos o concurso de fantasia. Era muito divertido. Só não gostava quando o “Rei Momo” me pegava no colo. chorava muito. Depois, na minha adolescência, o carnaval no clube de Astorga (aonde ia na minha infância) perdeu o foco e foi ficando mais fraco, então eu ia para o subúrbio do Rio De Janeiro (Irajá – aonde minha avó morava) e pulava nos blocos de rua, que também eram muito divertidos. Tinham os tais “bate-bola” (para saber sobre a história e o que são clique aqui) que me davam muito medo. Mas todo mundo ia fantasiado. Era muito legal. Infelizmente, com o passar dos anos toda essa diversão, alegria, música e cultura foi se perdendo e dando lugar à bebedeira, sexo, competição de “quem beija mais gente na noite”, violência, etc. Realmente uma pena.

Mas pelo que vi na TV estão voltando a acontecer com mais força os blocos de rua e as marchinhas, o que é muito bom. Quem desvirtua essa festividade é o ser humano, da mesma maneira que desvirtuou o real significado da Páscoa, Natal, Dia dos Namorados (que no Brasil é motivo PURAMENTE comercial – nem história tem) etc. Então se você condena quem pula carnaval, não pode comprar ovos de Páscoa, não pode dar presentes e nem ter papai Noel na sua casa, e não pode dar presentes no Dia dos Namorados. Pode condenar quem não sabe pular Carnaval e faz dele uma sacanagem, mas não a festividade em si.

Assista o vídeo abaixo do famoso ator francês Vincent Cassel sobre o Carnaval no Rio e sua paixão pela cultura brasileira:

4 Comentários


5 coisas que te impedem de aprender um segundo idioma

Li este texto em inglês e achei super interessante. Então resolvi resumir em português. Mas para quem tem interesse em ler a versão original leia clicando aqui.

1. Vá devagar: É comum quando alguém vai começar a estudar um idioma estar extremamente empolgado e eufórico. Mas o correto é ir devagar. Pois geralmente nesses casos a pessoa estuda todos os dias na primeira semana, e já na segunda semana pula um dia porque está muito cansado, e na outra pula dois, e assim vai diminuindo a empolgação e a dedicação junto. Então em breve, se vê frustrado e com um monte de coisa pra estudar que ficaram para trás. Então o correto é marcar dias fixos (não precisa ser todo dia) umas duas ou três vezes por semana para se dedicar em casa e manter o ritmo. Mantenha um ritmo frequente. Dez minutos todos os dias vale mais que um dia inteiro de estudos somente uma vez por semana.

2. Os benefícios de uma memória fraca: muita gente se gaba de ter uma ótima memória fotográfica e de poder gravar vocabulário com facilidade. Mas isso não vale nada se você não pratica e não sabe usar esse vocabulário apropriadamente numa frase. O certo é praticar o vocabulário aprendido. Se não tiver com quem praticar escreva frases ou fale consigo mesmo frases ou diálogos com o que aprendeu. Mesmo a pessoa com ótima facilidade de aprendizado não conseguirá aprender se não colocar em prática o que viu em sala. Se não lembrar de um vocabulário na hora de falar, improvise e use outro no lugar que você se lembre.

3. Ninguém é perfeito: Não fique com medo de falar e errar. Se você não praticar nunca vai falar perfeito. Se você praticar e errar várias vezes, pode ir aprendendo e aprimorando devagar. Até os nativos escorregam principalmente em gramática. Claro que também é importante falar corretamente, mas o primordial deve ser conseguir comunicar o que se pretende.

4. Todo trabalho e nenhuma diversão: algumas pessoas se cobram tanto que acabam ficando estressadas e esquecem de se parabenizar e reconhecer o quanto evoluíram. Sempre olhe para o tanto que aprendeu e se já está conseguindo manter uma conversa em inglês.

5. O objetivo está sempre à frente: todo mundo tem um objetivo quando está aprendendo uma língua. Mas depois acabam se perdendo e esquecendo de manter o foco. Eu, por exemplo, a cada três meses coloco uma meta/objetivo para meus alunos e quando chega o final desses três meses passo se eles alcançaram esse objetivo ou não e coloco outro se conseguiram, e assim vai.

1 Comentário


Falar outro idioma ajuda na saúde e no tratamento de doenças graves

Ess semana estava assistindo “Estúdio i” e vi essa entrevista muito interessante sobre o fato de você falar outro idioma ajudar a proteger dos efeitos de um AVC. A entrevista está no link abaixo.
Isso me fez lembrar de outros estudos que já li sobre o quanto falar um outro idioma ajuda na memória e na habilidade de fazer duas coisas ou mais ao mesmo tempo, conseguir prestar atenção em ambas e também conseguir “suprimir” uma ação enquanto está prestando atenção em outra, depois voltar a esta primeira ação sem se perder e com a mesma atenção que estivesse fazendo somente uma coisa.
Tem o artigo do New York Times, por exemplo, chamado “Por quê bilíngues são mais espertos?” que explica muito sobre as vantagens de falar mais de uma língua tanto para a saúde como para a inteligência, como afirmou acima. Artigo aqui.

vídeo aqui do Estúdio i.

Comente aqui


História do Thanksgiving

Thanksgiving, que é o Dia de Ação de Graças nos EUA, surgiu quando os peregrinos ingleses decidiram vir para os EUA. Tempos depois, no inverno de 1620, quase metade de sua população acabou morrendo. Esses peregrinos tiveram a ajuda de uma tribo local americana/estadunidense que os ensinaram a pescar e caçar. Um ano depois, quando os peregrinos tiveram sua primeira colheita de sucesso, chamaram os nativos para um banquete com eles em comemoração à fartura e dando graças à mesma. Esse foi considerado o primeiro Thanksgiving e eram três dias de festa com comida, caça e dança. Os índios mataram 5 cervos para aquela festa. Perú não era pare dessa data festiva na época. Nem torta de abóbora, nem purê de batatas. Os peregrinos não pensaram em dar sequência anual a esta festa. Na verdade não celebraram mais.
Até que em 1789 o então president George Washington anunciou o primeiro dia Nacional de Thanksgiving, que aconteceu na quinta-feira, 26 de novembro. Mas só no século 19 tornou-se uma celebração nacional.
A escritora americana Sara Josepha Hale recriou a ceia. Em 1827 começou uma campanha mas só em 1857 conseguiu com que fosse nacional. Também publicou receitas de torta de abóbora, peru, entre outras. Esses depois viram os ingredientes principais da famosa ceia.
Em 1863, durante a guerra civil, presidente Abraham Lincoln anunciou que a nação celebraria o dia da Ação de Graças toda última quinta-feira de novembro. Depois, e, 1941, foi mudada para a quarta quinta-feira de novembro, quando é celebrada até hoje.
George Bush ( o pai), em 1989, iniciou uma tradição bem diferente que é o perdão ao perú, que existe até hoje e todo ano o presidente pega um perú e o solta em uma fazenda para o resto da vida, no lugar de mata-lo e levá-lo para uma mesa de jantar.

Abaixo vídeo explicativo em inglês:

Comente aqui


Uso de tradução em inglês no trem Curitiba Morretes

Olá gente. Como também atuo como guia de turismo credenciada, semana passada viajei a semana toda a trabalho para Curitiba e depois Gramado.
Em Curitiba fizemos o passeio de trem Curitiba-Morretes. Eu estava acompanhando um grupo do Senac que estuda o curso de guia de turismo. Ou seja, são futuros guias de turismo.
Eu já havia feito esse passeio antes e havia alguns turistas estrangeiros no mesmo vagão. Mas o que me surpreendeu desta vez foi que o número era bem maior: eram 12 pessoas no vagão que não falavam português. Durante o trajeto, que é muito lindo, há sempre um guia, também credenciado pela EMBRATUR, contando toda a história da ferrovia e as belezas naturais ali encontradas… em português!
Como vi que os estrangeiros passariam o tempo todo ali sem entender nada, perguntei para ele se havia tradução. Ele disse que quando há um vagão só de estrangeiros aí eles contratam um guia para falar em inglês. Mas vi que em outros vagões também era possível ver outros estrangeiros. Creio que estavam espalhados em diferentes vagões e se estivessem todos num só vagão poderiam ter um guia falando em inglês.
Diante do fato que eles teriam que ficar mais de 1h ouvindo instruções em português sem entender nada, me ofereci para fazer a tradução simultânea e o guia aceitou com o maior prazer. A parte mais interessante foi quando o guia falou da ponte construída entre dois túneis, a que quando passamos parece que estamos voando, que teve as peças trazidas da Bélgica de navio e quando traduzi um grupo de quatro pessoas veio todo contente dizer que eram da Bélgica e pedir mais informações a respeito. Também teve um casal de jovens americanos que pediu dicas de restaurantes e depois veio querer me dar gorjeta, pois é prática lá dar gorjeta para tudo. Agradeci mas não aceitei, disse que minha gorjeta é saber que eles gostaram do nosso país e vão falar bem depois. Eles disseram que com certeza estão gostando muito.
Depois disso saí contente por ter ajudado um grupo de pessoas a entender um pouco mais sobre nosso país e nossa história e gostaria de deixar essa sugestão para todos que falam inglês e percebem um estrangeiro precisando de uma ajuda com tradução. Primeiramente é importante perguntar se ele gostaria de tradução ou de ajuda, se ele aceitar, é uma boa maneira de mostrar como nós brasileiros também somos gentis e de dar uma boa impressão do nosso país. Com certeza vai ser bacana para você que vai praticar seu inglês, e para o visitante, que sairá bem informado e contente.

1 Comentário


Por que os Estados Unidos são chamados de Tio Sam?

Dia 4 de julho foi o dia da independência dos Estados Unidos então resolvi fazer um post sobre o apelidoTio Sam.
O apelido surgiu durante a Guerra Anglo-americana em 1812 quando soldados em New York (estado) receberam barris de carne trazidos pelo governo dos EUA com as iniciais U.S. estampadas – que obviamente é a abreviação the “United States” (Estados Unidos). Alguns desses soldados que eram da cidade de Troy viram que esses barris com as iniciais U.S. eram da mesma cidade de onde vieram e então fizeram piada dizendo que as iniciais U.S. significavam que a carne era do “uncle Sam” (Tio Sam), pois sabiam que o comerciante distribuidor dessa carne era Samuel Wilson, de Troy e ele havia sido apelidado assim pelos seus funcionários justamente devido à esta abreviação nos barris (U.S.).
O jornal local ficou sabendo dessa brincadeira que existia ente os soldados e fez uma matéria a respeito.
Em 1816 o Tio Sam foi mencionado num livro de literatura e em 1870 um cartunista político Thomas Nast começou popularizar a imagem deste personagem.

Uncle Sam (Tio Sam)

Uncle Sam (Tio Sam)

Veja abaixo no vídeo explicação em inglês:

Comente aqui


Aonde em New York por uma pechincha

Sim este blog é de dicas de inglês, mas como trabalho também como guia de turismo e minha especialidade é New York, resolvi fazer esse post pra ajudar quem vai pra lá e quer economizar no que puder.
1. Fui a um lugar para um almoço rápido por CINCO dólares e comi dois hot dogs e 1 suco de uva. Tudo por apenas US$5.00. O nome desse lugar é Gray’s Papaya e fica na esquina da Broadway com a 72. Pra quem vai de metrô tem o vermelho 1 que para bem na frente. Inclusive depois de comer lá só ir reto na 72 que em duas ou três quadras já é o prédio aonde John Lennon foi assassinado (edifício Dakota – Yoko Ono ainda tem apartamento lá) e a entrada para o Central Park e o memorial de John Lennon. Sobre o Gray’s Papaya, apesar de ser uma dica do chef novaiorquino Anthony Bourdain, o lugar não é nem um pouco chique e também não tem mesas para sentar. Tem que comer em pé no balcão. Sem frescura! Era um pouco mais barato, mas devido aos impostos recentes as coisas aumentaram de valor. Abaixo placa da entrada:

GRAYS PAPAYAS

GRAYS PAPAYAS


TRADUÇÃO: “ASSASSINATO! Estamos sendo assassinados pelo aumento galopante de custos. Nós brigamos por uma boa luta mas somos forçados a aumentar nossos preços novamente. Sentimos muito por fazer isso. Por favor não nos odeie.”

2. Pizza! Em tudo quanto é lugar tem pizza boa e a um preço justo. Encontra-se pizza até por dois pedaços por $5.00 a duas quadras da Times Square (entre a 7 ave e 47 ou 48 st).

3. Comida fresca e saudável no mercado! Dá pra comprar em qualquer mercado um bowl de salada por 10 dólares e é uma refeição! Além das frutas também já cortadinhas.

4. Souvenir!!!!! Na Times Square há várias lojas de souvenir. Mas SEM DÚVIDAS a mais barata fica bem na frente da escada vermelha da Times Square. Se não me engano se chama Grand Slam. É uma bem grandona cujos donos são indianos. Lá tem bastante caneta bem bonita, chaveiro e outras coisas por um dólar.

Comente aqui