Mês: julho 2014



ILB tem inscrições abertas para 21 cursos a distância, todos gratuitos

O ILB (Instituto Legislativo Brasileiro) está com inscrições abertas para os cursos de EAD (educação a distância) sem tutoria – que podem ser feitos por qualquer cidadão, gratuitamente. No primeiro semestre deste ano, esses cursos oferecidos pelo ILB alcançaram a marca de 100 mil matrículas.

Nos últimos dias, segundo a Agência Senado, o ILB chegou a superar o patamar de mil matrículas diárias. Na modalidade sem tutoria, são 21 cursos, que englobam diferentes áreas de interesse. Os cursos disponíveis são:

* Cerimonial no Ambiente Legislativo
* Conhecendo o Novo Acordo Ortográfico
* Desenvolvimento de Equipes
* Direito Administrativo para Gerentes no Setor Público
* Doutrinas Políticas Contemporâneas: Liberalismo
* Doutrinas Políticas Contemporâneas: Novas Esquerdas
* Doutrinas Políticas Contemporâneas: Social-Democracia
* Doutrinas Políticas Contemporâneas: Socialismo
* Ética e Administração Pública
* Excelência no Atendimento
* Fundamentos da Integração Regional: O Mercosul
* Gestão Estratégica com foco na Administração Pública
* Introdução ao Direito Constitucional
* Introdução ao Direito do Consumidor (parceria entre o ILB e a ANATEL)
* Introdução ao Orçamento Público
* Lei de Acesso à Informação (parceria Senado/UFMG)
* Modalidades, Tipos e Fases da Licitação
* O Poder Legislativo
* Ouvidoria no Ambiente Legislativo Municipal
* Processo Legislativo Federal
* Relações Internacionais: Teoria e História

Clique aqui para saber mais e fazer sua inscrição.

ILB. Foto: Agência Senado

Comente aqui


300 km de asfalto é muita coisa

Infografia do jornal Notícias do Dia revela, de forma bem didática, a dimensão da promessa de campanha do Prefeito de Joinville. Udo Döhler (PMDB) prometeu 300 km de pavimentação e, no primeiro um ano e meio de seu governo, fez menos de 3km. Udo assumiu a Prefeitura, há de se ressaltar, com uma dívida milionária deixada pela administração anterior.

Nos 29 meses que restam do mandato, haja asfalto (e recursos) para cumprir a meta. Leia a matéria que acompanha o infográfico aqui.

Info pavimentação por fazer

Comente aqui


Udo estará no palanque de Colombo e de Mariani

Nesta quarta (16), o ND traz entrevista exclusiva com o prefeito de Joinville, Udo Döhler (PMDB). Entre outros assuntos, ele fala da campanha eleitoral e diz que subirá no palanque do governador Raimundo Colombo (PSD) e que também apoiará a reeleição do deputado federal Mauro Mariani (PMDB) que, na verdade, queria mesmo era ter se lançado a governador.

Para deputado estadual, porém, Udo não apoiará abertamente ninguém. Óbvio. Se escolhesse alguém de seu partido, por exemplo, poderia ficar mal com lideranças de outras legendas que lhe garantem governabilidade na Câmara de Vereadores.

Clique aqui para ler a entrevista concedida por Udo Döhler à repórter Daiana Constantino. A foto é de Rogério Souza Jr., do Notícias do Dia.

Comente aqui


Patrimônio dos candidatos de Joinville cresce 36%

Dos políticos de Joinville com cargo eletivo 15 disputam as eleições este ano. Considerando esses candidatos, o patrimônio declarado cresceu 36%, chegando a R$ 9,8 milhões. Na matéria do Notícias do Dia, publicada nesta fim de semana, fato curioso é que os vereadores da maior cidade de Santa Catarina “empobreceram”. Dos oito vereadores que disputam cadeiras para deputado, sete perderam patrimônio nos últimos dois anos.

Abaixo, infografia do ND, assinada pelo competente colega de redação Robson Brüning, de aniversário nesta segunda (14).

Info_bens políticos_1

.

Info_bens políticos_2

Comente aqui
 

Mineiraço foi bem pior que o Maracanaço

Nos cem anos de história da Seleção Brasileira de futebol, sofremos nossa pior e mais humilhante derrota. Com um estilo de jogar sempre dependente de craque (nesta Copa, a dependência era de Neymar), a segunda geração da Família Scolari vai carregar um fardo que não será esquecido neste século (e talvez nem no próximo).

Foi um “Mineiraço”, bem mais trágico que o “Maracanaço”. Em 1950, na derrota diante do Uruguai, sequer éramos campeões. A história há de contar que, desta vez, o drama foi bem maior. Os milionários jogadores que nos representaram em campo, ao menos naquele momento de “apagão” assistido pelo mundo todo, esqueceram-se do significado das cinco estrelas de nosso escudo.

Uma seleção pentacampeã mundial – mesmo desfalcada de seu único craque, mesmo contando com um centroavante “cone” e um atacante com mais bunda que pontaria, mesmo sem grandes talentos no banco de reserva – não tem o direito de perder dessa maneira.

 

Mineiraço

Jogadores do Brasil após a derrota para a Alemanha. (Foto Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

 

Contudo, como diz o ditado, nada é tão ruim que não possa piorar. Quando perdemos de 3 a 0 para a França, na final da Copa de 98, quem imaginaria que, 16 anos mais tarde, jogando em casa, ficaríamos de fora da final ao perder de 7 a 1 para a Alemanha? Desta vez, nem o alemão mais otimista apostaria nesse resultado.

Nesta Copa, ainda pode ficar pior. Imagina nova derrota por goleada, agora para a Argentina, na disputa pelo terceiro lugar? E mais: pensa só se a Argentina chegar à final e vencer a Alemanha jogando bonito e com gol de bicicleta de Messi? Na “Copa das copas” tudo é possível… menos acertar todos os resultados do bolão. E se tudo é possível, dos males o menor: que vença a Holanda.

4 Comentários


Gasto com subsídios de prefeito, vice e vereadores em Joinville pode passar de R$ 3 milhões este ano

Com reposição inflacionária de 5,82% sobre os rendimentos mensais do prefeito, do vice-prefeito e dos 19 vereadores de Joinville, o custo com os subsídios, este ano, deve chegar a R$ 3,02 milhões. A atualização dos valores pagos aos políticos joinvilenses – com cargo eletivo nos poderes Executivo e Legislativo – está prevista em dois projetos de lei em trâmite na Câmara de Vereadores.

Confira a matéria completa no Notícias do Dia.

Os projetos preveem a reposição da inflação a contar de 1º de maio. Para entrarem em vigor, o reajuste precisa ser aprovado pelos vereadores – que não são obrigados a fazê-lo. Ao contrário dos salários, que têm de ter ao menos a inflação reposta, essa obrigatoriedade não ocorre no caso dos subsídios.

No ano passado, os vereadores abriram mão do reajuste. Se a mesma atitude fosse repetida pelos edis, este ano, os 5,82% que deixariam de incidir sobre os subsídios deles acarretariam em economia de quase 98 mil ao fim o ano.

Infografia do ND mostra os gastos com subsídios em Joinville.

Info - reajuste salários Câmara

Segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura, o prefeito Udo Döhler (PMDB) continua doando seu salário para entidades da cidade, conforme promessa feita em campanha eleitoral.

Comente aqui