Mês: dezembro 2012



Se para fazer o mundo Deus precisou de 7 dias, como o homem iria destruir em um dia.

Se para fazer o mundo Deus precisou de 7 dias, como o homem iria destruir em um dia.

Para acabar, precisa começar pelo menos 7 dias antes e descansar no último…

Mas fiquem tranquilos, o começo já se deu há muito tempo com a cultura extrativista, poluição, violência, intolerância, incompreensão, cultura do status social, exploração, medo…

Quando vai acabar ninguém sabe, mas está em tempo de preservar. Nas verdade eu sei!

Será cem anos pra frente, dia 21/12/2112 porque no momento, os alinhamentos dos números ainda não se deram integralmente.

Bom pelo menos temos 100 anos para tentar não destruir tudo.

Política
5 Comentários


Estréia na categoria 50 Km

Hoje eu fiz meu primeiro pedal com distância de 50 km. Para os ciclistas é um passeio considerado de entrada, pois eles chegam a pedalar muito mais que isto, muitos do grupo Bicicultura Maringá e Pedala Maringá já pedalaram mais de 1000 km fazendo cicloturismo e outros 600km no Audax.  Para mim, 50 é um bom começo.

Comente aqui


Já que o mundo não vai acabar, assista uma chuva de meteóros.

Segundo o Clube de Astronomia Edmond Halley, na noite de hoje (13/12 após as 23:00) teremos o pico da chuva de meteoros Geminídeos.

Muito se ouve falar sobre as chuvas de meteoros ao longo do ano, mas quase todas as melhores chuvas são vistas em horários considerados crueis para aqueles que estão começando na Astronomia observacional ou quer ter um primeiro contato com esse tipode fenômeno.

Não é necessário ter um telescópio para observar o fenômeno, apenas aconselhamos que deite no chão, com os pés na direção norte, e observem, pois os meteoros devem cortar o céu desde as “3 marias”, na constelação de Órion, até o Cruzeiro do Sul.

Esses meteoros, conhecidos popularmente como “estrelas cadentes”, que na verdade são fragmentos de cometas e asteróides que penetram na atmosfera terrestre a altíssima velocidade, nesse caso específico são fragmentos oriundos do asteróide 3200 Phaethon, descoberto pela NASA em 1.983.

Em sua grande maioria, o tamanho destas “pedrinhas” varia de alguns milímetros e alguns centímetros, e são restos de um caminho de poeira deixado por esse asteróide em órbita do sol.

Aproveitem essa oportunidade, já que será lua nova, aquela que nem aparece para nós, então se o céu estiver limpo, será a noite perfeita para ver meteoros.

Astronomia
Comente aqui


O fim do mundo está chegando? Uma visão astronômica.

Escrito por Clube de Astronomia Edmond Halley.

Catástrofes, extinções, Armagedon, asteróides cruzando os céus, ameaças nucleares, pessoas correndo, marcianos destruindo tudo.

Tudo isso parece roteiro de filme hollywoodiano, daqueles com temas apocalípticos. E é! É também a imagem que muitos têm do fim do mundo, do momento que antecede o caos e o colapso de nossa sociedade.

Fomos educados assim. Vivemos em uma sociedade pautada em um livro religioso que termina com o caos total, onde praticamente todos serão punidos  e tudo que foi conquistado pelo homem será desfeito. Inconscientemente carregamos em nossa memória estórias e imaginações desse momento final e por isso a sociedade tem tanto fascínio por tal tema, alimentando sempre a necessidade de se precaver, a ansiedade por esse momento, e os mais profundos pesadelos e tormentos mentais sobre o fim do mundo.

Todo esse sentimento de cisma social pelo apocalipse deixa de ser  inofensivo no momento que boatos e lendas são expostas a um número cada vez maior de pessoas, muitas delas mal informadas e sem alfabetização científica, e que tomam isso como verdade, sem nunca checar as fontes. Nesse momento os devaneios individuais se tornam ameaças ao conhecimento e ao bom senso, pois pessoas influenciam pessoas, e toda influência tem peso, seja boa ou ruim.

Sempre tivemos estórias de catástrofes, apocalipses e todo tipo de aberração que se possa imaginar contra a raça humana. Porém, nos últimos anos, até porque temos um acesso muito maior a informação que gerações passadas, a quantidade de “besteiras” que surgem sobre o tema é cada vez maior. Temos há alguns anos uma lenda que diz que Marte ficará do tamanho da Lua e todo ano ela retorna enganando muitos desavisados.  Ano passado era o planeta Nibiru, esse ano é o tal calendário Maia, agora no final do ano são três naves no padrão do Império (Star Wars), que estão vindo para destruir a Terra. Para cada cometa que surge aparecem uma enxurrada de invencionices e teorias absurdas de que aquele pálido pedaço de gelo sujo possa ser o nosso fim e assim caminham as teorias da conspiração e as profecias furadas.

Cabe a todos que gostam e tem um mínimo de acesso a ciência, combater e desmistificar tais teorias, informando e incentivando as pessoas a procurar fontes, verificar a veracidade de tais informações  e questionar antes de divulgar ou temer pelo pior.

A pseudociência se confunde muito facilmente com a ciência séria e na maioria das vezes seus resultados são mais mirabolantes que o da ciência verdadeira, tornando-se mais chamativo para o leigo. Basta ver o tamanho do espaço que a astrologia tem em jornais e revistas, o interesse que os programas sensacionalistas de TV têm pela ufologia, o tanto de curandeiros que ainda existem no mundo e o tanto de gente que busca solução em tratamentos alternativos, pessoas vendendo geradores infinitos de energia e por aí vai.

Porém a pseudociência deixa furos.  E essa ferramenta tem e deve ser usada para que as pessoas questionem informações e não se iludam com notícias insensatas que fazem mal para o conhecimento. É normal ver pseudocientistas e pseudo-estudiosos amparando seus “trabalhos” em nome de cientistas sérios, conturbando dados e estudos de anos, insistindo em atribuir tais informações a agências de pesquisas renomadas. É comum ver o nome da NASA, CERN, ESA, e até mesmo o site Wikileaks, hoje na moda por vazar informações ditas como confidenciais.

É muito importante, antes de crer, divulgar ou viver qualquer informação, que se busque sua fonte, se realmente existem nos sites de tais agências essa informação, se aquele famoso cientista realmente disse aquela informação  e principalmente, se existe lógica no que está lendo.

Astronomia
Comente aqui


Prefeitura veta UEM

Dia 10/12/2012, as 8:30 hs, segunda-feira pela manhã, bem no final do ano, no Plenário da Câmara Municipal, vai ocorrer uma uma “conferência pública” para propor alterações nas diretrizes viárias da cidade, em outras palavras atualizar o Plano Diretor de Maringá.

Entre os assuntos a serem discutidos estão:

  • a “transposição do campus da UEM” por meio de avenidas e/ou túnel;
  • a construção do Centro Cívico de Maringá e;
  • a criação da Zona Especial 23.

O último projeto abrange a área do antigo aeroporto, zona leste, e já tem até nome, será chamado de Eurogarden.

O regimento da Conferência prevê a inscrição de 125 vagas para membros do “setor público” e 125 para a “sociedade civil”.

Nos últimos dias a comoção entre a população cresceu, em especial entre os membros da UEM que se sentem desrespeitados com a proposta de transposição. Assim ouve uma mobilização que envolveu todos os membros dessa comunidade e, o Reitor, nomeou os representantes dos diversos setores que fizeram inscrição como “entidade pública”.

Aparentemente, devido ao volume de inscrições, a prefeitura de Maringá vetou a inscrição dos participantes da UEM no segmento Poder Público e direcionou as inscrições destes representantes para “sociedade civil” no segmento “entidades profissionais, acadêmicas, de pesquisa e conselhos profissionais” que terá somente 17,5 vagas.

Membros do Observatório das Metrópoles, entraram com recurso para garantir o que o regimento da conferência define e, enquanto se mantém a fase recursal, tentou ainda inscrever seus membros dentro do grupo “Poder Público”, mas a prefeitura fechou o site onde eram feitas as inscrições. Agora as mesmas só poderão ser feitas na hora.

Entenda mais:

O Plano Diretor está definido no Estatuto das Cidades como instrumento básico para orientar a política de desenvolvimento e de ordenamento da expansão urbana do município.

A Lei Federal 10.257/2001 mais conhecida como Estatuto das Cidades é a regulamentação dos artigos 182 e 183 da constituição federal e estabelece parâmetros e diretrizes da política e gestão urbana no Brasil. Esta lei garante a participação da população na elaboração do Plano Diretor das Cidades que deve corresponder a realidade e expectativas quanto ao futuro. Todos os cidadãos podem e devem participar. O processo de elaboração do plano diretor deve ser conduzido pelo poder executivo, articulado com o poder legislativo e sociedade civil.

Sem Categoria
Comente aqui
 

Bom senso na conferência de segunda-feira.

Sobre a Conferência Municipal a respeito da Legislação Urbana referente ao trânsito e outras leis.

A UEM é novamente alvo de propostas indecorosas para criar a transposição viária.

Como muitos colegas da UEM, eu sou favorável ao uso do espaço universitário comunitariamente, sem trancamento dos portões, mas temos visto e vivido, diariamente, muito abuso e desrespeito dos motoristas dentro do ambiente universitário. O risco que este comportamento mal educado e agressivo traz é muito alto.

Aqui a maioria das pessoas transitam a pé de um bloco para o outro, nem daria pra se locomover de carro e o pedestre, como em qualquer lugar do mundo tem a preferência de locomoção.

Temos vivido a falta de respeito dos motoristas e também a falta de segurança internamente, pois todos os portões estão abertos, o que facilita a entrada e saída de seres indesejados como ladrões e estupradores.

Por estes motivos, outros colegas preferem que o uso das ruas da UEM seja exclusivo para os alunos, funcionários e professores, com fechamento dos portões para a comunidade.

Bom, enfim, por um lado a UEM é um território Estadual não Municipal, impossível portanto, do poder público local interferir na sua soberania. Soberano aqui é o Conselho Superior, chamado COU, conhecido como o Senado da UEM.

Por outro lado, Maringá possui quase trinta pontos de interrupção de trânsito, eles já estavam ai muito antes do volume de carros crescer.

Vamos ver alguns exemplos: Colégios, Cesumar, Catedral, Prefeitura, Parques, Cocamar, Shoping Centers, Aeroporto… enfim tudo que é maior que uma quadra interrompe o fluxo normal do trânsito.

E então, vamos cortar todos eles? Não, vamos lutar pelo planejamento do crescimento e pela execução consciente.

Vamos participar da conferência e votar conscientemente pelo bem da nossa cidade. Apesar do site estar fora do ar hoje, acredito que ainda seja possível participar.

 

 QUEM SE LOCOMOVE DE UM LADO PARA O OUTRO SÃO PESSOAS NÃO CARROS.

Trânsito
1 Comentário
 

Aluno do Colégio de Aplicação da UEM vai participar de Competição Internacional

Aluno do CAP da UEM é selecionado para o Peci 2013

Eduardo Celso Viscovini, aluno do 8º ano do Colégio de Aplicação Pedagógica da UEM, foi selecionado para o Peci 2013 (Preparação Especial para Competições Internacionais), que é um programa da OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas) destinado a preparar um grupo seleto de medalhistas de ouro da OBMEP para as competições internacionais. Em todo o Brasil, foram escolhidos 12 alunos para participar dos encontros presenciais, que serão realizados em Brasília no próximo ano. Viscovini foi o único estudante do Paraná a integrar o seleto grupo.

Os alunos selecionados pela OBMEP participam de encontros mensais presenciais e são orientados ao longo do mês no fórum. Os encontros ocorrem com aulas de sexta a domingo. Além disso, estão previstos quatro grandes encontros em 2013. Um encontro consiste de palestras, aulas de Álgebra, Combinatória, Geometria, Teoria dos Números e sessões de resoluções de problemas. Haverá ainda tempo para diversão com jogos, filmes, futebol e outras atividades livres. O programa é voltado a alunos de escolas públicas premiados na OBMEP e que participam do Programa de Iniciação Científica. Outros 30 alunos foram escolhidos para participar das atividades virtuais.

Fonte: em 04 de dezembro de 2012 pela UEM

Educação
Comente aqui


Obras de Marcelo Monteiro na uem

A UEM tem investido na cultura dentro do campus instalando estátuas feitas em madeira maciça.

Já somamos quatro obras do artista Marcelo Monteiro

Uma delas foi feita em um tronco de árvore que morreu no Câmpus, entalhada pelo artista no próprio local, mas a maioria é feita em tronco de eucalipto de reflorestamento.

O Contemplador, O Imigrante, A Leitora, (…)

A quarta obra desta sequência tem a reticência como título, induzindo os visitantes a pensarem sobre o seu significado, repare que a imagem usa uma máscara e uma mordaça.

Monteiro explica: “Com esses dois sentidos prejudicados a relação social do homem se torna muito vulnerável. Não que os outros não sejam importantes, todos são imprescindíveis más, esses dois tem muita importância no papel das manifestações e expressões criticas. E nesse caso eu considerei a simbologia da obra.”

Arte
2 Comentários