Mês: outubro 2013



Governo do Piauí entrega bicicletas para estudantes da rede pública

pedala_piaui_ciclovivo_governoComo solução para vencer as distâncias que separam os alunos das escolas, o governo do Piauí desenvolveu um programa que entrega bicicletas que ajudam no deslocamento de crianças e jovens até às aulas. Na última quinta-feira, as bikes chegaram aos alunos das Unidades Escolares Manoel Ribeiro e Monsenhor Lopes, localizadas no município de Ipiranga.

Foram 70 alunos da rede estadual de ensino que receberam as bicicletas para facilitar o acesso às aulas, por meio do programa Pedala Piauí. Ao todo, o governo piauiense, por meio da Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seduc), deverá entregar 70 mil bicicletas aos alunos que moram a uma distância de até quatro quilômetros da escola mais próxima.

Iolanda Rêgo, superintendente da Seduc, falou sobre a importância do programa de mobilidade para o acesso à educação. “Essas bicicletas vão ajudar a facilitar e garantir que os nossos estudantes tenham acesso ao ensino. Iniciativas como esta diminuem a evasão e elevam o rendimento escolar”, destacou Iolanda.

Os estudantes, suas famílias e os professores estão entusiasmados com a entrega das bikes, e conseguem definir os ganhos que o meio de transporte traz para os alunos, principalmente os que estão relacionados à saúde e ao bem-estar.

Os idealizadores do programa pediram para que os assistidos conservem as bicicletas, para que a ida e volta de casa para a escola seja sempre segura. No ato da entrega dos veículos, os pais e os responsáveis pelos alunos assinaram um termo de compromisso, no qual afirmam acompanhar e prezar pela boa utilização das bicicletas.

Fonte: CicloVivo

Comente aqui


Primeiro teste de carro autônomo em vias públicas da América Latina será na próxima terça em São Carlos

Pesquisadores do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Sistemas Embarcados Críticos (INCT-SEC) realizarão o primeiro teste em vias públicas do projeto Carro Robótico Inteligente para Navegação Autônoma (CARINA) no próximo dia 22 a partir das 9 horas, próximo ao SESC. O teste será o primeiro autorizado a ser feito na América Latina e os interessados poderão acompanhar o trajeto a ser percorrido pelo veículo.

???????????????????????????????O carro possui sistemas que permitem sua locomoção automática, sem a necessidade de um motorista, composto por sistemas de percepção como sensor laser, câmeras e GPS, sistema de atuação, como os motores e circuitos eletrônicos e programas que fazem o controle de comando. Possui também o sistema de processamento, composto por dois computadores que recebem as informações da percepção e tem as decisões de acelerar, frear ou virar o volante.  Juntos esses mecanismos fazem o veículo navegar de forma segura e eficiente.

Desta forma, o projeto tem o objetivo de contribuir para a segurança no trânsito, podendo evitar acidentes e colaborar com idosos e pessoas que tenham deficiência física além de contribuir para a automatização agrícola e no transporte de carga.

A demonstração do carro autônomo faz parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) que ocorre pelo país de 21 a 27 de outubro. Em São Carlos o evento ocorrerá pela Prefeitura Municipal por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia / Coordenadoria do Meio Ambiente (SMDSCT / CMA) de 21 a 26 de outubro com apresentação de palestras, feira de ciências e debate sobre a produção científica na cidade.

De acordo com coordenador do projeto, Prof. Denis Wolf, “o teste nas ruas de uma cidade é a etapa final de validação de todo um trabalho árduo que vem sendo desenvolvido. Os experimentos realizados seguem um protocolo para garantir a segurança. Assim, o apoio da Prefeitura Municipal é fundamental para a o avanço da pesquisa local e nacional que é recente na área”.

O projeto é desenvolvido pelo INCT-SEC através do Laboratório de Robótica Móvel (LRM) do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) com a colaboração do Laboratório de Sistemas Inteligentes (LASI) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) e o Laboratório de Sistemas Embarcados Críticos (LSEC) do ICMC, todos da USP em São Carlos. Recebe o financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Produção científica e tecnológica de veículos autônomos

As pesquisas na área são desenvolvidas há mais de 20 anos no exterior, com aportes de verba governamental e da indústria automotiva. Países como os EUA, França, Japão e Alemanha investem, atualmente, na tecnologia para que em alguns anos, aproximadamente de 10 a 15 anos, o número de acidentes rodoviários diminua e o fluxo de trânsito seja mais eficiente.

O desenvolvimento da tecnologia teve início no Brasil a partir de 2007 com poucos grupos de pesquisas do país. A partir de outubro de 2010, os pesquisadores do INCT-SEC/ICMC-USP iniciaram os estudos com o carro elétrico chamado CARINA I.

Os estudos passaram a ser produzidos em um carro convencional em julho de 2011, sendo denominado CARINA II, o que possibilitou a realização de testes experimentais em situações de trânsito urbano e em maior velocidade, permitindo o avanço na pesquisa.

Já em abril de 2012 os primeiros testes de controle computacional foram feitos e em setembro do mesmo ano o veículo foi testado nas ruas do campus 2 da USP, com controle 100% autônomo. Com isso, a pesquisa passou a ser aprimorada para que o veículo possa operar em ambientes e situações mais complexos.

A pesquisa na área de veículos autônomos inteligentes é multidisciplinar e envolve conhecimentos de inteligência artificial, visão computacional, processamento de sinais, fusão de sensores, sistemas distribuídos e sistemas embarcados.

Para que a autonomia funcione é necessário que os algoritmos desenvolvidos sejam rápidos o suficiente afim do computador tomar decisões corretas em um curto intervalo de tempo. “Caso uma criança atravesse na frente do carro atrás de uma bola, por exemplo, o mesmo deve observar isso através das câmeras e sensores, identificar a situação de risco elevado, decidir qual ação deve ser feita e enviar os comandos corretos para acionar o freio ou o volante em menos de um segundo”, explica o pesquisador.

Wolf afirma ainda que o desenvolvimento de sistemas complexos e críticos é um desafio para a pesquisa em diversas áreas. “O fato dos veículos operarem em ambientes urbanos faz com que a responsabilidade dos cientistas envolvidos aumente pois, por um pequeno erro do carro, é possível causar acidentes gravíssimos”.

A verificação do estudo começa com o teste dos programas de computador, que são o cérebro do veículo, feito em simuladores, permitindo o desenvolvimento rápido e seguro do software. A etapa seguinte é a realização de testes em campo aberto onde todos os elementos de hardware são integrados, porém, com uma grande margem para erros sem que haja risco de acidentes.

O veículo passa a estar preparado para andar nas ruas após a capacitação dos sistemas desenvolvidos, sendo esta uma etapa crítica. Os experimentos desse tipo são realizados, geralmente, nos campi das universidades, em áreas e horários de pouco trânsito. O teste nas ruas de uma cidade é a etapa final de validação da pesquisa.

Atualmente, o protótipo em produção é capaz de percorrer ruas e avenidas mantendo uma distância segura de outros veículos e de identificar os semáforos em seu caminho, respeitando os sinais vermelhos e avançando nos verdes. “Durante os testes nas ruas da cidade, a guarda de trânsito manterá outros veículos afastados do CARINA para garantir a segurança desses casos”, explica o pesquisador.

A velocidade do veículo de testes é limitada a 40km/h e há sempre um motorista dentro do carro preparado para frear ou assumir o controle caso haja problema nos sistemas computacionais.

Para saber mais sobre o projeto CARINA acesse aqui.

Serviço
Evento: Demonstração à população do projeto CARINA em via pública
Data: 22 de outubro
Horário: 9 horas
Local: Avenida Comendador Alfredo Maffei (próxima ao SESC)
Mais informações
[email protected]
Foto: Flávia Cayres

Reproduzido do INCT SEC

Comente aqui


Pintor deficiente autodidata expõe seus quadros na Câmara Municipal

A Câmara Municipal de Maringá abre espaço para nova exposição no hall do prédio. Desta vez, 19 telas do autodidata Marcio Nalon, 34 anos, foram instaladas segunda-feira (30) e poderão ser apreciadas por duas semanas.

São pinturas feitas à base de óleo e acrílico, inspiradas no dia-a-dia do artista que, há 14 anos, é tetraplégico. “A arte é tudo para mim. Ela preenche meu tempo, ajuda a esquecer as dificuldades e amadurecer”, disse o ex-auxiliar de lavanderia que mantém o pincel amarrado a um braço para executar seu trabalho.

Segundo Nalon, esta não é a primeira exposição da qual participa e o principal objetivo é servir de exemplo para outras pessoas. “Comecei a pintar porque queria fazer algo na vida e aprendi muito desde então. Não me vejo como deficiente e espero que o incentivo encontrado em Deus ajude muita gente”, concluiu o pintor que vive em Sarandi.

Fonte: Assessoria da Câmara Municipal de Maringá

Arte
Comente aqui