UNIVERSIDADES: Públicas ou Privadas?

 

Para debater sobre Universidades, sinto que é necessário esclarecer o conceito universal de FACULDADE, CES e UNIVERSIDADE.

Comece pensando porque quase não temos universidades privadas, mas temos milhares de faculdades? E sobre os CES… você sabe o que significa? Pense, leia e pense mais um pouco.

Em uma faculdade, é ensinado um determinado curso específico, ou até mais de um, porém de área semelhante (correlatas como os acadêmicos gostam de falar), por exemplo, o nome Faculdade de Filosofia já nos dá a dica do que é estudado ali. Cursos de graduação de filosofia e áreas semelhantes.

E sim, somente cursos de graduação, pois a faculdade que é uma instituição essencialmente de ensino é limitada ao nível de graduação e, por melhor que seja, por melhor nível de ensino que consiga atingir, será sempre uma faculdade, não uma universidade.

Entenda bem, pós graduação é tudo que se ensina “após” a graduação, especialização por exemplo. Mas mestrado e doutorado estão claramente em um nível maior que a especialização, pois ambas tem pesquisa envolvida no processo. Sem resultados formais desenvolvidos em pesquisa, o aluno não se torna mestre ou doutor. Formalmente essas pós-graduações são chamadas de LATU-SENSU (especialização) e SCTRICU-SENSU (mestrado e doutorado). Os órgãos brasileiros como a CAPES e o CNPq não consideram” especialista” como um título, mas ”Mestre” e ”Doutor” sim.

A sequência de estudos no nosso País é a seguinte: Ensino Fundamental; Ensino Básico; Ensino Médio e Ensino Superior, que se divide em Graduação; Especialização; Mestrado; Doutorado e Pós-Doutorado que também não é título.

Uma faculdade portanto, se limita ao ensino, não faz pesquisa e, portanto, não pode ensinar Strictu Sensu.

Um CES, Centro de Ensino Superior, tem parte do caminho andado para se transformar em uma universidade, pois é reconhecidamente uma faculdade que cresceu em número e nível de cursos, ou seja, de graduação e pós-graduação. Lembrando que para ter mestrado e doutorado tem que ter, obrigatoriamente, pesquisa. Também inclui em suas atividades as de “extensão”, por exemplo: advocacia gratuita, exames de sangue e outros, enfim serviços extras nos quais os alunos podem aprender algo mais além da sala de aula.

A Universidade reúne os dois anteriores, faculdade e CES, recebendo esses nomes ou outros como departamentos. Por exemplo as Universidades públicas do Paraná tem Centros e Departamentos de ensino, pesquisa e extensão. Ensina graduação e pós-graduação latu e strictu sensu. Essa formação completa lhe concede o título de Universidade.

Uma universidade é uma instituição de ensino superior formada por várias faculdades (ou centros e departamentos) e que possuem vários graus acadêmicos. Além disso, desenvolve ensino, pesquisa e extensão aplicando os resultados nos cursos de mestrado e doutorado. Esses resultados “devem” ser publicados em outras instituições renomadas, por meio de livros, artigos em congressos, revistas cientificas, patentes e outras formas.

Percebo que muitos não entendem bem esses conceitos e comparam uma faculdade, que foca seus esforços no ensino, sem se preocupar como novos conhecimentos, com uma universidade que além de grande, distribui sua verba para três áreas de atuação (ensino, pesquisa e extensão).

Sem as atividades realizadas nas Universidades, as Faculdades não teriam novidades para ensinar. Sinto que se só houvessem faculdades, os advogados, chamados erroneamente de doutores, estariam ainda aprendendo a lei de Newton (desculpem, é apenas uma brincadeira, não me processem). Lembre-se doutores, esse é um título concedido pelo Governo para quem tem o curso de Doutorado.

A medicina por exemplo, apesar de exigir em torno de 10 anos de dedicação, não outorga o título de doutor aos seus alunos. Esse só vem após o mestrado e doutorado, mas em alguns países pode-se cursar o doutorado sem o mestrado.

Dentista então era qualquer um que se arriscasse a extrair um dente com alicate, acabando assim com a dor. Por isto eram chamados de Tiradentes. Ao longo do tempo, com a evolução do ensino, se tornaram dentistas e também foram chamados de doutores. E assim também ocorreu com os engenheiros e acho que outros.

Historicamente o costume de chamar estudados de doutores vem da época do império, quando os patrões obrigavam seus escravos a tratar os filhos que voltavam de um curso de graduação, geralmente no exterior. Até hoje alguns profissionais se auto atribuem esse título e o povo aceita e até gosta.

Sem o progresso não teríamos cursos de odontologia, mas também não teríamos cursos de engenharia, computação e tantos outros mais modernos. Todos os mais antigos atribuíam popularmente o pré nome de doutor ao formado e assim ficou.

Porém, é a pesquisa que gera novos conhecimentos para ser ensinado. O ensino em faculdade, CES ou universidade se origina do conhecimento criado pelas pesquisas desenvolvidas nas Universidades. Sem a evolução da pesquisa estaríamos estudando como extrair dentes e não como preservá-los com tratamentos modernos e preventivos.

Sem a pesquisa não teríamos a Fosfoetanolamina, descoberta por pesquisadores brasileiros, mas bloqueada no Brasil por puro interesse econômico “privado”. Saibam que este exemplo é o mais recente resultado de pesquisa em Universidade Pública, pois culturalmente as privadas não tem esse mesmo investimento.

Finalizando, afirmo que:

  • Novos conhecimentos vem da pesquisa;
  • O ensino só é feito com conhecimento;
  • A pesquisa é feita em “Universidades” basicamente por meio do mestrado e doutorado.

Privatizar não vai mudar isto, vai sim diminuir a pesquisa (que é cara) e os empresários em geral, tem interesse em ganhar dinheiro dos alunos.

Na minha opinião, privatização no Brasil significa o fim das pesquisas.

Educação

Um comentário sobre “UNIVERSIDADES: Públicas ou Privadas?

  1. zildazene 13 de março de 2018 18:36

    Muito bom! A privatização acabariam com as Pesquisas!

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.