Autor: Carlos Sica



O mérito aos certos!

Você é mais um que ao virar pedestre comete tantos erros como quando está na direção com a desculpa: o outros que se fodam; é só um minutinho?

Seja sincero consigo mesmo!

Caminhar nas ciclovias de Maringá se tornou mais um péssimo hábito do já famoso mal educado maringaense.

  • Enquanto pedestre, posso fazer o que quiser e onde eu quiser, afinal sou um ser humano e posso tudo.
  • Enquanto motorista, os pequenos que saiam da minha frente, pois estou dirigindo um carro e tenho prioridade!

Pois é meu caro, esse comportamento está estragando a sociedade maringaense a cada dia, sociedade tal, que há algum tempo desenvolve a política do que se (já falei), e está ficando craque nisso.

Saiba que por traz de cada ciclovia construída, existe um incansável movimento dos ciclistas, buscando a sobrevivência, afinal ele é ser humano.

Mais que ciclistas, a ciclovia por dar segurança para Skatistas, Patinadores, Cadeirantes e demais rodas não motorizadas ou com pequenos motores.

  • Quando dirige não suporta ver uma bicicleta rua;
  • Quando pedestre invade o espaço do ciclista dizendo: o espaço aqui pode ser compartilhado.

Se você é um desses que exige seus direitos, mas cerceio o dos outros, pense um pouco nisto e melhore seus conceitos. Mais que isto: PRATIQUE!

PS: Clique e leia os parágrafos iniciais do artigo anterior sobre propaganda enganosa.

Seja você a mudança que deseja na sociedade. (Parafraseando GANDHI).

Sociedade
Comente aqui


Mais e mais propaganda enganosa, quem é você?

Médico erra e reclama de políticos;

Estaciona errado e reclama de políticos;

Empresário engana e reclama de políticos;

Mata o serviço com atestado falso e reclama de políticos;

Caminha na ciclovia e reclama de políticos;

Toma refrigerante e reclama de políticos;

Faz cagada o tempo todo e coloca a culpa nos políticos.

É claro que eu sou mais um que reclama dos políticos e todos temos razão.

Mas o problema é que fazemos igual ou pior o tempo todo. Aliás, eu poderia utilizar esse trecho inicial em quase todos os meus artigos…
Não agimos certo, enganamos, mentimos, ludibriamos, damos um jeitinho, passamos a perna e sabe o que é pior? Fazemos tudo isto até em nós mesmos. Mesmo sabendo que estamos errados, comemos mais doces do que queremos, lutamos por mais dinheiro que precisamos, buscamos mais espaço do que ocupamos.

Tudo isto que escrevo aqui, foi motivado por mais uma vez cair no conto da propaganda enganosa e segui um link de propaganda que não é bem assim, pois o anunciante é malicioso como os políticos.

Eu nem tinha ideia que o tal “relógio” era tão caro por ter boa marca e tantas qualidades e funcionalidades, mas por 144 reais fiquei interessado nele. Segui o link e a propaganda, na terceira etapa revela que o anunciante estava vendendo somente a pulseira do relógio pelos míseros 144 reais.

Só rindo de mim mesmo…

PS: Seja você a mudança que deseja na sociedade (Parafraseando GANDHI).

Sociedade
1 Comentário


O Natal e os presentes

Para quem vai comprar seus presentes de Natal, vai aqui uma sugestão:

Comprem os presentes de pequenas empresas e autônomos. Da vizinha que vende por catálogo, de artesãos, de bijuteiras, do pequeno artista da boa arte, da amiga que tem uma loja no bairro, do pasteleiro, da doceira que faz doces artesanais, compre panetone caseiro, compre da família que tem uma banca na feira…

Façamos o dinheiro chegar às pessoas comuns e não às grandes multinacionais. Assim, haverá mais gente tendo um bom Natal. Apoiemos a nossa gente!

Se acha que é uma boa proposta, compartilhe esta sementinha!

Lembre-se que Natal é o aniversário de Cristo, Nosso Senhor.
FELIZ NATAL com Jesus no coração!

Sociedade
1 Comentário


Reclame menos

Fala a verdade, só pelo título você já sabe sobre o que desejo debater.

Reclame menos e faça mais, fazer é viver.

Não é o fato de descobrir uma doença que te faz melhor ou pior que os outros, nós somos sempre iguais uns aos outros e todos vamos morrer um dia, mas essa certeza é muito legal, assim você pode viver mais intensamente.

Lembre-se de usar aquela roupa que gosta mais vezes, pode repetir sim, faça o que gosta de fazer e seja feliz.

Tire ferias o maior número de vezes que puder, não trabalhe muito, apenas o suficiente. Aliás, tenha somente o estresse suficiente para saber que está produzindo, não para ficar nervoso e muito menos para ficar doente. O seu patrimônio também deve ser na medida para dar segurança, não para acumular desnecessariamente. Nem pense em deixar herança, use o seu dinheiro.

Sabe aqueles copos, talheres, louças que você guarda como relíquia? Use… use muito, até quebrar, aproveite bem e viva melhor.

Passe seu perfume predileto, sem economia e sem exagero.

Cuidado para não engordar, coma pouco, mas coma coisas boas, daquelas que fazem bem para a saúde. Nunca tome refrigerante nem coma margarina. Fuja dos produtos industrializados. Seja saudável, deleite-se com coisas gostosas e muito cuidado se pra você coisas gostosas são apenas as que fazem mal.

E as pessoas? telefone, visite, sorria, ria, gargalhe, abrace, segure na mão… porque isso é muito bom e faz muito bem para todos. Seja social.

Reze a qualquer momento, ore bastante, o suficiente para você se sentir amado, como realmente o é.

Ame a vida como a vida te ama, não lute contra ela, seja amigo e amante dela.

Viva a vida de bem com a vida!

 

Saúde
Comente aqui
 

Amamentação: Idealização X Realidade

Por: Mariana Borghi Sica Duarte

MEU RELATO!

Um dia idealizei que amamentaria meus filhos exclusivamente até os 6 meses, achei que era apenas questão de querer, que meu corpo saberia o que fazer, como produzir leite suficiente, que o bebê instintivamente saberia mamar e que teria que ter apenas paciência para esperar o alimento descer.

Mas aí meu primeiro filho nasceu, não soube mamar logo de cara, precisamos ensinar/incentivar a sucção e depois de mais ou menos uma semana, ele aprendeu a mamar, aprendeu tanto que passava a maior parte do tempo no seio…e eu pensava que era porque era guloso.

Aí veio o primeiro choque de realidade… Chegou o dia da primeira consulta do Téo, e ele não havia ganhado peso, aliás havia perdido, nasceu com 3.265 kg, e para nossa surpresa com 12 dias estava com 2.900 kg. O médico explicou que eu não estava produzindo leite suficiente para fazê-lo engordar, nisso veio frustração, sentimento de incapacidade, mas ele nos orientou como fazer para aumentar a produção, receitou inclusive um remédio que ajudaria a aumentar essa produção, e seguimos firme complementando com leite artificial, pesquisamos e decidimos oferecer no copinho para que ele não deixasse de mamar o pouco leite materno que tinha, em seguida aluguei uma bombinha elétrica que ajudaria a aumentar a produção, pois enquanto ele não estivesse no peito, teria um outro estímulo fazendo com que meu corpo entendesse que havia uma necessidade de produzir mais leite.

Foi assim durante dois meses, porém ele engolia muito ar bebendo o leite do copinho e tinha muito cólica, sendo assim optamos por oferecer o leite na mamadeira…sim diminuíram as cólicas, mas depois da primeira mamadeira não quis mais o peito, assim a realidade trouxe mais uma vez o sentimento de incapacidade, mesmo a razão sabendo que era o melhor pra ele o coração estava cheio de decepções. Faz parte! Tudo isso foi superado e buscamos o apego materno de outras formas, criando vínculo e aumentando o amor.
Um ano depois a notícia de uma nova gestação, e uma nova idealização se formava, dessa vez pautada em estudos e pesquisas. Estava confiante, pronta para mais um desafio, dessa vez daria certo, pelo menos por mais tempo… Errado!

O Noah nasceu, mamou na primeira hora de vida, de cara já teve uma pega perfeita e tive alta já com o remédio que aumentava a produção de leite receitado. Com certeza tudo isso fortalecia meu sentimento que dessa vez daria certo, viemos para casa e eu percebi que ele ficava também muito tempo no peito, e já de cara começamos a complementar com leite artificial no copinho, massss (tudo tem um masss né) ele odiou o copinho e não bebia o complemento direito, ficamos 10 dias insistindo, o papai que dava o leitinho artificial porque com a mamãe era só choro, do 11º dia eu já havia percebido que ele não engordava, e como forma de alimentá-lo só restou oferecer a mamadeira, dessa vez uma diferente, a qual possui o bico similar ao seio, e fluxo baixo o que teoricamente faria ele não deixar o peito. No dia seguinte, o 12º de vida dele consultamos com a pediatra e o bebê que havia nascido com 3.365 kg estava com 3.130 kg confirmamos que não havia sido o suficiente, e precisamos intensificar as mamadas na mamadeira.

Hoje ele completa 15 dias, e demonstra ter pedido todo interesse pelo peito, apenas “chupeta” depois de mamar a mamadeira para poder dormir, e meu sentimento mais uma vez é de que a realidade é dura e traz muitas frustrações, mas ao mesmo tempo sei que eu fiz tudo que podia, e que meu amor por eles nunca será menor do que se tivesse dado tudo certo!
Em breve o coração se acalma e entende o que a razão já sabe, e tudo volta a ficar bem!
O intuito principal desse textão: Desabafo!

Mas se tiver alguma mãe que se identifique, espero poder ajudá-la a sentir-se melhor!
Meus meninos, independente de qualquer coisa a mamãe sempre irá amá-los INCONDICIONALMENTE!

Comentário de Celso Duarte Junior

Parabéns pelas palavras de desabafo, mas também vou falar o que vejo.

Uma mãe que fez 2 partos normais, até reclamou, mas segurou a dor, lutou e aguentou! É… tudo isso é AMOR.

Dizem que ele, o amor, só pode ser sentido, mas eu o estou vendo bem aqui e todos os dias da nossa vida!

Dá para falar do quanto carinho você tem com os filhos, o quanto demonstra paciência, palavras dóceis e amorosas você diz, mimos, cânticos sempre transmitindo energia positiva e amorosas. Só de ver a maneira que você os acomoda em seu colo, já vejo amor… um amor que transborda e é feito em cada toque. Quanta dedicação e luta existe por trás, principalmente de cada mamada. Eu sabendo de tudo isso, sei que vínculo existe, e amamentar é um ato de amor, e lutar e ter lutado por ele também.

Você pode até não ter amamentado o quanto desejava, ou ter leite como gostaria mas sabemos que lutou e buscou o suficiente, então saiba que não existe nesse mundo, demonstração maior de amor por um filho que batalhar por ele e por você.

O vínculo surge e se mantém do amor e carinho que você emprega em cada função, mas não só da função em si, você o constrói esse vínculo alimentando, dando banho, cuidando, até dando uma mamadeira, por que não?

Que vc continue sendo Mariana, a Mari ama os filhos.

1 Comentário


Comida Típica de Maringá é Cancerígena

Hoje, 20/06.2017 reúnem-se na Câmara de Vereadores de Maringá os nobres Edis para “decidir” se o cachorro quente é a COMIDA TÍPICA de Maringá.

Muitos vão dizer: hummmm, que delícia; outros vão dizer: tenho nojo dessa comida, duvido das condições higiênicas das barraquinhas… e por aí em diante.

Poucos vão pensar nos ingrediente básicos:

Pão feito de farinha branca sem nenhum nutriente significativo, mas de efeito negativo comprovado, tal como GORDURA HIDROGENADA, SÓDIO, açúcar, etc. Todos comprovadamente altamente maléficos à saúde.

Salsicha feita de materiais orgânicos ou não de origem desconhecida, com notável excesso de sódio e conservado com NITRITO DE SÓDIO, já considerado e declarado tão cancerígeno quanto o cigarro pela ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE.

Batata palha, frita geralmente em gordura vegetal (óleo de soja) saturada ou pior que isso. Quem garante a troca regular desse óleo?

Salada, ufa! Pelo menos uma coisa saudável… engano seu. A base desta parte nada saudável são produtos enlatados como milho e ervilha que além de conservantes, trazem para seu organismos, acidulantes, estabilizantes, corantes e outros produtos que você nem imagina do que se trata.

Acompanha:  maionese, catchup e mostarda. Preciso falar disso também?

Mas existe outra opção para nossa COMIDA TÍPICA: pastel frito em óleo supersaturado e tão maléfico para a saúde quanto a batata frita.

Caros Vereadores, preocupem-se com a vida do cidadão maringaense. Lutem por leis que nos protejam do trânsito violento. Lancem campanhas educativas para que possamos viver sem violência. Preocupem-se com a educação tão abandonada. Ajustem as leis para atender a população tão adoentada pelos erros de alimentação.

Representem-nos!

3 Comentários


Minhas fraquezas são mais fortes que eu!

Quantas vezes nos deparamos com situações que a decisão, ou o resultado de uma decisão, implica em uma mudança comportamental definitiva.

Sempre ouço de todos, quero melhorar como pessoa, mas realmente não sei se isto é possível. Oportunidade temos, mas mudar mesmo… difícil. Mudar é difícil.

A ansiedade faz tanta gente sofrer de uma maneira vil, torpe, sem necessidade, mas desse mal não padeço graças a Deus.

Compreendo as fraquezas de cada um, pois aos poucos estou compreendendo as minhas e não falo das minhas fraquezas físicas promovidas pelo câncer, mas sim das psicológicas.

Sou obrigado a esperar muito no sistemas de saúde: filas para exames, tempo para laudos de peritos, tempo de tratamento, tempo de espera para cirurgia… enfim, se eu fosse ansioso teria uma parto a cada espera, ainda mais que muitas são infrutíferas.

Porém, enfrentar o envelhecimento precoce é um dos fatores que me assustam. Não poder frequentar uma academia e não poder praticar o ciclismo, pedalando 50 km pela zona rural, pelos campos e visitando as cachoeiras, isto sim me deprime, pois vejo meu corpo mudando de uma forma que eu não tenho controle.

Hummm… uma boa comida com uma sobremesa deliciosa, nossa difícil de resistir. Uma boa festa de família e ou amigos com uma cervejinha gelada e uma carne mal passada, impossível não sucumbir.

Por isto julgo essas fraquezas tão fortes, mesmo sabendo o quanto devemos ser moderados na alimentação, nem sempre resistimos a um bom prato.

Tantas outras fraquezas fortes residem no meu ser que não posso nem contar (kkkkkkk), mas cada um sabe de suas fraquezas e lutam para mudar e se tornar melhor.

Nem sempre vencemos, mas sempre lutamos, o que é até mais importante. Não perder o afã da vida, não deixar de viver bem, com alegria e com respeito aos outros. Liberdade para mim é isto, fazer o que quer sem interferir no que o outro quer. Nunca obrigue o outro a fazer o que não quer, pois ser livre é, antes de tudo, dar liberdade.

Conhecer, reconhecer e aceitar nossas fraquezas é o primeiro passo para a felicidade. A partir daí você pode lutar contra o inimigo certo: você mesmo.

Em nome da Santa Cruz, livrai-nos Senhor dos nossos inimigos. Principalmente quando nossos inimigos são nossos pensamentos, palavras e sentimentos.

Pense nisto, seja feliz e fique com Deus.

Saúde
1 Comentário


Justiça seja feita

Amigos, como todos sabem, tratar da saúde, quando realmente necessário, é uma tarefa de árduo trabalho. Temos que vencer os planos de saúde, o Governo e toda sorte de esquivas para conquistar os tratamentos necessários.

No caso do Paraná, quando funcionários públicos, somos atendidos pelo SAS (Sistema de Assistência à Saúde). Quando CLTistas, funcionários públicos ou não, somos atendidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Ademais resta-nos pagar um plano de saúde particular.

Relatos de amigos, me deixam desanimados com todos os sistemas de atendimento à Saúde, pois mesmo pagando mensalmente os planos privados, sofrem na hora que precisam ser atendidos em casos graves como o câncer.

Eu, Professor Universitário do Paraná, sou atendido pelo SAS que cobre o protocolo básico ao tratamento do câncer com dignidade. Nunca me senti mal por ser atendido por esse sistema público.

Porém existem remédios que não são incluídos no protocolo de atendimento e, por três vezes, precisei recorrer a justiça para conseguir tais remédios.

O protocolo de tratamento do câncer do intestino (CID C18.8) prevê duas baterias de quimioterapia e tantas cirurgias forem necessárias. Por isto julgo que sempre fui muito bem atendido, pois fiz quatro cirurgias de grande porte no abdome, sem que o sistema de saúde me barrasse em algum detalhe ou argumentasse contrário.

Para as duas baterias quimioterápicas previstas são receitados medicamentos complementares, mais modernos que auxiliam no processo de cura, segundo os médicos. Bem, apesar do SUS fornecer alguns desses remédios para alguns tipos de câncer, o mal que eu carrego não é contemplado, portanto foi necessário recorrer a justiça, pois a saúde, por força de Constituição Federal, é de responsabilidade de Governo.

Essa é a primeira dificuldade, pois precisamos de um advogado, visto que o valor da causa é sempre maior que o Tribunal Especial de Pequenas Causas pode receber. As custas de um causa dessa, atualmente está em torno de R$ 3.000,00 valor proibitivo para muitos pacientes. E para esses menos providos, como fica? Nem entrar na justiça ele conseguem.

Cabe neste caso, recorrer à Universidade que tem escritório público e gratuito de advocacia.

Para quem pode pagar o advogado e as custas processuais, basta aguardar o tempo da burocracia e receber o julgamento. Percebo que a Justiça está sendo feita, pois se o remédio é necessário e a obrigação do Governo é constitucional, porque um juiz analisando um justo pedido, negaria provimento? Pode acontecer, mas não seria justo.

Efeito do PANITUMUMABE, por fora e por dentro.

Eu tomei três remédios complementares: na primeira bateria o PANITUMUMABE que custa em torno de 22 mil a dose e, a previsão, era tomar 12 doses acompanhando a quimioterapia. Na segunda fase do tratamento quimioterápico, tomei o AVASTIN, menos caro, mas também inacessível para nós. Vencida estas duas etapas que levaram em torno de 3 anos, partimos para um tratamento diferente que não é contemplado pelos sistemas públicos de saúde. Nesta terceira fase então, eu tomo o REGORAFENIBE, que custa em torno de 17 mil 3 caixas equivalente ao mês e eu vou tomar por 6 meses.

É isto, manifesto meu reconhecimento aos juízes que compreenderam a necessidade de atender a população com assertividade e agilidade. Mais que isto, manifesto meu agradecimento ao Magistrado que julgou meus processos e entendeu a verdadeira necessidade que passamos. A doença nos deixa frágil e, resultados como estes nos faz acreditar no ser humano. Não revelo o nome por motivos óbvios, mas espero que ele leia este artigo e sinta meu reconhecimento pelo seu trabalho.

Quero transmitir também meu singelo agradecimento aos meus amigos Fábia e Evandro que sempre caridosos, são aliados nesta luta.

Muito obrigado.
Deus os abençoe.

Saúde
Comente aqui


A Páscoa e os Pobres

Imagem recohida da Internet. Desconheço o autor.

Religião não se discute, mas a tentação é muito grande para encerrar o dia calado.

No dia em que se lembra a morte de Cristo, a Sexta-feira Santa, somos convidados ao jejum e à abstinência. Isto, como se sinal de respeito, e para nós conectarmos de forma mais pura ao triste momento da perda do Nosso Senhor Jesus Cristo, a Luz, o Caminho e a Verdade.

Pobres aqueles que reservam o dia para comer bacalhau, pagando caríssimo por kg, sem contar os acompanhamentos luxuosos e regalias saborosas. Para esses, o dia se tornou uma orgia alimentar festiva, sem ter a noção da importância da abstinência e muito menos do jejum.

“16 Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, 17 para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.” Mateus 6:17,18

Muitos pensam que hoje é dia de comer peixe, como se isso fosse a salvação, mesmo sendo hipócritas, se comerem peixe na Sexta-Feira Santa, vão se salvar. Pobre engano.

Curiosamente esse frenesi alimentar, leva as pessoas a se afastarem de Deus e vou mais longe: o consumismo exagerado, pode parecer absurdo, está levando esse peixe a extinção. O consumo do peixe que se tornou mundialmente conhecido tem levado, como muitos outros ao seu fim.

Bom, não vou me prolongar de propósito, mesmo com muita coisa entalada na garganta… e não é espinha de peixe.

Hoje não é dia de comer peixe e domingo não e dia de comer chocolate.

Pobres de coração, pensem um pouco no mal que estão fazendo a si mesmos e aos seus filhos, ensinando-os falsos valores.

Que Deus os abençoe.

Sociedade
Comente aqui