Saúde



Desafio Nacional de Trauma

O diretor de Urgências e Emergências do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Maurício Lemos, o médico Marcos Bitencourt e o socorrista Arnaldo Marques representaram Maringá no II Desafio Nacional de Trauma. A competição, que se encerra neste sábado, 22, em Curitiba, reúne 24 equipes de resgate de todo o país em simulações de atendimentos pré-hospitalares. Os dois primeiros colocados representarão o Brasil no Desafio Mundial de Resgate 2017, que será realizado em setembro na Romênia.
As equipes participantes são avaliadas durante atendimentos em cenários que representam diversos tipos de situação, como agressão com arma branca, atropelamento, quedas em altura, colisões de motocicletas e automóveis. Além de participantes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) e Corpo de Bombeiros do Paraná, também participam concessionárias de rodovias e empresas privadas da área de seis estados brasileiros.

Comente aqui


Diabetes

As sociedades brasileiras de Diabetes (SBD), Hepatologia (SBH) e Infectologia (SBI) lançaram nesta quinta-feira (20) a campanha nacional de conscientização Na ponta do dedo – faça o exame, por trás da Diabetes tipo 2 pode estar a Hepatite C. O objetivo é estimular a população a fazer o exame que detecta o vírus da hepatite C.
Segundo as entidades, estudos mostram que o vírus da hepatite C é capaz de gerar alterações na insulina, impedindo a regulação do metabolismo da glicose no organismo. Pacientes com essas alterações têm quatro vezes mais chance de desenvolver o diabetes tipo 2.

Comente aqui


Julho: combate ao câncer ginecológico

Muito se fala sobre a saúde da mulher, especificamente sobre o câncer de mama, durante o Outubro Rosa. Mas poucos sabem que o mês de julho também é dedicado a elas. A fita verde escura representa o combate ao câncer ginecológico, que compreende basicamente 5 tipos de tumores: colo de útero, endométrio, ovário, vulva e vagina. A estimativa do INCA é que no Brasil, em 2016, ocorreram 16.340 casos de câncer de colo de útero e 6.150 de câncer de ovário. Segundo o Dr. Fábio Roberto Fin, médico especialista em Cancerologia Cirúrgica do Hospital São Vicente, alguns sinais merecem a atenção da mulher: dor pélvica – abaixo do umbigo, dor persistente nas costas, sangramento vaginal anormal, seja para mulheres em idade fértil ou na pós-menopausa, perda de peso inexplicável, inchaço no abdômen ou alterações intestinais e feridas na vulva e na vagina.
O câncer de colo de útero pode ser prevenido e está relacionado ao vírus HPV – papilomavírus humano. Mas ter o vírus somente não significa ter a doença, é preciso que junto a mulher tenha a lesão de colo uterino. “Por isso, é importante realizar o exame preventivo de Papanicolau anualmente. O ideal é que toda mulher após a primeira relação sexual consulte seu ginecologista regularmente. Ainda para o câncer de colo de útero, temos duas vacinas que combatem os principais tipos virais do HPV. Em países que adotaram a vacina há mais tempo, por exemplo, temos dados de redução substancial das lesões pré-cancerígenas do colo uterino, induzidas pelo vírus do HPV”, explica o especialista.
Sobre os fatores de risco – o que não significa que a doença se desenvolverá – para o câncer de colo de útero, além da presença do vírus HPV, também contribuem o início precoce da atividade sexual, múltiplos parceiros e o tabagismo.
Para o câncer de ovário são fatores de risco: idade superior a 40 anos, não ter tido filhos, ser mãe acima de 30 anos, histórico familiar, uso de anticoncepcional e terapia de reposição hormonal. Para câncer de útero, contribuem: obesidade, tabagismo, uso do tamoxifeno e sedentarismo. Já o número de gestações é um fator protetor.
A boa notícia é que o tratamento para neoplasias ginecológicas tem avançado muito, assim como em outros tumores. “Temos medicações mais eficazes, com menores efeitos colaterais. Na área de cirurgia, a laparoscópica é o tratamento padrão para esses tumores, garantindo melhores resultados, menor sangramento, menor taxa de transfusão, menor tempo de internação hospitalar, retorno às atividades cotidianas mais rápido, menos dor e resultados mais estéticos”, afirma Dr. Fábio Roberto Fin. Como mensagem final, ele faz o lembrete: “Não deixe sua saúde de lado, procure anualmente o ginecologista e regularmente realize os exames periódicos”.

Comente aqui


Brasil, aqui tem SUS

Com quatro experiências desenvolvidas na rede pública de saúde de Maringá, o secretário de Saúde, Jair Biatto e profissionais da área participaram da 14ª Mostra “Brasil, aqui tem SUS”. O evento fez parte do 33º Congresso do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e teve o objetivo de divulgar as ações de municípios no Sistema Único de Saúde (SUS).
“Eventos como esse fortalecem a rede do SUS, permitindo a nós uma vasta experiência na área. Parabenizo todos os envolvidos, de maneira especial, as pessoas que colaboram e contribuem para a existência das ações, pois foi gratificante participar e acompanhar os trabalhos do município no congresso”, destacou o secretário da Saúde, Jair Biatto.
“Além de divulgar o trabalho realizado em Maringá, a participação no evento nos proporcionou entrar em contato com uma diversidade de experiências valiosas, advindas de todas as partes do país, que objetivam oferecer atenção integral à saúde da população”, explicou, Valéria Cristina Sanzovo, representando o trabalho da Unidade Básica de Saúde Mandacaru “Pontinhos de Amor”.
Durante o evento, o Conasems e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Sáude (OPAS/OMS) premiaram cinco experiências de trabalho no SUS brasileiro. A homenagem reconheceu iniciativas de cada uma das regiões do Brasil. Da região sul, o ganhador foi o projeto Criança Sorriso: Saúde Bucal na Escola, da cidade de Tigrinhos, em Santa Catarina.

Comente aqui


Queimados

O Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Universitário (HU) de Londrina realizou nesta semana a primeira operação com uma nova técnica de cirurgia plástica. O procedimento utiliza uma pele sintética à base de colágeno bovino, que pode ser usado como enxerto ou implante da área queimada.
O médico chefe do CTQ, Reinaldo Kuwahara, explica que por ser uma estrutura sem células, não há risco de o organismo do paciente rejeitar a nova camada. “Mesmo sendo um material importado e caro, o custo benefício é ótimo, pois diminui o tempo de internação e recuperação”, fala o médico.

Comente aqui


Acadêmicos de Farmácia da Uningá participam do “Mais Saúde”

Acadêmicos e professores do Curso de Farmácia da Uningá estarão na Praça Renato Celidônio, em frente à Catedral de Maringá, nesta sexta (30), das 13h às 17h, para realizar exames de pressão e glicemia e dar orientações sobre saúde para a população.

Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de e 14 milhões de brasileiros tem diabetes no Brasil e pelo menos 50% dessa população não sabe que tem a doença. Já a hipertensão ou pressão alta, ao contrário do que muitos imaginam, afeta não apenas os idosos, mas também os jovens, a partir dos 25 anos. Diabetes e hipertensão somente são diagnosticadas por meio de exames.

Segundo a professora-doutora, Ana Paula Margioto Teston, o “Mais Saúde” é uma oportunidade para que os alunos vivenciem na prática, o conteúdo aprendido durante as aulas. Ana Paula é professora de Controle e Qualidade, Sistemas de Qualidade e Técnica no Curso de Farmácia da Uningá. O evento é gratuito e realizado em parceria com a Prati-Donaduzzi, fabricante brasileira de genéricos.

Comente aqui


Doações de sangue

A Secretaria de Estado da Saúde alerta para a redução do número de doações de sangue no inverno, que inicia no dia 21 deste mês. Segundo dados do Hemepar, 152 mil bolsas de sangue foram coletadas em 2016, sendo que no verão foram 49 mil e no inverno 38 mil, uma diminuição de aproximadamente 24%. Em 2017, até agora, o Hemepar já registrou a coleta de quase 63 mil bolsas de sangue. A instituição é responsável por 86% do estoque da rede pública de sangue, abastecendo 384 hospitais públicos e filantrópicos.

Comente aqui


Acima do previsto

O secretário municipal de Saúde, Jair Biatto, entregou na tarde desta sexta, 9, ao ministro da Saúde, Ricardo Barros relatório com dados da campanha de vacinação contra gripe. A campanha começou dia 17 de abril e se encerraria no dia 26 de maio, quando foi prorrogada até 9 de junho. Em Maringá, as doses se acabaram ontem, dia 8. Foram imunizadas 141.010 pessoas, de um total inicialmente estimado em 123.635, considerando todos os grupos. Apesar de alguns grupos não atingirem o índice esperado, o total de pessoas vacinadas no chamado grupo prioritário atingiu 94%, acima da média prevista de 90% (78.025 de 82.971 estimadas). Indígenas, detentos, funcionários do sistema prisional, professores e portadores de doenças crônicas também foram vacinados, elevando o total para 141.010 pessoas que receberam a vacina nas unidades básicas de saúde de Maringá e na sala de vacina da Secretaria de Saúde.

Comente aqui


Mais médicos em Sarandi

Prefeito Walter Volpato ao lado da médica que começou a atender no começo de junho. Prefeito trabalha para contratação de mais 15 médicos para atender a população.

Da Prefeitura de Sarandi recebo a informação de o governo federal colocou a disposição da Prefeitura mais uma médica, pelo “Programa Mais Médicos”, para atender na Rede Municipal de Saúde.
A nova contratada é clínica geral e começou a atender a população no começo de junho, na Unidade Básica de Saúde, no Jardim Oriental. O atendimento está acontecendo de segunda à quinta-feira, nos dois períodos. O objetivo é diminuir o tempo de espera para a realização da consultas.
A Prefeitura afirma que está prevista a chegada de mais quatro médicos por meio do Programa Mais Médicos e outros 11 serão contratados para suprir a demanda de atendimento no município.

Comente aqui


Saúde: Maringá compartilha tecnologia com outros municípios

Maringá continua cedendo o código fonte do seu Sistema Gestor de Saúde, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Tecnologia da Informação (CTI) e Centro de Informação em Saúde (CIS), em parceria com uma empresa maringaense de fabricação de software.

Agora foi a vez de Itaúna (MG) e Umuarama (PR) receberem o código fonte. A entrega aconteceu ontem, terça-feira, e aconteceu em um workshop sobre o funcionamento do sistema. Uma das atividades foi a visita à Policlínica Zona Sul, onde os representantes dos municípios conheceram a tecnologia utilizada na prática, na unidade de saúde.

Implementado em 2008, o sistema gerencia estoques – incluindo medicamentos e material hospitalar – farmácias, aplicação de vacinas, laboratório, prontuário eletrônico, entre outros serviços. A contrapartida dos municípios beneficiados é a de introduzirem novas funcionalidades, ajustes e correções para o aprefeiçoamento do sistema, garantindo a eficiência e atualização constante.

O coordenador do CIS da Secretaria de Saúde, Sílvio Torres, destaca que o sistema já recebeu prêmios nacionais, sendo referência para outros estados. “Além de outros municípios paranaenses, cidades de São Paulo e Minas Gerais receberam o código fonte para o desenvolvimento da tecnologia. Com o sistema acabam os papéis e os exames podem ser visualizados na tela do computador. A tecnologia também diminui as filas nas Unidades Básicas de Saúde, pois alguns serviços podem ser realizados em qualquer lugar pelo celular”, informou.

Os representantes dos municípios que receberam o código fonte comentaram sobre a tecnologia. O responsável pela Tecnologia da Informação de Umuarama, Reginaldo de Melo, explica que o município utiliza um sistema desafado e necessita de uma melhor opção. “Maringá tem um sistema em que o próprio município pode atualizar versões economizando recursos sem o pagamento a empresas de software”, afirmou.

O secretário municipal de Saúde de Itaúna, Fernando Meira de Faria, lembrou que conheceu o sistema por meio de outros municípios mineiros que já estão usando a tecnologia. “Sabemos que esse sistema funciona há bastante tempo e será um excelente recurso, integrando as ações da secretaria, otimizando e evitando o retrabalho, além gerar economia para o município”, destacou.

1 Comentário