Tecnologia



Executivos de Maringá visitam Vale do Silício

Embarcou para o Vale do Silício um grupo de 22 executivos de Maringá, um de Londrina e outro de São Paulo. Nos Estados Unidos o grupo visitará empresas de São Francisco e São José, no estado da Califórnia, até o dia 16.
Segundo o diretor de projetos da RGK 4TI, Alexandre Rogoski, o objetivo é que o grupo conheça tecnologias de ponta nas áreas de conectividade, telepresença, armazenamento de dados e segurança digital. Entre as empresas visitadas estarão Riverbed. Cisco e NetAPP.
Formam o grupo executivos das áreas de agronegócio, finanças, varejo, instituições de ensino e tecnologia da informação.

Comente aqui


Indústria 4.0

Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial é o termo usado para se referir a tecnologias para automação e troca de dados e utiliza conceitos de “Sistemas ciber-físicos”, “Internet das Coisas” e “Computação em Nuvem”.

A Indústria 4.0 remete à visão e execução de “Fábricas Inteligentes” com as suas estruturas modulares, os sistemas ciber-físicos monitoram os processos físicos, criam uma cópia virtual do mundo físico e tomam decisões descentralizadas. Com a internet das coisas, os sistemas ciber-físicos comunicam e cooperam entre si e com os humanos em tempo real, e através da computação em nuvem, ambos os serviços internos e intra-organizacionais são oferecidos e utilizados pelos participantes da cadeia de valor.

Utilizando a busca na internet é possível ampliar o conhecimento sobre esta nova revolução da produção, uma inovadora e irreversível tendência, que terá reflexos diretos nas relações e formas de trabalho, nos sistemas e tecnologias de produção, mudando empresas, conceitos, relações empresariais, negócios e mercados.

Na coluna de hoje, destacamos frase da chanceler da Alemanha, Angela Merkel: “A indústria 4.0 é a única possibilidade da Europa voltar para os trilhos”.
Angela Merkel chefia o governo da Alemanha desde 2005 e é, hoje, a mulher mais poderosa do mundo.

Comente aqui


Opinião: Mais gente ajudando a combater crimes

Christopher Peter Bueno Netto encaminha artigo avaliando dificuldades dos órgãos de segurança e sugerindo a participação de voluntários na ajuda para o controle de situações e combate a irregularidades e crimes.

“A INCAPACIDADE DOS ÓRGÃOS DE SEGURANÇA NO COMBATE AO CRIME É UM FATO.

A assertiva acima é irrefutável, tendendo a ser motivado pela falta de alocação de recursos orçamentários adequados, pela possível baixa qualidade dos testes psicológicos e treinamento a que seriam submetidos os ingressantes, pela quantidade e qualidade das armas e equipamentos adquiridos para uso das corporações, inferiores aos dos bandidos, pelos baixos salários recebidos pelos policiais de menor patente, fatos que inclusive tendem a incrementar a criminalidade existente em qualquer grupo de cidadãos.

HÁ COMO MINORAR OS EFEITOS DESTA INCAPACIDADE FUNCIONAL.

A reportagem do Jornal Nacional de 24 de julho mostra vídeos dos 10 km que atravessam a Grande Vitória, no Espírito Santo, que se diz serem os de maior incidência de acidentes e mortes no país.

Particularmente, numa cena do vídeo, no qual o gravador cantou a bola de que o caminhão que ele gravava atravessaria o sinal vermelho, o que de fato aconteceu, percebe-se a facilidade com que qualquer pessoa, com um mínimo de bom senso e cidadania, com o saco cheio destas infrações que roubam vidas e aleijam seus concidadãos, poderia ser cooptado a colaborar com as autoridades de segurança, a videografar tais cenas com seus smartphones.

Dar validade jurídica aos vídeogramas feitos pelos cidadãos, contendo registro de local e hora de videogramas que sejam enviados a sites oficiais, estabelecidos e divulgados pelos órgãos de segurança, dentro de um determinado período, com certeza reduziria as infrações e consequentemente os acidentes.

O que impede as autoridades de modo geral a usar nossos concidadãos a colaborar com elas?

Isto é um mistério. Será que alguma autoridade se prontifica a dar esta informação?

Pergunta-se, que argumentos sólidos, de bom senso, impedem as autoridades de segurança de todos os níveis de usar os cidadãos a se ajudar, na sua própria segurança? Será que um cidadão comum tem menos mérito, menos valor, merece menos fé que um policial? O cidadão que lhes cobra, pede resposta.

O que vale é a cena videografada mostrando local e hora do fato. Quem a videografou não tem a mínima importância. Ponto final.

Implantada a validade destes vídeos, em todo o país, deixaríamos de ser campões mundiais de múltiplas tragédias.

Se os Ministros dos Transportes, da Justiça e da Saúde entre outros, quisessem mesmo minorar o CUSTO BRASIL dos acidentes de trânsito, apresentariam uma medida provisória que validasse os videogramas mencionados.”

Christopher Peter Bueno Netto[email protected]

Comente aqui


Saúde: Maringá compartilha tecnologia com outros municípios

Maringá continua cedendo o código fonte do seu Sistema Gestor de Saúde, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Tecnologia da Informação (CTI) e Centro de Informação em Saúde (CIS), em parceria com uma empresa maringaense de fabricação de software.

Agora foi a vez de Itaúna (MG) e Umuarama (PR) receberem o código fonte. A entrega aconteceu ontem, terça-feira, e aconteceu em um workshop sobre o funcionamento do sistema. Uma das atividades foi a visita à Policlínica Zona Sul, onde os representantes dos municípios conheceram a tecnologia utilizada na prática, na unidade de saúde.

Implementado em 2008, o sistema gerencia estoques – incluindo medicamentos e material hospitalar – farmácias, aplicação de vacinas, laboratório, prontuário eletrônico, entre outros serviços. A contrapartida dos municípios beneficiados é a de introduzirem novas funcionalidades, ajustes e correções para o aprefeiçoamento do sistema, garantindo a eficiência e atualização constante.

O coordenador do CIS da Secretaria de Saúde, Sílvio Torres, destaca que o sistema já recebeu prêmios nacionais, sendo referência para outros estados. “Além de outros municípios paranaenses, cidades de São Paulo e Minas Gerais receberam o código fonte para o desenvolvimento da tecnologia. Com o sistema acabam os papéis e os exames podem ser visualizados na tela do computador. A tecnologia também diminui as filas nas Unidades Básicas de Saúde, pois alguns serviços podem ser realizados em qualquer lugar pelo celular”, informou.

Os representantes dos municípios que receberam o código fonte comentaram sobre a tecnologia. O responsável pela Tecnologia da Informação de Umuarama, Reginaldo de Melo, explica que o município utiliza um sistema desafado e necessita de uma melhor opção. “Maringá tem um sistema em que o próprio município pode atualizar versões economizando recursos sem o pagamento a empresas de software”, afirmou.

O secretário municipal de Saúde de Itaúna, Fernando Meira de Faria, lembrou que conheceu o sistema por meio de outros municípios mineiros que já estão usando a tecnologia. “Sabemos que esse sistema funciona há bastante tempo e será um excelente recurso, integrando as ações da secretaria, otimizando e evitando o retrabalho, além gerar economia para o município”, destacou.

1 Comentário


Reportagem em SC mostra tecnologia aplicada à saúde

Muito interessa uma série de reportagens que  RBS vem fazendo em Santa Catarina tendo como  tema central a campanha “Vote Consciente”, para uma cidade mais inteligente.
Eles mostram que os prefeitos são responsáveis por destinar recursos para soluções. Apresentam inovações que ajudam a fazer uma cidade mais inteligente.
Com sistemas, aplicativos e internet, de forma muito simples, é possível resolver os problemas de saúde mais simples e corriqueiro, com médico e eficiência.

Interessante. Veja aqui a reportagem.

Comente aqui


Startup Pirates e novos aplicativos agitam o mercado, em Maringá

aplicativos

Está acontecendo em Maringá desde o dia 3 de outubro o Startup Pirates, um programa de uma semana onde empresários e pessoas ligadas ao empreendedorismo mergulham de cabeça no mundo das Startups e têm acesso à oportunidades e às ferramentas para desenvolver uma ideia de um negócio a partir do zero, através de uma experiência única de empreendedorismo, até mesmo para executivos já experientes.
O Startup Pirates surgiu em Portugal em 2011 e já está presente em mais de 20 países no mundo, como Itália, Holanda, Romênia, Brasil, Lituânia, México, Espanha entre muitos outros. No entanto, o Pirates está longe de ser um evento, como seus próprios organizadores dizem: é uma experiência para a vida!
Durante essa semana os “piratas” são envolvidos em uma série de programas que combinam workshops, sessões de mentoria, momentos inspiracionais e palestras, como a que trouxe o renomado Empresário e Mentor de Startups Allan Costa no último dia 7 de Outubro como parte do programa, mas que foi aberta ao público em geral.

Palestra com Alan Costa – Com forte apoio do Sebrae e com patrocinadores como a Trecsson Business, CBN, Grands, Elotech, Via Tolentino, GMC e MIX FM, sem contar os mais de 35 apoiadores e parceiros, o Startup Pirates já é um sucesso e algumas Startups já se destacam entre os grupos formados.
O Grupo “Bar Virtual” por exemplo, é um belo exemplo do que o Startup Pirates é capaz. Com o propósito de acelerar a conexão entre pessoas, a equipe desenvolveu o aplicativo Rest – http://apprest.ml/ – que tem como principal função, servir como uma ferramenta única para automatizar procedimentos realizados em bares e restaurantes, como pedidos realizados diretamente pelo Smartphone (sem a necessidade de garçons) e a possibilidade de identificar quem está no local e enviar mensagens para essas pessoas. O famoso Correio Elegante!
Para o Empresário Jorge Ceranto, o aplicativo facilita a conexão entre as pessoas que frequentam os mesmos locais.
“O Aplicativo foi desenvolvido com o intuito de aproximar as pessoas quem tem gostos e hábitos semelhantes, como por exemplo, frequentarem os mesmos locais como bares e baladas. Uma vez nesses locais, o usuário pode baixar o aplicativo através de um QR CODE disponível no local e identificar todas as pessoas que tem o aplicativo e que estão presentes ali. Além disso o usuário também pode fazer seus pedidos diretamente pelo aplicativo, sem o auxílio de garçons. De forma resumida, Maringá vai paquerar como nunca!!”

O aplicativo já está sendo bastante aceito e passou por alguns testes nos últimos dias na Favela do Português e na Academia do Chopp. Iniciativas como essa mostram o quanto é importante a união das pessoas com o espírito empreendedor para o desenvolvimento de novas ideias que podem inovar o mercado como conhecemos.

Comente aqui


União homem e computador no futuro do marketing

A intersecção da tecnologia e big data irá conduzir o futuro da inovação de marketing, escreve Nicola Kemp.

A intersecção da tecnologia e big data irá conduzir o futuro da inovação de marketing, escreve Nicola Kemp.

Em 1997, o grande mestre em xadrez Garry Kasparov foi derrotado em um jogo pelo supercomputador Deep Blue, da IBM, proporcionando um momento crucial na história do big data*.

É um marco que, em retrospecto, fala mais da obsessão da indústria com colocando homem contra máquina de apoiar e compreender a evolução da inteligência artificial. Esta tendência é aquele que ganhou muito crédito na retórica muitas vezes alarmista em torno de dados grandes. Muito frequentemente os comerciantes têm sido culpados de comprar o mito de que o investimento em big data é de alguma forma em detrimento da criatividade humana. Em seu artigo marco ‘Man-Computer Symbiosis’ (1960), psicólogo americano e cientista da computação JCR Licklider argumentou que a inteligência humana deve ser complementada por máquinas, não substituída e os computadores encarregados de ‘rotina de trabalho que deve ser feita para preparar o caminho para idéias e decisões “.

Muito bom o texto da revista Marketing Magazine, escrito por Nicola Kemp.

*Big data: Em tecnologia da informação, “big data” se trata de um conceito no qual o foco é o grande armazenamento de dados e maior velocidade. Podemos dizer que o “big data” se baseia em 5V’s  de velocidade: volume, variedade, veracidade e valor.

 

Comente aqui


Privacidade no iPhone 6

O iPhone 6 tem deixado muita gente intrigada.
Tudo por que ele pode ficar torto com facilidade, se colocado no bolso traseiro do usuário.
Mas uma outra característica do smartphone da Apple (e esta mais relevante) está passando despercebida: ele é o primeiro aparelho que, de fato, atrapalha a vida dos espiões da NSA, a toda poderosa National Security Agency.
Segundo o jornal The New York Times, o iPhone 6 é capaz de criptografar e-mails, fotos e contatos usando um algoritmo complexo criado pelo próprio usuário do smartphone.
E o que de fato deixa os analistas da NSA de cabelo em pé é o seguinte: a Apple não possui a chave para abrir esses dados e nem vai mais guardá-los.
Ou seja, caso a Apple receba uma ordem da justiça ou de uma agência de espionagem para entregar os dados, a resposta será bem clara: agora os espiões vão ter que se entender com o próprio usuário do smartphone.
E quanto tempo leva para NSA decodificar os dados de um iPhone 6?
A Apple diz que é por volta de 5 anos e meio.
Mas analistas ouvidos pelo New York Times falam que a empresa da maça não tem ideia da velocidade dos computadores da NSA.
Se por um lado, essa medida de segurança reforça a privacidade dos usuários, por outro ela pode ajudar terroristas a executarem seus planos no sigilo.
E isso é o que mais preocupa as autoridades nos Estados Unidos.
Uma fonte de um órgão de segurança, citado pelo jornal americano, comparou essa característica do iPhone 6 a um seguinte anúncio: “Veja como evitar vigilância – mesmo a vigilância legal”.
Uma lei aprovada pelo congresso americano, em 1994, exige que empresas do setor desenvolvam seus sistemas para que sejam interceptados, caso haja uma ordem da justiça ou das agências de segurança do país.

Se alguém tem dúvida do que a tecnologia é capaz de fazer hoje em termos de rastreamento e localização de pessoas, vejam o filme “Inimigo do Estado”, feito em 1998 (imagem hoje como está a tecnologia), dirigido por Tony Scott, com os atores Will Smith, Gene Hackman e Jon Voight.

As informações acima foram publicadas em Exame, ontem, por Diogo Max.

Comente aqui


Mudanças no 156

Fiquei sabendo que a Prefeitura de Maringá prepara mudanças no sistema da Ouvidoria e 156.
Um sistema está sendo finalizado, integrado à plataforma do geoprocessamento.
Os maringaenses poderão fazer as suas solicitações direto pela internet, registrando inclusive fotos relacionadas às suas reivindicações.
Outras mudanças operacionais também será adotadas visando mais controle, rapidez e eficiência no atendimento aos maringaenses.
Excelente notícia. Providências de fato necessárias e, pelo visto, inovadoras e acima das expectativas.
Vamos aguardar.

Comente aqui


Processo seletivo da incubadora do Tecpar se encerra hoje

As inscrições para a terceira chamada do processo seletivo da Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec) terminam na hoje, quinta-feira (7). Empreendedores que tenham um projeto tecnológico inovador podem participar da seleção e, caso selecionados, vão desenvolver seu produto ou solução dentro do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). O resultado da seleção será divulgado no dia 7 de novembro.
Os cinco critérios principais para pleitear uma vaga são: inovação (desenvolvimento de produto novo, complementar a algum existente, nacionalização de tecnologias ou desenvolvimento de similar), disposição de capital mínimo para investimento inicial, plano de negócios, equipe com formação em áreas complementares e, ainda, a existência de alguma iniciativa preliminar – no caso de produto, seria um protótipo ou um depósito de pedido de patente, por exemplo.
O edital prevê a incubação de quatro empresas residentes (que estarão fisicamente instaladas nas dependências da incubadora) e dez não-residentes (empreendimentos que já têm sede própria e que vão contar com o apoio tecnológico). Para se inscrever, o interessado deve ler o edital, disponível no site da Intec (http://intec.tecpar.br), e enviar a documentação exigida até o dia 7 de agosto.
História – Fundada em 1989, a Incubadora Tecnológica do Tecpar é a primeira incubadora de base tecnológica do Paraná e a quinta do país. Considerada uma das melhores incubadoras do Brasil, tem sede em Curitiba e atuação também em Jacarezinho, no Norte Pioneiro. Tem como missão contribuir para o desenvolvimento econômico e tecnológico regional, por meio de empresas inovadoras de base tecnológica. Ao longo de seus 25 anos, a incubadora já deu suporte tecnológico a mais de 75 empresas. No momento, seis empresas passam pelo processo de incubação: EngeMOVI, HIT Tecnologia em Saúde, Instituto de Biologia Molecular do Paraná, SAAS Ambiental, 2IM Impacto Inteligência Médica e Beetech.

Comente aqui