Arte

 

Espetáculo para as crianças, em Mandaguari

Em Mandaguari, um belo espetáculo para as crianças

As imagens falam alto sobre o sucesso do evento organizado pela Prefeitura de Mandaguari. O espetáculo “A Bruxa está Solta”, do Espaço Sou Arte de Campo Mourão, encantou as crianças da Rede Municipal de Ensino e da Escola Especial “Dom Jaime Luiz Coelho”, que lotaram as duas apresentações realizadas no Ginásio Municipal de Esportes Xanduzão.
O evento, em comemoração ao Dia das Crianças, foi promovido pela Prefeitura de Mandaguari, através da Secretaria da Educação (Departamento de Cultura), em parceria com a Secretária de Assistência Social e CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e Espaço Conviver.
Prestigiaram o evento o prefeito Romualdo Batista, o vice-prefeito Ari Stroher, os vereadores Jocelino Tavares (presidente do Legislativo), Hudson Guimarães, Sebastião Alexandre, Clarice Ignácio Pessoa Pereira, Luiz Carlos Garcia e Márcia Serafini e os secretários Vâine Miriam Michelan Batista (de Governo), Gisele Knupp (Assistência Social) e Adenise Batista Rodrigues (Educação).

O ESPETÁCULO – Era uma vez uma biblioteca encantada, cheia de mistérios, onde existia um livro mágico o qual nunca poderia ser aberto, pois mantinha aprisionados um bruxo perverso e sua fiel ajudante, inconformados com o final das histórias que sempre terminam bem. Até que três faxineiros atrapalhados em um descuido, misturado com curiosidade abrem o todo místico livro, libertando o Bruxo Cassandro e sua ajudante Estrupícia. A partir deste momento, inicia-se um plano de vingança, os dois malvados, tentam entrar nos principais, mais queridos e populares livros da literatura infantil para tentar implantar o mal, mudando os finais das histórias.
O Espetáculo, A Bruxa esta solta é a montagem que o Espaço Sou Arte leva para as crianças o encantamento da linguagem do circo, teatro e dança. A melhor forma de comemorar o dia da Criança com muita alegria e encantamento.
A história é contada em uma biblioteca gigante que é montada cenograficamente ao ar livre com mais de 40 metros de largura por 6 metros de altura, mais de 100 figurinos, 30 metros de palco, duas estruturas de números aéreos e com um elenco versátil e comprometido com o bem fazer artístico.

Mais fotos na fan page Ideias&Fatos.

Comente aqui


Mostra de Arte de Rua, domingo, em Maringá

De Adriano Bacurau, que coordena o setor da Juventude na administração municipal, recebo a informação sobre evento nesse domingo.
A Mostra de Arte de Rua começa às 14 horas, na Praça Pedro Alvares Cabral, a famosa Praça da Patinação (ou banks para a galera da cultura urbana).
Muito importante o apoio que a cultura urbana vem recebendo da Juventude, da Semulher, da área da cultura e também do esporte.
As manifestações populares dos jovens são ricas em cultura e novas linguagens e merecem ser conhecidas e apoiadas.

Comente aqui


Ferreira Gullar, 1930-2016

fraseFerreira Gullar foi um protagonista. Criativo e inovador pagou o preço. Idealista, suas ideias políticas também custaram muito. Mas nunca parou. Continuou ousando e por isso a sua obra nem sempre foi compreendida ou aceita.
A frrase “a arte existe porque a vida não basta” revela mais do que um sentimento, uma atitude que manteve a vida toda.
Inquieto e sem medo do novo, do inédito, do único, do espanto, assim viveu e foi Ferreira Gullar.
Sua obra permanecerá e, quem sabe, será melhor entendida e valorizada daqui há alguns anos. Acho que ele foi uma daquelas pessoas que nasceram antes da hora e viveram a frente do seu tempo.

Comente aqui


Argila como arte e inclusão social

argila
Em Sarandi a Secretaria de Assistência Social tem obtido resultados positivos com as aulas de Escultura em Argila, desde o inicio do ano.
O trabalho é realizado por Valmir Batista da Silva, bacharel em Psicologia. Ele é o coordenador do Ateliê de Modelagem e Escultura em Argila na UEM e participou de diversas mostras no Paraná.
Cerca de 200 alunos participam das aulas no Centro de Referência de Assistência Social-CRAS, no Centro Integrado de Ações Pedagógicas Sociais-CIAPS e no Programa de Acolhimento Institucional Municipal- PAIM.
Valmir éxplica que a prioridade é privilegiar a relação lúdica, o desenvolvimento humano os preceitos da arte-terapia, que surgiu para promover a estruturação psíquica pela arte. A modelagem em argila auxilia a pessoa a se reorganizar internamente, a reestruturar-se psiquicamente, a adquirir autoconfiança e auto-estima, a detectar e descobrir potencialidades, além de estimular a formação de novas sinapses e de trabalhar os movimentos mais finos.
Nesse ano ele pode observar benefícios para adultos e crianças. Um dos segredos não ensinar apenas a arte, mas as técnicas, oferecendo liberdade aos alunos para criar de expressar os sentimentos.

Assessoria de Comunicação de Sarandi
Sueli Coelho Pacheco – (44) 3126-8900
Contatos com Valmir Batista da Silva: (44) 9942-5142

Comente aqui


A arma da arte

A arte contundente de Pawel Kuczynky

A arte contundente de Pawel Kuczynky

De José Diniz recebi o link para a Folha Social, onde está publicado texto e ilustrações sobre Pawel Kuczynky.

“A Arte tem como uma de suas principais funções, que às vezes parece ter se perdido pelo caminho, denunciar, criticar, fazer pensar.
Dentro deste contexto alguns artistas nacionais e internacionais são bem conhecidos como, por exemplo, “Os Gêmeos” ou “Banksy”, mas talvez você não conheça Pawel Kuczynski.
Pawel Kuczynski é um cartunista/ilustrador polonês nascido em 1976. Graduado pela Academia de Belas Artes de Poznam e especializado em Artes Gráficas trabalha com Ilustrações satíricas desde 2004 e já foi agraciado com mais de 100 diferentes prêmios.”

Seu trabalho é realmente profundo, crítico, ácido. Impossível ver seus desenhos sem refletir sobre o mundo, os seres humanos e tantas contradições.
Sobram críticas até para a internet e as redes sociais.
Vale a pena dar uma olhada AQUI.

Comente aqui


Porque hoje é sábado

*Porque hoje é sábado faz 100 anos que nasceu no Rio de Janeiro um gênio das letras e da vida.
Vinicius de Moraes viveu muito e escreveu um pouco… bebeu um pouquinho mais, talvez, nos sábados (e quem sabe em outros dias também…).
Viveu cada dia com uma atualidade impressionante. Sabia inovar e se readaptar às coisas que aconteciam como poucos.
Celebrar o centenário de Vinicius, que conheci anda criança, adolescente talvez, me assusta. Não pode ter passado tanto tempo!
Também me alegra. Há coisas que não são atingidas pelo tempo. Como a arte, os sentimentos, os gênios, os sábados…
Os sábados! Fazem parte da minha vida de forma sagrada, profunda, eterna. Mesmo que vocês não entendam e que não seja possível explicar, aproveitem, exultem, sintam, vivam, muito, porque hoje é sábado.

Dia Da Criação
Vinicius de Moraes

I

Hoje é sábado, amanhã é domingo
A vida vem em ondas, como o mar
Os bondes andam em cima dos trilhos
E Nosso Senhor Jesus Cristo morreu na Cruz para nos salvar.

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Não há nada como o tempo para passar
Foi muita bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo
Mas por via das dúvidas livrai-nos meu Deus de todo mal.

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Amanhã não gosta de ver ninguém bem
Hoje é que é o dia do presente
O dia é sábado.

Impossível fugir a essa dura realidade
Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios
Todos os namorados estão de mãos entrelaçadas
Todos os maridos estão funcionando regularmente
Todas as mulheres estão atentas
Porque hoje é sábado.

II

Neste momento há um casamento
Porque hoje é sábado.
Há um divórcio e um violamento
Porque hoje é sábado.
Há um homem rico que se mata
Porque hoje é sábado.
Há um incesto e uma regata
Porque hoje é sábado.
Há um espetáculo de gala
Porque hoje é sábado.
Há uma mulher que apanha e cala
Porque hoje é sábado.
Há um renovar-se de esperanças
Porque hoje é sábado.
Há uma profunda discordância
Porque hoje é sábado.
Há um sedutor que tomba morto
Porque hoje é sábado.
Há um grande espírito de porco
Porque hoje é sábado.
Há uma mulher que vira homem
Porque hoje é sábado.
Há criancinhas que não comem
Porque hoje é sábado.
Há um piquenique de políticos
Porque hoje é sábado.
Há um grande acréscimo de sífilis
Porque hoje é sábado.
Há um ariano e uma mulata
Porque hoje é sábado.
Há um tensão inusitada
Porque hoje é sábado.
Há adolescências seminuas
Porque hoje é sábado.
Há um vampiro pelas ruas
Porque hoje é sábado.
Há um grande aumento no consumo
Porque hoje é sábado.
Há um noivo louco de ciúmes
Porque hoje é sábado.
Há um garden-party na cadeia
Porque hoje é sábado.
Há uma impassível lua cheia
Porque hoje é sábado.
Há damas de todas as classes
Porque hoje é sábado.
Umas difíceis, outras fáceis
Porque hoje é sábado.
Há um beber e um dar sem conta
Porque hoje é sábado.
Há uma infeliz que vai de tonta
Porque hoje é sábado.
Há um padre passeando à paisana
Porque hoje é sábado.
Há um frenesi de dar banana
Porque hoje é sábado.
Há a sensação angustiante
Porque hoje é sábado.
De uma mulher dentro de um homem
Porque hoje é sábado.
Há a comemoração fantástica
Porque hoje é sábado.
Da primeira cirurgia plástica
Porque hoje é sábado.
E dando os trâmites por findos
Porque hoje é sábado.
Há a perspectiva do domingo
Porque hoje é sábado.

III

Por todas essas razões deverias ter sido riscado do Livro das Origens, ó Sexto Dia da Criação.
De fato, depois da Ouverture do Fiat e da divisão de luzes e trevas
E depois, da separação das águas, e depois, da fecundação da terra
E depois, da gênese dos peixes e das aves e dos animais da terra
Melhor fora que o Senhor das Esferas tivesse descansado.
Na verdade, o homem não era necessário
Nem tu, mulher, ser vegetal dona do abismo, que queres como as plantas, imovelmente e nunca saciada
Tu que carregas no meio de ti o vórtice supremo da paixão.
Mal procedeu o Senhor em não descansar durante os dois últimos dias
Trinta séculos lutou a humanidade pela semana inglesa
Descansasse o Senhor e simplesmente não existiríamos
Seríamos talvez pólos infinitamente pequenos de partículas cósmicas em queda invisível na terra.
Não viveríamos da degola dos animais e da asfixia dos peixes
Não seríamos paridos em dor nem suaríamos o pão nosso de cada dia
Não sofreríamos males de amor nem desejaríamos a mulher do próximo
Não teríamos escola, serviço militar, casamento civil, imposto sobre a renda e missa de sétimo dia,
Seria a indizível beleza e harmonia do plano verde das terras e das águas em núpcias
A paz e o poder maior das plantas e dos astros em colóquio
A pureza maior do instinto dos peixes, das aves e dos animais em cópula.
Ao revés, precisamos ser lógicos, freqüentemente dogmáticos
Precisamos encarar o problema das colocações morais e estéticas
Ser sociais, cultivar hábitos, rir sem vontade e até praticar amor sem vontade
Tudo isso porque o Senhor cismou em não descansar no Sexto Dia e sim no Sétimo
E para não ficar com as vastas mãos abanando
Resolveu fazer o homem à sua imagem e semelhança
Possivelmente, isto é, muito provavelmente
Porque era sábado.

Comente aqui


Arte como razões para viver

O Diário destacou ontem (22), no seu caderno D+ o trabalho que a Organização Hip Hop Maringaense está realizando.
Merecido destaque para um grupo que tem como objetivo incentivar a arte como caminho seguro para motivação de vida para muitos jovens, de todas as idades.

Comente aqui


“Os testamentos traídos”

Há alguns anos li “Os testamentos traídos”, ensaio de Milan Kundera, onde ele descreve com magia  e profundidade sobre literatura e música, os grandes autores do romance e da música clássica ao longo do tempo, os seus legados, a apropriação indevida e a deformação da sua obra pelo plágio, supressões, inclusões e alterações absurdas, sem o menor respeito aos autores.
Vivemos a época do “Ctrl C” + “Ctrl V” e assim caminha, corre e transcorre a humanidade.
Copiar uma coisa e publicar ignorando o verdadeiro autor ou assumir uma autoria se tornou lugar comum nos tempos da internet.
Os “hoax” (boatos, fraudes, pegadinhas…) também se multiplicam, em textos, frases, imagens e vídeos atribuídos a pessoas que nunca escreveram, disseram ou fizeram algo parecido.
Parece curioso e contraditório que navegar na internet tem me levado a páginas extraordinárias. Mesmo raras, são muitas, milhões, entre bilhões de títulos e endereços.
São fotos, desenhos, telas, arte, criações das mais diversas. Resgatar e preservar os autores, a propriedade cultural, é e será um dos maiores desafios do nosso tempo e do que virá.

Meu filho está lendo Kundera.
Ele publicou, com o devido crédito, o seguinte texto de Kundera, no livro que citei acima:

“”Suspender o julgamento moral não é a imoralidade do romance, é a sua moral. A moral que se opõe à irremovível prática humana de julgar imediatamente, sem para, a todos, de julgar antecipadamente sem compreender. Esta fervorosa disponibilidade para julgar, é a asneira mais detestável, o mal mais pernicioso. A criação do campo imaginário em que o julgamento moral fica suspenso foi uma proeza de imenso valor: somente aí podem desabrochar os personagens romanescos, ou seja, os indivíduos concebidos não em função de uma verdade preexistente, como exemplos o bem ou do mal, ou como representações de leis objetivas que se confrontam mas como seres autônomos fundamentados em sua própria moral, em sua própria lei.”

Um “viva” à liberdade de criar e a oportunidade de respeitar e reconhecer expressões, impressões e criações dos outros, por mais simples e básicas que sejam.
Nos próximos dias vou compartilhar aqui vários autores, com endereços de acesso. Assim como fiz com as crônicas do Nailor Marques Júnior e de Orivaldo Robles, recentemente.

Comente aqui


A arte e a verdade

“A arte é uma mentira que nos faz compreender a verdade.”
Pablo Picasso

Ontem publiquei esse frase. Recebi do advogado Joel Coimbra, que foi promotor e deputado estadual, o seguinte comentário que compartilho aqui:

“Caro Diniz, essa expressão merece uma interpretação prudente. O genial Picasso jamais compreenderia a arte como mentira. Isso foi apenas uma forma desprendida de se pronunciar. A arte é a própria verdade, uma verdade que às vezes só o artista consegue ver.
Li num livro do Jaques Maritain, intitulado ‘Arte e escolástica’, a seguinte frase, escrita por leitor anônimo: ‘O artista, saiba ou não, consulta Deus ao ver as coisas’. Grande abraço.”

Como gosta de dizer o nosso Frank Silva: – “Perfeitamente!”

Comente aqui