Dilma



367 deputados aprovam continuidade do impeachment de Dilma

placar
O placar do “sim” para o impedimento da presidente Dilma chegou a 367 votos favorável, um número acima dos 342 necessários para a sua aprovação.
O processo seguirá agora para o Senado, que votará pela abertura ou não do processo de “impeachment”.
O Planalto reagiu com uma entrevista coletiva do advogado geral da União, José Eduardo Cardozo, que acusou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, de ter aberto o processo “por vingança”.
Cardozo anunciou que a presidente Dilma fará um pronunciamento hoje e procurou defender a suposta falta de legitimidade da votação na Câmara dos Deputados. Ele prometeu que Dilma vai continuar lutando pelo mandato.
A votação demonstra, no entanto, um governo muito frágil, que não parece em condições de impedir o processo no Senado e o impedimento no Congresso Nacional.
Uma votação com 71% dos votos da Câmara dos Deputados não pode ser contestada como se não tivesse valor. Ao contrário, revela o quanto o governo esta hoje incapaz de reagir e governar.

1 Comentário


Irregularidade grave pode embasar impeachment de Dilma

O deputado federal Edmar Arruda (PSC) tem declarado que a decisão do TCU apontou para uma “grave irregularidade” cometida pelo governo petista. “O governo fez uma suplementação, sem passar pelo Congresso Nacional, o que é mais grave do que as chamadas pedaladas fiscais. A presidente autorizou a dar recurso sem a dotação orçamentária”, destaca o parlamentar que é membro das Comissões de Finanças e Tributação e Mista de Orçamento.
Para Edmar, a situação inédita da recomendação de desaprovação das contas levará ao congresso um debate histórico. Se as contas forem reprovadas pelos deputados e os senadores estará aberto o caminho para o impeachment.
O deputado lembra quie o caminho será longo, pois há uma ação judicial que cobra uma reanálise do Congresso Nacional sobre as contas dos ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso. “Enquanto estas contas não forem votadas, estamos impedidos de apreciar o parecer do TCU”, observa.
O deputado federal Edmar Arruda (PSC) foi designado para o cargo de relator setorial da área de Minas e Energia do Projeto de Lei Orçamentária para 2016. A nomeação foi feita pela senadora Rose de Freitas, presidente do colegiado de representantes das Lideranças Partidárias com assento na Comissão Mista de Orçamento (CMO).
Edmar compõe, desde o primeiro mandato, as mais importantes comissões da Câmara dos Deputados, entre elas as Comissões de Finanças e Tributação (CFT), Mista de Orçamento (CMO), Constituição e Justiça (CCJ) e a CPI do BNDES.

2 Comentários


Debates no segundo turno para presidente

A campanha do segundo turno para presidente está quente. Os debates serão momentos importantes para os eleitores.
O primeiro debate entre Aécio e Dima será amanhã, terça-feira, dia 14 de outubro, a partir das 22h15, na Band.
O encontro será mediado por Ricardo Boechat, âncora do Jornal da Band.
Ainda essa semana, na quinta-feira (16), às 18 horas, o debate será no SBT.
Outros dois debates estão agendados: dia 19 na Record e dia 24 na Globo.

Comente aqui
 

Hora trocar política por responsabilidade

pr-dilma

Ontem quando vi a notícia de que o governo federal havia liberado R$ 140 mil para ajudar as vítimas das chuvas no Paraná a primeira coisa que pensei foi: – “Isso é brincadeira!”
Ficou ainda pior quando comparado com Santa Catarina, que já recebeu imediatamente mais de R$ 5 milhões.
Mas o Paraná e Santa Catarina vão precisar de muito mais do que isso.
Surgiu ontem no fim da tarde a informação de que o governo federal admitiu que a notícia dos R$ 140 mil havia sito um erro. Que o Paraná já teria R$ 3 milhões. Pouco, muito pouco, pouco demais para o tamanho das tragédias ocorridas em várias regiões, estradas e pontes do nosso estado. Um desastre gigantesco, que mereceu ação imediata do governador Beto Richa e equipes, voluntários, doações, que vai exigir responsabilidade do governo federal e tratamento republicano com os paranaenses, o que não tem ocorrido.
Onde estão nossos senadores Gleise e Requião nesse momento? Preparando campanhas eleitorais? Deveriam estar no gabinete da presidenta Dilma pedindo pelo Paraná, cobrando pelo Paraná, exigindo pelo Paraná.
Aliás, a hora é perfeita: Começo da Copa, aquecimento da campanha eleitoral. Presidenta Dilma: Venha ao Paraná com os cheques de empréstimos obstruídos nos últimos dois anos e com recursos que a 5ª economia do Brasil já recolheu aos cofres da União e não recebeu a justa contrapartida. Ainda dá tempo de reparar a injustiça histórica que o seu governo vem praticando contra o Paraná e todos os paranaenses.
Nunca antes na história desse país o Paraná foi tão preterido e prejudicado por um governo federal como agora.
Com a ajuda de dois senadores que estão de olho no que? Na campanha eleitoral de 2014.

Presidenta Dilma: R$ 3 milhões para ajudar a recuperar o Paraná depois das cheias, estradas e pontes destruídas, milhares de desabrigados? Com todo o perdão pela sinceridade, isso é muito, muito, muito pouco. Sem contar os bilhões que o seu governo deve para o povo paranaense. Por favor, comece já a pagar essa conta.

#respeitoaoPR

Atualizando – 11h17 – O governo do Paraná está mobilizado, liberando recursos e trabalhando, pedindo ajuda solidária e humanitária em ações emergenciais de socorro às vítimas das chuvas em todo o estado. Um levantamento do tamanho do prejuízo só será possível quando os rios voltarem aos níveis normais. Um levantamento preliminar estima os prejuízos em no mínimo R$ 500 milhões.

2 Comentários


Governo Dilma deixa Paraná na mão, mais uma vez

Paraná: R$ 140 mil; SC: R$ 5,38 milhões

Paraná: R$ 140 mil; SC: R$ 5,38 milhões

Está na capa do UOL e nos principais portais de notícias. O governo federal anunciou R$ 140 mil para o estado do Paraná. Ajuda emergencial para atendimento a mais de 13 mil desalojados.
Para Santa Catarina, confirma o portal, que tem 20 mil desabrigados, o governo federal já garantiu R$ 5,38 milhões.

Não há coincidência: o Paraná sempre está atrás de outros estados quando os recursos vem do Governo Federal.

Comente aqui


Micro e pequenas empresas lamentam veto de Dilma ao fim da multa do FGTS

Conampe lamenta veto de Dilma ao fim da multa adicional do FGTS – A Confederação Nacional da Micro e Pequena Empresa e dos Empreendedores Individuais (Conampe), divulgou nota lamentado o veto da presidente Dilma Rousseff ao PLP 200, que acabava com multa adicional de 10% de FGTS para as demissões sem justa causa. No dia 15 desse mês a confederação encaminhou carta para a presidente Dilma pedindo que ela não vetasse o projeto, acabando com a multa é especialmente cruel e agressiva para a micro e pequena empresa.
Na carta, o presidente da Conampe, Ercílio Santinoni foi objetivo: “Nossa entidade registra, mui respeitosamente, a reivindicação pela sanção do PLP 200, com o fim da multa adicional de 10% do FGTS.
Ressaltamos que o fim dessa cobrança já deveria ter ocorrido, uma vez que já foi alcançado o equilíbrio das contas do FGTS”.
O documento à presidente pontuava: “Não podemos concordar com a possibilidade de uso desse valor excedente ser utilizado em programas sociais ou para ajudar no superávit primário, por uma razão muito simples: a sobrevivência das microempresas e dos empreendedores individuais depende de todo o apoio possível. Somos responsáveis por 60% dos empregos do país, ou seja, esses 10% do FTGS representa um custo cruel e de difícil pagamento para a grande maioria das nossas empresas”.
Para Ercílio Santinoni o veto da presidente representa mais um custo às empresas, fere os seus direitos, descumpre um acordo feito no passado para o equilíbrio das contas do FGTS e reduz a motivação e a capacidade da micro e pequena empresa de gerar empregos.
“Esse veto nos entristece, em momento no qual esperamos muito da presidente Dilma através da Secretaria da Micro e Pequena Empresa e das políticas públicas de fomento aos pequenos negócios, tão importantes para a economia brasileira.

Quem são as MPEs – A micro e pequena empresa representa 99% das empresas brasileiras (mais de 4,5 milhões de empresas e 3,1 empreendedores individuais), detém 63% dos empregos no país e participa com 20% dos PIB do Brasil, cerca de R$ 840 bilhões.

O que querem as MPEs – A Confederação Nacional das Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais (Conampe), presidida por Ercílio Santinoni, e entidades do segmento defendem: 1 – Assegurar no PLC 237/2012 vaga da CONAMPE no Conselho Deliberativo do SEBRAE Nacional. 2 – Eliminar substituições tributárias para as MPEs. 3 – Criar o Simples Trabalhista. 4 – Implantação da REDESIM, criando uma única inscrição empresarial e simplificar o processo de abertura e encerramento das empresas. 5 – Inserir as MPEs nas compras públicas. 6 – Criar o Simples Comércio Exterior com sistema de livre comércio internacional e tratado de reciprocidade tributária. 7 – Criação do Portal Geral de acesso a todas as informações para o comércio internacional. 8 – Facilitar o acesso ao crédito com redução das taxas de juros.

Comente aqui


Dilma e o ketchup

Quando um fenômeno sem precedentes ocorre, faltam parâmetros para analisá-lo. As fórmulas gastas e os chavões não servem. Para entender o que acontece com a popularidade da presidente Dilma Rousseff é preciso combinar a ciência política com a física teórica. É exótico, mas o fato em análise também é.
Desde que se começou a sondar regularmente a opinião pública sobre o desempenho dos presidentes brasileiros, após a ditadura, nunca houve uma queda como a de Dilma. Uns governantes chegaram bem mais baixo, outros perderam mais pontos, mas ninguém caiu tão rapidamente quanto a presidente caiu em três semanas.

Assim José Roberto de Toledo inicia seu texto, muito bom, no espaço de política do Estadão.
Quase 700 mil pessoas haviam curtido o comentário, até às 11h55.

Ele escreve mais:

Com ou sem razão, Dilma personificou a crise. Estava bem na frente quando tudo deslizou. Acabou servindo de para-choque. Mesmo se a presidente propõe algo que tem o apoio de mais de dois terços dos brasileiros – como o plebiscito e a Constituinte para reformar a política -, isso não melhora a sua imagem.
A consequência imediata é que o drive eleitoral mudou. O desejo de continuidade virou desejo de mudança. Os 25% de simpatia que o PT sustenta apesar da crise possibilitam sonhar com um lugar na reta final de 2014, mas são insuficientes para a vitória. Aumenta a pressão para Lula sair da história para voltar à vida.
Na oposição, o cenário passa a ser de briga entre os candidatos pela outra vaga, já que o segundo turno parece garantido. Tudo parece certo, até a próxima avalanche reescrever a história.

Na íntegra AQUI

Comente aqui


Mulheres poderosas

Do Facebook da ministra Gleisi Hoffmann: “A presidenta da República, Dilma Rousseff, é a segunda mulher mais poderosa do mundo. A constatação vem do ranking anual divulgado pela revista Forbes. Na lista, a brasileira fica atrás apenas da chanceler alemã Angela Merkel”.

Comente aqui


Dilma vai autorizar contratação de médicos estrangeiros para o interior

A Frente Nacional de Prefeitos informa no seu site e redes sociais que a presidente Dilma atenderá sua reivindicação e autorizará a contratação de médicos estrangeiros para atuarem no interior do país.
Segundo a FNP, em junho, a presidente da República, Dilma Rousseff, vai autorizar essa contratação de médicos estrangeiros, atendendo a apelo de campanha lançada pela entidade de prefeitos, em janeiro deste ano, denominada “Cadê o Médico?”.

9 Comentários