Hospsus



Coluna de terça-feira, dia 12 de setembro

PEQUENOS HOSPITAIS O governo do Paraná tem repassado, mensalmente, recursos para 106 pequenos hospitais, no interior. O Hospsus é um programa de grande importância para estes hospitais, criado e desenvolvido sob a coordenado do secretário de Saúde do Paraná, o maringaense Michele Caputo.

NÚMEROS Dos 106 hospitais, 86 são públicos municipais e 20 filantrópicos. Os valores repassados variam de R$ 10 mil a R$ 60 mil mensais.

TOTAL Segundo Caputo, desde a implantação do Hospsus, em 2011, o Estado já destinou mais de R$ 700 milhões ao custeio de hospitais deste porte, no Paraná.

URBANISMO Em 2011 e em 2015, em dois estudos diferentes, publicados pela Exame, Maringá foi se destacou por ter o melhor planejamento urbano do Brasil.

FIM DO IMPOSTO PROGRESSIVO Hoje os vereadores devem votar, em segunda discussão, o projeto de lei complementar que acaba com o IPTU progressivo, em 2018.

FERRAMENTA O IPTU progressivo é principal instrumento do Estatuto da Cidade para evitar vazios urbanos. Mesmo provisória, segundo o Executivo, a suspensão preocupa.

CALÇADAS Leitor da coluna escreve para falar dos desníveis das calçadas do Bosque 2 e também na Praça Renato Celidônio, indo para o Fórum.

EROSÃO A erosão do Bosque 2 tem aumentado o declive da calçada, em vários pontos do parque. Há riscos de desabamentos para dentro do parque.

SEM ACESSIBILIDADE O CMEI Afonso Vidal César, na rua Laz Paz, na Morangueira, tem 25 anos, foi reformado em 2015, mas não tem acessibilidade.

MUDANÇAS CLIMÁTICAS Por falar nisso, quem a lei que proibiu o CFC no Paraná foi feira pelo maringaense Lindolfo Junior, então deputado estadual, em 1987.

ATENTADO Por aqui passou quase em branco, ontem, o atentado às torres gêmeas, em Nova Iorque, ocorrido há 16 anos, em 2001. Assuntos do dia, furacão, corrupção e prisões.

COLETIVA O deputado Ratinho Junior (PSD) concederá hoje, às 14 horas, coletiva na Assembleia Legislativa. Ratinho Junior vai fazer um balanço das suas ações como secretário de Desenvolvimento Urbano do Paraná.

MAIS APOIO Em entrevistas, a vice-governadora Cida Borghetti tem anunciado a sua pré-candidatura ao governo e falado em uma ampla frente de apoio à chapa majoritária.

 

REGIÃO

FLORESTA Atletas de Floresta se destacaram na Copa do Brasil de Kickboxing 2017, organizada pela Confederação Brasileira de Kickboxing, em Londrina.

ATLETAS A equipe teve Paulo Sagae (Paulinho), campeão; Alexandre Blanco Rodrigues (Xandy) e o professor Diego Olher (Mestre Grafith), vice-campeão.

CONSÓRCIOS A melhor solução para os resíduos sólidos de uma região, são consórcios. Faz tempo que se sabe isto. Porque as lideranças municipalistas não falam sobre isto?

SAMU O médico regulador e intervencionista do SAMU Regional, Maurício Lemos, fará palestra na Câmara de Mandaguari, amanhã, 13, às 19:30hs, sobre o funcionamento do serviço na cidade.

 

FRASE
“Não se pode criar experiência. É preciso passar por ela”. Albert Camus

 

PARA LEMBRAR

15 DE SETEMBRO, 21 horas, Teatro Marista, espetáculo “Meu Passado Me Condena – A Peça”. Atores Fábio Porchat e Miá Mello. Ingressos disponíveis na Av. Getúlio Vargas 266, térreo do Edifício Três Marias, e no site AloIngressos. Os valores para o segundo lote são R$ 130,00 inteira e R$ 65 meia.

16 DE SETEMBRO, 20 horas – ANIVERSÁRIO – “20 Anos do Colégio Estadual Tânia Varella Ferreira”. Comemoração com jantar/baile, no Buffet Ilha Di Capri (Avenida Alziro Zarur, nº 172 – Mandacaru – Maringá/PR).

21 DE SETEMBRO, 18h30, na Uningá. Palestra com o Dr. Maurício Casa, especialista Invisalign e Tratamento Ortodôntico Estético. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no site da instituição: uninga.br.

 

ÚLTIMA
Indireta em Facebook é como granada: Mira em um, acerta em trinta!

1 Comentário


Pequenos hospitais recebem recursos mensais do Estado, no Paraná

Michele Caputo Neto

Os 106 hospitais de pequeno e médio porte do Paraná recebem R$ 2,6 milhões mensais da Secretaria Estadual da Saúde para custeio de serviços prestados à população. Eles integraram à terceira fase do Hospsus, programa de apoio aos hospitais públicos e filantrópicos.
“Este investimento amplia o atendimento hospitalar em todo Paraná”, destacou o secretário Michele Caputo Neto. Segundo ele, desde a implantação do Hospsus em 2011, o Estado já destinou mais de R$ 700 milhões ao custeio de hospitais deste porte, o que tem garantido resultados expressivos, como a ampliação de leitos gerais e de UTI.
“Os incentivos criados pelo Estado têm regras e metas. Não se trata de mesada, mas de recursos públicos aplicados para custear e ampliar serviços aos nossos cidadãos”, disse Caputo Neto. A Secretaria de Saúde identificou mais 76 hospitais que podem receber recursos estaduais, mas precisam aderir ao Hopsus. Com a adesão deles, o aporte mensal pode subir para R$ 4,5 milhões mensais.

Três fases – Dos 106 hospitais já credenciados na terceira fase do programa, 86 são públicos municipais e 20 filantrópicos. Os valores repassados variam de R$ 10 mil a R$ 60 mil mensais. Hospitais até 15 leitos recebem R$ 10 mil por mês; de 16 a 30 leitos, R$ 20 mil; de 31 a 50 leitos, R$ 30 mil. As unidades que possuem entre 51 e 100 leitos só podem participar do programa caso estejam em localizados em cidades com até 50 mil habitantes.
A primeira fase do programa, em 2011, foi dirigida a hospitais de alta complexidade e maternidades que atendem gestantes de alto risco. A segunda fase foi lançada no início de 2013 com a estratégia de qualificação do parto, voltada a hospitais e maternidades que atendem gestantes de risco habitual e intermediário.
A terceira fase entrou em funcionamento no final de 2013 para atender aos pequenos hospitais, na maioria públicos municipais. O apoio estadual oferece uma solução a estas instituições que, muitas vezes, possuem dificuldades em se manter, dando a elas uma nova vocação. Além do repasse de recursos, o Estado oferece apoio e consultoria para que os hospitais se adaptem às regras do programa e garantam a contrapartida à sociedade.

Linhas de atuação – Cada hospital pode optar por uma das três linhas de atuação: priorizar a atenção materno-infantil, aderindo à Rede Mãe Paranaense; atuar como Centro de Atenção Psico-Social, na área de atendimento de saúde mental; ou fortalecer seu atendimento de urgência e emergência.
“Aumentar a capacidade de atendimento dos pequenos hospitais é uma forma de evitar a sobrecarga das instituições de maior complexidade, que estão concentradas nos grandes centros. Esse apoio fortalece toda rede hospitalar”, afirmou o diretor do Paraná Urgência, Vinícius Filipak.
Um dos municípios atendidos pelo repasse é Prado Ferreira, no norte do estado. Segundo o prefeito e também presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema (Cismepar), Sílvio Antônio Damasceno, desde o começo do governo Beto Richa o repasse de recursos para os hospitais da região aumentou mais de seis vezes.
“Este recurso do Estado ajuda muito a equilibrarmos as contas. Os hospitais públicos representam cerca de 80% dos gastos com saúde que temos na região. Graças a esta e outras iniciativas da Secretaria de Saúde e do Governo do Estado vamos poder ajudar muito mais a população”, enfatizou Damasceno.

Comente aqui