Meio Ambiente



Caminhões de lixo

O governador Beto Richa repassa, hoje, dia 22, mais R$ 12 milhões para 47 cidades comprarem caminhões de coleta de lixo. Richa já liberou outros R$ 20 milhões aos pequenos e médios municípios para implantarem a coleta seletiva de lixo. Cada convênio é de R$ 250 mil ou R$ 290 mil, conforme o tipo do caminhão.

1 Comentário


Purificação nos lagos dos parques

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Bem-Estar Animal (Sema) está providenciando edital de licitação para a compra de oito aeradores de água para purificar os lagos dos parques Alfredo Nyeffeler e do Ingá.
A medida visa incorporar oxigênio e quebrar a barreira de estratificação da água, impedindo níveis diferentes de temperatura e oxigênio, deixando os lagos mais homogêneos. De acordo com o secretário Jaime Dallagnol, o problema maior de escurecimento da cor da água ocorre atualmente no Parque Alfredo Nyeffeler, na Vila Morangueira, onde a falta de chuva neste mês fez baixar o nível da água. “Isso impede que sejam abertas as comportas para a drenagem do lago, que também sofre com a proliferação de algas e o acúmulo de excrementos das dezenas de patos que frequentam o parque”, diz. Em menor proporção esses problemas também afetam o lago do Parque do Ingá, onde a água também é turva por conta da vazão diminuída. O projeto da Sema é distribuir quatro aeradores em cada um dos parques. “É certo que a qualidade da água nos dois lagos só será melhorada com a chegada da chuva, mas as providências que estamos tomando ajudarão a eliminar o excesso de formação de algas e minimizar os efeitos provocados pela proliferação de patos, que vêm aumentando de número a cada dia nas duas das principais áreas verdes da cidade”, conclui.

3 Comentários


Paraná em alerta

A combinação de geadas e a falta de chuvas aumenta os riscos de incêndios ambientais nesta época do ano. O alerta é da Defesa Civil Estadual, o Corpo de Bombeiros e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) que fazem um alerta sobre a importância da população para evitar os incêndios. Neste ano, já foram registradas 3.525 ocorrências de incêndio ambiental. Apenas no mês de julho, que e o com maior número de incêndios, foram 1.013, com uma pessoa ferida. Em 2016 foram atendidas 10.708 ocorrências de incêndios ambientais no Paraná, com oito feridos.
“Durante o inverno, com a diminuição das temperaturas e da quantidade de chuvas, o tempo fica mais seco e a umidade do ar cai muito. Isso torna o ambiente propício para mais incêndios”, explica a responsável pela Comunicação Social do Corpo de Bombeiros, tenente Rafaela Diotalevi. A geada também contribui para a ocorrência de incêndios, pois queima a vegetação e facilita o processo de combustão.

Comente aqui


O Horto para os maringaenses

Ulisses Maia, com Jaime Dallagnol e Wilson Matos com o presidente da Companhia, Gastão Mesquita

Foto de Tabajara Marques

A notícia foi manchete de O Diário de ontem e é muito esperada pelos maringaenses. O prefeito Ulisses Maia esteve reunido com o presidente da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, Gastão Mesquita, e pediu, formalmente, a doação da área ao município.
A razão do pedido é simples: a área já recebeu, atendendo a determinação judicial, obras de infraestrutura e conmbate à erosão, investimento elevado, que foi feito pela Prefeitura. Agora estão listadas mais 20 obras na área. Assim, ou a Companhia doa a área ou investe na readequação ambiental da área.
O Horto Florestal de Maringá tem uma história. Durante muitos anos foi o local mais visitado pelos maringaenses. Era o único local aberto, organizado, de rara beleza.
Fechado desde outubro de 2003, o Horto Florestal de Maringá permanece como um ativo turístico e histórico importante da cidade, que precisa ser cuidado e reaberto, com os devidos cuidados e preservação.
Ulisses está otimista quanto a um acordo com a Companhia.
Destacamos isso na coluna Ideias & Fatos deste domingo.
Hoje, dia 11, Tabajara Marques publicou várias fotos do Horto Florestal no seu blog.

4 Comentários


Semana do Meio Ambiente

A abertura da Semana de Meio Ambiente nesta segunda, 5, contou com a temática da preservação ambiental por meio de apresentações de corais e quarteto de cordas, declamações de poesias, exposição de trabalhos com sucatas do artista plástico Neto Silva, sensibilização contra a dengue e entrega do plano de ação evangelizadora que integra atividades ambientais e sociais da Arquidiocese de Maringá.

O evento, realizado na Câmara de Vereadores, teve como plateia alunos e professores da rede municipal, tendo a participação do vice-prefeito Edson Scabora, do presidente do Legislativo, Mário Hossokawa, do secretário de Meio Ambiente, Jaime Dallagnol, de vereadores, servidores, representantes da Arquidiocese, convidados e comunidade.

Comente aqui


Junho, meio ambiente

Escolhi essa foto do Jackson Yonegura para a capa deste começo de junho, Semana do Meio Ambiente, na gan page Diniz Neto Ideias & Fatos. 5 de junho é o Dia Mundial do Meio Ambiente. A foto mostra a beleza e os desafios do campo e da cidade, dos fundos de vale urbanos, loteamentos, ocupação do solo, enfim, a atividade humana sobre a terra. Reflorestar, cuidar, preservar, limpar, proteger. Temos a fazer pelo nosso meio ambiente.

Convido os amifos e amigas do blog para curtirem a fan page também.

Comente aqui


Bem-Estar Animal, ao vivo

Neste momento está sendo inaugurada a sede da Diretoria de Bem-Estar Animal, em Maringá.
A diretoria faz parte da Secretaria de Meio Ambiente e Bem-Estar Animal.
Esta é uma inovação importante, em gestão e políticas públicas, no país.
Assista ao vivo ou veja o vídeo, depois.

Comente aqui


Ávores solares: novo projeto é desenvolvido no Brasil

Em janeiro de 2014 publiquei um texto sobre uma árvore solar, desenvolvida no Chile.
Recebi foto e informação de uma assessoria de imprensa. Muitas pessoas me pediram o contato, porém apesar de inúmeras tentativas, não conseguimos, o que foi frustante.
Agora tenho a acesso a uma informação mais concreta. Um projeto que está desenvolvendo árvores solares no Brasil. A notícia está na série “Trilhas da Educação”, no portal do Ministério da Educação.
O título é “Árvore solar produz energia em campus de universidade cearense”. Essa árvore foi idealizada com a finção de captar energia solar e armazená-la para carregar bicicletas elétricas, outro projeto da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
A árvore é um primeiro passo das pesquisas, porém tem um valor inquestionável, pelo que representa como mais um passo importante para que a energia renovável se torne uma realidade no Brasil e no mundo.
A árvores vai contribuir para o deslocamento dos servidores responsáveis pela segurança local, substituindo motocicletas e carros, com as bicicletas elétricas. Com isso, a UECE vai gastar menos com combustível e o ar fica mais puro. Sem contar que a árvore ocupa um espaço otimizado, bem menor que a disposição tradicional das células de absorção da luz e do calor do sol.
A meta agora é ampliar o projeto dentro e fora da universidade, a fim de atingir um público maior no transporte alternativo, como funcionários de fábricas e supermercados. “Queremos que ele integre o mobiliário urbano e tenha uma clara relação formal com a natureza,” afirma Lutero de Lima, professor do mestrado em Ciências Físicas Aplicadas da UECE.
Segundo Lutero Lima o objetivo da expansão do projeto é estimular o desenvolvimento econômico sustentável. Às empresas que adotarem a tecnologia deverão ser concedidos créditos de carbono, uma espécie de certificado de qualidade por medidas que colaborem com a redução de gases que provocam o efeito estufa.

Acredito que agora todas as pessoas interessadas terão acesso aos pesquisadores e ao projeto.
Isso é muito bom.

Acesso ao postal da Univesidade Estadual do Ceará >>> http://www.uece.br/uece/

Texto no Portal do MEC >>> Acesse aqui

Comente aqui


A natureza e o ciclo da vida

2016-06-02 Airton Donizete

Foto de Airton Donizete

5 de junho é o Dia Mundial do Meio Ambiente. A vida depende desse ciclo de natureza à nossa volta, com a preservação das águas, da vegetação e da fauna, enfim, de tudo que vive.
Meio ambiente depende de todos. Se um de nós não fizer a sua parte será o suficiente para contaminar o todo e iniciar ou agravar problemas.
Não há dúvida: o planeta vai mal nessa área. Há inúmeros desafios e alguns parecem mesmo difíceis de vencer e superar. Os próximos anos prometem novos problemas para uma velha irresponsabilidade.
O aquecimento global descongela geleiras, muda o nível dos oceanos, altera o clima. O desmatamento e outras intervenções humanas também causam mudanças climáticas. Como aqui mesmo, na nossa região, onde o lago de Itaipu e o desmatamento são causas de um novo ciclo de ventos, com tornados antes inexistes e hoje devastadores.
Mais do que estudar esses fenômenos precisamos ser convencionais e persistentes em preservar tudo o que vive e forma o ciclo da vida. Árvores e vegetação, nascentes, córregos e rios, o ar generoso que respiramos.
Meio ambiente começa com atitudes simples, gestos muito comuns e continua depois nas decisões mais complexas dos nossos modelos econômicos, das indústrias e atividades empresariais que escolhemos.
Uma coisa é certa: quando ignoramos o funcionamento do ciclo ambiental estamos, consciente ou inconscientemente, plantando a semente de problemas que teremos que enfrentar amanhã.

Comente aqui


Silvio Barros recebe prêmio de gestão em Fórum Mundial do Meio Ambiente

silvio
O secretário do Planejamento, Silvio Barros, foi homenageado, ontem, quinta-feira (25), em um dos eventos do Fórum Mundial do Meio Ambiente, realizado em Foz do Iguaçu. Barros recebeu o Prêmio Líder de Meio Ambiente, na categoria “Gestão Pública”.
O prêmio homenageou personalidades e empresas atuantes em território nacional, que realizam projetos ambientais no Brasil e demonstram claramente uma cultura empresarial preocupada com a sustentabilidade, a conservação da biodiversidade e dos recursos naturais do país, acima do exigido pela legislação brasileira ou pelas convenções sociais.
Silvio Barros foi o criador e primeiro presidente da Fundação Vitória Amazônica, a maior ONG ambientalista do estado do Amazonas, além de atuar em prol do meio ambiente no setor público.
Com o tema central “Mudanças climáticas e o impacto nas grandes cidades”, o objetivo do Fórum é debater temas urgentes para permitir o crescimento econômico e desenvolvimento social do país, com respeito à sustentabilidade e à defesa ambiental.

Comente aqui