Perfil



Pesquisa identifica perfil e revela dados socioeconômicos dos maringaenses

Uma pesquisa que ouviu 540 pessoas traçou um perfil e apontou como vivem, pensam e consomem os maringaenses. Os resultadosrevelam que a maioria da população é do sexo feminino (54,4%), tem entre 26 e 35 anos (27,6%), é casada (51,6%) e concluiu o ensino médio (30,7%). Em relação a ocupação profissional, 43% trabalham com carteira assinada, 45,5% atuam no setor de serviços e 32% têm renda familiar entre R$ 2,4 mil e R$ 4 mil.
O levantamento também revelou a percepção dos maringaenses sobre o cenário econômico. A maioria (47,3%) acredita que a economia maringaense estará um pouco melhor nos próximos seis meses. Apesar disso, 64,4% disseram que encontrar emprego na cidade está difícil e 32,8% acreditam que essa situação deve permanecer inalterada pelo menos até o próximo ano.
Projeto Maringá em Números trata-se de uma pesquisa de amostra de domicílios – realizada pelo Curso de Economia da Faculdade Cidade Verde (FCV), Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM) e Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (CODEM) – que tem por finalidade gerar indicadores a respeito de temas como população, educação, trabalho, rendimento, religião, economia, meio ambiente, entre outros. O levantamento será feito trimestralmente com o intuito de construir uma base de dados.
Os pesquisadores ouviram 540 pessoas no último dia 26 de agosto, em todas as regiões da cidade. A margem de erro é de 2,19 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%, o que quer dizer que a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

Comente aqui


ARNOLD SCHWARZENEGGER – Governador acumula feitos, mas perde fãs

O governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, se prepara para deixar o cargo em janeiro. E a lição que vai tirar de seus sete anos de esforço talvez seja que virar um político independente é algo que pode render muitas coisas a uma pessoa: uma eleição, talvez uma reeleição, a adoção de novas políticas. Mas isso não significa que essa pessoa vai ser admirada.
Se a característica marcante da verdadeira independência é a escassez de amigos, então Schwarzenegger é o exemplo rematado do político independente.
Seu índice de aprovação popular não passa dos 30% desde maio de 2009. A Califórnia continua mergulhada em problemas fiscais profundos, com um deficit orçamentário de US$ 19 bilhões.
Schwarzenegger é desprezado pelos funcionários públicos estaduais (cujos salários reduziu), pelos democratas (que rejeitam sua aversão a novos impostos e seu desejo de cortar benefícios sociais) e pelos republicanos (que gostariam que essas aversões e desejos do governador fossem mais fortes), sem falar em estudantes universitários, pais de alunos de escolas públicas e pessoas que não gostam do cheiro de charuto.
“Durante a trajetória inteira houve pessoas que se decepcionaram”, disse Schwarzenegger, dando uma tragada em um charuto em sua sala de trabalho em Santa Monica.
“Tudo o que você faz, você pensa que vai torná-lo mais popular” -mas ele descobriu que as coisas não são assim. “Eu passo de carro por Sacramento e há gente que grita comigo na janela.”
Seu impacto mais notável terá sido sobre a própria política. Schwarzenegger convenceu os eleitores da Califórnia a aprovar eleições primárias não partidárias, nas quais os dois candidatos que tiverem o maior número de votos, independentemente de sua filiação partidária, se enfrentarão em um pleito geral.
E, em 2008, ele tirou das mãos dos parlamentares o direito de desenhar o traçado dos distritos legislativos.
“Está claro que ele ficará na história como o maior reformador político na história moderna da Califórnia”, disse Jim Brulte, ex-parlamentar republicano.
Em 2006, na época da reeleição, o governador tomou o partido dos democratas, impondo controles mais rígidos sobre emissões de dióxido de carbono, elevando o salário mínimo em US$ 1 por hora e exigindo que Washington permitisse aos californianos importar medicamentos mais baratos do Canadá.
Após sua reeleição, contudo, Schwarzenegger e os democratas se desentenderam em relação ao Orçamento. Os republicanos zombaram dele por concordar em elevar alguns impostos para cobrir o grande deficit orçamentário.
Depois disso, Schwarzenegger se desentendeu com os democratas em torno da redução dos salários e benefícios dos funcionários públicos.
O governador terá sua imagem vinculada para sempre a um dos piores ciclos orçamentários da história do Estado, ciclo esse que incluiu o ano em que a Califórnia emitiu notas promissórias a seus credores -a segunda instância apenas em que isso tinha sido feito desde a Grande Depressão. Além disso, ordenou o licenciamento de funcionários do Estado.
“Ele agravou o problema, sob alguns aspectos-chave”, opinou Jean M. Ross, diretora-executiva do Projeto de Orçamento da Califórnia, organização de viés esquerdista. Ela citou o fato de Schwarzenegger ter defendido a possibilidade de governos locais movimentarem verbas entre setores e ter pedido que um grande pacote de títulos fosse submetido à aprovação dos eleitores em um momento de dificuldades fiscais graves.
Schwarzenegger não revela o que a vida reserva para ele depois de deixar o governo da Califórnia. Mas seu passado como atleta lhe ensinou a buscar sua próxima vitória.
“Quando você olha meus bíceps, você diz ‘uau, veja o resultado do treinamento’.
Isso é o óbvio.” Mas o mais significativo, disse o governador, é o efeito interno do treinamento: “Quanto mais duro você treina, mais você conquista. Não existe atalho. Cada vez que você tropeça, tem de se reerguer e tentar de novo”.
JENNIFER STEINHAUER, LOS ANGELES

Comente aqui