Reforma Trabalhista



Amanhã, dia 24: Evento apresentará mudanças na legislação trabalhista

Fórum Justiça, Capital e trabalho. Evento que será realizado amanhã, dia 24 de novembro, a partir das 13 horas, no Hotel Metrópole de Maringá.
A terceirização, a flexibilização da jornada, o fatiamento das férias e o fim da contribuição sindical.
Temas em debate com o advogado tributarista Dirceu Galdino; desembargadores Cássio Colombo Filho e Ney José de Freitas e juiz federal Marlon Mellek, membro da Comissão de Redação Final da nova Lei Trabalhista.
Vagas limitadas. Mais informações estão no site www.forumjct.com.br

1 Comentário


Dolar cai após aprovação da reforma

O dólar opera em baixa frente ao real nesta quarta-feira (12), no patamar de R$ 3,22, em meio ao otimismo com a aprovação da reforma trabalhista no Senado, na véspera. Também pesam as apostas de que o banco central norte-americano não vai subir os juros além do esperado.
Às 11h39, a moeda dos EUA caía 0,71%, cotada a R$ 3,2299 para venda. Veja a cotação de hoje Na mínima do dia, o dólar bateu R$ 3,2152, o patamar mais baixo desde 1º de junho.

Comente aqui


Opinião: Reforma trabalhista

O deputado federal Edmar Arruda (PSD) encaminhou artigo com o título “A Mentira do PT sobre a reforma Trabalhistas”, com um relato sobre a sua posição e opinião sobre o tema.

“É necessário esclarecer alguns pontos sobre a Reforma Trabalhista.
Promovemos a atualização da legislação trabalhista em 100 pontos. Necessária para a adequação diante da realidade brasileira.
Infelizmente, o Partido dos Trabalhadores – PT está divulgando que foram tirados 100 benefícios. Uma mentira deslavada e irresponsável de um partido que acabou com a economia do País, deixou uma herança maldita com inflação e juros altos, além de déficit primário, rombo previdenciário e alto índice de desemprego, gerando uma das mais severas recessões econômicas da nossa história.
No poder, o PT mostrou ser um governo corrupto que instalou uma quadrilha para delapidar o patrimônio da nação, em especial da Petrobras e de outras estatais.
Aprovamos uma reforma trabalhista mínima com a responsabilidade necessária para modernizar uma legislação ultrapassada, com o objetivo de alavancar o desenvolvimento e o crescimento da atividade produtiva.
É necessário ressaltar que nenhum benefício conquistado, como férias, abono de férias, FGTS e 13º salários foram perdidos.
As leis ficaram mais objetivas, claras e adaptadas ao nosso tempo, garantindo, por exemplo, benefícios para aqueles que trabalham de forma intermitente – é o caso dos garçons. Esta clareza garante direitos e resulta em menos custos gerados por lacunas mal interpretadas, que vão parar nos Tribunais, gerando um custo superior a R$ 17 bilhões por ano e uma estrutura com mais de 62 mil funcionários.
A nova proposta dá força para acordos entre patrões e empregados e abre caminho para tornar mais flexíveis os contratos de trabalho, acaba com o imposto sindical obrigatório que sustenta os mais de 15 mil sindicatos no Brasil – um verdadeiro absurdo, permite parcelar as férias anuais em três períodos e cria jornadas de trabalho mais flexíveis – outro exemplo aqui é o home office.
O trabalhador não perde nenhum benefício já conquistado e todas as medidas foram propostas com base em dezenas de países, além da consultoria de especialistas e as discussões em audiências públicas no Congresso.
A Reforma Trabalhista é a favor de um Brasil mais moderno, justo e competitivo.
Tenho orgulho de ser deputado federal e participar deste momento do Brasil”.

Comente aqui


Pisa ligeiro

Michel Temer determinou que a base governista “pise ligeiro” para votar a reforma trabalhista no próximo dia 28, dois dias antes da Greve Geral, no dia 30 de junho, convocada pelas centrais sindicais. Nesta terça-feira (20), os senadores devem cumprir mais uma etapa do processo de votação na Comissão de Assuntos Sociais (CAS).
Se aprovado o relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) na CAS, o texto seguirá para a apreciação pelo plenário.

Comente aqui