Saúde



Depressão: Excesso de passado

Palestra de hoje: “Depressão: Excesso de passado”, com a psiquiatra Drª Roberta Rossi Grudtner.

A palestra faz parte de uma programação organizada pela Igreja Adventista Central de Porto Alegre, que prosseguirá até o dia 21 de fevereiro, aos domingos e quartas-feiras, sempre às 19h30. As palestras são feitas por psiquiatras e cada uma delas trata de um dos capítulos do livro “O Poder da Esperança – Segredos do Bem-Estar Emocional”.

As palestras são transmitidas pelo YouTube e estão todas disponíveis no canal IASD POA.

Leia mais sobre o libre o ciclo de palestras aqui no blog.

2 Comentários


Ricardo Barros anuncia recursos em Apucarana e Umuarama

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, anuncia neste sábado (20) recursos para ampliar consultas, exames e atendimentos nas regiões de Apucarana e Umuarama.
Acompanhado da vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti, Barros inicia a agenda em Apucarana, às 8h30, na prefeitura, onde libera recursos para o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Ivaí (Cisvir). O dinheiro vai permitir o aumento do número de consultas, exames e cirurgias em 17 municípios da região, também serão liberados para o Hospital da Providência e o Hospital Geral.
Em Umuarama, às 11h30, o ministro da Saúde anuncia mais recursos para também ampliar a atuação do Consórcio Intermunicipal de Saúde Amerios, que atende a população de 20 municípios da região.

2 Comentários


Dr. Dráuzio Varella fala e escreve sobre a febre amarela

Febre amarela. As mortes no Brasil causaram pânico na população das áreas delcaradas de risco. Importante saber mais sobre este doença, quem deve se vacinar, quem não deve se vacinar, enfim, informações mais amplas e gerais.

Neste vídeo o Dr. Dráuzio Varella fala sobre a doença.

Neste texto ele descreve a febre amarela e dá várias orientações:

Febre amarela é uma doença infecciosa, de gravidade variável, causada por um arbovírus (vírus transmitidos por mosquitos) do gênero Flavivirus febricis da família Flaviviridae, cujo reservatório natural são os primatas não humanos que habitam florestas e matas tropicais.

Estudos genéticos demonstraram que esse vírus surgiu na África, há cerca de três mil anos e chegou no Brasil nos navios que traziam escravos para trabalhar nas minas e na lavoura, numa época em que as cidades não dispunham de saneamento básico e estavam infestadas de mosquitos.

O resultado desse encontro do vírus da febre amarela com os mosquitos urbanos trouxe trágicas consequências para a saúde da população.


Ciclos de transmissão

Existem dois tipos de febre amarela: a silvestre e a urbana.

A silvestre acomete os macacos. Eles funcionam como hospedeiros do vírus, que é transmitido pela picada dos mosquitos Haemagogus e Sabethes a outros macacos ou a seres humanos não vacinados que penetrem em seu habitat natural.

De hábitos diurnos, esses insetos vivem em áreas de mata e cerrados principalmente nas copas das árvores ou perto do solo. Uma vez infectados, tornam-se vetores do vírus para sempre (ciclo de transmissão macaco-mosquito-homem).

Por isso, a morte de primatas nas imediações das cidades representa um dos sinais de que o vírus da doença está circulando em determinada região.

A forma urbana da febre amarela é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue, a chikungunya e a zika. Ele vive nos arredores das casas em depósitos de água parada e ataca principalmente no começo da manhã e no final da tarde.

Os macacos não estão envolvidos nesse tipo de transmissão. Ela ocorre quando o mosquito pica uma pessoa doente (o homem é o único hospedeiro do vírus nas cidades) e depois ataca uma pessoa saudável que não foi vacinada (ciclo homem-mosquito-homem).

Vale ressaltar que, embora os mosquitos envolvidos na transmissão da febre amarela sejam diferentes, nos dois casos, o vírus e as manifestações clínicas da doença são absolutamente idênticos.

No Brasil, a forma urbana da doença já foi erradicada. O último caso de que se tem notícia ocorreu em 1942, no Acre. Os que surgiram depois foram todos do tipo silvestre.

No entanto, é preciso estar sempre alerta. O menor descuido e a febre amarela urbana pode voltar. Para tanto, basta que uma pessoa infectada na região onde vivem os hospedeiros e vetores silvestres do vírus, sirva de fonte de infecção para o Aedes aegypti nas cidades.

Se é difícil controlar a proliferação dos mosquitos que transmitem a doença nas zonas urbanas, é impossível acabar com os vetores silvestres da febre amarela.

Eles fazem parte do ambiente natural em que vivem. A estratégia, então, é impedir que o vírus transmitido por esses vetores penetre nas zonas urbanas, vacinando a população que vive em áreas endêmicas.


Sintomas

Depois de inoculado sob a pele dos seres humanos ou macacos, os vírus da febre amarela concentrados nas glândulas salivares das fêmeas dos mosquitos invadem os vasos linfáticos do doente.

Dali, caem na circulação e infectam as células do fígado, rins, coração, pulmões, a mucosa do sistema digestivo e até do cérebro. A pele e os olhos do doente adquirem um tom amarelado próprio da icterícia. Daí, o nome febre amarela.

Os sintomas dessa enfermidade variam muito. Podem ser leves a ponto de serem confundidos com os de uma virose banal e regredir espontaneamente, ou podem evoluir para complicações graves e morte.

Febre com calafrios, mal-estar, dor de cabeça, dores musculares muito fortes, cansaço, vômito e diarreia são sinais da doença que surgem de repente, em geral, de três a seis dias após a picada do inseto (período de incubação do vírus).

Icterícia progressiva, hemorragias, comprometimento dos rins (anúria), do fígado (hepatite e coma hepático), do pulmão, problemas cardíacos (miocardite) e encefalopatias (convulsões e delírios) são sintomas da doença, que podem levar à morte.


Diagnóstico

O diagnóstico da febre amarela leva em conta os sintomas que o paciente apresenta, se já foi vacinado e há quanto tempo, e a ocorrência de casos da doença asua volta.

visitou ou reside em áreas . A morte de macacos nos lugares em que vive ou visitou é outro indício importante a ser considerado.

No entanto, só é possível confirmar o diagnóstico depois de realizar exames laboratoriais complementares (MAC-Elisa, PCR ou isolamento do vírus em cultura) em laboratórios de referência indicados pelas secretarias estaduais de saúde. Se o resultado dos testes for positivo, a única forma de impedir que o vírus se espalhe é vacinar a população que vive ou esteve nas áreas de risco.

A febre amarela é uma doença de notificação compulsória no mundo. O objetivo é manter as autoridades sanitárias informadas, a fim de que tomem as medidas profiláticas necessárias com presteza.

Tratamento

Não existem medicamentos específicos para destruir o vírus, reverter o quadro clínico e evitar as complicações da febre amarela. O doente deve permanecer em repouso, em ambiente hospitalar e sob cuidados médicos para evitar as complicações graves da doença.

O único tratamento possível é o de suporte. Basicamente, ele consiste em manter o paciente bem hidratado e introduzir drogas para equilibrar a pressão arterial, corrigir os desequilíbrios metabólicos e aliviar os sintomas.

Assim como na dengue, o uso de remédios que contenham ácido acetilsalícilico é contraindicado, porque aumenta o risco de sangramentos.

Nos casos mais graves, o paciente pode necessitar de diálise e transfusões de sangue.

Vacinação

Existe uma vacina bastante segura e eficaz contra a febre amarela, produzida com o vírus vivo atenuado, da doença. Administrada em dose única por via subcutânea, ela é distribuída gratuitamente nos postos de saúde e raramente apresenta efeitos colaterais adversos. Em vários estados brasileiros, essa vacina já faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

A Organização Mundial de Saúde, em maio de 2013, anunciou que uma dose única da vacina contra febre amarela garante imunidade por toda a vida. Portanto, não considera necessária a aplicação da dose de reforço. Fica garantida, porém, a liberdade de cada país escolher a conduta que melhor se adapta às suas necessidades.

No Brasil, o Ministério da Saúde optou por manter o esquema de aplicar duas doses da vacina contra a febre amarela e recomenda que uma dose de reforço seja aplicada dez anos depois da primeira em adultos e crianças residentes em áreas de risco ou que vão viajar para esses lugares. por isso, quem já recebeu as duas doses da vacina, com intervalo de dez anos entre elas, pode considerar-se definitivamente imunizado contra a doença e não precisa mais repetir as doses de reforço.

Quem deve tomar a vacina

Crianças em áreas de risco, a partir dos nove meses de idade, devem receber a primeira dose da vacina contra a febre amarela e uma dose de reforço quando completarem quatro anos.

A vacina está também indicada para todas as pessoas (adultos e crianças) que residam nas proximidades de áreas endêmicas ou pretendam viajar para esses lugares, dentro ou fora do Brasil.

Neste último caso, a primeira dose deve ser aplicada dez dias antes da partida para que o organismo tenha tempo de produzir os anticorpos necessários para combater o vírus.

Quem não deve tomar a vacina

Bebês com menos de seis meses, porque são mais vulneráveis a possíveis complicações da vacina, entre elas, a encefalite viral;

Gestantes, por falta de provas de que a infecção não passa para o feto;

Mulheres durante o período de amamentação, porque ainda não se sabe se o vírus atenuado da vacina consegue passar para o leite materno;

Pessoas imunodeprimidas, portadoras de HIV, de tumores malignos, incluindo leucemia e linfomas, que utilizam medicamentos derivados da cortisona, estão em tratamento de quimio ou radioterapia, ou são portadoras de doenças que alteram o funcionamento do timo (órgão do sistema imunológico) em virtude do comprometimento do sistema imune;

Pessoas com hipersensibilidade a algum componente da vacina (proteína do ovo, gelatina e antibiótico eritromicina).

Quem depende de orientação médica
Adultos com idade igual ou superior a 60 anos – só podem tomar a vacina depois de um especialista avaliar o custo-benefício da medicação, uma vez que, nessa faixa de idade, aumenta o risco de desenvolver os efeitos indesejáveis da vacina;

Paciente HIV positivo e imunodeprimidos de maneira geral – devem evitar as viagens para os lugares onde exista risco de febre amarela. Se houver absoluta necessidade, devem consultar um médico especialista no assunto.
Recomendações
Erradicar o mosquito transmissor da febre amarela é impossível, mas combater o mosquito Aedes aegypti nas cidades é uma medida de extrema importância para evitar surtos da doença nas áreas urbanas. Por isso, ninguém pode descuidar das normas básicas de prevenção.

NORMAS BÁSICAS DE PREVENÇÃO

São elas: eliminar os focos de água parada que possam servir de criadouro para os mosquitos, e usar repelentes de insetos no corpo e nas roupas para evitar as picadas. Além disso, é sempre recomendável:

* Usar, sempre que possível, calças e camisas que cubram a maior parte do corpo e mosqueteiros ao redor das camas, quando estiver em áreas de risco para a transmissão silvestre da doença.

* Aplicar repelente com regularidade. Não esquecer de passá-lo também na nuca e nas orelhas. É importante repetir a aplicação a cada quatro horas, ou a cada duas horas se a pessoa tiver transpirado muito.

* Reaplicar o repelente toda a vez que molhar o corpo ou entrar na água.

* Consultar um médico ou os núcleos de atendimento ao viajante para informar-se sobre a necessidade de tomar a vacina antes de viajar. Alguns países exigem um Certificado Internacional de Vacinação atualizado.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte: Drauzio Varella

1 Comentário


Coluna do dia 19 de dezembro, terça-feira, aniversário do Paraná

CONQUISTA Maringá terá hospital da criança com cerca de 160 leitos. Tudo começou com um pedido da UEM feito à deputada estadual Maria Victoria. O Hospital começou a tomar forma ontem, com a cessão de um terreno de 86 mil m² da União ao município. O prefeito Ulisses Maia assinou ontem o contrato de cessão do terreno, em reunião que aconteceu no gabinete da vice-governadora Cida Borghetti, tendo também a presença do secretário de Saúde Maringá, Jair Biatto, da deputada Maria Victória e do ministro da Saúde, Ricardo Barros. Grande conquista.

COM PREFEITOS O ministro da Saúde, Ricardo Barros, fez uma apresentação do trabalho desde maio de 2016, no Ministério. Muitas mudanças e resultados.

FIRMEZA Quem conhece sabe: Ricardo não tem medo de críticas e nem de cara de feia. Ser ministro da Saúde do Brasil não é tarefa fácil. Tem mais pepino que a Agricultura.

TERMINAL INTERMODAL Os vereadores que compuseram a CPI do Terminal Intermodal estiveram visitando as obras ontem.

MEMBROS A CPI foi presidida pelo vereador Sidnei Telles (PSD), engenheiro, tendo como relator o vereador Jean Marques (PV), e membro Alex Chaves (PHS).

INVESTIGAÇÃO Com base no relatório da CPI o promotor de Defesa do Patrimônio Público, Leonardo Vilhena, abriu investigação sobre a obra, em setembro.

DIFÍCIL Em entrevista o prefeito Ulisses Maia considerou 2017 o período mais difícil da sua administração, pois houve uma ruptura de 12 anos de governos que se sucederam.

HERANÇA Vale a pergunta: quantos prefeitos, no país, receberam uma Prefeitura com mais de R$ 300 milhões em caixa, 54 obras em andamento e superávit de R$ 150 milhões?

TRANSIÇÃO A queixa recorrente de que não houve transição no final de 2016 é contestada até por alguns assessores que fizeram parte da equipe do atual prefeito.

ATENDIDO O advogado Laércio Fondazzi coordenou a transição. Foi presença assídua e realizou várias reuniões na Prefeitura, sendo atendido nas suas solicitações.

TSE O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou na manhã de ontem as resoluções que nortearão a campanha de 2018. O princípio da liberdade de expressão ficou bem claro.

ANIVERSÁRIO O Paraná completa hoje 164 anos da sua emancipação.
MUNICÍPIOS

13º SALÁRIO A Prefeitura de Marialva pagou na sexta-feira (15), a segunda parcela do décimo terceiro salário dos servidores e dos aposentados. Total de R$ 1,6 milhão.

EX-PREFEITOS Estiveram na inauguração do novo prédio do Cisamusep os ex-prefeitos de Santa Fé, Edson Palotta Netto (PSDB), e de Sarandi, Carlos De Paula, dentre outros.

NA ÁREA Ex-prefeito é para a vida toda… e alguns deles estão muito ativos.

SARANDI O empresário Aristides Mossambani, da Equitrator, fez no sábado a sua tradicional festa de confraternização de fim de ano.

PRESENÇAS Estiveram presentes o prefeito de Sarandi, Valter Volpato; de Ourizona, Rodrigo Amado; de Tuneiras do Oeste, Bóia; de Ariranha do Ivaí, Augusto Cicatto. O deputado federal Aliel Machado também passou por lá.

FLORAÍ A reunião dos prefeitos em Floraí teve a governadora em exercício, Cida Borghetti, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e os deputados Evandro Júnior (estadual) e Edmar Arruda (federal).

ORGANIZAÇÃO A reunião dos prefeitos, a inauguração do Centro Esportivo e os eventos de aniversário, comandados pelo prefeito Fausto Herradon, foram muito bem organizados.
FRASE
“A perseverança é a mãe da boa sorte”. Miguel de Cervantes

PARA LEMBRAR

A CASA DO PAPAI NOEL, instalada sob o palco central na Praça da Prefeitura, funcionará de segunda a sexta, das 8 às 11h30 e das 15 às 22 horas. Sábados e domingos, das 15 às 22h.

28 A 30 DE DEZEMBRO, 11ª Festflor, em Uniflor. A tradicional festa de rodeios é uma realização da Prefeitura.
ÚLTIMA
Tem gente que tem mais sorte que juízo.

 

2 Comentários


Municípios do Sudoeste recebem mais de R$ 58 milhões, para saúde

As cidades da região sudoeste do Paraná, coordenadas pela associação dos municípios do sudoeste (Amsop) receberam, desde 2016, o montante de R$ 58,7 milhões. Os recursos fazem parte dos investimentos na atenção básica, principal porta de entrada para o SUS, serviços de média e alta complexidade e a emendas parlamentares que estavam paradas desde 2014. Os dados foram apresentados pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta quinta-feira, 7, durante encontro com os gestores e prefeitos na cidade pólo do consórcio, Francisco Beltrão, e, também em reunião com a Câmara Municipal de Vereadores da cidade.
Desse total, R$ 12,8 milhões foram destinados à habilitação e/ou qualificação de 62 serviços e 53 leitos de média e alta complexidade que funcionavam sem a contrapartida do Governo Federal. Os recursos reforçam serviços como a Estratégia Rede Cegonha, Rede de Atenção Psicossocial, Saúde Bucal, Rede de Urgência e Emergência e outros serviços em diversas especialidades, pontos importantes e estratégicos para um bom atendimento à população. Apenas este ano, foram investidos R$ 506,7 mil nos municípios que compõem a associação Amsop.
Além disso, em julho deste ano, a pasta investiu R$ 1,9 milhão para reforçar a atenção básica nos municípios da Região Sudoeste do Paraná. O dinheiro refere-se à habilitação de 46 novos Agentes Comunitários de Saúde, 08 novas Equipes de Saúde da Família, 02 novas Equipes de Saúde Bucal e 02 novos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. No quesito urgência e emergência, foram investidos entre 2016 e 2017 o montante de R$ 5,7 milhões anuais para habilitação ou qualificação de três novas Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h), situadas nos municípios de Francisco Beltrão e Pato Branco.
“Transparência e eficiência sempre foram os pilares da minha gestão e justamente por isso estou prestando contas do que foi feito até agora. Quero reforçar meu compromisso com a saúde da população, não apenas dos 42 municípios abrangidos pelo Consórcio Amsop, mas também a todas as regiões do Brasil”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Emendas – No ano passado, foram pagos R$ 12,7 milhões, referentes a 76 propostas de emendas parlamentares em 30 municípios do Consórcio Amsop. Este ano, já foram liberados mais R$ 25,7 milhões para liberação de outras 132 propostas de emendas, beneficiando 41 municípios. Todas estavam aguardando autorização do Governo Federal desde 2014 e são voltadas para aquisição de equipamentos e materiais permanentes, aquisição de produtos médicos de uso único, custeio da Atenção Básica, manutenção de unidades hospitalares, reforma de unidade de atenção especializada em saúde e custeio de serviços de média e alta complexidade.

Tipo de serviço
Média e alta complexidade – habilitação/qualificação de serviços ou leitos que funcionavam sem contrapartida federal: R$ 12,8 milhões.
Atenção Básica – habilitação de 46 novos Agentes Comunitários de Saúde, 08 Equipes de Saúde da Família, 02 Equipes de Saúde Bucal e 02 Núcleos de Apoio à Saúde da Família: R$ 1,9 milhão.
Emendas parlamentares – liberação de 208 emendas que estavam paradas desde 2014: R$ 38,4 milhões.

1 Comentário


Ministro responde a transplantados em sua página no Facebook

Nos últimos dias, pacientes transplantados questionaram o ministro da Saúde, Ricardo Barros, em sua página oficial no Facebook, sobre a falta de remédios em algumas regiões do país. O ministro respondeu a questionamentos, com o compromisso de que iria verificar pessoalmente o que estava acontecendo.
Uma das respostas foi: “Caro Guilhermino Cardoso, as entregas previstas pelo Ministério da Saúde foram realizadas, estamos avaliando junto aos estados a situação dos estoques locais para enviar eventuais quantitativos adicionais. Quero dizer a todos que estamos trabalhando em parceria com secretarias estaduais de saúde para acompanhar os estoques de medicamentos e, caso seja preciso, efetuaremos, prontamente, remanejamento entre estoques para garantir abastecimento. obrigado, RB.”

De Acordo com o Ministério da Saúde, foram realizadas compras de dois importantes medicamentos para as pessoas que passaram por transplantes. Além de garantir a assistência aos pacientes o Ministério conseguiu baixar o custo dos imunossupressores tacrolimo e micofenolato de sódio. Somadas, as novas compras representam uma economia anual de R$ 176 milhões, valor que será reinvestido integralmente em mais acesso e ampliação de serviços do SUS. O custo é, respectivamente, 45% e 80% menor do que as compras realizadas anteriormente.

Pessoas também responderam ao ministro, agradecendo a chegada do medicamento. É o caso de Angélica Maria Dos Santos: “Graças a Deus! Aqui em João Pessoa PB ! Os imunossupressores chegaram, recebi ontem os meus. É completo!”

Comente aqui


Josias Gonçalves assume definitivamente a Saúde, em Mandaguari

Josias Gonçalves e Hamilton Sampaio

O prefeito de Mandaguari, Romualdo Batista, definiu hoje que Josias Gonçalves, que vinha acumulando as secretarias de Planejamento, Finanças e Gestão e de Saúde, passa a ocupar definitivamente a pasta de Saúde. Hamilton Sampaio, que já fez parte da equipe no cargo de diretor de Finanças, assumirá a Secretaria de Planejamento.

Comente aqui


Bem Estar faz reportagem sobre fila de cirurgias eletivas, no Brasil

O programa Bem Estar mostrou ontem trabalho feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) de que, até junho de 2017, 904 mil pessoas esperavam por uma cirurgia eletiva (não urgente) no Sistema Único de Saúde. O levantamento foi feito pelo CFM em 16 estados e 10 capitais (11 estados e 15 capitais não enviaram os dados).
Os dados se referem a hospitais públicos. Não foram divulgadas informações sobre o sistema privado. O médico Ricardo Cohen, membro da Camâra Técnica sobre Cirurgia Bariátrica do CFM, coordenou a pesquisa.
Dentre as 904 mil, o CFM informa ainda que 750 procedimentos constam na fila como pendentes há mais de dez anos. Ainda, segundo a entidade, de cada mil pacientes que aguardam a cirurgia, cinco morrem por ano enquanto esperam. A avaliação não demonstra, no entanto, se a morte ocorreu em decorrência da ausência da cirurgia.
Segundo o levantamento, a maior fila de espera se concentra em apenas cinco procedimentos: cirurgias de catarata (113.185), hérnia (95.752), vesícula (90.275), varizes (77.854) e amígdalas ou adenoide (37.776). Atualmente, as cirurgias não urgentes mais comuns são da área de ortopedia, oftalmologia, otorrinolaringologia, urologia e cirurgia vascular.
Foram analisados os estados de Alagoas, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, Pernambuco, São Paulo e Tocantins.
O estado da Bahia só enviou dados de pacientes que ingressaram na fila em 2017; já o estado do Rio Grande do Norte, enviou somente informações da fila ortopédica.
Ministro – Em entrevista à Globo News, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, creditou a situação da fila de espera aos municípios e estados. A organização do sistema também foi apontada como justificativa.
“Esta crise é pontual. Nós temos um sistema de saúde descentralizado. Os municípios e estados são responsáveis pela execução da saúde lá na ponta. Há municípios fazendo muito bem o seu trabalho e outros não”, afirmou Ricardo Barros.
Recentemente, em pronunciamento público, o ministro afirmou que os repasses aos municípios está rigorosamente em dia, mas alguns municípios não tem feito a destinação correta  dos recursos. A denúncia é gravíssima e é reforçada agora, por esta afirmação feita ontem, ao Bem Estar, em rede nacional de televisão.

Comente aqui


Hospital Municipal de Maringá recebe mais R$ 10 milhões

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, esteve ontem no Hospital Municipal de Maringá para a assinatura da liberação de R$ 10 milhões que serão utilizados para uma ampliação. As obras vão completar os projetos do hospital, hoje interligado com a UPA Zona Sul e ao lado da nova Central de Especialidades que será inaugurada no próximo dia 15.
Os recursos são para a construção de 16 novas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), sendo 10 para adultos e 6 para crianças. O projeto, em fase final de elaboração, também prevê salas de consultas e leitos para internamento. O secretário de Saúde, Jair Biatto, disse que a ampliação da estrutura também deve viabilizar uma unidade de internamento específica para mulheres. Com a finalização dessa etapa, o projeto original do hospital, iniciado na quando Ricardo Barros foi prefeito (1989-1992), estará concluído.
Prefeito – O prefeito de Maringá, Ulisses Maia, agradeceu ao ministro e declarou que Ricardo Barros manteve a ajuda ao município da mesma forma como fez na administração anterior. De acordo com o prefeito, os recursos liberados pelo ministro ajudaram no atendimento às filas de especialidades, durante todo o ano.
Para Ulisses, Maringá é uma cidade onde após as eleições as forças políticas se unem para trabalhar pela cidade, o que foi feito pelo ministro.
Ministro – Ricardo lembrou da liberação de recursos, feita logo no começo do ano, e o apoio permanente à Secretaria da Saúde do município, auxiliando a cumprir as metas de bom atendimento à população.
O ministro disse ainda que Maringá vem sendo citada, nos últimos anos, como a melhor cidade para se viver, uma das melhores para investimentos, sempre as líderes nas pesquisas de qualidade de vida, empreendedorismo, planejamento urbano, gestão pública, e que é necessário que continue confirmando esta liderança.
Para Ricardo Barros, há políticos estadistas, que pensam na população e em tudo que é necessário fazer para o desenvolvimento, e outros que se dedicam apenas a mandatos e projetos políticos pessoais, de grupos. Afirmou que após eleições é preciso descer do palanque e unir forças para a prestação de serviços, com investimentos e atendimento aos programas sociais e econômicos que resultam em crescimento, geração de empregos, renda e bem-estar.
O ministro registrou ainda o espaço aberto pelas últimas administrações de Maringá às entidades organizadas, o que tem auxiliado nas definições dos objetivos macroecônomicos. Relembrou que nesta segunda-feira, às 18h30, será apresentado o relatório final do Masterplan, na ACIM.

2 Comentários


Coluna de domingo, 3 de dezembro

50 Quem chegou aos 50 anos ontem foi Carlos De Paula. Ele foi prefeito de Sarandi de 2010 a 2016 e é pré-candidato a deputado estadual.

PEDÁGIO Dezembro começou com aumento dos preços dos pedágios no Paraná. Não só por isto, como também, pedágio no Paraná será assunto obrigatório na campanha 2018.

SEGURANÇA Cida Borghetti fez a abertura do III Encontro Jurídico dos Delegados de Polícia Civil do Paraná, na noite de sexta-feira, em Foz do Iguaçu.

MULHER Ontem, Cida comandou uma mesa temática para debater o trabalho da mulher na polícia judiciária, primeira infância e violência sexual contra crianças e adolescentes.

MORO Hoje às 10 horas haverá uma manifestação nacional em apoio ao juiz Sérgio Moro e à Lava Jato. Em Maringá será às 10 horas, em frente ao Parque do Ingá.

SAÚDE O ministro Ricardo Barros liberou ontem R$ 10 milhões para ampliação do Hospital Municipal de Maringá.

EMPREENDEDORISMO Maringá subiu uma posição no índice nacional de cidades empreendedoras, feito pelo Endeavor Brasil. Este ano ficou em 8º lugar.

EQUILÍBRIO Maringá continua aparecendo bem em estudos e pesquisas, resultado de um trabalho que foi concretizado em pouco mais de 10 anos.

VOLUNTARIADO Dia 5 de dezembro é o Dia Internacional do Voluntariado. Em Maringá, esta semana, Lindolfo Júnior lançará o projeto “Zeladores de Maringá”.

APOSENTADOS Pela primeira vez a PARANAPREVIDÊNCIA está indo ao inteiror homenageando os servidores que apçorsnetaram este ano.

MARINGÁ Wilson Quinteiro estará em Maringá, no dia 7, às 16 horas, no auditório do PDE da UEM, para o evento que já foi realizado em Londrina.

REDES SOCIAIS Tem maringaense no ranking FSB – Índice Performance nas
Redes Sociais dentre os deputados federais.

LÍDERES Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é o primeiro, seguido de Décio Lima (PT-SC), Delegado Francischini (SD-PR) e Enio Verri (PT-PR). Enio subiu 18 posições.

NATAL Muita gente gostando da decoração de Natal, entregue na sexta-feira à noite.

REFERÊNCIA Importância que Maringá mantenha e amplie a sua referência em decoração e programação de Natal. Atrai gente, movimenta a cidade, serviços e comércio.

 

MUNICÍPIOS

PAIÇANDU Gilson Goulart, presidente do Podemos em Paiçandu, está fazendo um trabalho intenso de organização do partido.

SARANDI O deputado estadual Dr. Batista conseguiu a liberação de R$ 5 milhões para pavimentação em bairros. Liberação do governo do Estado, a fundo perdido.

ELEIÇÃO No dia 15 de dezembro os prefeitos da região vão eleger a nova diretoria da Amusep. Será na Câmara Municipal de Floraí, a partir das 15h30.

CHAPAS O prazo para a inscrição de chapas termina ao meio-dia do dia 13. O calendário eleitoral foi anunciado no dia 30, na reunião realizada em Itaguajé.

 

FRASE
“Direitos são feitos para serem tomados, não pedidos; agarrados, não mendigados”. José Marti

 

PARA LEMBRAR

3 DE DEZEMBRO, das 13h30 às 20 horas. 1º Bazar Beneficente Feminino, na Avenida Laguna, 329, na Central de Vendas da Construtora Just. Renda revertida para o Lar dos Velhinhos. Roupas, sapatos, bolsas e acessórios. Produtos novos e semi-novos, marcas nacionais de importadas. Food truck de Crepes by Crepe N Roll.

7 DE DEZEMBRO, 20 horas. Palestra com o tema “Cenários e Tendências Econômicas”, por Alexandre Schwartsman, no auditório do Edifício Atrium. Avaliação do contexto econômico dom país e apresentação de ideias e soluções. Participação do economista Joilson dias. R$ 15. Whatsapp (44) 99704 8208.

7 a 10 DE DEZEMBRO – 17ª Festa das Nações de São Jorge do Ivaí, em comemoração aos 62 anos do município. Aniversário dia 7, quinta-feira. Shows: dia 7, Bruninho&Davi; dia 8, Léo&Rafael; dia 9, Wagner Barreto; dia 10, Banda Brasil 2000. Praça de alimentação, parque de diversões, exposições e artesanato.

 

ÚLTIMA
Fala muito!

 

http://uninga.br/vestibular

Prossegue hoje, domingo, das 13 às 20 horas, na avenida Laguna, 329, na central de vendas da Construtora Just.

Comente aqui