Mês: agosto 2010

 

Ficha Suja – Por Dom Jaime Luiz Coelho

Aproximam-se as eleições e o eleitor consciente deve valorizar o seu voto não votando em candidatos com FICHA SUJA. O projeto denominado “FICHA SUJA”, com mais de um milhão e seiscentas mil assinaturas, em todo o Brasil, na campanha contra a corrupção na política, merece ser respeitado.
Partidos políticos, que apresentam candidatos com “FICHA SUJA” não merecem credibilidade.

Há candidatos com “FICHA SUJA”, que se dizem inocentes. É natural que não tenham a coragem de dizer que são corruptos. Mas há processos contra eles. Se porventura, não foram tirados da lista como candidatos, o eleitor consciente deve alijá-lo, com seu voto, nele não votando.

A iniciativa popular “FICHA LIMPA” foi aprovada no Congresso Nacional com a Lei 9840 contra a corrupção eleitoral, também com a aprovação de deputados e senadores corruptos.

A sua aplicação requer contínua e atenta vigilância de todos, dizem os Bispos do Brasil, em Assembleia em Brasília, por ocasião do Congresso Eucarístico Nacional, para que não continue a praga de compra de votos por aqueles que percorrem todos os lugares prometendo favores aos menos avisados.

É compra e venda de votos. Esperamos, dizem os Bispos, que a Lei “FICHA LIMPA” seja um instrumento a mais para sanar o grave problema da corrupção na vida política brasileira.

Permanecem oportunas as palavras do Papa João Paulo II: “A Igreja encara com simpatia o sistema da Democracia, enquanto assegura a participação dos cidadãos nas opções políticas e garante aos governados a possibilidade de escolher e controlar os próprios governantes; ela não pode, portanto, favorecer a formação de grupos restritos de dirigentes que usurpam o poder do Estado a favor dos seus interesses particulares ou de objetivos ideológicos” (Centesimus Annus, 46).

Urge, pois, uma profunda reforma política ¿ sempre prometida mas nunca realizada, como agora afirmam os candidatos às próximas eleições ¿ reforma que seja iluminada por critérios éticos, com a participação das diversas instâncias da sociedade civil organizada, fortalecendo a democracia direta com a indispensável regulamentação do Art. 14 da Constituição Federal, relativo a plebiscito, referendo e iniciativa popular de lei.

A Reforma Política “precisa atingir o âmago da estrutura do poder e a forma de exercê-lo, tendo como critério básico inspirador, a participação popular. Trata-se de reaproximar o poder e colocá-lo ao alcance da influência viável e eficaz da cidadania” (Doc. da CNBB, 101).

O que desejamos é que seja usada, nas próximas eleições, através do voto ético, esclarecido e consciente, a sua cidadania, superando possíveis desencantos com a política, procurando eleger pessoas comprometidas com o respeito incondicional à vida, contra o aborto, à família, à liberdade religiosa e à dignidade humana.

Examinar a vida dos candidatos e, se corruptos, não se igualar a eles, neles votando: quem vota em corrupto é, também, corrupto. Chegou a hora de examinar bem a FICHA SUJA dos candidatos e votar nos que, realmente, têm a FICHA LIMPA.

 
Dom Jaime Luiz Coelho
1º arcebispo de Maringá

Comente aqui
 

Perguntas aos candidatos podem ser feitas por e-mail

Internautas podem encaminhar perguntas aos candidatos ao governo do Paraná que serão sabatinados a partir de hoje durante o Fórum Educacional, promovido pela Arquidiocese de Maringá.

Você pode encaminhar o seu questionamento sobre educação para [email protected]

A Educação agradece.
Saiba mais sobre o evento no site da CNBB

Comente aqui


Eleições 2010 – Para onde queremos ir?

Diante do cenário atual, a participação de cada eleitor no processo eletivo é de suma importância, pois cidadania se faz assumindo a corresponsabilidade na promoção do bem comum e na escolha livre e consciente dos candidatos aos cargos públicos.

Nessa perspectiva, ninguém pode dar-se ao direito de ignorar o que está acontecendo ao seu redor ou pensar que ninguém é digno de seu voto. No emaranhado de partidos políticos, de candidatos de toda índole, o desafio está em posicionar-se criticamente, buscar critérios de escolha, conhecer a vida e a história deles, para não ser instrumentalizado por profissionais da política.

Como colaboração neste processo eletivo, nos próximos quatro domingos estaremos distribuindo em todas as comunidades um folheto com algumas orientações e critérios para facilitar a escolha dos eleitores. Ao mesmo tempo, a TV 3º Milênio e a Rádio Colméia transmitirão ao vivo o Fórum Educacional, a partir de hoje e até 3 de setembro, sempre às 21h30 no anfiteatro do Colégio Marista, com todos os candidatos ao Governo do Paraná.

A sabatina será feita por quatro jornalistas, com perguntas formuladas com o apoio do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Seja pela importância do tema como também pela forma direta de abordagem, o Fórum Educacional abre para a população uma oportunidade bem concreta para conhecer o pensamento, os programas e de maneira especial o caráter de cada um dos candidatos.

Recordo o que Jesus afirmava: “Os grandes governam oprimindo o povo. Entre vocês não pode ser assim. Quem quiser fazer-se grande entre vós será vosso servidor” (Mt 20,26). Aquele que quer servir jamais será corrupto.

Eis alguns exemplos de corrupção eleitoral: 1. Corrupção eleitoral ativa: doar, oferecer ou prometer dinheiro, presente ou qualquer outra vantagem. Quem compra votos para se eleger é desonesto e não merece cuidar do que é público. 2. Corrupção eleitoral passiva: pedir ou receber dinheiro, presente ou qualquer outra vantagem em troca do voto. 3. Usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar ou não votar em determinado candidato ou partido. 4.

Favorecer alimentação ou transporte para eleitores desde o dia anterior até o posterior às eleições. 5. Utilizar serviços, veículos ou prédios públicos, inclusive de autarquias, fundações, sociedade de economia mista e entidade mantidas pelo poder público para beneficiar a campanha de um candidato ou partido político. 6.

Falsificar ou alterar documentos públicos ou particulares para fins eleitorais. 6. Fraudar a inscrição eleitoral, tanto no alistamento originário quanto na transferência do titulo de eleitor. 7. Reter indevidamente o titulo de eleitor de outrem.

O seu voto não pode ser vendido e nem comprado, porque corrupto é tanto aquele que compra como aquele que vende. Por isso organize em sua cidade o Comitê 9840, para vigiar dia e noite os espertinhos que a todo custo querem cargos públicos corrompendo agora e depois. Seu voto não tem preço, tem consequências.

Denuncie com alguma prova em mãos, use seu celular, sua câmera digital, fotografe, grave, registre os fatos e ligue para o Comitê 9840: (44) 3222-9840. Cidadania se faz na prática da justiça e na promoção da paz. A dignidade de todos nós brasileiros e brasileiras não se constrói nestes trinta e seis dias que nos separa das eleições e sim nos quatro anos de mandato daqueles que serão eleitos. Para onde queremos ir?

Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá

Comente aqui
 

Debate com presidenciáveis atinge a marca de 100 milhões telespectadores

Cerca de 100 milhões de brasileiros (dados das TVs católicas) acompanharam o primeiro debate promovido pela TV Canção Nova e Rede Aparecida, nesta segunda-feira, 23, com os candidatos a Presidência da República. Estiveram presentes os candidatos José Serra (PSDB), Marina Silva (PV) e Plínio Arruda (PSOL). A candidata do (PT), Dilma Rousseff, não confirmou presença afirmando problemas com a agenda.

Serra afirmou que foi um “excelente debate” e pôde “falar com franqueza”. Segundo ele, houve divergência e até coincidências de opiniões entre os candidatos, mas “caberá ao eleitor fazer seu julgamento”.

A candidata Marina comentou sobre a variedade de temas, os quais lhes permitiram falar sobre assuntos de vários segmentos da sociedade e, assim “ampliar sua visão sobre a proposta dos candidatos, a forma como cada um lida com as questões”. Ela afirmou que “defendeu o que acredita”, tratando com seriedade os temas.

Plínio disse que a Canção Nova e a Rede Aparecida marcaram um “gol” com esse debate. E elogiou a estrutura do evento, no qual “todos tiveram oportunidades iguais, com o mesmo tempo”.

O arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Pedro Scherer, destacou a Lei do Ficha Limpa e o papel da Igreja no discernimento dos eleitores durante o período que antecede o pleito de outubro.

“É muito positivo que a Igreja tenha iniciativas como essa para auxiliar o eleitor a refletir sobre assuntos que não são destacados em outros debates. Desta forma, nossos eleitores católicos podem ouvir diretamente dos candidatos um posicionamento claro sobre temas que nos preocupam”, disse o cardeal.

Já o arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ) e presidente da Comissão Episcopal para a Educação, Cultura e Comunicação Social, dom Orani João Tempesta avaliou a iniciativa do encontro entre os candidatos e disse que a Igreja apenas cumpre o seu papel de orientar os eleitores para que escolham bem na hora do voto. “A Igreja não apóia o candidato ou partido, mas orienta aos cristãos para que escolham bem as pessoas que serão os nossos futuros representantes”, disse.

Também presente no debate o bispo de Paracatu (MG) e representante da Pastoral do Menor, dom Leonardo de Miranda Pereira, falou sobre sua preocupação com a proteção às cláusulas pétreas e a questão da redução da maioridade penal.

O encontro aconteceu às 22h no auditório da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, e foi transmitido ao vivo para todo o Brasil através das emissoras católica, entre outras emissoras parceiras.

O editor-chefe do telejornal Século News, da TV Século XXI, Martin Andrada, foi um dos debatedores. Ele acredita que a Igreja e seus organismos está sempre engajada em contribuir com a democracia.

“A CNBB sempre teve participação ativa na política brasileira e cada vez mais os católicos estão interessados em refletir e contribuir com os rumos do país”, afirmou.

Fonte: CNBB

Comente aqui
 

Domingo, 29, tem Cantores de Deus em Marialva

A Província Eclesiástica de Maringá convida V. Sa. e membros de sua comunidade para o CONGRESSO MISSIONÁRIO PROVINCIAL.

Será no dia 29 de agosto de 2010. Início às 8h  com acolhida e, na sequência, atividades culturais, missionárias, SANTA MISSA,  e show com os “CANTORES  DE  DEUS”

Local: Ginásio de Esportes José Gomes Colhado, Marialva-PR.

Sua participação neste momento significativo da caminhada missionária da Arquidiocese de Maringá nos trará imensa alegria.

DOM ANUAR BATTISTI

ARCEBISPO DE MARINGÁ-PR

PEDRINA SOUZA

COMISSÃO DO ANÚNCIO E COMIPRO

Comente aqui


Abaixo-assinado pela duplicação da PR 323

A partir deste fim de semana as paróquias da Arquidiocese de Maringá começam a se mobilizar pelo abaixo-assinado que pede a duplicação imediata da PR 323, uma das principais rodovias da região e também uma das mais perigosas.

As 55 paróquias da Arquidiocese serão mobilizadas, além da diocese de Umuarama que também já aderiu ao movimento. A lista pedindo pelas assinaturas também será distribuída pela Associação Comercial de Umuarama e demais entidades que se uniram em torno do mesmo objetivo: a duplicação imediata da rodovia.

O aumento considerável no tráfego de veículos na PR 323 nos últimos anos, também provocou o aumento do número de acidentes e mortes.

Em Maringá, a TV 3º Milênio, ligada à Arquidiocese de Maringá, liderou a articulação de uma reunião que foi realizada com diversas entidades interessadas no projeto. Já se manifestaram favorável à iniciativa inúmeros sindicatos, empresas e associações.

No decorrer da campanha, a emissora fará reportagens mostrando a realidade de quem usa a rodovia, a conseqüência da falta de investimento em infra-estrutura e as conseqüências benéficas que podem ocorrer com a duplicação. Muitos veículos de comunicação já sinalizaram que devem pautar este assunto, como forma de contribuir com o sucesso deste anseio regional.

O abaixo-assinado deve circular até o fim do período eleitoral. As assinaturas serão entregues ao candidato que vencer as eleições para o Governo do Estado.

1 Comentário