Mês: maio 2011



Nossa Senhora Aparecida no Parque do Ingá

Atendendo ao convite da prefeitura de Maringá o Arcebispo Metropolitano, Dom Anuar Battisti, fará a entronização da imagem de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, na nova gruta do Parque do Ingá. A cerimônia será domingo, 05, às 9h, quando os portões do parque serão abertos para visitação pública. No domingo, de acordo com a assessoria da prefeitura, o parque ficará aberto até as 17h.

Imagem histórica

 

A imagem de Nossa Senhora Aparecida, que foi entronizada no Parque do Ingá no dia 10 de outubro de 1971 pelas mãos do então governador Haroldo Leon Peres, depois de ser restaurada, foi entregue à Cúria Metropolitana na manhã desta segunda-feira, 31. No dia 10 de maio de 1971 a cidade praticamente parou para receber a imagem de Nossa Senhora Aparecida. De acordo com reportagem da época, publicada pelo jornal Folha de Londrina, uma forte tempestade impediu que o avião que trazia o governador pousasse em Maringá. Haroldo Leon Peres teve que desembarcar em Londrina. Chegando em Maringá, de carro, o governador dirigiu-se até o aeroporto e, com uma multidão de fieis, a procissão seguiu até o Parque do Ingá, onde a imagem foi colocada. A forte chuva não atrapalhou a procissão. Durante muitos anos a gruta foi local de peregrinação.

Arcebispo visita gruta

 

Na manhã desta segunda-feira, 31, Dom Anuar Battisti visitou a nova gruta do Parque do Ingá, atendendo convite da assessoria da prefeitura. O objetivo da visita foi conhecer o novo espaço antes da cerimônia de domingo, quando a imagem de Nossa Senhora Aparecida será entronizada no parque.

Por Assessoria de Imprensa da Arquidiocese de Maringá

Comente aqui


Pela Unidade dos Cristãos

Movimento Ecumênico de Maringá promove Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2011

http://www.youtube.com/watch?v=8Le6g6K8coY

O Movimento Ecumênico de Maringá (MECUM) promove entre os dias 05 e 12 de junho a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Confira a programação:

Dia 05 – 14h30: abertura da Semana de Oração com Tarde Ecumênica no Auditório Dona Guilhermina em Maringá – Avenida Tiradentes esquina com Duque de Caxias, ao lado da Cúria. Participação do Movimento dos Focolares.

Dia 07 – 19h45: grande evento no Auditório Dona Guilhermina, com a presença do Pastor Luterano Manfredo Siegle de Joinville SC, que falará sobre “Espiritualidade Ecumênica”. Pastor Manfredo foi Pastor Sinodal do Sínodo Norte Catarinense, é Membro da Comissão Bilateral de Diálogo da Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB) e da Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR), participou de três Congressos reunindo Bispos do Movimento dos Focolares da ICAR e realizou estudos de especialização na Universidade de Tübingen/Alemanha e na Universidade de Heidelberg/Alemanha.

Dia 12 –10h Culto Ecumênico e Encerramento da Semana de Oração, na Igreja Evangélica de Confissão Luterana – Rua Mem de Sá nº 168.

Comente aqui
 

“A Pastoral Familiar são as mãos e os braços da Igreja para a evangelização”

Neste domingo, 29, às 10h, foi celebrada a missa principal da 3ª Peregrinação Nacional da Família. O arcebispo de Londrina (PR) e ex-presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, da CNBB, dom Orlando Brandes presidiu a celebração no Altar Central do Santuário Nacional. Dom Orlando destacou o trabalho realizado pela Pastoral Familiar nos Regionais da CNBB e fez um pedido especial ao povo brasileiro, que continue valorizando a família.

Junto com dom Orlando, o bispo de Camaçari (BA) e atual presidente da Comissão Episcopal para a Vida e a Família, dom João Carlos Petrini, participou do evento. Segundo dom Petrini, a “família é um bem inestimável que deve ser preservado a todo custo”. Além deles, o bispo auxiliar de São Paulo (SP), dom Joaquim Justino Carreira e diversos bispos estiveram na peregrinação da família.

“A pastoral é a ação da Igreja. Ela responde às necessidades que temos atualmente na sociedade. A Pastoral Familiar são as mãos e os braços da Igreja para a evangelização”, afirmou dom Orlando Brandes. O arcebispo ressaltou que a iniciativa da 3ª Peregrinação Nacional das Famílias mostra para todo o país o valor da família brasileira. “A Pastoral Familiar vem ao Santuário Nacional para se fortalecer ainda mais. Uma concentração dessas demonstra para a sociedade, para a opinião pública que a família não está morta, que a família é um valor. Isso traz consolação para as famílias que estão feridas e uma confirmação para as famílias que estão bem”, afirmou.

Ao final da celebração, o cantor e compositor padre Zezinho interpretou uma de suas músicas, que fala sobre a união familiar, aos presentes no Santuário Nacional.

As missas de ontem ocorreram a cada duas horas, desde as 6h da manhã, até as 20h, sempre com um bispo convidado celebrando. A estimativa é que 200 mil pessoas tenham passado por Aparecida no último final de semana.

Por CNBB

Sem categoria
Comente aqui
 

Sobre união civil entre pessoas do mesmo sexo

A consciência tranquila é o melhor travesseiro

 

Nada melhor do que chegar ao fim do dia e poder dizer a si mesmo: “Hoje cumpri com os meus deveres e estou com minha consciência tranquila”. Recentemente, li na Folha de S. Paulo um artigo de autoria de Ives Gandra da Silva Martins sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) relacionado à união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Gandra é advogado, professor emérito da Universidade Mackenzie, da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e da Escola Superior de Guerra, e também presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomércio.

Em breves palavras, ele manifesta o seu “profundo desconforto diante dos integrantes do STF, ao atuarem como legisladores e não como julgadores” no caso específico da decisão sobre a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Vejamos o que Gandra escreveu: “Sinto-me como o personagem de Eça, em ‘A Ilustre Casa de Ramires’, quando perdeu as graças do monarca: ‘Prefiro estar bem com Deus e com a minha consciência, embora mal com o rei e com o reino’”, pontuou.

Esse é o comportamento de quem tem consciência de que nunca se deve compactuar com as meias verdades, com os pseudovalores, critérios e normas de vida, elencados por caprichos humanos. Com a certeza de que o bem de todos é o maior bem a ser conquistado, nada e ninguém podem desviar os esforços em defender e promover os verdadeiros valores da pessoa e da coletividade.

Desta forma lembro aqui o Apóstolo Paulo, que recomenda: “Timóteo, meu filho, esta é a instrução que lhe confio, conforme as profecias que foram outrora pronunciadas a respeito de vocês. Esteja firme nelas e combata o bom combate, com fé e boa consciência.” (1Tm, 1,18-19).

Só é possível ter uma consciência tranquila quando o combate se faz com fé e retidão observando valores e apostando no ser humano. Diante da onda de “direitos”, levando em conta os desejos e sentimentos, em nome da “liberdade de escolha” e do “livre arbítrio”, a sociedade legítima comportamentos com base, apenas, na opinião de alguns.

Entretanto, as consequências serão incontáveis e os desastres sociais incontroláveis.

Portanto, analisar os recentes episódios que atacam os valores da Família, finalizo com a certeza de que a Igreja manifestou a sua contrariedade à decisão do Supremo Tribunal Federal. Nós, Igreja, também neste caso, “combatemos o bom combate”. Nada melhor do que ter uma consciência tranquila.

Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá

Comente aqui


Repasse de produtos arrecadados no show do padre Manzotti

 

A Sociedade Rural de Maringá realiza nesta quinta-feira (26.05), a partir das 09h, na Unidade Didática da entidade, a entrega oficial dos donativos arrecadados no dia 10 de maio, durante realização da 39ª Expoingá, quando o acesso a Feira e ao show do Padre Reginaldo Manzotti foi trocado por um agasalho, cobertor ou um produto de higiene pessoal e de limpeza. Naquele momento foram arrecadados mais de 35 mil itens e os mesmos serão repassados às entidades assistenciais da cidade.

O repasse será feito pela presidente da entidade, Maria Iraclézia, juntamente com sua diretoria, assim como pelo arcebispo de Maringá, Dom Anuar Batisti, representando a TV 3º Milênio, e a rádio Colméia, parceiras do evento realizado no dia 10.

“A entrega dos donativos encerra com ‘chave de ouro’ a Expoingá 2011. A arrecadação foi expressiva, o que só reafirma o compromisso da comunidade com o social. Estamos felizes em, com a ajuda da população, contribuir com entidades que precisam para continuar trabalhando em prol dos menos favorecidos”, destaca Maria Iraclézia.

Comente aqui


Deus já não é invisível para o homem, diz Papa

“O Novo Testamento pôs fim à invisibilidade do Pai”, quando Deus “mostrou seu rosto” em Jesus Cristo, afirmou hoje o Papa, ao introduzir a oração do Regina Coeli, junto aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro. Crer em Deus e crer em Jesus “não são dados separados, mas um único ato de fé, a plena adesão à salvação realizada por Deus Pai mediante seu Filho Unigênito”, afirmou o Papa.

Jesus, de fato, “com sua encarnação, morte e ressurreição, libertou-nos da escravidão do pecado, para nos dar a liberdade de filhos de Deus, e nos revelou o rosto de Deus, que é amor: Deus pode ser visto, é visível em Cristo”. Portanto, “só crendo em Cristo, permanecendo unidos a Ele, os discípulos, entre os quais estamos nós, podem continuar sua ação permanente na história”, acrescentou o Papa.

No entanto, esta presença de Deus às vezes passa desapercebida: “É próprio do mistério de Deus atuar de modo oculto”. “Só pouco a pouco Ele constrói na grande história da humanidade sua história. Faz-se homem mas de maneira que possa ser ignorado por seus contemporâneos, pelas forças que contam na história.”

Através da morte e ressurreição de Jesus – explicou o Papa – Deus “quer chegar à humanidade”. “Continuamente Ele bate às portas do nosso coração e, se abrimos, lentamente nos torna capazes de ‘ver’”, disse.

Por isso, “para os cristãos, para cada um de nós, o Caminho para o Pai é se deixar guiar por Jesus, por sua palavra de Verdade, e acolher o dom de sua Vida”. 

Por ZENIT: 22 de maio de 2011

Comente aqui


A Constituição “conforme” o STF – Por Ives Granda

Artigo publicado na Folha de São Paulo edição de 20 de maio de 2011

 
Escrevo este artigo com profundo desconforto, levando-se em consideração a admiração que tenho pelos ministros do Supremo Tribunal Federal brasileiro, alguns com sólida obra doutrinária e renome internacional. Sinto-me, todavia, na obrigação, como velho advogado, de manifestar meu desencanto com a sua crescente atuação como legisladores e constituintes, e não como julgadores.
À luz da denominada “interpretação conforme”, estão conformando a Constituição Federal à sua imagem e semelhança, e não àquela que o povo desenhou por meio de seus representantes. Participei, a convite dos constituintes, de audiências públicas e mantive permanentes contatos com muitos deles, inclusive com o relator, senador Bernardo Cabral, e com o presidente, deputado Ulysses Guimarães.
Lembro-me que a ideia inicial, alterada na undécima hora, era a de adoção do regime parlamentar. Por tal razão, apesar de o decreto-lei ser execrado pela Constituinte, a medida provisória, copiada do regime parlamentar italiano, foi adotada. Por outro lado, a fim de não permitir que o Judiciário se transformasse em legislador positivo, foi determinado que, na ação de inconstitucionalidade por omissão (art. 103, parágrafo 2º), uma vez declarada a omissão do Congresso, o STF comunicasse ao Parlamento o descumprimento de sua função constitucional, sem, entretanto, fixar prazo para produzir a norma e sem sanção se não a produzisse.
Negou-se, assim, ao Poder Judiciário, a competência para legislar.

Nesse aspecto, para fortalecer mais o Legislativo, deu-lhe o constituinte o poder de sustar qualquer decisão do Judiciário ou do Executivo que ferisse sua competência. No que diz respeito à família, capaz de gerar prole, discutiu-se se seria ou não necessário incluir o seu conceito no texto supremo -entidade constituída pela união de um homem e de uma mulher e seus descendentes (art. 226, parágrafos 1º, 2º, 3º, 4º e 5º)-, e os próprios constituintes, nos debates, inclusive o relator, entenderam que era relevante fazê-lo, para evitar qualquer outra interpretação, como a de que o conceito pudesse abranger a união homossexual.
Aos pares de mesmo sexo não se excluiu nenhum direito, mas, decididamente, sua união não era -para os constituintes- uma família. Aliás, idêntica questão foi colocada à Corte Constitucional da França, em 27/1/2011, que houve por bem declarar que cabe ao Legislativo, se desejar mudar a legislação, fazê-lo, mas nunca ao Judiciário legislar sobre uniões homossexuais, pois a relação entre um homem e uma mulher, capaz de gerar filhos, é diferente daquela entre dois homens ou duas mulheres, incapaz de gerar descendentes, que compõem a entidade familiar.
Este ativismo judicial, que fez com que a Suprema Corte substituísse o Poder Legislativo, eleito por 130 milhões de brasileiros -e não por um homem só-, é que entendo estar ferindo o equilíbrio dos Poderes e tornando o Judiciário o mais relevante dos três, com força para legislar, substituindo o único Poder que reflete a vontade da totalidade da nação, pois nele situação e oposição estão representadas.
Sei que a crítica que ora faço poderá, inclusive, indispor-me com os magistrados que a compõem. Mas, há momentos em que, para um velho professor de 76 anos, estar de bem com as suas convicções, defender a democracia e o Estado de Direito, em todos os seus aspectos, é mais importante do que ser politicamente correto.
Sinto-me como o personagem de Eça, em “A Ilustre Casa de Ramires”, quando perdeu as graças do monarca: “Prefiro estar bem com Deus e a minha consciência, embora mal com o rei e com o reino”.

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, 76, advogado, professor emérito da Universidade Mackenzie, da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e da Escola Superior de Guerra, é presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomercio.

Comente aqui


Festa de Santa Rita de Cássia em Maringá

http://www.youtube.com/watch?v=VmOyT2OY6pg

Começa nesta quinta-feira, 19,  e vai até domingo dia 22,  a festa da padroeira Santa Rita de Cássia, na paróquia do parque Itaipu em Maringá. A expectativa é que milhares de fieis participem das comemorações. De acordo com o padre Rogério Diesel, os organizadores da festa decidiram unir momentos de oração e confraternização comunitária. Durante a festa será inaugurada a gruta de Santa Rita, que fica ao lado da igreja. Haverá benção das rosas com a relíquia de Santa Rita em todas as celebrações.

Programação:

Quinta-feira, 19 de maio

20h – Santa missa e quermesse

Sexta-feira, 20 de maio

20h – Santa missa e quermesse

Lançamento do CD do padre Adriano

Sábado, 21 de maio

18h45 – Procissão luminosa, santa missa, novena da padroeira e quermesse

Domingo, 22 de maio

8h – Santa missa e novena da padroeira

10h – Inauguração da gruta de Santa Rita, santa missa e novena da padroeira

12h – Almoço – Costelada ao fogo de chão

14h30 – show de prêmios

Domingo, dia 22, a TV 3º Milênio transmitirá a partir das 10h a cerimônia de inauguração da gruta de santa Rita de Cássia, seguida de missa e novena da padroeira.

Comente aqui