Mês: novembro 2011



Nota da CNBB sobre questões relativas ao uso indevido dos termos: católico, Igreja Católica e outros

A CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL – CNBB, na defesa da verdade e da liberdade, considerou oportuno publicar a presente Nota Pastoral, destinada aos membros do episcopado, do clero, aos religiosos e a todos os fiéis leigos.
O uso de nomes, termos, símbolos e instituições próprios da Igreja Católica Apostólica Romana, por outras denominações religiosas distintas da mesma, pode gerar equívocos e confusões entre os fiéis católicos. Nestes casos o uso da palavra “católico”, “bispo diocesano”, “vigário episcopal”, “diocese”, “clero”, “catedral”, “paróquia”, “padre”, “diácono”, “frei”, pode induzir a engano e erro. Pessoas de boa vontade podem ser levadas a frequentar tais templos, crendo que se tratam de comunidades da Igreja Católica Apostólica Romana, quando na verdade não o são. Por essa razão a Igreja tem a obrigação de esclarecer e alertar o Povo de Deus para evitar prováveis danos de ordem espiritual e pastoral.
Assim, temos o dever de alertar os fiéis católicos para a existência de alguns grupos religiosos, como é o caso da autointitulada “igreja católica carismática de Belém” e outras denominações semelhantes, que apesar de se autodenominarem “católicas”, não estão em comunhão com o Santo Padre, Papa Bento XVI, e não fazem parte da Igreja Católica Apostólica Romana. Por esta razão todos os ritos e cerimônias religiosas por eles realizadas são ilícitos para os fiéis católicos. Assim sendo, recomenda-se vivamente aos féis que não frequentem os edifícios onde eles se reúnem e nem colaborem ou participem de qualquer celebração promovida por esses grupos. Rezemos para que a unidade desejada por Jesus Cristo, aconteça plenamente.

 

Brasília-DF, 30 de novembro de 2011

 

Cardeal Raymundo Damasceno de Assis
Arcebispo de Aparecida
Presidente da CNBB

 

 

Sem categoria
Comente aqui


Inauguração do Auditório João Paulo II

Maringá irá ganhar um novo espaço para eventos. No próximo sábado, 03 de dezembro, será inaugurado oficialmente o Auditório Arquidiocesano João Paulo II, com capacidade para aproximadamente 700 pessoas e estacionamento para 300 veículos.  O Auditório fica anexo ao Centro de Formação Bom Pastor e ao Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Glória.

A cerimônia de inauguração terá início às 15h com apresentação do Coral Arquidiocesano de Maringá. O mais novo espaço de eventos em Maringá conta com infraestrutura ideal para eventos de médio e grande porte. As locações do espaço podem ser feitas por meio da secretaria do Centro de Pastoral da Arquidiocese (CEPA): 044 3267 2001.

 

Auditório Arquidiocesano João Paulo II

Anexo ao Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Glória

Avenida Colombo – Rodovia BR 376, Km 130 – ao lado da Fiat Via Verdi, próximo ao Catuaí Shopping Maringá.

Comente aqui


Catedral iluminada

Diante da festa milenar do Natal, que celebra a vinda do Salvador, o povo em suas mais variadas culturas foi incrementando essa data com hábitos e costumes, transformando-se hoje em uma festa de tradições e comércio, onde o “Papai Noel” tenta ocupar o lugar do principal homenageado.

O símbolo mais importante que resume todo o segredo do amor de Deus pela humanidade é a bela e simples representação, inventada pelo jovem Francisco de Assis, o Presépio. Ainda que esquecida, a representação visual de meia dúzia de personagens e alguns animais reportam um único fato com o qual o Criador mudou o rumo da história e que ainda hoje pode ser um belo meio de evangelização, não só para as crianças.

Mas para nós, em Maringá, há um símbolo que está diretamente ligado com as festas natalinas. A nossa Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória. Talvez, neste ano, alguns possam dizer: ‘Que pena! Este natal está tão triste porque a catedral não está iluminada’.

Não resta dúvida que se trata da maior marca da nossa cidade e é a maior marca do natal maringaense. Olhar a catedral iluminada remete ao sentimento de paz e alegria, que só a festa do nascimento do Salvador pode provocar.

Mas por causa das obras na praça da igreja, que serão executadas pela prefeitura, este ano a catedral não será iluminada. Por isso, sinto a necessidade de usar este espaço para lembrar de que o mais importante não é a iluminação de um monumento, mas sim a luz que está no nosso interior. Na catedral interna de cada um.

“A cidade não precisa de sol nem de lua para iluminar, porque a glória de Deus a ilumina, e a sua luz é o cordeiro” (Ap.21,23). “Já não haverá noite, nem precisará da luz da lâmpada ou do sol, porque o Senhor Deus a iluminará” (Ap.22,5). A luz a iluminar sempre é Jesus: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas” (João 8,12). Ninguém pode dizer que a nossa catedral não está iluminada.

Neste ano, se as obras que serão realizadas na praça – e não as que estão sendo realizadas dentro da catedral – impedirão a iluminação artificial do maior símbolo da fé e do povo de Maringá, não significa que o Natal de 2011 será menos Natal.

Em breve, com os projetos executados ao seu redor, a basílica ficará ainda mais bela, e o seu contorno, a imensa praça, será um lindo tapete verde arborizado, proporcionando ambiente de oração, lugar de lazer, espaço de confraternização.

Desconheço no mundo um lugar tão amplo, tão aberto, para evidenciar um templo de concreto armado, onde nós, templos vivos, moradas do Senhor, possamos buscar a luz para caminhar iluminados e iluminar.

Por isso, Natal é deixar a luz de Jesus brilhar em nós. O Natal acontece quando damos conta de que não somos apenas seres vivos colocados no mundo por acaso. O infinito Amor de Deus por nós se fez carne e veio habitar em nós e nos dar a graça de participar da herança eterna, amando como Ele nos amou.

Só o amor de Deus em nós transformará o mundo. Hoje, iniciamos o tempo do Advento, são quatro domingos que nos preparam para a celebração do nascimento de Jesus. Participe das celebrações, faça a novena do natal.

Assim, a luz do Senhor Jesus destruirá as trevas que nos rodeiam e nos fará viver um perene Natal na catedral iluminada.

 

Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá

 

Comente aqui


Nota sobre o aumento dos subsídios dos vereadores e salários dos secretários municipais e prefeito

ARQUIDIOCESE DE MARINGÁ

NOTA SOBRE O AUMENTO DOS SUBSÍDIOS DOS VEREADORES E SALÁRIOS DOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS E PREFEITO DE MARINGÁ

Reconhecemos a importância do Poder Legislativo em todas as esferas, mormente na municipal. Campanha difamatória generalizada contra ele pode comprometer a democracia e gerar desequilíbrio entre os Poderes. Ressaltamos a atuação, às vezes exemplar, de alguns vereadores cuja qualidade de projetos, transparência de atos e interesse pelo bem comum orgulha seus eleitores e os outros cidadãos. Registramos a oportunidade da economia de R$ 6,9 milhões, no período de janeiro de2009 adezembro de  2010, mais a previsão de R$ 3,4 milhões em 2011 e a redução dos cargos comissionados de aproximadamente 190, no início de 2009, para os atuais 68, o que deve possibilitar maior economia em 2012.

Ao mesmo tempo, porém, manifestamos desaprovação ao aumento do salário dos vereadores, secretários municipais e prefeito, que chegou a 90%. Tal decisão, a nosso ver, não se justifica. Primeiro, desaprovamos o modelo da votação, em regime de urgência e sessão extraordinária trinta minutos depois. Dessa forma, praticamente às escondidas do povo e da sua possibilidade de se manifestar – parece ser exatamente essa a intenção –, fica no ar uma impressão de coisa errada. Ações corretas e justas fazem-se às claras. Vereadores são pessoas públicas.

Desaprovamos também a proporção escandalosa do aumento, já que trabalhadores, para obter a simples a reposição da inflação, se obrigam, por vezes, a recorrer à greve.

Parabenizamos os vereadores que votaram contra a proposta. Mostraram maior sintonia com a realidade e com os legítimos anseios da população.

Cremos haver ainda tempo e possibilidade de reverter a decisão tomada. Apelamos insistentemente à Comissão de Finanças e Orçamento que proponha a reversão e que os vereadores a aprovem. Convocamos os cidadãos, especialmente católicos, de quem somos pastores, a participarem democraticamente das ações a favor dessa causa. Para o triunfo da democracia e da justiça é fundamental que o povo se organize e participe.

Na esperança de que essa decisão seja revertida, prometemos nossas orações e nosso apoio naquilo que nos cabe.

 

Dom Anuar Battisti

Arcebispo de Maringá

Sem categoria
1 Comentário


Uma segunda chance para o matrimônio

Por ZENIT.org  – As consequências negativas de casamentos destruídos são bem conhecidas. A recente publicação do Institute for American Values forneceu algumas sugestões de como reduzir este pesado fardo.

“Segunda chance: Uma proposta para reduzir divórcios desnecessários”, escrito por William J.Doherty, professor da Family Social Science at the Univesity of Minnesota, e Leah Ward Searas, ex-chefe de justiça do Supremo Tribunal da Geórgia.

 

Na investigação, foi descoberto que existe uma forte evidência para a teoria de que muitos casais divorciados são bastante similares àqueles que permanecem juntos. O que contradiz o senso comum de que a maioria dos divórcios ocorre somente após muitos anos de conflito. Eles também descobriram que não é verdade a ideia de que, uma vez feita a petição de divórcio, os casais desconsiderem a possibilidade de reconciliação.

 

Os autores citaram algumas pesquisas realizadas nas últimas décadas, mostrando que, entre 50% e 60% dos divórcios ocorrem com casais que eram relativamente felizes e tinham baixo nível de conflito no ano precedente ao divórcio.

 

O relatório não se opunha a todos os divórcios e admitiu que em alguns casos pudesse até ser necessário. Em muitas situações o número de divórcios poderia ser reduzido e isso seria um excelente benefício para as crianças.

 

– Existem evidências claras de que os pais são menos propensos a ter relacionamentos de alta qualidade com seus filhos.

– Crianças com pais divorciados ou não casados são mais susceptíveis a serem pobres.

– A mortalidade infantil é maior e, em média, as crianças têm pior estado de saúde em comparação aos colegas que têm pais casados.

 

– Adolescentes de famílias com pais divorciados são mais propensos ao abuso de drogas ou álcool, de entrar em conflito com a lei, e viver uma gravidez na adolescência.

– Crianças que vivem em lares com homens sem laços familiares correm maior risco de abuso físico ou sexual.

 

– Divórcios aumentam o risco de fracasso escolar e diminui a possibilidade de obter um bom emprego.

-Filhos de pais divorciados têm 50% a mais de chance de um dia terem seus casamentos fracassados.

-Nenhuma estabilidade.

 

Além disso, a expectativa de que após o divórcio o ex-cônjuge será livre para casar com outra pessoa, com quem será feliz, proporcionando aos seus filhos maior estabilidade, não é um resultado comum, apontou o relatório. A taxa de divórcios no primeiro casamento é de 40% a 50%, e para a segunda união é de 60%. Isso significa que as crianças passam por muitas transições familiares, aumentando cada vez mais as consequências negativas.

 

Os autores também demostraram que o matrimônio é mais do que apenas um assunto privado e que a estabilidade familiar, ou a falta dela, tem importantes consequências econômicas. Em recente estudo tendo por base um modelo econômico muito cauteloso, foi estimado que divórcios e gravidez fora do casamento custa aos contribuintes dos  Estados Unidos no mínimo $12 bilhões por ano.

 

Analisando como este imenso dano social e econômico pode ser reduzido, o relatório alegou que é errado supor, que uma vez feita a petição de divórcio pelos casais, não há como voltar atrás. Em recente pesquisa foi demonstrado que 40% dos casais americanos já decididos pelo divórcio dizem que, um ou ambos, estão interessados na possibilidade de uma reconciliação. Infelizmente, afirmam os autores, os juízes e advogados de divórcios, normalmente, não fazem qualquer tentativa para promover a reconciliação, concentrando-se em uma resolução rápida para o processo.

 

Entre as evidências contidas no relatório, estava o resultado de uma amostra de 2.484 pais divorciados. A mesma demonstrava que cerca de um em cada quatro pais acredita que seu casamento ainda poderia ser salvo. O processo de divórcio dos pais envolvidos estava quase no final. Para casais que procuram o divórcio o percentual de abertura à reconciliação poderia ser bem maior, adicionaram os autores.

 

Recomendações

O relatório prosseguiu fazendo uma série de recomendações que poderiam ajudar a reduzir o número de divórcios. O período de espera para o divórcio varia de estado para estado. Nos Estados Unidos, dez estados não têm prazo de espera, 29 têm prazo menor que seis meses, sete estados seis meses, e em cinco estados a espera é de um ano ou mais. O relatório sugeriu um período mínimo de um ano a partir da data de apresentação do divórcio até que ele entre em vigor.

 

Este adiamento poderia dar tempo ao casal para reconsiderar a decisão de se separar. Afinal de contas, muitos estados têm um período de espera para se casar, a fim de desencorajar as decisões impulsivas. Além disso, às vezes, a decisão de divorciar é feita em um momento de crise emocional, e uma pessoa em tal estado não pode pensar sobre as consequências do divórcio a longo prazo.

 

Junto com um período de espera é fundamental oferecer serviços para promover a reconciliação. Atualmente, afirmaram os autores do relatório, a qualidade dos aconselhamentos matrimoniais disponíveis em muitas comunidades é insuficiente.

Em muitos casos, os conselheiros matrimoniais não são adequadamente formados. Além disso, muitos conselheiros sentem que devem manter a neutralidade quanto à possibilidade do casamento terminar em divórcio ou não, o que não estimula a esperança para um casal à beira do divórcio.

 

Programas de educação para o aprimoramento do matrimônio, especialmente para aqueles em maior risco de divórcio, foi outra recomendação. Avaliações de alguns dos melhores programas têm mostrado que estes são bastante eficazes.

 

Estas e outras recomendações sugeridas no relatório se forem implementadas, devem ajudar a reduzir o número de divórcios, um resultado que seria benéfico para muitas pessoas e para a sociedade como um todo.

 

Por Pe. John Flynn, LC

[Tradução : MEM]

 

Comente aqui


Ordenação Diaconal de Rodrigo Gutierrez Stabel

A Arquidiocese de Maringá comunica que a ordenação diaconal do seminarista Rodrigo Gutierrez Stabel será sábado, 17 de dezembro, às 19h30 na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória. Todos estão convidados a participar deste momento festivo para a Igreja Católica.

Comente aqui


Carta aos jovens

Todas as 55 paróquias da Arquidiocese de Maringá estão distribuindo uma carta aos jovens escrita pelo arcebispo Dom Anuar Battisti. Em poucas palavras Dom Anuar apresenta Jesus Cristo aos jovens com uma linguagem simples e cativante. Leia o texto na íntegra:

 

 

 

 

CAMINHO PARA A FELICIDADE

 

Querido(a) jovem.

 

A sua vida está em suas mãos. Ao iniciar esta carta, recordo que a gente conhece uma pessoa pelos olhos, e nos olhos dos jovens há algo que ninguém tem: o encanto pela vida. Fico admirado ao ver você, com tanta energia e coragem, com tanto desejo de realização, com tanta vontade de ser alguém. Você tem sede de transformação, você deseja ser alguém e alguém importante. Isso é bacana demais. Ao mesmo tempo me preocupo com você. Sim, me preocupo porque lhe quero bem e quero o seu bem e que você pratique o bem.

 

Então, quero lhe propor um caminho, um estilo de vida, que vai abrir novas perspectivas de realização. Tenho certeza de que você já ouviu falar, já leu a respeito dele, já o conhece. E se acaso não o conhece, vai conhecê-loem breve. Eletem vários nomes, mas eu gosto de chamá-lo “o jovem Galileu”. Ele viveu 33 anos, e em três anos fez uma verdadeira revolução.

 

Primeiro, porque era gente. Ele viveu como nós em tudo, menos no pecado. Ele passou por esta terra, pisou nela, chorou, ficou feliz, “brigou”, falou a verdade, rezou noites inteiras, deixou multidões fascinadas pela sua palavra. Ele promoveu a justiça, combateu os males até o fim. Amou a todos: pobres, doentes, estrangeiros, jovens, idosos, inimigos. A sua missão foi amar a todos. Por amor doou a sua vida. Por mim e por você.

 

Você, querido(a) jovem, é chamado hoje a escolher. Escolhas não são fáceis. Custam sofrimento, sacrifício e um monte de renúncias. Mas são necessárias. Você pensa, por exemplo: O que vou estudar, que profissão vou exercer, que família quero constituir, como serei uma pessoa realizada… Nessas encruzilhadas da vida é que você pode contar com o jovem Galileu que deu a vida por você, que o(a) ama e quer a sua felicidade.

 

Quem o conhece e aceita nunca mais esquece. Ele toma conta da sua vida. Torna-se solidário com você. Ele o(a) faz ver o mundo com olhos diferentes. Ele transforma a realidade. Ele o(a) torna capaz de amar e de ser uma pessoa do bem. Não esqueça: você é fruto das suas escolhas. Não deixe para escolher mais tarde o jovem Galileu como seu companheiro de viagem.

 

Sei que você é um jovem de fé e na fé você pode tomar decisões radicais, para sempre. Neste caminho, quero contar com você como discípulo apaixonado pelo jovem Galileu, Jesus de Nazaré. Você não está sozinho. Na comunidade da Igreja há um grande número de jovens como você, que já fizeram essa escolha. Ame a sua Igreja. Ela é um presente de Deus. É lugar do encontro, da experiência de fé, dos irmãos que se querem bem.

 

Assim você será também missionário. Vai conquistar para Jesus outros jovens que buscam matar a sede de felicidade em outros caminhos e sempre se dão mal. Querido (a) jovem, eis o caminho da felicidade. Não perca tempo, a sua vida é preciosa. Quem conheceu o jovem Galileu nunca mais o abandona.

 

Deus abençoe você e lhe dê o discernimento para escolher bem.

 

Seu sempre amigo,

 

 

 

Dom Anuar Battisti

Arcebispo de Maringá 

Comente aqui


Reforma política: urgente e inadiável!

Diante da atual conjuntura governamental que estamos presenciando, uso este espaço para colocar aos nossos leitores a recente carta divulgada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Creio que é o momento oportuno para que o país faça a Reforma Política.

E isso deve ser feito com urgência. Em âmbito regional, também é hora das entidades se articularem para combater a corrupção. Sei que isso já é feito por alguns grupos. A luta pela transparência, contra a corrupção, começa em nossa cidade, em nossa casa.

Maringá, que conforme seu histórico já viveu momentos terríveis por causa da corrupção, também precisa se preocupar de forma relevante para promover uma cultura local que afaste dos poderes públicos a praga da roubalheira. Vejamos a nota:

“A Reforma Política é uma urgência inadiável em nosso país. Se feita de forma a ultrapassar os limites de uma simples reforma eleitoral, ela se torna um caminho seguro para coibir a corrupção e sua abominável impunidade, que corroem instituições do Estado brasileiro e a vida do povo.

A expectativa de sua efetiva realização, assegurada pela Presidente Dilma Rousseff, em seu discurso de posse, e pelas imediatas iniciativas da Câmara e do Senado de constituírem comissões para esse fim, está se exaurindo diante da lentidão e falta de vontade política com que o Congresso Nacional tem discutido o tema.

Por isso, o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília, de 25 a 27 de outubro, manifesta perplexidade e indignação, em sintonia com o clamor que vem das recentes marchas contra a corrupção, e conclama a todos a exigirem dos parlamentares efetivo empenho na aprovação de uma reforma política ampla e com participação popular.

A sociedade brasileira não pode ser frustrada neste seu direito. Projetos de leis de iniciativa popular exitosos, como as leis 9.840/1999, contra a corrupção eleitoral, e 135/2010, denominada Ficha Limpa, são a prova do quanto nosso povo quer pôr fim à chaga da corrupção no Brasil.

Neste contexto, a CNBB reitera o que disse em seu documento Por uma reforma do Estado com participação popular: “A reforma política de que o país necessita com urgência, não pode se limitar a regras eleitorais, e dentro delas ao funcionamento dos partidos. Ela precisa atingir o âmago da estrutura do poder e a forma de exercê-lo, tendo como critério básico inspirador, a participação popular. Trata-se de reaproximar o poder e colocá-lo ao alcance da influência viável e eficaz da cidadania” (Doc. 91, n. 101).

O momento exige, portanto, a retomada do diálogo entre os atores da sociedade civil e os legisladores, na perspectiva de incorporação de propostas concretas já construídas. Do contrário, o Congresso se omitirá, outorgando ao Judiciário a responsabilidade de decidir sobre questões que cabem, primordialmente, ao Legislativo.

O fortalecimento da democracia direta passa pela regulamentação do artigo 14 da Constituição Federal, que trata dos plebiscitos, referendos e leis de iniciativa popular. Além disso, a reforma política não pode adiar medidas que moralizem o financiamento das campanhas eleitorais, assegurem candidaturas de “Fichas Limpas”, criem mecanismos para revogação de mandatos e garantam a fidelidade partidária.

A CNBB considera indispensável, também, dar novos passos que ampliem a aplicação da Ficha Limpa, de modo a atingir cargos comissionados do Parlamento e outros Poderes da Federação. O Executivo e o Judiciário são corresponsáveis por um Poder Serviço dignamente cidadão.

Movidos pela busca do bem comum e pela fé cristã, que nos faz “esperar contra toda esperança” (Rm 4,18), confiamos que estes apelos sejam ouvidos pelos Parlamentares.

Nossa Senhora Aparecida, Mãe dos brasileiros, inspire nossos dirigentes e nos alcance de seu Filho a vitória que almejamos.”

Presidência da CNBB

 

Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá

Comente aqui


Comissão nacional da PJ em Maringá

As equipes nacionais de coordenação e assessoria da Pastoral da Juventude (PJ) conheceram na manhã de segunda-feira (14) o local que vai receber o 10º Encontro Nacional da Pastoral da Juventude (ENPJ). O evento será realizado de 8 a 15 de janeiro de 2012, em Maringá, e vai receber cerca de 600 delegados representando a juventude de todas as dioceses brasileiras.

Toda a estrutura do local, o Centro de Formação Bom Pastor, foi apresentada pelo arcebispo dom Anuar Battisti. A visita faz parte da programação da reunião da comissão nacional da Pastoral que está na cidade desde a última sexta-feira. São mais de 20 lideranças de todas as regiões do país, juntamente com assessores que acompanham o trabalho de evangelização da juventude.

O coordenador da Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens e o representante da PJ no Conselho Nacional de Juventude também participaram da reunião. Além do encontro nacional, Campanha da Fraternidade de 2013 e Jornada Mundial da Juventude no Brasil são temas que estiveram na pauta. A comissão nacional esteve reunida em Maringá até ontem, (15) no Centro de Espiritualidade Rainha da Paz.

Encontro Nacional
Realizado a cada três anos, o Encontro Nacional da Pastoral da Juventude é um momento em que jovens representando todas as dioceses do país se reúnem para refletir, partilhar e celebrar a vida e a caminhada dos grupos de jovens. É a primeira vez que o encontro será realizado na região sul do país.

 

Por PJ

Comente aqui


Missa de abertura da Semana da Consciência Negra

A Pastoral Afro-Brasileira da Arquidiocese de Maringá dará início à Semana da Consciência Negra no dia 15 de novembro às 19h30 na Capela São Bendito, ao lado da Praça Zumbi dos Palmares, entre o conjunto João de Barro e Santa Felicidadeem Maringá. Esseé segundo ano que a missa é celebrada para abrir as atividades da Semana. Já no dia 20 de novembro, domingo, será lembrado o dia da morte de Zumbi dos Palmares.

“Para a Pastoral Afro é um momento de criar maior consciência no povo negro da sua especial contribuição para a riqueza cultural de nosso país. É uma forma de celebrar nossa história e resgatar tantos outros heróis negros que infelizmente a historiografia oficial negou ou velou suas contribuições. E também, é um momento em que a negritude eleva sua autoestima mostrando sua beleza e sua criatividade” declara o padre Ivaldir Camaroti dos Reis, assessor arquidiocesano da Pastoral Afro-Brasileira.

Comente aqui