Mês: abril 2012



Sexualidade e Família

Pastoral Familiar promove curso de formação sobre Sexualidade e Família

 

Nos próximos dias 05 e 06 de maio a Pastoral Familiar da Arquidiocese de Maringá promoverá o curso de formação com o tema “Sexualidade e Família” voltado para todas as pessoas que trabalham com a evangelização das famílias em pastorais e movimentos.

 

No sábado a partir das 13h haverá mesa redonda com a participação de três convidados. O pós-doutor em bioética padre Luiz Bento abordará a visão positiva e negativa da sexualidade; o professor doutor em educação Raymundo de Lima vai falar sobre a família tradicional e a família contemporânea e o padre Onildo Luiz Gorla Júnior, assessor arquidiocesano da Pastoral Familiar, fará uma exposição sobre a sexualidade do ponto de vista do magistério da Igreja. No domingo o encontro começa com a santa missa às 8h e na sequência uma mesa redonda vai discutir temas relacionados à família e escola, família e violência juvenil e drogas e família e educação sexual.

 

 

Encontro de formação para agentes de Pastoral Familiar

Dias 5 e 6 de maio (sábado a partir das 13h e domingo a partir das 8h com encerramento previsto para as 12h).

Local: Salão paroquial da Paróquia São Francisco de Assis, Jardim Alvorada, Maringá.

Investimento: R$15 por pessoa.

As inscrições poderão ser feitas no local.

Comente aqui


Romaria do Trabalhador no HU

1º de maio: Missa da Romaria do Trabalhador será celebrada no Hospital Universitário em Maringá

 

A Paróquia Santa Isabel de Portugal será a sede da 23ª Romaria do Trabalhador da Arquidiocese de Maringá, que será realizada na próxima terça-feira, 1º de maio. A Romaria terá como tema: “Saúde + Trabalho = Vida Plena”, e lema: “Esperança de novos céus e nova terra (2Pd 3,13)”, com base na proposta da Campanha da Fraternidade 2012.

Com o objetivo de refletir sobre as condições de saúde dos trabalhadores a Arquidiocese de Maringá escolheu a região do Hospital Universitário para realizar o tradicional evento católico no dia de São José Operário.

A Igreja considera que na região de Maringá a questão da precarização da saúde desafia a consciência cristã. Texto publicado pela Associação de Reflexão e Ação Social (Aras), que faz parte da organização da Romaria, cita que “no Hospital Regional Universitário se tem concretamente a face das feridas sociais no desrespeito pela dignidade do cidadão. A falta de infraestrutura, a insuficiência de recursos humanos e financeiros, desencadeia a situação de pessoas nos corredores pela falta de leitos, de salas cirúrgicas. Os trabalhadores  da área da saúde sofrem pelas más condições de trabalho, a excessiva carga horária em plantões e escalas de serviço e a baixa remuneração. Os trabalhadores doentes sofrem pelo descaso com a saúde pública”.

A concentração dos romeiros será na praça da igreja Santa Isabel de Portugal a partir das 13h30. Na sequência, em caminhada os participantes vão passar  pelo Núcleo Social Papa João XXIII para que todos conheçam o trabalho da entidade. Às 16h o Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, presidirá a santa missa no estacionamento do Hospital Universitário.

1 Comentário


7º Congresso mundial de Pastoral do Turismo

Dom Anuar Battisti participa do  7º Congresso mundial de Pastoral do Turismo que é realizado no México

 

Aproximadamente 200 pessoas, que representam mais de quarenta países, participam do  7º Congresso Mundial de Turismo em Cancun, México, com o tema “O turismo que marca a diferença”. O evento, que vai até sexta-feira (27), teve início nessa segunda-feira (23) com a celebração da eucaristia presidida pelo Núncio Apostólico no México, Mons. Edgar Peña. Logo após, na sede do congresso, foi realizada a sessão inaugural com a leitura da mensagem do Papa Bento XVI, que destacou a importância do turismo nos dias de hoje. “O turismo, é sem dúvida, um fenômeno característico do nosso tempo, quer pelas significativas dimensões atingidas quer pelas perspectivas de crescimento previstas. Como toda realidade humana, também ele deve ser iluminado e transformado pela palavra de Deus. Com esta convicção, a Igreja, na sua solicitude pastoral e ciente do importante influxo que este fenômeno tem sobre o ser humano, acompanha-o desde os primeiros passos, sustenta e promove as suas potencialidades e, ao mesmo tempo, assinala os seus riscos e desvios e empenha-se por corrigi-los”.

O bispo prelado de Cancun, Mons. Pedro Pablo assinalou a importância da Pastoral do Turismo para a Igreja no mundo, destacando o valor e os desafios do turismo nos dias de hoje. O Cardeal Antônio Maria Veglió, Presidente do Pontifício Conselho para os Migrantes e Itinerantes saudou a todos recordando a mensagem do Santo Padre. O turismo é um fenômeno característico de nossa época que teve, em 2011, a significativa cifra de  980 milhões de chegadas internacionais. Destacou o fenômeno do turismo em geral, destacou a importância do turismo religioso e acentuou as características do turismo dos cristãos.

O Congresso conta com os seguintes temas: O patrimônio religioso a serviço do turismo e da evangelização; boas práticas em turismo religioso; novas rotas de turismo religioso; a pastoral do turismo a serviço da nova evangelização; experiências pastorais no campo do turismo dos cristãos; a jornada mundial do turismo; as novas tecnologias, as redes e a Pastoral do Turismo; o Código de Ética do Turismo; turismo social, responsável e justo.

A delegação brasileira conta com a presença de Dom Anuar Batistti, Arcebispo de Maringá e referencial da Pastoral do Turismo; Padre Carlos Alberto Chiquim, coordenador nacional da Pastoral do Turismo e mais cinco agentes de pastoral e agentes turísticos.

 

Por Assessoria de Imprensa

 

Mais: Bento XVI pede combate ao turismo sexual, o tráfico de pessoas e a exploração de menores

Comente aqui


Deus não resiste à oração

Deus não resiste à oração

 

Não sei por que ainda tem quem resista:

– Em não perdoar o outro e ser perdoado.

– Em não acreditar no perdão de Deus por maior que seja a culpa.

– Em recomeçar depois de uma besteira cometida.

– Em abraçar depois de uma traição sofrida.

– Em dar um beijo depois de um fracasso afetivo.

– Em se reconhecer pessoa amada e com capacidade de amar.

– Em tomar iniciativa diante da queda alheia.

– Em fazer o bem sem esperar nada em troca.

– Em silenciar diante da dor e do sofrimento.

– Em saber escutar sem ter resposta a tudo.

– Em aceitar servir sem esperar nada em troca.

– Em dizer a verdade mesmo sabendo que ela pode doer.

– Em manifestar os seus sentimentos sem machucar.

– Em crer em Deus apesar de todas as provas.

– Em afirmar que outro mundo é possível, pelo qual vale a pena viver.

– Em acreditar no valor dos pequenos gestos de solidariedade.

– Em reconhecer-se limitado e imperfeito.

– Em aceitar os valores éticos e morais sem prazo de validade.

– Em ser honesto diante dos centavos que não lhe pertence.

– Em crer que o mundo será melhor quando cada ser humano for melhor.

– Em saber que a solução não está em jogar pedras ou buscar o culpado.

– Em deixar de lado a própria autossuficiência e o senhorio da verdade.

 

Apesar de todas essas resistências, Deus é o único que não resiste em não amar. Amou por primeiro; ama sempre e ama a todos sem distinção. Ele é fiel. Ele sempre nos olha com olhar novo. Nunca se repete. Deus não resiste diante da coragem de dobrar os joelhos e adorar, chorar, abrir o teu coração e orar.  Deus não resiste diante da humilde reverência da criatura diante do Criador. Portanto, nunca resista em orar, pois a atitude orante abre as comportas do coração amoroso do Pai Criador.

 

 

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR

1 Comentário


Bispos participam da Assembleia Geral da CNBB em Aparecida

Começou nesta quarta-feira, 18, a 50ª Assembleia Geral dos Bispos da CNBB. O encontro que acontece no Centro de Eventos Pe. Vitor Coelho de Almeida, ao lado do Santuário Nacional, em Aparecida (SP), reúne 309 bispos, sendo 29 deles eméritos.

De acordo com o cardeal arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, dom Raymundo Damasceno Assis, no pronunciamento que fez na abertura dos trabalhos, as discussões realizadas durante as Assembleias da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) sempre repercutiram no cenário nacional.

O tema central da reunião é ‘A Palavra de Deus na vida e missão da Igreja’. Para o secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner o tema deve também ser refletido nas Igrejas particulares.

“Queremos que a Palavra de Deus seja assumida e proclamada em todas as nossas comunidades, paróquias e dioceses”, afirmou o secretário geral.

Dom Leonardo ainda ressaltou que devido a grande extensão territorial do Brasil este momento em que todo o episcopado se reúne é também propicio para a troca de ideias, partilha e aconselhamentos dos Bispos do Brasil.

50ª Assembleia

Neste ano serão eleitos os delegados que representarão o episcopado brasileiro no próximo Sínodo dos Bispos que abordará assuntos referentes à Nova Evangelização.

Outro assunto que será discutir durante a 50ª Assembleia será o Ano da Fé, que tem início em outubro. Todos os bispos continuam reunidos em Assembleia até o dia 26 de abril.

 

Por CNBB

Comente aqui


Sobre o cartaz da parada gay

Referente ao cartaz sobre a parada gay, que utiliza a figura da Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, a Arquidiocese de Maringá tem a declarar:

1 – A Igreja Católica não tem a pretensão de domesticar a sociedade, impondo-lhe seus princípios e valores.

2 – A Igreja entende-se portadora de uma mensagem de salvação destinada ao verdadeiro bem da sociedade.

3 – A Igreja defende que sua pregação é uma proposta livre, apesar da diversidade social existente, que ela respeita, ainda que nem sempre concorde com todos os modelos de comportamento.

4 – A Igreja afirma que a Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, antes de símbolo de Maringá, é um símbolo religioso da fé da maioria dos maringaenses.

5 – Por essa razão, lamenta o uso dado ao cartaz aludido, que confronta com o pensamento e a opinião religiosa da parcela maior da comunidade maringaense.

A Arquidiocese de Maringá, representando todos aqueles que se sentem ofendidos na sua fé, vem respeitosamente solicitar a retirada do referido cartaz de todos os meios de comunicação.

Invocando de Deus as bênçãos para todos, a fim de vivermos em clima de harmonia e respeito mútuo,

 

Dom Anuar Battisti

Arcebispo Metropolitano

 

Maringá, 16 de abril de 2012.

Sem categoria
Comente aqui


A Assembleia dos Bispos na casa da Mãe Aparecida

Este ano a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) celebra a sua 50º Assembleia Geral entre os dias 18 e 26 deste mês e pela segunda vez em Aparecida, depois de mais 45 anos de Itaici.  No Santuário Nacional, os bispos também se tornam romeiros para renovar aos pés da Mãe a fé, a coragem e o entusiasmo na realização do mandato de Jesus: “Ide e Evangelizai”. O tema central dos trabalhos desta Assembleia é a aplicação da Exortação Apostólica Pós Sinodal do Papa Bento XVI Verbum Domini, sobre a Palavra de Deus. “Ministros e servidores da Palavra na Igreja hoje”. Outros 28 temas, além do retiro de um dia e meio, finalizam a pauta dos trabalhos.

Conforme os dados de agosto de 2011 publicados no Diretório da Liturgia 2012, somos hoje 218 bispos diocesanos, 41 arcebispos, dois cardeais com menos de 75 anos,  33 bispos auxiliares, um bispo coadjutor e seis bispos do rito oriental; somando um total de 301 bispos na ativa. Bispos que já completaram 75 anos são considerados eméritos, ou seja, aposentados. Esses são 159. No Brasil, de acordo com os dados acima, somos 460 bispos. Nem todos participam de nossa Assembleia, mesmo porque os eméritos já não têm a obrigação de participar. Mesmo assim, chegamos ao redor de 380 participantes. Contando com os assessores, teólogos, especialistas, convidados e colaboradores, o número ultrapassa o de 500 pessoas.

A Assembleia Geral acontece uma vez por ano. Estamos organizados em todo o Brasil, em 18 sub-conferências, ou regionais, cada qual com uma estrutura semelhante à nacional, a fim de responder aos desafios de cada região. “Os bispos além do serviço à comunhão que prestam em suas Igrejas particulares, exercem este ofício junto com as outras Igrejas diocesanas. Desse modo, realizam e manifestam o vínculo de comunhão que as une entre si. Na Conferência Nacional, os bispos encontram seu espaço de discernimento solidário sobre os grandes problemas da sociedade e da Igreja, e o estímulo para oferecer orientações pastorais que animem os membros do povo de Deus a assumirem com fidelidade e decisão sua vocação de ser discípulos missionários” (Documento de Aparecida, 181).

É a Igreja Católica no Brasil, que nestes oito dias faz a experiência de comunhão e colegialidade entre irmãos bispos, oriundos das realidades mais desafiadoras possíveis. Cada qual com sua carga genética e seu caráter, seu temperamento; enfim, serão dias em que não contam as diferenças, e sim a unidade na diversidade. Em clima de muita oração, aonde vocês poderão acompanhar a missa diariamente às 8h pelos canais católicos, vivemos esses dias com a mente e o coração voltados para todo este querido e imenso Brasil. Assim formamos um único povo de Deus, chamados e escolhidos para iluminar na Luz que é Jesus.  Na casa da Mãe Aparecida, unidos a todos vocês, renovamos o nosso ardor missionário para a implantação do Reino entre todos nós.

 

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá

Comente aqui


“Legalizar o aborto de fetos com anencefalia é descartar um ser humano frágil e indefeso”

A Conferência Nacional dos bispos do Brasil, logo após a conclusão do julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54, emitiu nota oficial  lamentando a decisão. No texto, os bispos afirmam que “Legalizar o aborto de fetos com anencefalia, erroneamente diagnosticados como mortos cerebrais, é descartar um ser humano frágil e indefeso”.

 

 

 

Leia a integra da Nota:

 

 

 

Nota da CNBB sobre o aborto de Feto “Anencefálico”

 

Referente ao julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54

 

 

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB lamenta profundamente a decisão do Supremo Tribunal Federal que descriminalizou o aborto de feto com anencefalia ao julgar favorável a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54. Com esta decisão, a Suprema Corte parece não ter levado em conta a prerrogativa do Congresso Nacional cuja responsabilidade última é legislar.

 

Os princípios da “inviolabilidade do direito à vida”, da “dignidade da pessoa humana” e da promoção do bem de todos, sem qualquer forma de discriminação (cf. art. 5°, caput; 1°, III e 3°, IV, Constituição Federal), referem-se tanto à mulher quanto aos fetos anencefálicos. Quando a vida não é respeitada, todos os outros direitos são menosprezados, e rompem-se as relações mais profundas.

 

Legalizar o aborto de fetos com anencefalia, erroneamente diagnosticados como mortos cerebrais, é descartar um ser humano frágil e indefeso. A ética que proíbe a eliminação de um ser humano inocente, não aceita exceções. Os fetos anencefálicos, como todos os seres inocentes e frágeis, não podem ser descartados e nem ter seus direitos fundamentais vilipendiados!

 

A gestação de uma criança com anencefalia é um drama para a família, especialmente para a mãe. Considerar que o aborto é a melhor opção para a mulher, além de negar o direito inviolável do nascituro, ignora as consequências psicológicas negativas para a mãe.  Estado e a sociedade devem oferecer à gestante amparo e proteção.

 

Ao defender o direito à vida dos anencefálicos, a Igreja se fundamenta numa visão antropológica do ser humano, baseando-se em argumentos teológicos éticos, científicos e jurídicos. Exclui-se, portanto, qualquer argumentação que afirme tratar-se de ingerência da religião no Estado laico. A participação efetiva na defesa e na promoção da dignidade e liberdade humanas deve ser legitimamente assegurada também à Igreja.

 

A Páscoa de Jesus que comemora a vitória da vida sobre a morte, nos inspira a reafirmar com convicção que a vida humana é sagrada e sua dignidade inviolável.

 

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, nos ajude em nossa missão de fazer ecoar a Palavra de Deus: “Escolhe, pois, a vida” (Dt 30,19).

 

 

 

Cardeal Raymundo Damasceno Assis

Arcebispo de Aparecida

Presidente da CNBB

 

 

 

Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília

Secretário Geral da CNBB

 

Comente aqui