Mês: maio 2012



Unidade na diversidade

Unidade na diversidade

 

Nesse domingo (27) concluímos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos em todo o Brasil. Iniciativa que o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), que compreende os dias que vão do domingo da Ascensão ao domingo de Pentecostes. As Igrejas Cristãs que participam do ecumenismo e outras que não participam, abrem as suas igrejas para orar juntos. São pequenas iniciativas que aos poucos vão criando uma mentalidade nova e mais evangélica, onde prevalece o desejo de Jesus e não o gosto pessoal de cada um em constituir guetos independentes, como se fossem os únicos donos da verdade.

 

O que move todas as iniciativas de busca de unidade é a súplica de Jesus: “Que todos sejam um para que o mundo creia” (Jo 17,21). A unidade é o caminho a percorrer em meio a toda a diversidade e pluralismo religioso destes tempos. Um gesto bonito de busca de aproximação e tolerância aconteceu no dia dezenove deste mês, quando os pastores Eliseu de Carvalho e Nilton Tuller, da Ordem dos Pastores Evangélicos de Maringá, me convidaram para participar da “Marcha para Jesus”. Fiquei muito contente e fui muito bem acolhido por todos. Foi um passo abençoado neste caminho, em que não contam as diferenças e sim aquilo que nos une. Não se trata de criar uma única Igreja, e sim que saibamos caminhar juntos, no respeito e na tolerância sem pretensão de sermos os “proprietários da salvação”.

 

A caminhada ecumênica espiritual é a alma de todo o ecumenismo. “Aqueles que se identificam profundamente com Cristo devem identificar-se com sua oração, sobretudo a oração pela unidade; aqueles que vivem no Espírito devem deixar-se transformar pelo amor que, pela causa da unidade; ‘tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta’ (1Cor 13,7), aqueles que vivem em espírito de arrependimento serão particularmente sensíveis ao pecado das divisões e rezarão pelo perdão e conversão. Aqueles que buscam a santidade, serão levados a conhecer verdadeiramente a Deus como o único capaz de os congregar a todos na unidade por ser o Pai de todos” (Guia Ecumênico pg 166).

 

“Nesta nova etapa evangelizadora, queremos que o diálogo e a cooperação ecumênica caminhem para despertar novas formas de discipulado e missãoem comunhão. Cabeobservar que, aonde se estabelece o diálogo diminui o proselitismo, crescem o conhecimento recíproco e o respeito e se abrem possibilidades de testemunho comum”. (Documento de Aparecida nº 233). O Papa Bento XVI abriu seu pontificado dizendo: “Não bastam as manifestações de bons sentimentos. Fazem falta gestos concretos que penetrem nos espíritos e sacudam as consciências, impulsionando cada um à conversão interior, que é o fundamento de todo progresso no caminho do ecumenismo” (DA nº 234).

 

Unidade e não uniformidade, buscando sempre o que nos une e não o que nos divide. Quanta dor e sofrimento causados pela divisão religiosa, quantos lares divididos pelo fanatismo que mata a fé e destrói os laços de família. Por isso recordo aqui o caminho a seguir mostrado pelos nossos Bispos católicos: “A relação com os irmãos e irmãs batizados de outras Igrejas e comunidades eclesiais é um caminho irrenunciável para o discípulo missionário, pois a falta de unidade representa um escândalo, um pecado e um atraso do cumprimento de desejo de Jesus. ‘Que todos sejam um, como Tu Pai, estas em mim e euem ti. Epara que também eles estejam em nós, a fim de que o mundo acredite que Tu me enviaste. ’ (Jo 17,21)”. (DA nº 227).

Por isso eu peço para que neste Pentecostes o Espírito Santo possa soprar em nossas igrejas, a partir do exemplo de Maringá, para “que todos sejam um para que o mundo creia” (Jo 17,21).

 

 

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR

Comente aqui


Cristianismo não é a religião de medo mas a da confiança e do amor

Na audiência geral de quarta-feira (23) o Papa Bento XVI assinalou que “o cristianismo não uma religião do medo, mas sim da confiança e do amor ao Padre que nos ama”.

Em sua catequese habitual das quartas-feiras e diante de milhares de peregrinos na Praça de São Pedro, o Papa fez uma profunda reflexão sobre o sentido de chamar Padre a Deus, tendo como exemplo a Cristo na cruz que diz “Abbá! Pai!” (papai ou papaizinho).

Desde o início de seu caminho, assinala Bento XVI, “a Igreja acolheu esta invocação e a fez própria, sobretudo na oração do Pai Nosso, na qual dizemos todos os dias: “Pai, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu’”.

“O cristianismo não é uma religião do medo, mas da confiança e do amor do Pai que nos ama. Essas duas grandes afirmações nos falam do envio e do acolhimento dado ao Espírito Santo, o dom do Ressuscitado, que nos torna filhos em Cristo, o Filho Unigênito, e nos coloca em uma relação filial com Deus, relação de profunda confiança, como aquela das crianças; uma relação filial análoga àquela de Jesus, mesmo essa sendo de origem e teor diferentes”, explica o Santo Padre.

Jesus, prossegue, “Jesus é o Filho eterno de Deus que se fez carne, por outro lado, nós, nos tornamos filhos nele, no tempo, mediante a fé e os Sacramentos do Batismo e do Crisma; graças a esses dois Sacramentos, mergulhamos no Mistério Pascal de Cristo”.

Bento XVI lamenta logo que “talvez o homem de hoje não perceba a beleza, a grandeza, e a consolação profunda contidas na palavra “pai” com a qual podemos nos dirigir a Deus na oração, por causa da figura paterna que geralmente não é suficientemente presente, ou suficientemente positiva na vida cotidiana, nos tempos de hoje”.

Diante disso, continua, “a partir do próprio Jesus, do seu relacionamento filial com Deus, podemos aprender o que significa exatamente o “pai”.

Beto XVI afirmou “que em Deus, o ser Pai tem duas dimensões. Antes de tudo, Deus é nosso Pai, porque é nosso Criador. Cada um de nós, todo homem e toda mulher é um milagre de Deus, é desejado por Ele e é conhecido pessoalmente por Ele”.

“Quando no livro do Gênesis se diz que o ser humano é criado à imagem de Deus (CFR 1,27), se deseja exprimir exatamente esta realidade: Deus é nosso Pai, para Ele não somos anônimos, impessoais, mas temos um nome”.

Além disso, indica, “o Espírito de Cristo nos abre a uma segunda dimensão da paternidade de Deus, além da criação, porque Jesus é o Filho em sentido pleno, consubstancial ao Pai, como professamos no Creio. Se tornando um ser humano como nós, com a encarnação, a morte e a ressurreição, Jesus, por sua vez, nos acolhe na sua humanidade e no próprio ser Filho, assim, também nós podemos entrar na sua específica pertença a Deus”.

O Papa Bento XVI afirma também que “desde quando passou a existir, o homo sapiens está sempre à procura de Deus, à procura de falar com Deus, porque Deus inscreveu-se nos nossos corações. Portanto, a primeira iniciativa vem de Deus, e com o Batismo, Ele de novo age em nós, o Espírito Santo age em nós; é o primeiro iniciador da oração para que possamos depois realmente falar com Deus e dizer “Abbá” a Deus. Portanto, a sua presença abre a nossa oração e a nossa vida, abre os horizontes da Trindade e da Igreja”.

“Quando nos dirigimos ao Pai na nossa morada interior, no silêncio e no recolhimento, não estamos nunca sozinhos. Quem fala com Deus não está sozinho. Estamos na grande oração da Igreja, somos parte de uma grande sinfonia que a comunidade cristã, espalhada em todas as partes da terra e em todos os tempos, eleva a Deus; claro, os músicos e os instrumentos são diferentes – e isso é um elemento de riqueza – , mas a melodia de louvor é única e em harmonia”.

Ao falar sobre a diversidade de carismas na Igreja, o Santo Padre ressalta que “a oração guiada pelo Espírito Santo, que nos faz dizer: “Abbá! Pai” com Cristo e em Cristo, nos insere no único grande mosaico da família de Deus no qual cada um tem um lugar importante e um papel importante, em profunda unidade com o todo”.

Como última reflexão o Papa disse que “nós aprendemos a gritar “Abbá, Pai” também com Maria, a Mãe do Filho de Deus. O cumprimento da plenitude dos tempos, do qual fala São Paulo na Carta aos Gálatas (cfr 4,4), acontece no momento do sim de Maria, da sua adesão plena à vontade de Deus: “eis, sou a serva do Senhor”.

“Queridos irmãos e irmãs, aprendemos a provar na nossa oração a beleza de sermos amigos, filhos de Deus, de poder invocá-lo com a confiança de uma criança que se dirige aos pais que a amam. Abramos a nossa oração à ação do Espírito Santo para que nós gritemos a Deus “Abbá! Pai” e para que a nossa oração transforme, converta constantemente o nosso pensar, o nosso agir para torná-lo sempre mais conforme àquele do Filho Unigênito, Jesus Cristo. Obrigado”, concluiu.

 

Por ACI Digital

Comente aqui
 

Arquitetura e Arte Sacra

De 20 a 25 de agosto a cidade de Maringá vai receber grandes nomes da arte sacra como o artista plástico Cláudio Pastro durante a II Semana de Arquitetura e Arte Sacra. O evento tem como objetivo aguçar o olhar e aprofundar o conhecimento dos profissionais e da comunidade que trabalham na área, para que projetos de construção, reformas e restaurações dos espaços celebrativos e sagrados respondam às exigências da liturgia, em seus aspectos arquitetônicos, simbólico e funcional.

O evento terá como tema: Liturgia, Arte e Arquitetura: um espaço para celebrar. Além de Cláudio Pastro o encontro terá as presenças de Dom Ruberval Monteiro, padre Gustavo Hass, padre Claudemir Caprioli e da arquiteta Angela Carolina Laino. Outras informações podem ser obtidas no site da Diocese de Umuarama, que integra a província Eclesiástica de Maringá.

 

Por Assessoria de Imprensa da Arquidiocese de Maringá

Comente aqui


Silêncio e Palavra

Hoje (domingo, 20 de maio) celebramos a Ascensão do Senhor ao céu e o 46º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Para este dia o Papa Bento XVI escolheu como tema: “Silêncio e Palavra, Caminho para a Evangelização”.

 

Penso que não podia ser mais acertado este tema, pois em tempos de muito ruído, barulho de todo tipo, se faz necessário recuperar a dimensão fundamental do equilíbrio humano, que é o silêncio. Quantas vezes fugimos para fora da cidade, buscamos longe um espaço para descansar, um lugar sossegado, silencioso.

 

Encontramos nos meios de comunicação um canal fantástico de informações, de relacionamentos, de formação de opinião, e como não dizer, também de distanciamento e fuga do encontro pessoal, do ver e contemplar o rosto do outro, de dar e receber afeto, de sentir a presença de quem amamos e de quem não amamos o suficiente.

 

Como silenciar fora e dentro de nós para poder falar a palavra certa na hora certa? Não existe comunicação sem primeiro elaborar dentro de nós a palavra, o gesto, um símbolo, uma imagem. Tudo é comunicação, porém não se comunica sem primeiro contemplar, elaborar o conteúdo a ser transmitido.

 

Assim o Papa se expressa:  “O silêncio favorece a dimensão do discernimento e do aprofundamento e pode ser visto como um primeiro grau de acolhimento da palavra. “Silêncio e palavra” nos convocam a uma reflexão sobre o silêncio fundador, este que se relaciona irrevogavelmente com a Palavra”.

 

Para comunicar exige em primeiro lugar silenciar. Sair para o deserto e ouvir a voz do autor da Palavra. A palavra de Deus nos alerta: “Que não saia de vossa boca nenhuma palavra inconveniente”.  “Não é o que entra que contamina o homem e sim o que sai de sua boca” (Mt 15,11). O Papa na sua mensagem afirma: “Quando as mensagens e a informação são abundantes, torna-se essencial o silêncio para discernir o que é importante daquilo que é inútil ou acessório. Uma reflexão profunda ajuda-nos a descobrir a relação existente entre acontecimentos que, à primeira vista, pareciam não ter ligação entre si, a avaliar e analisar as mensagens; e isto faz com que se possam compartilhar opiniões ponderadas e pertinentes, gerando um conhecimento comum autêntico”.

 

Comunicar, portanto, não significa pronunciar qualquer palavra ou gritar a própria Palavra de Deus na Sagrada Escritura. Antes é uma missão de pronunciar a Palavra do autor de toda palavra, feita vida, uma experiência de fé vivida. Aquele que pela palavra criou o céu e a terra e nos deu a capacidade de nos comunicar e estabelecer relacionamentos verdadeiros, é o autor da Palavra.

 

Ao mesmo tempo os Meios de Comunicação devem estar a serviço da Palavra que vem da verdade, que cria no ouvinte um desejo de ser verdadeiro. “A verdade vos libertará” (Jo 8,32). Ao mesmo tempo que os Meios de Comunicação nos aproximam, também nos distanciam, criando relações frias, sem compromisso, longe do amor que une e aquece.

 

Infelizmente as redes sociais, invenção maravilhosa da inteligência humana, têm provocado muitos desastres pessoais e familiares. Quem sabe talvez,  medir se os ganhos são maiores que as perdas, porém não podemos esquecer que nada substitui a presença afetuosa do outro.

 

O Santo Padre Bento XVI conclui a sua mensagem dizendo: “Educar-se em comunicação quer dizer aprender a escutar, a contemplar, para além de falar;  silêncio e palavra são ambos elementos essenciais e integrantes da ação comunicativa da Igreja para um renovado anúncio de Jesus Cristo no mundo contemporâneo”.

 

Dom Anuar Battisti

Comente aqui


Pela unidade dos cristãos

O Movimento Ecumênico de Maringá (Mecum) promove de 20 a 27 de maio a Semana de oração pela unidade dos cristãos. Em Maringá o Movimento Ecumênico é composto pela Igreja Católica Apostólica Romana, Episcopal Anglicana e Evangélica de Confissão Luterana.

“Nosso trabalho, nossa luta, nossa crença está alicerçada no pedido de Cristo: A UNIDADE NO AMOR – ‘Eu não te peço só por este, mas também por aqueles que vão acreditar em mim por causa da palavra deles, para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti. E para que também eles estejam em nós, a fim de que o mundo acredite que tu me enviaste’ (Jo17, 20-21). Façamos a nossa parte” diz Solange Depieri de Souza, coordenadora do Mecum .

Dentro da programação, na sexta-feira (25) o padre Elias Wolff – uma dos maiores estudiosos sobre ecumenismo no Brasil – fará palestra com o tema “Ecumenismo, na busca da unidade, resultados positivos e colheita frutuosa”, às 19h45 no auditório Dona Guilhermina – avenida Tiradentes, quase esquina com a Duque de Caxias. Padre Elias Wolff é mestre em filosofia, doutor em teologia e assessor para o Diálogo Ecumênico e Inter-religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

 

Programação:

Dia 23 às 19h: Celebração ecumênica em Marialva, na igreja católica Nossa Senhora de Fátima – Rua Alameda Guilherme de Polli  99, Centro.

Dia 24 às 20h: Celebração ecumênica na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória.

Dia 26 às 18h30: Celebração ecumênica com a comunidade Anglicana – Rua São Lourenço 245, Jardim Alvorada em Maringá.

Dia 27 às 10h: Celebração ecumênica e encerramento da Semana de oração pela unidade dos cristãos na igreja de confissão Luterana – Rua Mem de Sá 168, Maringá.

 

Por Assessoria de Imprensa da Arquidiocese de Maringá

Comente aqui


Contra o extermínio de jovens

Dom Anuar participará de seminário contra o extermínio de jovens em Foz do Iguaçu

 


 

Foz do Iguaçu vai sediar, de 18 a 20 de maio, o Seminário Estadual da Campanha Contra Violência e Extermínio de Jovens. A Campanha é uma ação organizada pela Pastoral da Juventude e tem por objetivo levar a sociedade a debater sobre as diversas formas de violência contra os jovens e, principalmente, sobre o extermínio de milhares de jovens, além de conscientizar e articular ações, juntamente com a juventude paranaense, que visem à mudança desta triste realidade.

Segundo dados da ONU, de 2006, em cada grupo de dez jovens entre 15 e 18 anos que são assassinados no Brasil, sete são negros. A maioria deles é do sexo masculino e moradores de áreas periféricas.  No ranking mundial, o Brasil está na terceira colocação dos países com mais assassinatos de jovens no mundo, com uma taxa de 51,7 homicídios para cada 100 mil jovens, atrás apenas da Colômbia e Venezuela.

De acordo com relatório feita pela RITLA, morrem por dia, 54 jovens vítimas de homicídio. Vale destacar que um estudo feito pela Secretaria Especial de Direitos Humanos, que foi realizado pelo Laboratório de Análise da Violência da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unocef – e com o Observatório de Favelas, estima que 33.504 adolescentes brasileiros sejam assassinados de 2006 a 2013. Ou seja, são dados alarmantes que pedem atenção e providência.

 

A Campanha Contra a Violência e Extermínio de Jovens surgiu da reflexão e preocupação dos delegados que estiveram presentes na 15ª Assembléia Nacional das Pastorais das Juventudes do Brasil, que aconteceu em maio de 2008, pelo crescente número de mortes de jovens no País, tanto no campo quanto nas cidades, e busca promover uma cultura de paz onde as juventudes possam viver de forma plena.

Essa ação divide-se em três eixos centrais. O primeiro é a formação política, que visa promover discussões nos núcleos de base sobre as causas e conseqüências. O segundo eixo prevê as ações de massa, envolvendo outros movimentos sociais na divulgação da campanha, para que essas informações cheguem a um maior número de pessoas. A terceira busca denunciar e dar fim a violência promovida pela grande mídia, onde a imagem do jovem está sendo cada vez mais criminalizada.

 

Por Priscila Dias / PJ Maringá

Comente aqui
 

Dia das mães no Santuário Nossa Senhora de Fátima

Programação do Santuário Nossa Senhora de Fátima em Maringá para o dia 13 de maio

 

O Santuário Nossa Senhora de Fátima, localizado na paróquia Menino Jesus de Praga e São Francisco Xavier em Maringá, terá programação especial domingo, 13 de maio, quando a Igreja celebra o Dia de Nossa Senhora de Fátima. As atividades começam às 8h30 com santa missa. Em seguida o Santíssimo será exposto na capela do Santuário para adoração até as 18h30. Às 19h o Arcebispo Dom Anuar Battisti preside santa missa com a coroação da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

O Santuário Nossa Senhora de Fátima fica na Rua Monsenhor Miguel Kimura, 36.

 

Por Assessoria de Imprensa da Arquidiocese de Maringá

Comente aqui


Anjos de Resgate – troque seu ingresso

Ingressos do Show do Anjos de Resgate podem ser trocados na Rádio Colméia

 

A Rádio Colméia, emissora da Arquidiocese de Maringá, está trocando os ingressos do show do grupo Anjos de Resgate por produtos de higiene pessoal nos estúdios da emissora em Maringá e Mandaguaçu. A banda Anjos de Resgate vai se apresentar no dia 15 de maio (terça-feira). Os produtos de higiene pessoal que forem arrecadados serão destinados às entidades assistenciais. A realização do show com a banda Anjos de Resgate é uma parceria entre a Sociedade Rural e a Arquidiocese de Maringá. A troca de ingressos também pode ser feita nos demais pontos autorizados pela Sociedade Rural de Maringá.

 

Rádio Colméia: Rua São Vicente 83 – Alto da Glória – Mandaguaçu – 44 3245 1776.

Estúdio em Maringá: Rua Néo Alves Martins 2854 – Edifício Guarujá, sala 4 (ao lado da ACIM) – 044 3246 4987.

Comente aqui