Mês: novembro 2013



Detentos vão receber sacramentos do Batismo, primeira Eucaristia e Confirmação

Um grupo de detentos da Penitenciária Estadual de Maringá vai receber os Sacramentos do Batismo, primeira Eucaristia e Confirmação (Crisma) durante santa missa que será celebrada nesse sábado (30) a partir das 14h. Os detentos da PEM são atendidos durante o ano pela equipe de missionários da Pastoral Carcerária, cujo assessor é o padre Antônio Carlos da Silva.

 
A missa será presidida pelo Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, que destaca a presença da Igreja no sistema prisional: “A Pastoral Carcerária é um sinal concreto da presença misericordiosa da Igreja nas cadeias e nos presídios. Significa que estamos próximos daqueles que mais precisam da misericórdia de Deus. Temos certeza que isso tudo contribui para que os detentos tenham motivação para mudar de vida”.

 

Por Assessoria de Imprensa da Arquidiocese de Maringá

Comente aqui


“Alegria do Evangelho”: exortação do Papa Francisco

papa exortacao

“Alegria do Evangelho”: exortação apostólica do Papa Francisco

 

Foi divulgada nesta terça-feira, 26 de novembro, o texto da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, a primeira de pontificado do papa Francisco. O documento já havia sido entregue, de forma simbólica, no último domingo, durante a celebração de encerramento do ano da Fé. Hoje, o texto foi publicado na internet em vários idiomas.

A exortação fala sobre o anúncio do evangelho no mundo atual. No texto, Francisco propõe “algumas diretrizes que possam encorajar e orientar, em toda a Igreja, uma nova etapa evangelizadora, cheia de ardor e dinamismo”. O pontífice toma como base a doutrina da Constituição dogmática Lumen gentium, e aborda, entre outros pontos, as transformação da Igreja missionária, as tentações dos agentes pastorais, a preparação da homilia, a inclusão social dos pobres e as motivações espirituais para o compromisso missionário.

Dividida em cinco capítulos, o também recolhe a contribuição dos trabalhos do Sínodo dos Bispos, realizado no Vaticano em 2012, com o tema “A nova evangelização para a transmissão da fé”. Para ler a tradução do texto em português, clique aqui   http://goo.gl/CTrc5s

Comente aqui


Maringá: Coleta em prol das Filipinas

Em Maringá, coleta da missa de encerramento do Ano da Fé será em prol das Filipinas

Domingo, 24, o Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, irá presidir a santa missa às 12h na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora  da Glória, por ocasião do encerramento do Ano da Fé. A coleta da celebração será enviada às Filipinas.

 

No Vaticano

O Departamento de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice informou que  durante a Celebração de encerramento do Ano da Fé,  no próximo domingo, 24, será realizada uma coleta em prol das vítimas do tufão que atingiu as Filipinas.

A celebração será presidida pelo Papa Francisco, na Praça São Pedro, às 10h30 (hora local). São esperados mais 150 mil peregrinos de todo o mundo.

Com informações da Canção Nova

Comente aqui
 

Carta sobre o Projeto de Lei de Iniciativa Popoular pela Reforma Política

 

reforma politica

 

“Informo aos senhores que muitos veículos de comunicação não têm interesse na Reforma Política: mesmo acompanhando intensa movimentação naqueles dias, alguns veículos não noticiaram o fato.” – Carta sobre o Projeto de Lei de Iniciativa Popoular pela Reforma Política http://goo.gl/cEPiQr

Comente aqui


Santa Rita de Cássia: a afirmação de que de joelhos tudo é possível

Santa Rita de Cássia: a afirmação de que de joelhos tudo é possível

 

Santa Rita é chamada, e com toda razão, de advogada das causas impossíveis, isto é, das causas desesperadas. A impossibilidade somente existe por causa da possibilidade. E, porque não dizer, que toda impossibilidade se encontra plenamente e necessariamente grávida de uma possibilidade.

Deus dos impossíveis. Não há lugar para dúvida: somos, sem exceção, seres limitados, mortais e finitos. Temos saúde mas não a plenitude da saúde; vivemos mas a eternidade não se espalha pelo nosso tempo e espaço; hoje somos jovens e amanhã envelhecemos.

Todavia, nossa limitação tem a possibilidade de fazer com que olhemos para além de nós mesmos. Aqueles que têm a percepção de sua própria limitação e vivem olhando constantemente e aprisionadamente para seus limites, tornam-se reféns de si mesmos e de uma vida que não se abre para o futuro.

Não há problema em ser limitado desde que tenhamos a grata satisfação de saber que o Deus que nos acompanha é ilimitado. Nossa fraqueza repousa fundamentalmente no poder de Deus. A presença poderosa de Deus em nossas vidas nos leva para além de quaisquer limites jamais imaginado.

A vida de santa Rita é marcada por avalanches de impossibilidades. Nela não há forças para superar os obstáculos. Os tsunamis da vida sempre parecem ser superiores à maior de nossas forças. Possivelmente Rita sorria diante das impossibilidades. Para ela, nada poderia ser maior, mais alto, mais forte, mais profundo do que o amor de Deus.

Em seu coração residia a certeza inabalável de que Deus não era um ser distante, inalcançável e frio. Sua experiência com Deus era marcada pela proximidade pessoal. Seu coração ardia em fogo por causa da presença de Deus.

Ajoelhada diante de Deus Rita se tornava um gigante. A beleza da imagem nos faz pensar: como poderíamos ser chamados de gigantes se estamos de joelhos? Não seria essa justamente a posição daqueles que são derrotados e humilhados?

Rita vivia de joelhos. Não existe outra posição para nós diante das situações que consideramos como desesperadoras. A força e o transtorno do desespero levam muitos a fugir da própria vida.

Rita nos ensina que enfrentamos o desespero da dor e o transtorno da tragédia em atitude de oração. Santa Rita intercede pelas causas impossíveis. É sabedora que em Deus encontramos o pleno “sim”. A impossibilidade humana, para Santa Rita, deve ser sempre e necessariamente, contraposta ao poder de Deus. Não precisamos ser fortes, precisamos sim vivermos na presença de Deus e estarmos abertos à graça que se derrama generosamente d’Ele para nós e através de nós.

Diante de Santa Rita apresentamos as nossas necessidades. Existe muito mais maturidade naquele que sabe reconhecer seus limites e deficiências para, humildemente, pedir à Santa Rita que faça algo quando todos não mais acreditavam que uma mudança poderia acontecer.

Nunca pare de pedir ajuda. Não podemos ser reféns da síndrome da autossuficiência. A síndrome da autossuficiência tem a capacidade de nos isolar e nos afastar daquela que poderia, finalmente, nos ajudar.

 

Luiz Alexandre Solano Rossi

Publicado na Revista Maringá Missão de novembro de 2013

1 Comentário