Mês: janeiro 2014



Popularidade da Papa Francisco não é uma estratégia planejada

Dom Anuar com o Papa Francisco - 27 de julho de 2013 - Rio de Janeiro

 

O diretor do Escritório de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, recebeu na Espanha o prêmio outorgado pela Radiotelevisión Diocesana de Toledo, ocasião na qual assinalou que o “extraordinário interesse” que existe pelas Missas que a Papa Francisco celebradas na Casa Santa Marta, faz que suas homilias sejam traduzidas a 40 idiomas, destacando ainda que a popularidade do Pontífice não é uma estratégia do Vaticano.

O Papa Francisco tem “um extraordinário carisma de comunicação que compensa amplamente o conhecimento limitado de idiomas”, pois apenas domina o italiano e o espanhol, indicou o sacerdote durante a conferência realizada no Instituto Teológico de São Ildefonso de Toledo sob o título “Reflexões e experiências sobre a comunicação de três Papas”.

Sobre o Beato João Paulo II, o Pe. Lombardi destacou seu “amor pela verdade e não esconder-se de nada e de ninguém”. Sobre Bento XVI ressaltou seu “pensamento ordenado e conciso” e, sobre o Papa Francisco, assinalou seu grande carisma de comunicador e sua proximidade humana “franca e valente”.

O porta-voz assinalou também que o crescente interesse que o Papa suscita não é fruto de uma nova estratégia de comunicação iniciada pelo Vaticano. “Posso assegurar-lhes que em comparação com o Pontificado anterior não foi iniciada no Vaticano uma nova estratégia de comunicação no sentido de um estudo prévio das atividades, discursos ou gestos da Papa com o fim de chamar a atenção dos presentes e ter êxito. Não há uma nova estratégia planejada em um escritório”, expressou.

Conforme explicou, o interesse que despertou Francisco pode dever-se a que ele “atua com um enfoque pastoral e uma linguagem muito concreta, que é facilmente compreensível e acolhida pelas pessoas”.

O Pe. Lombardi reconheceu que a relação da imprensa com o Bento XVI “foi mais difícil”, mas apesar das dificuldades destacou que Bento sempre respondeu “com grande nobreza intelectual”, que “nunca descartou nenhuma pergunta difícil” e com uma “enorme capacidade de expressar seu pensamento límpido, de uma maneira clara, ordenada e concisa, sem inseguranças”, o convertia em “um professor da comunicação”.

Falando um pouco mais sobre o Papa Francisco, o Pe. Federico Lombardi elogiou a “proximidade humana, direta, franca e valente”, refletida nos “abraços e beijos que generosamente prodigaliza”. Entretanto, recordou a “grande preocupação” que teve quando soube que o novo Pontífice falava apenas espanhol e italiano. “Seus predecessores eram grandes poliglotas”, mas, logo se deu conta de que o Papa Francisco “não tinha intenção de multiplicar as saudações em diferentes idiomas nem nas reuniões internacionais, como a primeira audiência com os jornalistas depois de sua eleição”.

“As multidões vêm a Roma mais que antes, e o interesse pela Papa é muito alto em todas as partes do mundo”, assinalou o porta-voz vaticano.

Por isso destacou que o Papa Francisco tenha “um extraordinário carisma de comunicação que compensa vastamente o conhecimento limitado de idiomas”, e revelou um “extraordinário interesse” pelas homilias do atual Papa na missa diária matutina na capela da casa Santa Marta que chegam a ser traduzidas a 40 idiomas.

Por ACI Digital

1 Comentário


Amor sem cruz nunca será amor

Cruz

Há poucos dias em conversa com um amigo ele me dizia: “Até hoje na minha vida o amor só foi sofrimento”. É um jovem adulto que vive a experiência de não ser amado e compreendido em seus desejos e sentimentos e com isso sente fortemente o desejo de amar, porém não encontra o espaço que dê a segurança de um verdadeiro amor.

Essa situação acaba sendo um drama, que repercute em dores físicas e psicológicas. A capacidade de amar se transforma em sofrimento. Eu tenho a certeza que só abraçando a dor, amando a própria cruz é que se passa da dor ao amor.

A dor, a cruz não é o fim e sim meio, passagem para poder amar de verdade. Na medida em que se assume a perda, a ausência, a incompreensão, a solidão, a traição, o desentendimento, enfim as contrariedades doídas da vida, se passa imediatamente ao amor. Permanecendo na cruz nunca haverá ressurreição.

Essa experiência de abandono, do amor sofrido, recorda a própria experiência de Jesus que, na dor agonizante, suando sangue, grita: “Meu Deus porque me abandonastes. Porém, não se faça a minha e sim a tua vontade” (Mt 27,46). Não dá para fugir e muito menos fazer de conta. O mestre, assume mesmo sem entender. O que lhe espera não é o “Hosana, o Bendito que vem em nome do Senhor”, e sim o “crucifica-o”. Assume a dor doída até a morte. Vence porque foi até o fim. “Só quem passa pelo fogo da dor chega ao incêndio do amor”. Amor sem cruz nunca será amor. Em qualquer momento seremos surpreendidos pela alegria ou pela tristeza, em qualquer desses momentos, o importante é amar.

Nestes dias li que o Papa Francisco reza seguidamente o testamento de sua vó, que realmente é uma oração forte e poderosa. Tenho a certeza que esse é o caminho sem o qual a dor não passa e o amor vira sofrimento. Assim está no testamento: “Que os meus netos, a quem dei o melhor de mim mesma, tenham uma vida longa e feliz. Mas se um dia a dor, a doença ou a perda de um ente querido os encher de aflição, que não se esqueçam jamais que um suspiro diante do Tabernáculo, onde se guarda o maior e mais venerável dos mártires, e um olhar a Maria ao pé da cruz, podem fazer cair uma gota de bálsamo sobre as feridas mais profundas e dolorosas.” (Fragmento do testamento da Vovó do Papa Francisco).

“Nem Deus resiste a um homem de joelhos”. Expressão forte e profundamente verdadeira. Deus não precisa de nossos joelhos e muito menos de nossas lágrimas, porém, a nossa condição fragilizada e mesquinha exige buscar em Deus, a luz e se entregar de corpo e alma para passar da dor ao amor.

Recomeçar sempre sem olhar para trás, com os pés no chão de nossa natureza humana, amada e resgatada para sempre, nos faz dignos de amar e ser amados. O caminho é o amor, mesmo sabendo que ele é fruto da perseverança no caminho da cruz. “Nada nos separará do amor de Cristo…nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do futuro, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura” (Rm 8,38-39). Senhor me ajude a passar da dor ao amor, abraçando a minha cruz de cada dia. Eu sei que o amor dói, mas sem ele a vida não tem sentido. Amém. Abençoada semana pra nós!

 

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR

Comente aqui