Dom Anuar Battisti



O tempo já se completou. Convertei-vos

O Senhor Jesus, no início do evangelho de Marcos afirma: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no evangelho” (Mc 1,15). Conversão e fé andam juntas, criando um processo de mudança no aspecto físico, psicológico e espiritual, pois somos seres humanos em transformação permanente. Quando falamos em conversão, logo nos lembramos de conversão espiritual, apenas.

O convite de Jesus vai além de uma conversão só espiritual, muitas vezes feita apenas de práticas exteriores, ritos e cultos desencarnados da vida cotidiana.

O convite “convertei-vos” está nos dizendo que não é mais possível viver como se nada estivesse acontecendo. Deus pede a seus filhos e filhas colaboração. Está na hora de mudar nossa maneira de pensar e agir.

A mudança começa em nós, a iniciativa deve ser sempre nossa. Deus não impõe nada pela força, mas está sempre atraindo nossa consciência para uma vida mais humana.

Mais do que falsa piedade religiosa a nossa conversão começa pela nossa humanidade, nos conhecendo melhor e aceitando a própria realidade, reconhecendo que precisamos mudar os hábitos e comportamentos. Esta é a hora de criar relações verdadeiras, destruir os relacionamentos falsos, viver e estar no mundo, mas não ser do mundo.

No processo de conversão temos uma grande diferença. Em outras religiões, o ser humano procura Deus; no cristianismo, é Deus que procura o ser humano. A sua proposta, direta e pessoal, aguarda uma resposta também direta e pessoal. O cristianismo não é uma ideologia. A ideologia é uma vacina contra a fé. A fé é a relação que eu estabeleço com Jesus como Senhor e Salvador. A fé é uma relação concreta e única com Ele. A fé é o fato de cada um de nós pertencer amorosamente a Ele e Ele pertencer amorosamente a nós. Portanto fé é uma relação de amor entre o Senhor Jesus que está em mim e eu estou Nele. Todo nosso ser entra em jogo no relacionamento com Jesus.

O tempo já se completou. Não perca tempo! É hora de mudar de hábitos, de comportamentos, criar relações verdadeiras entre nós e nós com Jesus, Senhor, Salvador, amigo incondicional.

Por isso cada dia, cada encontro, cada pessoa, cada acontecimento é uma oportunidade de conversão. Vamos aprender com o nosso querido Papa Francisco, que vai ao encontro não só do pobre, mas do diferente na fé, dos cristãos separados e dos não cristãos.

Ele se aproxima de todos, provoca mudanças, estabelece a paz, une nações, busca novos horizontes para a humanidade.

Conversão significa mudar nossa mentalidade fechada em esquemas e estruturas caducas e ultrapassadas. O tempo exige abertura, acolhida do diferente sem perder as diferenças. Conversão e fé é o caminho de todos, pois a humanidade grita por misericórdia e paz, que começa no teu e no meu coração.

Dom Anuar Battisti

Comente aqui


Sociedade, democracia e o lixo

Estou como arcebispo de Maringá há dez anos. Desde que cheguei nesta maravilhosa terra o que tem me chamado a atenção é a força das entidades organizadas da sociedade civil. Maringá é uma cidade diferenciada por isso. Aqui as nossas instituições estão sempre presentes nos debates da cidade. E graças ao histórico da nossa Igreja, talvez por causa do legado do nosso primeiro bispo, Dom Jaime Luiz Coelho, a arquidiocese está nesta lista das entidades engajadas.

O mais recente debate da nossa comunidade maringaense é sobre o lixo. Debate este que não é novo, e tem mais um capítulo.

Na sessão da câmara de vereadores da última quinta-feira, dia 11, dez vereadores rejeitaram pedido da Arquidiocese de Maringá, Observatório Social, ACIM, Fórum Lixo e Cidadania e da OAB pela revogação da parceria público-privada (PPP) destinada à prestação dos serviços de coleta, tratamento e destinação final do lixo em Maringá.

Representantes das entidades usaram a tribuna da câmara e apontaram diversas irregularidades no processo. Antes, a Igreja já havia se reunido com os parlamentares pedindo que a Câmara revogasse a autorização da PPP. Todos nós queremos uma solução para o problema do lixo em Maringá. Mas que essa solução seja promovida com total transparência.

Recentemente o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) emitiu medida cautelar determinando a suspensão imediata de licitação por meio da qual a Prefeitura de Maringá busca formalizar a PPP. A proposta prevê um contrato de aproximadamente R$ 1,16 bilhão, no prazo estimado de 30 anos.
Infelizmente, dez vereadores rejeitaram o pedido da sociedade organizada.

E como isso ficou público, sentimos na obrigação de comunicar a sociedade. Os vereadores que votaram contra o pedido das entidades foram os senhores Luciano Brito, Chico Caiana, Tenente Edson Luiz, Luiz Pereira, Belino Bravin, Da Silva, Flávio Vicente, Jones Dark, Doutor Sabóia e a senhora Marcia Socreppa.

Os vereadores que atenderam a solicitação das entidades foram os senhores Ulisses Maia, Humberto Henrique, Mário Verri, Luizinho Gari e doutor Manoel.

Todos são livres para optar pelo que acham melhor. Mas o parlamento é a casa do povo e esta casa deve ouvir a sociedade. O que não aconteceu. Como pastor do povo católico, fiquei triste em saber que o poder Legislativo de Maringá não ouviu o clamor das instituições, por consequência das pessoas que cada uma representa. Esperamos que o poder executivo encontre uma alternativa para tratar do lixo em Maringá, de forma transparente. E nisso também nós temos responsabilidade. Mas o que mais esperamos é que a nossa democracia e a força das nossas instituições não sejam jogadas no lixo.

Que Deus abençoe a nossa cidade!

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá

Comente aqui


Casas de apoio nos hospitais

“ Vinde benditos de meu Pai, tomai posse do Reino preparado para vocês e seus anjos. Pois eu estava com fome me destes de comer, estava com sede me destes de beber, estava peregrino e me acolhestes, estava nu e me vestistes….Quando foi que te vimos assim ? Todas as vezes que fizestes isso ao mais pequenino a mim fizestes” (Mt, 25,31-46).

Olhando a cidade de Maringá vemos um privilegiado sistema de saúde, se comparado com outras realidades brasileiras. No âmbito pastoral, também reconheço que nossos voluntários são uma referência.
Temos a Pastoral da Saúde e a Capelania hospitalar presentes nessas realidades.

A Igreja tem acompanhado de perto a vida de centenas de famílias que buscam o sistema de saúde em Maringá. Famílias de municípios da região, e outras de lugares mais distantes. E quando essas pessoas chegam a nossa cidade, são obrigadas a enfrentar as intempéries do tempo durante a espera de seus familiares hospitalizados.

Imagine você, sair de sua casa para acompanhar uma familiar doente, chegar ao hospital e não ter onde ficar. As nossas pastorais têm lutado muito para que essa triste realidade mude em Maringá. A solução seria a construção de duas casas de apoio. Uma para o Hospital do Câncer e outra para o Hospital Universitário.

Já temos uma boa iniciativa na Santa Casa. Os irmãos da Misericórdia conseguiram, com recursos próprios, uma casa de apoio para pacientes e familiares. É uma referência para a nossa cidade e um estímulo para que outras iniciativas aconteçam.

No HU as notícias que temos é que uma pendência judicial está impedindo a construção da casa de apoio. Até o dinheiro já foi conseguido com o apoio da Câmara Municipal. Agora só falta o terreno. No caso do Hospital do Câncer a Pastoral da Saúde também tem acompanhado as possibilidades que surgem.

De qualquer forma estamos num caminho e precisamos avançar. O apoio de toda a sociedade é fundamental para que esse atendimento seja efetivado. Essas famílias, muitas delas com crianças, precisam de um local digno para abrigo durante seus tratamentos.

É um dever cristão, uma exigência do evangelho, uma obrigação do poder público, olhar para essa realidade. Nessa segunda-feira, dia vinte e quatro, completo 10 anos como Arcebispo de Maringá e nesta década presenciei muitas iniciativas empreendedoras nas nossas comunidades. Somos um povo pra frente, animado, entusiasmado, solidário com as obras sociais. Neste exemplo das casas de apoio, será fundamental juntarmos essa garra para resolver as questões burocráticas que ainda impedem a execução dessas duas obras.

Que Deus abençoe todas as famílias que enfrentam enfermidades, que precisam de atendimento médico. E rogo a Deus para que as portas se abram e que em breve possamos contas com essas casas de apoio do HU e do HC. Recordemos sempre as palavras do Senhor Jesus: Vinde benditos de meu Pai, porque destes abrigo, casa de acolhida aos doentes e seus familiares. Deus nos abençoe nesta missão de cuidar e defender a vida. Boa semana a todos!

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR

Comente aqui


Dez anos em Maringá

Por assessoria

dom

Dom Anuar Battisti completa dez anos em Maringá

Segunda-feira (24) Dom Anuar Battisti faz aniversário de dez anos como Arcebispo de Maringá. Ele tomou posse no dia 24 de novembro de 2004 em missa solene na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, como sucessor de Dom João Braz de Aviz, hoje cardeal e prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica no Vaticano.

Ao avaliar dez anos de serviço pastoral em Maringá, Dom Anuar revela que a arquidiocese tem características específicas que fazem com que a Igreja local se torne referência positiva em diversos aspectos. “Hoje, graças a Deus, temos que reconhecer, humildemente, que a nossa Igreja particular tem colhido bons frutos. Enquanto em muitos lugares a evasão dos fiéis afeta a vida pastoral, aqui as nossas igrejas estão cada vez mais cheias e as estatísticas apontam crescimento também na qualidade da participação do povo de Deus”, diz Dom Anuar.

Dom Anuar Battisti nasceu em Alto Honorato, município de Lajeado-RS, no dia 19 de fevereiro de 1953. Antes de ser nomeado arcebispo de Maringá, foi bispo de Toledo-PR. Na CNBB, hoje ocupa a função de bispo referencial da Pastoral do Turismo. Entre 2003 e 2007 coordenou a Seção de Seminários e Ministérios Ordenados, do CELAM, para toda a América Latina, e foi presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, da CNBB.

No Regional Sul 2 da CNBB, que representa a Igreja Católica no Paraná, Dom Anuar é bispo referencial da Pastoral da Criança, Pastoral da Juventude, Pastoral Universitária e da Organização dos Seminários e Institutos do Brasil (OSIB).

Na foto: Dom Jaime Luiz Coelho, Dom Murilo Krieger, Dom João Braz de Aviz e Dom Anuar Battisti.

Comente aqui


Parabéns a UEM

MH 1
Hoje quem faz aniversário é a nossa Universidade Estadual de Maringá. Quero parabenizar a todos os professores, técnicos e alunos. Lembro aqui de uma pessoa que foi fundamental para que o embrião da UEM fosse lançado: Dom Jaime Luiz Coelho, professor Honoris Causa da UEM. Desejamos que o poder público olhe com carinho para a nossa UEM, que não pode mais ser tratada com desprezo, com uma política de sucateamento. Todos nós desejamos ver uma UEM cada vez melhor. Que Deus abençoe!

Comente aqui


Maringá celebra Centenário de Schoenstatt

A Arquidiocese de Maringá vai celebrar o Centenário mundial de Schoenstatt com missa presidida por Dom Anuar Battisti sábado, dia 18 de outubro.

A celebração será realizada às 16h no futuro Santuário da Mãe Peregrina em Maringá. As atividades começam a partir das 14h.

http://goo.gl/B5LhNW

O futuro Santuário da Mãe Peregrina em Maringá fica na Avenida Pioneiro Antônio Fernandes Maciel, sem número, Capela São Bonifácio – Bairro Cidade Alta.

Comente aqui
  

Um ano de pontificado do Papa Francisco

O ministério do Papa Francisco foi marcado desde o dia em que aparece na sacada da Basílica de São Pedro, por um papado diferente. 

Ele começou o serviço pastoral dizendo: “Parece que os meus irmãos cardeais foram buscar-me quase até ao fim do mundo. Mas aqui estamos”.
Em seguida disse: “E agora gostaria de dar a bênção, mas primeiro quero pedir-vos um favor. Antes de o bispo benzer o povo, peço que rezem ao Senhor para que me abençoe. Façamos esta oração em silêncio. Agora, vou abençoar-vos e a todo o mundo, a todos os homens e mulheres de boa vontade”.

Nunca na história dos últimos papas se viu e ouviu tamanha humildade e aproximação. Esse seria o estilo, o rosto da Igreja a partir daquele 13 de março de dois mil e treze.  O Francisco do século XXI, que vem do “fim do mundo”, surge para dar uma nova veste às estruturas, iluminando com seu sorriso, atraíndo a todos com seu jeito de ser e falar.

É um papa que fala aos corações. Gestos, atitudes, posturas, que sustentam cada palavra que se encaixa como luva nas mãos, de todos nós, nada se perde.  A missão de ser o homem de Deus no meio do povo não é outra a não ser o que ele disse na chegada ao Rio, para a Jornada Mundial da Juventude 2013: “Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo! Venho em seu Nome, para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração; e desejo que chegue a todos e a cada um a minha saudação: “A paz de Cristo esteja com vocês!”
O estilo Francisco é o estilo de Jesus, que se impõe sem longos discursos ou recomendações teológicas.

Com sua inteligência aguda e ágil vinha desde a ordenação episcopal, observando a vida e a estrutura da Igreja na cúria romana, mesmo sem nunca ter morado em Roma. Tudo era uma escola na qual foi aprendendo o que não deveria acontecer, seja em Buenos Aires, como agora no Vaticano.
Por isso tem a força de mudar as estruturas ultrapassadas sem agredir, acusar, encontrar culpados. Estabelece uma verdadeira revolução simplesmente pelo seu jeito diferente de ser.

Diante da pergunta de uma criança que quer saber porque não foi viver nos aposentos pontifícios ele simplesmente disse: “Tenho problemas psiquiátricos, não consigo viver sozinho”. Por isso o clamor em criar a “cultura do encontro” o aproximar-se das pessoas, o “sentir o cheiro das ovelhas” o livrar-se das regalias e pompas de um chefe de Estado, enfim um novo rosto da Igreja para o mundo.

As mudanças se fazem sentir aos poucos, principalmente na transparência da economia e administração dos bens do Vaticano. A missão dos cardeais, bispos, sacerdotes e religiosos que trabalham na Cúria Romana, já não é só um trabalho burocrático e sim pastoral, inclusive saindo para as paróquias romanas para celebrar os sacramentos, principalmente a confissão.

O retiro de quaresma deste ano aconteceu fora do Vaticano, numa casa de retiros onde todos estavam o tempo todo, com o Papa. Ele foi junto com todos, no mesmo ônibus. Antes se fazia o retiro dentro do Vaticano, todos ouviam as meditações e cada um ia para o seu trabalho.

São mudanças que para nós de fora não se faz notar, mas isso é profundamente novo. Todos nós já demos conta de que um novo rosto, um rosto latino-americano veio para ficar estampado em toda a Igreja. Rezemos sempre pela saúde de nosso Papa Francisco, a fim de que possa consolidar em todas as estruturas da Igreja o rosto de Jesus e do Evangelho vivido, expresso em sua belíssima Exortação Apostólica Evangelho da Alegria. Que Deus abençoe você e sua família! Boa Semana!

Dom Anuar Battisti é Arcebispo de Maringá-PR

 

Comente aqui