Nossa Senhora da Glória

Homilia na missa da Festa de Nossa Senhora da Glória

Homilia de Dom Anuar Battisti na missa da Festa de Nossa Senhora da Glória

 

Catedral ficou lotada na missa presidida pelo Arcebispo de Maringá, no dia da Padroeira da Cidade e da Arquidiocese de Maringá.

Veja também: Passeio Ciclístico da Família reúne centenas de participantes no centro de Maringá http://www.youtube.com/watch?v=yF-b3TJcfI

Imagem de Amostra do You Tube
Comente aqui

15 de agosto: Dia de Nossa Senhora da Glória

Nessa quarta-feira (15) a Igreja celebra o Dia de Nossa Senhora da Glória, Padroeira da cidade de Maringá e da Arquidiocese de Maringá. A programação oficial do Dia da Padroeira começa logo cedo, às 7h, com o Solene Ofício de Nossa Senhora (Ofício das Leituras e Laudes) e a Solenidade de (re) entronização de imagens da Bem-aventurada Virgem Maria nos lares, na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória. Esta celebração será presidida pelo Cardeal Dom João Braz de Aviz, com a presença do Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti.

Às 12h repicar dos sinos de todas as Paróquias da Arquidiocese de Maringá; às 18h procissão e Missa Solene (campal) seguida da coroação da imagem da Bem-aventurada Glória Virgem Maria, Senhora Glória – com saída do Parque do Ingá em direção à Catedral Metropolitana Basílica Menor Nossa Senhora da Glória. A santa missa será  presidida pelo Cardeal Dom João Braz de Aviz.

 

Sobre a Assunção de Nossa Senhora

Amanhã (15 de agosto) solenemente a Igreja celebra o fato ocorrido na vida de Maria de Nazaré, proclamado como dogma de fé, ou seja, uma verdade doutrinal, pois tem tudo a ver com o mistério da nossa salvação. Assim definiu pelo Papa Pio XII em 1950 através da Constituição Apostólica Munificentissimus Deus: “A Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre foi assunta em corpo e alma à glória celestial.”

Antes, esta celebração, tanto para a Igreja do Oriente como para o Ocidente, chamava-se “Dormição”, porque foi sonho de amor. Até que se chegou ao de “Assunção de Nossa Senhora ao Céu”, isto significa que o Senhor reconheceu e recompensou com antecipada glorificação todos os méritos da Mãe, principalmente alcançados em meio às aceitações e oferecimentos das dores.

Maria contava com 50 anos quando Jesus subiu ao Céu. Tinha sofrido muito: as dúvidas do seu esposo, o abandono e pobreza de Belém, o desterro do Egito, a perda prematura do Filho, a separação no princípio do ministério público de Jesus, o ódio e perseguição das autoridades, a Paixão, o Calvário, a morte do Filho e, embora tanto sofrimento, São Bernardo e São Francisco de Sales é quem nos aponta o amor pelo Filho que havia partido como motivo de sua morte.

É probabilíssima, e hoje bastante comum, a crença de a Santíssima Virgem ter morrido antes que se realizasse a dispersão dos Apóstolos e a perseguição de Herodes Agripa, no ano 42 ou 44. Teria então uns 60 anos de idade. A tradição antiga, tanto escrita como arqueológica, localiza a sua morte no Monte Sião, na mesma casa em que seu Filho celebrara os mistérios da Eucaristia e, em seguida, tinha descido o Espírito Santo sobre os Apóstolos.

Esta a fé universal na Igreja desde tempos remotíssimos. A Virgem Maria ressuscitou, como Jesus, pois sua alma imortal uniu-se ao corpo antes da corrupção tocar naquela carne virginal, que nunca tinha experimentado o pecado. Ressuscitou, mas não ficou na terra e sim imediatamente foi levantada ou tomada pelos anjos e colocada no palácio real da glória. Não subiu ao Céu, como fez Jesus, com a sua própria virtude e poder, mas foi erguida por graça e privilégio, que Deus lhe concedeu como a Virgem antes do parto, no parto e depois do parto, como a Mãe de Deus.

 

Nossa Senhora da Assunção, rogai por nós!

Por Canção Nova

Comente aqui

15 de agosto: Cardeal Dom João Braz em Maringá

Cardeal Dom João Braz de Aviz participará das comemorações da Padroeira de Maringá

 

Este ano a Solenidade de Nossa Senhora da Glória contará com a presença do Cardeal Dom João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica no Vaticano. Dom João foi o terceiro Arcebispo de Maringá. Ele comandou a Arquidiocese entre outubro de 2002 e janeiro de 2004.

O Cardeal Dom João Braz aceitou o convite do Arcebispo Dom Anuar Battisti e além de participar das festividades da Padroeira de Maringá também vai fazer palestra sobre diálogo inter-religioso na 9ª Noite de Oração pela Paz no dia 13 de agosto, além de cumprir agenda na Pontifícia Universidade Católica (PUCPR) em Londrina.

 

Veja a programação da visita do Cardeal Dom João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica no Vaticano.

 

13 de agosto: 20h – Palestra sobre diálogo inter-religioso na 9ª Noite de Oração pela Paz, no Auditório Dona Guilhermina.

 

14 de agosto: 9h – Palestra sobre o Ano da Fé aos estudantes da PUCPR em Londrina.

11h – Santa missa no Seminário Papa Paulo VI em Londrina.

 

15 de agosto (feriado municipal em Maringá – Dia da Padroeira do município e da Arquidiocese): 7h30 – Ofício Solene de Nossa Senhora na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória.

17h30 – Concentração em frente ao portão principal do Parque do Ingá para a procissão.

18h – Início da procissão. Logo após, santa missa na Praça da Catedral de Maringá.

Comente aqui