Mês: junho 2013



Tristeza

Tem dias que o coração aperta de tristeza
Assim: fica murcho, tudo perde o brilho, fica sem voz, pensamentos confusos, intensos, conclusão? Nenhuma
Nem pra tristeza acha razão
Só fica triste
Motivos até tem
Isto a vida sempre dá!
São suficientes?
Não!
Não é aquela tristeza arrebatadora, considerada depressão
É só tristeza
Silêncio, solidão, questionamentos
E concluir: somos impotentes diante de tantas coisas!
Como isso dói!
Daqui a pouco passa
Afinal, Freud já explicou o poder da negação!
Tristeza é igual felicidade, vem e vai
Não tem data marcada nem como se preparar pra ela, simplesmente acontece
Talvez o jeito seja aproveitar
Afinal chorar ajuda a limpar a alma.

Comente aqui


Feliz dia dos namorados

Alguns dizem que namorar é tudo de bom  e outros que se namorar fosse bom as boates não estavam cheias de gente. Bem, opiniões a parte. Uma coisa é certa: amar e ser correspondido é tudo de bom!

Amor ruim é aquele que não é devolvido, não é valorizado, não é percebido. Este é doloroso!

Todos os outros são bons. Sem problemas? Não! Isso não existe. Relacionar-se não é fácil, é ter que lidar com pontos de vista, valores, desejos, necessidades e personalidades diferentes. Isso sempre dá trabalho.

Mas vale tão a pena! Em minha opinião amar é a melhor coisa que existe.

Por isso finalizado com Camões

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?

Comente aqui


A arte do engano

Oi pessoal, quanto tempo heim?! Realmente fiquei uma bela temporada longe. Mas cá estou de volta, e com uma proposta de escrever aqui no minimo 3 vezes por semana. Tentarei! Prometo!!!

Li um livro há um tempo atras chamado A arte do auto engano, o autor é Eduardo Gianetti. Um livro pequeno porem extremamente assertivo. Que defende que o tempo todo tentamos nos enganar, deixar as coisas mais suaves do que são, mais supervalorizadas do que realmente são, menos dolorosas que a verdade.

Fazemos isto e de maneira inconsciente.

Certa vez o Ps Marcelo Gomes disse sabiamente em uma de suas pregações que a estima baixa é resultado de se conhecer tão bem e perceber quão falho se é.

Tentamos fugir desta verdade, por isso floriamos um pouco as coisas, minimizamos outras, tudo na tentativa de ser feliz. Porem a verdade da vida é que não é possível fazer isto por muito tempo. Chega uma hora em a realidade arromba a porta e se mostra como é.

O depressivo sofre por perceber integralmente quem é: enxerga de forma nua e crua toda sua fragilidade, todas suas culpas, fracassos e erros. Contudo, anula qualquer traço bom que há em si mesmo, como se não existissem. E existem.

Somos um povo voltado para os excessos, não vivemos no meio termo, alias pouco sabemos sobre isto. Então ou somos deprimidos demais ou arrogantes demais. Os arrogantes não são maus só se supervalorizam, se enganam para o bem (só focam no acerto, nunca na falha) enquanto o depressivo tambem se engana mas de modo contrário.

Sair do excesso é uma busca dolorosa.

Buscar o centro, o meio termo e se ver como verdadeiramente é – sem mais e sem menos. É poder assumir os erros e fracassos, os limites e necessidades e acolhê-los e poder se amar apesar deles. Não é tarefa que qualquer um aceite fazer. Mas com certeza vale cada lágrima, pois sair do engano é sempre a melhor escolha.

Como você se vê?

Reflita no que como diz a Bíblia: “Conhecerás a verdade e a verdade vos libertará

Viver livre é bom não é?! Então, comece agora a quebrar suas amarras, a buscar suas verdades, pare, pense, seja honesto consigo mesmo – tarefa difícil na vida – mas compensadora!

 

1 Comentário