Mês: abril 2014

 

Escolhas de uma vida

(Pedro Bial)

A certa altura do filme Crimes e Pecados, o personagem interpretado por Woody Allen diz: “Nós somos a soma das nossas decisões”.

Essa frase acomodou-se na minha massa cinzenta e de lá nunca mais saiu. Compartilho do ceticismo de Allen: a gente é o que a gente escolhe ser, o destino pouco tem a ver com isso.

Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção, estamos descartando outra, e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar “minha vida”.

Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura. No amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances. Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar, e através do casamento fundar uma microempresa, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.

As duas opções têm seus prós e contras: viver sem laços e viver com laços…

Escolha: beber até cair ou virar vegetariano e budista? Todas as alternativas são válidas, mas há um preço a pagar por elas.

Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses, ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana, ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado. Por isso é tão importante o auto conhecimento. Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos. Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.

Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido. A estrada é longa e o tempo é curto. Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as consequências destas ações.

Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de darem certo, mas também 50% de chance de darem errado. A escolha é sua…!

Comente aqui
  

Nos altos e baixos da vida o que te estabiliza?

A vida é constituída por momentos bons e outros difíceis. Por fases de conquista e outras de muitas lutas. Em geral nas fases de luta tendemos a cair, nos sentir incapazes e sem forças para continuar. Nossas capacidades de estima e esperança ficam abaladas, o que dificulta ainda mais a situação. Perder o foco é muto comum nestes momentos e isto nos desestabiliza.

Refletir sobre si, buscar se reencontrar. Ou até encontrar-se para os que estão perdidos desde sempre. É um jeito de se estabilizar e não ficar ao sabor do vento.

Afinal, o que tem te estabilizado? A sua estabilidade é como o pescoço da galinha ou como um boneco de posto? Se não ficou claro assista o vídeo…

https://www.youtube.com/watch?v=nLwML2PagbY
Comente aqui
 

Ninguém vê como você

Cada vivência é muita única. Não há comparação. Não há ninguém no mundo que sinta as coisas da mesma forma que outro individuo, pode haver semelhanças, mas igualdade nunca. Por isso as vezes é tão dificil se sentir compreendido. Encontrar alguem que escute, que acolha, que cuide sem julgar ou impor seu modo de pensar é coisa rara. E como faz falta!

Entender e respeitar tal diferença é a base da convivência. Pois do seu ponto de vista a situação pode ser fácil, porem será que a realidade do outro é como a sua? Dê uma olhada na figura abaixo.

foto (1)

Será que não é isto que tentamos impor ao outro?

Que ele esta sendo pessimista ou otimista demais?

Porem, onde você esta inserido? Pois enquanto um tem água para o outro falta. Do ponto de vista do peixe que esta para baixo tudo vai bem e para o outro a morte esta próxima! Para compreendermos o que uma pessoa esta passando é necessário enxergar as coisas do ponto de vista dela, é se despir do seu olhar e enxergar com os olhos da pessoa. Só assim podemos ajudá-la. E ser ajudados. Isso exige conversar sem pressa, escutar sem rumores e deixar de lado os smartphones. Estamos dispostos a isto?

A Canon, marca de máquinas fotográficas, criou uma propaganda na Austrália com a seguinte ideia “Há mais de 7 bilhões de nós no nosso planeta, e todos olhando o mundo diariamente. Mas na verdade ninguém vê o mundo como você, porque sua visão do mundo é única”. Deixo o vídeo da propaganda abaixo, infelizmente só o encontrei em inglês. É uma bela reflexão.

https://www.youtube.com/watch?v=mGpuFFhY0io

 

Comente aqui