Mês: julho 2015



Aprendendo com a chuva

uma viagem extraordinaria

 

Assisti esses dias um filme fofo chamado Uma viagem extraordinária. O filme conta a historia de um garoto super inteligente que ainda criança desenvolve um aparelho importante para a ciência e é convidado para apresentar esse material numa importante conferência. Mas quem o convida não sabe que ele é uma criança. E lá vai ele – sozinho – nesta aventura.

O filme é uma graça, gostoso de assistir, divertido, com boas atuações e com uma linda mensagem. Eu amei!

Mas o que mais me deixou pensativa, foi a frase que postei na imagem acima. Pensei no quanto realmente nós lutamos contra a maré. Como tentamos ir contra as situações difíceis da vida, tentamos não chorar quando precisamos, não entristecer quando necessitados, não encarar de frente as situações difíceis e depois ficamos tristes por não conseguir curtir as fases boas da vida.

Como estar apto a curtir o bom se as feridas de outra fase não estão tratadas?

Quando vamos contra a dor, a impedimos de sarar. O medo de se perder na dor é tanto que cria uma falsa imagem de fragilidade, pois enquanto me impeço de viver as frustrações, decepções, fraquezas, perdas ou seja lá o que for que me acontece estou me impedindo de descobrir capacidades que ainda não conheço. E somente ao viver os lutos do dia a dia é que posso me de-siludir. Escrevo assim propositalmente pois enquanto vivemos na negação da dor, vivemos iludidos. Sem a verdade não posso amadurecer, e assim também não poderei desfrutar do bom que vier em outra fase.

Há tempo para todas as coisas, diz o sábio. E atropelar fases nunca traz bons resultados. Claro, que entristecer é ruim, desolador as vezes, incomoda quem vive e quem esta ao lado. Mas não ha outra forma de se recuperar a não ser enfrentando essas circunstâncias. As vezes, o sofrimento é tão intenso que se faz necessário auxilios proffisionais – para isso existem médicos, psicólogos, pastores e etc. Para cada situaçao e individuo ha o adequado. O único perigo é fugir.

 

 

2 Comentários