PF prende diretor-geral do DER e faz buscas na Casa Civil de Beto Richa

Muita gente do governo do Paraná e do interior do estado amanheceu debaixo da cama. A Polícia Federal (PF) faz buscas na sede do Governo do Paraná nesta quinta-feira (22), na 48ª fase da Lava Jato. Os policiais também cumprem sete mandados de prisão temporária no Paraná e em outros três estados nesta nova etapa da operação, batizada de Integração. O diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER/PR), Nelson Leal, foi preso.

A investigação apura corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na concessão de rodovias do Paraná.

Os alvos principais, conforme o Ministério Público Federal (MPF), são servidores públicos e empresas investigadas por corrupção, lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato.

 Um dos alvos de busca e apreensão é Carlos Nasser, funcionário com cargo em comissão da Casa Civil. Atualmente, ele trabalha na coordenadoria de assuntos políticos da pasta.

O mandado de busca e apreensão cumprido no Palácio Iguaçu, sede do governo paranaense, tem como alvo a Casa Civil. Também há mandados de busca e apreensão sendo cumpridos na presidência do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER/PR) e na Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar).

Ao todo, há 50 mandados de busca e apreensão que devem ser cumpridos nas seguintes cidades: Londrina, Curitiba, Campina Grande do Sul, Jataizinho, Paranavaí, no Paraná; em Balneário Camboriú, em Santa Catarina; Rio de Janeiro; e São Paulo.

Matéria atualizada clique aqui.

2 comentários sobre “PF prende diretor-geral do DER e faz buscas na Casa Civil de Beto Richa

  1. Luiz Antonio Bernardo 22 de fevereiro de 2018 10:59

    Parabéns, Fernando Nandé, pela excelência do jornalismo de qualidade e a boa informação, em cima dos fatos!

  2. maso 24 de fevereiro de 2018 06:31

    Se o Brasil tivesse metade do judiciario como a Republica de Curitiba a criminalidade diminuiria muito. Essa criminalidade dos gestor publico. 95 % do pessoal da politica em cargo publico e ladrao. E uma questao de investigar, de seguir, e concluir as provas.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.