escritor



Empresas corruptas devem construir presídios

Tropas da Força Nacional de Segurança já atuam no Ceará por ordem de Moro

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, mandou a Força Nacional para dar segurança à população do Ceará, ameaçada pela ousadia das facções criminosas que comandam o crime de dentro dos presídios. O mesmo Ceará de Ciro Gomes, que jurou ser seu Estado o paraíso na Terra.

A ação tem que ser exemplar, pois as rebeliões são iminentes em outros estados da Federação, em que essas mesmas facções dominam, por culpa de nosso sistema prisional e sobremodo de uma Justiça que teima em fazer cafuné na cabeça de bandido.

Há de se apertar a legislação criminal, caso se queira mesmo resolver em definitivo o problema. O povo brasileiro não pode continuar refém de marginais.

Falta dinheiro para construir presídios para toda a bandidagem e sabemos disso. Então, que se condenem, por exemplo, as empresas envolvidas em corrupção, nos acordos de leniência, a construírem cadeias e presídios; que se use a mão-de-obra dos próprios presos para essas obras.

Seriam penas justas para quem tanto prejudicou o Brasil e aliviaria o bolso do contribuinte, que teria seu dinheiro na forma de impostos aplicado no que interessa, construção de escolas e creches.

***************************

A raiz
No orfanato, o primeiro presente que ganhei de outra criança foi um pedaço de serra, afiado como se fosse uma faca – que me acompanharia por muitos anos. E desde então sei que, neste Brasil, em certos lugares de pobreza e ignorância propositais, esquecidos pelos códigos civilizatórios, a lei se faz de outra forma, sumária e no dente por dente, A isso damos o nome de violência, eis pois, suas raízes.

Presos comuns
Já passou da hora de colocar os políticos presos com os detentos comuns.

Literatura que choca
Saber escrever palavrões, ou falar de putas e coisas outrora chocantes, já não revela um grande escritor inconformado, ou gênio da literatura. Bukowski esgotou o tema e de forma genial e o nosso Nelson Rodrigues o arrematou em sua dramaturgia. Em nosso tempo, o palavrão gratuito, solto no texto, a bárbara personagem sem necessidade alguma de estar ali, revelam apenas alguém sem criatividade, um pornográfico gratuito, ou algum mal educado, mais nada.

Pobreza
Pobre país, em que a cultura é sinônima de soberba e que a burrice tem seu altar.

Os animais de Curitiba
Os animais do zoo de Curitiba vão bem, obrigado! Mas aquele outro animal bípede, que tem o estranho costume de falar e pedir esmolas nas ruas, este continua mal.

Hitler
Acabo de ler que Hitler era vegetariano. Na realidade gostava de carne de pombo, mas não podia comer porque tinha problemas de flatulência. Para cada pombo, um peido.

Sem alma
Foi acabar o Natal e os inimigos voltaram a falar mal da gente. Eia, povo sem alma!

Piano
Teus dedos nas teclas do piano
Brancas borboletas
Beijando as notas e meu coração.

Plic-plac
Barulhinho de chuva
Plic-plac…plem…
Travesseiro de nuvem
Sonho contigo, meu bem!

No bolso
Escondo no bolso
Caixinha de lembranças
Onde guardo sonhos

Patientia, fratres!

Comente aqui