JBS informa que só teve maracutaias no Brasil

A JBS só fez negócios sujos no Brasil. Em outras palavras foi o que Wesley, irmão do delator Joesley e CEO da JBS, quis dizer, mas com outras palavras, no e-mail em inglês que enviou aos funcionários do grupo nos Estados Unidos.

Segundo ele, “erros foram cometidos quando nos envolvemos com o setor público” e que “não nos orgulhamos disso” , afirmou no comunicado interno, também destacando a participação em delação premiada e validada, para esclarecimento da situação criada.

O que o comunicado não trouxe é que a empresa se tornou a maior empresa processadora de carne do mundo graças a “favores” ilegais durante as gestões do PT, partido derrubado do poder em razão do excesso de maracutaias dilapidando o patrimônio público.

Também não disse que nos últimos anos a JBS foi alvo de cinco operações da Polícia Federal por pagamento milionário de propinas a agentes públicos.

Nem que Joesley safadão que se intitula “controlador do maior grupo empresarial privado não bancário do país”, declarou que as propinas eram apenas para obter “boa vontade do conjunto da classe política” com a empresa.

Na verdade o comunicado que acabaram “vazando” para a imprensa estrangeira, busca quebrar desconfiança e até investigações em outros países onde a JBS tem 80% dos seus negócios.

Comente aqui


Sindicato registra sinais de retomada econômica

Pela primeira vez nos últimos três anos são registrados sinais de uma retomada econômica no Brasil. Três em cada dez empresas acreditam que a economia sairá da crise

A fonte dessa boa nova é do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi), através da 50a. rodada do Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria, encomendado pelo sindicato ao Datafolha.

A tabela mostra os primeiros sinais positivos desde o início da crise econômica, em setembro de 2014, no cenário industrial.

Faturamento

Abril/2017

Março/2017

Ótimo/Bom

22%

20%

Regular

37%

32%

Ruim/Péssimo

40%

48%

Para 35% dos entrevistados, a situação de suas empresas em abril esteve ótima ou boa, ante 26% em março. O faturamento das indústrias também teve uma leve melhora: 22% consideraram como ótimo ou bom; um aumento de 2%. 37% apontaram como regular, ante 32% em março, e 40% identificaram seus lucros como ruins ou péssimos; no mês anterior, este índice chegou a 47%.

Margem de Lucro

Abril/2017

Março/2017

Ótima/Boa

20%

19%

Regular

37%

30%

Ruim/Péssima

43%

48%

A margem de lucro também subiu, com o cenário passando de negativo para mediano. 20% dos empresários identificaram o mês anterior como ótimo ou bom, um acréscimo de 1%. 37% classificaram como regular, ante 30% em março, enquanto 43% apontaram como ruim ou péssimo; uma queda de 5% no comparativo com o mês anterior.

Questionados sobre a retomada do crescimento econômico, 69% das MPI’s informaram que a crise ainda é forte, afeta os negócios e impossibilita previsões sobre quando a economia voltará a crescer. Já 29% identificaram que a crise está mais fraca, e visualizam um crescimento nos próximos meses. 2% afirmaram que o período negativo já passou e 1% não soube opinar.

Para o presidente do Simpi, Joseph Couri, é necessário observar os aspectos positivos: “Embora seja uma melhora pequena numa base econômica deteriorada, este é um começo. Entretanto, é necessário olhar para os demais índices. A inadimplência, o custo e as demissões na micro e pequena indústria seguem altos. A ausência de capital de giro também continua a impedir o crescimento. São necessárias medidas, que colaborem para a retomada industrial e, consequentemente, para a melhora do país”.

O Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, encomendado pelo Simpi e efetuada pelo Datafolha, é reconhecido como sinalizador de tendência. 42% das MPIs de todo Brasil estão em de São Paulo.A íntegra das 50 pesquisas Simpi/Datafolha, desde março de 2013, está disponível no site da entidade www.simpi.org.br

Comente aqui


Lula tem o seu “Posto Ipiranga”

A popular propaganda do Posto Ipiranga mostra que além de combustíveis ele oferece uma grande variedade de mercadorias e serviços. O sucesso da propaganda e a capacidade do brasileiro em desvirtuar já criou inclusive um genérico desse estabelecimento que, focado em faturar extrapola as próprias nomenclatura e finalidade específicas.

O genérico é o tão mal falado Instituto Lula do ex-presidente que comanda claques petistas do MST, CUT e advogados, para tentar escapar da Justiça após organizar e comandar os governos mais corruptos da história do Brasil.

Quem levantou isso foi um magistrado, o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília. E o fez ao determinar a paralisação das atividades do Instituto Lula, por estar sendo usado na prática de crimes.

Segundo o juiz: “Ele próprio [Lula] mencionou que chamava pessoas para conversar no referido Instituto sobre finalidades diversas do escopo da entidade, alcunhando-o de “Posto Ipiranga”.

Entenda “diversas” por negócios e negociatas que estão sendo levantados e enquadrados pela Justiça. Pelo visto esse “posto” trabalhava com combustíveis adulterados … em sociedade com recursos desviados diretamente da maior fornecedora, a Petrobras.

Comente aqui


Molho de tomate com partes de ratos, baratas, etc.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária determinou ontem, sexta-feira, que a empresa Heinz recolha todos os molhos de tomate do lote 25 do mercado.

A comercialização foi proibida em todo o território nacional, segundo informação no Diário Oficial da União, baseada na Resolução 14 da Anvisa que trata sobre materiais estranhos em produtos alimentícios.

De acordo com a nota, a empresa comunicou o recolhimento voluntário do produto, “…em decorrência da identificação de não conformidade com a Resolução – RDC nº 14, de 28 de março de 2014”.Essa resolução permite até 10 fragmentos de insetos a cada 100 gramas, 1 pelo de rato para a mesma quantidade do produto e 40% de fungos.

Pois é. Essa permissividade que admite que consumamos partes de roedores, insetos (baratas?) e fungos nos molhos de tomate industrializados, é um grande motivo para estimular os antigos costumes da fabricação de molhos caseiros. A bola está com as e os responsáveis pelas cozinhas.

Comente aqui


Pedágio: Rolândia e Arapongas lançam o Tarifa Zero

A população de Presidente Castelo Branco afrouxou, mas a de Mandaguari se manteve firme contra a praça de pedágio que prejudica seus moradores e já está servindo de exemplo para cidades maiores. Está declarado em Rolândia e Arapongas o Movimento Tarifa Zero.

O objetivo é forçar a concessionária Viapar a conceder isenção na tarifa do pedágio para os moradores dos dois municípios.

A estratégia que começa com esse anúncio, será complementada por uma manifestação inicial, marcada para os próximos 15 dias.

É vergonhoso que prefeitos – onde estão as associações tipo Amusep? – deputados estaduais e federais se façam de cegos e surdos contra essa exploração que inclusive tolhe o direito de ir e vir das pessoas por estradas que elas pagaram e continuam pagando através de impostos.

Pior ainda: nossas rodovias não foram feitas pelas pedagiadoras e as tarifas que cobram são escorchantes, niveladas entre as mais caras do Brasil.

De acordo com cálculos de um vereador, só essa praça focada pelo movimento dos dois municípios sangra da economia local, em dinheiro vivo, por mês, mais de um milhão de reais.

O movimento também questionam a construção de um muro na chamada Estrada do Ceboleiro, acesso alternativo criado pelos moradores que cruzam a divisa entre os dois municípios, cumprindo trajeto onde o combustível custa menos que o pedágio.

Os vereadores de Rolândia solicitaram à prefeitura que reavalie o termo de cooperação firmado com a Viapar. A sugestão é para que, através de um possível acordo, apenas o próprio município tenha poder para fechar rotas paralelas.

A verdade é que cada prefeitura recebe percentual sobre o que a praça de pedágio fatura. Logo, as prefeituras são parceiras da Viapar e os prefeitos engordam os cofres do município faturando de seus cidadãos indiretamente, lá na rodovia.

O que o movimento popular precisa conferir é se o que o município fatura, compensa, em relação com o que cada um dos seus cidadãos é obrigado a deixar nas praças de pedágio. É preciso abrir as caixas-pretas das pedagiadoras e das prefeituras.

Comente aqui


Lula vai tremer em Curitiba

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda tenta, mais uma vez, fugir de sua primeira audiência com o juiz federal Sérgio Moro, marcada para as 14 horas de amanhã.

Ontem os advogados do petista entraram com um habeas corpus no Tribunal Regional Federal (TRF-4) pedindo a suspensão dos prazos do processo para que possam “ter tempo de analisar documentos apresentados pela Petrobras à Justiça na última semana”.

Também recorrem da decisão de Moro de impedir que a defesa de Lula grave o depoimento com uma câmera móvel. Ou seja, querem colocar uma equipe se posicionando aqui, alí, colhendo cenas de acordo com roteiro que visa editar com as imagens e falas um espetáculo de televisão, posicionando Lula como estrela perseguida, Moro e promotores como perseguidores.

Claramente é possível ver que prevendo dificuldades e prejuízos com o corpo a corpo, os advogados apelam para as manobras de postergação que o conservam o cliente “inocente”- enquanto não for confrontado com provas. Se possível, vão postergar até que os prazos não mais o impeçam de ser candidato à presidência.

Mas, cá entre nós, raciocinando de forma simples, direta, primária: tivesse coberto de razão como discursa e vocifera, Lula estaria fugindo de confrontar com Moro? Quem tem razão e se considera prejudicado é o primeiro interessado em aclarar tudo!

Por outro lado a Justiça deveria se manifestar sobre a responsabilidade de Lula – e do PT – quanto a convocar para Curitiba, dezenas de ônibus lotados de manifestantes. Com o frio certamente muitos convocados estarão etilicamente “aquecidos”. Quem pagará os danos em caso de excessos? Quem deve ser responsabilizado caso ocorra uma morte, uma tragédia?

Lula tremerá ao desembarcar do jatinho particular no solo do que ele chama de “República de Curitiba”.

E não será de frio.

1 Comentário


Depois de 9 anos STF decide como será julgado ex-deputado Ribas Carli Filho

O carro onde morreram os dois jovens

Nove anos depois da morte dos jovens Gilmar Rafael Souza Yared, 26, e Carlos Murilo de Almeida, 20, cujo carro foi destruído pelo veículo pilotado pelo deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho, o Supremo Tribunal Federal decidirá sobre a forma de julgamento do criminoso.

O veículo dos jovens estava parado, o do deputado a mais de 160 km/h, e os ministros do STF decidirão se ele será ou não submetido a júri popular.

O primeiro a votar será o relator do caso, o ministro Gilmar Mendes. Na sequência, votam os demais ministros, debruçados sobre uma decisão liminar dada pelo ministro Ricardo Lewandowski, que impediu o julgamento popular no ano passado.

A defesa de Carli Filho alega que o julgamento não pode ser realizado enquanto todos os recursos pendentes no Superior Tribunal de Justiça (STJ) não forem julgados. Além deste recurso, ainda há outro no próprio STF, sustentando que Carli Filho deveria ser julgado por homicídio culposo e não doloso.

Comente aqui


Deputados estudam fim da reeleição e mandatos de 5 anos

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criou ontem uma comissão especial para discutir proposta que altera a Constituição para acabar com a reeleição.

A Proposta de Emenda à Constituição 77/03 do deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), determina a coincidência das eleições e a duração de cinco anos dos mandatos para os cargos eletivos. Pela proposta, será de cinco anos o mandato dos deputados, vereadores, prefeitos, vice-prefeitos, governadores e presidente da República. O de senadores é fixado em 10 anos.

O relator da Comissão Especial da Reforma Política, deputado Vicente Cândido (PT-SP), informou hoje que já acertou com o presidente do colegiado, Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que a PEC 77/03 será analisada junto com as demais proposições da comissão especial.

O parlamentar afirmou que será apresentado um substitutivo que cria eleições para Executivo e Legislativo em anos separados a partir de 2022 e o fim dos cargos de vice, além da adoção do sistema distrital misto a partir de 2026.

Comente aqui


Para onde vai José Dirceu?

 

“Saudamos a decisão do Supremo Tribunal Federal de libertar José Dirceu e esperamos que a mesma decisão se estenda a companheiro João Vaccari”.

 

Esse pronunciamento espartano do presidente nacional do partido, Rui Falcão, postado sem foguetório no site do PT, mostra comemoração com pé atrás. A situação de Dirceu – que Falcão não chamou de “companheiro” – é frágil por duplo envolvimento, no Mensalão e na Lava Jato. Mesmo preso ele continuava a receber propina.

 

Atrás das grades desde 2015 por ordem do juiz Sérgio Moro, com mais de 30 anos de prisão no lombo, a liberdade vigiada por tornozeleira deve esperar decisão em segunda instância onde certamente ele será derrotado. Por enquanto ele se apoia na decisão de três – entre cinco – magistrados que votaram favoravelmente à libertação, em respeito à presunção de inocência.

 

A atabalhoada denúncia do Ministério Público Federal provocou uma espécie de cabo-de-guerra entre promotores e magistrados, mas como é lógico, venceu quem decide.

 

Agora é esperar para ver resultados que dependem mais de José Dirceu que dos demais protagonistas. Perante os brasileiros escandalizados, o MPF coloca Dirceu como alvo preferencial.

 

Premiado por uma libertação inesperada depois de dizer a um amigo que se não fizesse delação iria morrer na cadeia, por tudo o que sabe e por outras acusações e penas que vêm por aí, José Dirceu será pressionado para sair de cena. Ou seja: dar no pé, pular para o vizinho Uruguai. Se acontecer vai ser um escândalo e ele ainda vai se postar como exilado político, criticando a Justiça brasileira e ainda abrindo rota para outros petistas.  

1 Comentário


‘Teje preso, teje sorto”

 

A soltura de Eike Batista, rico com grife que também chafurdou na corrupção envolvendo governos, políticos e empresários, confirma a escalada do popular “teje preso, teje sorto”: migrou do compadrio interiorano para os altos tribunais do Brasil.

Eike recuperou a peruca, ganhou um adereço eletrônico na canela e ainda neste domingo promove regabofe milionário na gaiola de ouro, uma mansão no Rio, onde ficará “confinado”. Segue a esteira de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, solta por ser mãe de filhos pequenos, uma barbaridade que ecoa principalmente nos presídios femininos.

Dependendo do nível dos libertados, eles podem, ou não, ser estornados à prisão. Que o diga o descapitalizado goleiro Bruno, cuja libertação causou grita popular. Derrotado por 3 x 1 no tribunal, voltou para a prisão, mas já pleiteando nova disputa buscando a liberdade. Adriana Ancelmo trilha o mesmo caminho, mas quem se livrou através do popular “Dr. Pinote” foi o bandidão carioca conhecido como Gegê do Mangue. Condenado a 47 anos de prisão, foi libertado provisoriamente em janeiro não deu chance a qualquer reconsideração por cochilo judicial: estabeleceu-se no Paraguai e está sendo procurado por ter liderado o assalto violento e milionário em Ciudad Del Este.

Com esse festival de “teje sorto” até o maior nome preso por corrupção dupla – Mensalão e Lava Jato – ex ministro e ex deputado José Dirceu, que segundo ele próprio morreria cumprindo pena, acaba de entrever nova brecha e passa o final de semana orando para todos os santos de plantão acessíveis a transgressores. É que a posição de um juiz – em mais um dos muitos recursos apresentados – acendeu uma luz amarela: vai decidir na próxima semana.

Se José Dirceu for solto, mesmo com tornozeleira, será desmoralizante. Ou ele terá entregado o ouro, tornando-se colaborativo com a lei, delator.

Comente aqui