Ministério Público isenta Richa do conflito entre PMs e manifestantes

Os manifestantes ligados ao movimento da APP-Sindicato foram os causadores da chamada “batalha do Centro Cívico”, quando avançaram contra a segurança que protegia a Assembleia Legislativa.

Acionado por deputados com objetivos claramente políticos como o conflituoso Jean Willys (Psol-SP), o Ministério Público Federal isentou o governador do Paraná, Beto Richa, de qualquer culpabilidade quanto à refrega que envolveu forças de segurança, professores e outros, dia 29 de abril de 2015 no Centro Cívico de Curitiba.

O despacho, datado do último dia 2, foi baseado em estudos apurados de documentos, depoimentos, fotos e filmagens. Segundo o procurador Regional da República, Maurício Gotardo Gerum, apesar das críticas à ação da Polícia Militar, acionada por pedido de segurança emitido pela Assembleia Legislativa, “nada indica que os policiais estavam preparados para a repressão violenta que acabou acontecendo”.

Em análises pormenorizadas, o procurador chegou à conclusão que os oficiais agiram para proteger a própria integridade física. Assinala que os manifestantes não recuaram mesmo com a ação mais forte da tropa: “Vê-se os manifestantes avançando com os policiais, o que, possivelmente gerou a reação com as bombas”.

Além de Willys, solidariamente também assinaram o pedido de investigação os deputados Edmilson Rodrigues (Psol-PA), Chico Alencar (Psol-RJ) e Ivan Valente (Psol-SP).

O pedido de arquivamento foi comunicado por meio de ofício do vice-procurador-geral da República, José Bonifácio de Andrada.

Um comentário sobre “Ministério Público isenta Richa do conflito entre PMs e manifestantes

  1. JOSÉ MARCOS BADDINI 13 de março de 2017 18:18

    Ai está, baseado em estudos apurados de documentos, depoimentos, fotos e filmagens, coloca-se um fim na choradeira dos baderneiros que querem ganhar no grito.
    Engraçado, contra o PT não tinha esse tipo de acusação?
    Esta mais do que confirmado que é inveja petista que continua tentando implantar o desgoverno no Paraná.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.