A hipocrisia atrapalha o combate à criminalidade no Brasil

Ex-ministro da Justiça, o magistrado Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou hoje durante seminário sobre segurança pública na Câmara dos Deputados, que o Brasil toma “medidas pífias” contra o crime organizado, em um país onde a “hipocrisia” atrapalha o combate à criminalidade.

Especialista que atuou na área da segurança em São Paulo e em Brasília, o ministro do STF afirmou: “Hipocrisia, porque nós confundimos no Brasil, a partir da redemocratização, nós confundimos autoridade com autoritarismo. Ficou uma marca de que exercer a autoridade, exercer segurança pública fortemente, é questão de autoritarismo, de ditadura”.

Moraes defendeu a necessidade imediata da liberação de mais recursos para a área de segurança: “Educação e saúde têm destinação obrigatória, orçamentos. A segurança, que também é muito importante, não tem”.

O ministro bateu firme no endurecimento contra o banditismo: “Ou nós vamos decidir realmente que as medidas que nós temos para o combate ao crime organizado violento são medidas pífias, ou nós vamos continuar nessa hipocrisia”.

Para o atual ministro da Justiça, Torquato Jardim, também participando do seminário, as estratégias do governo federal da área de segurança pública precisam promover um “estrangulamento” das atividades do crime organizado. E complementou: “Tão importante quanto pensar numa legislação é pensar que meios prover o sistema de repressão ao crime, com meios e tecnologia para ganhar a guerra da logística. Para não haver o abastecimento da droga, do cigarro, da munição”.

Um comentário sobre “A hipocrisia atrapalha o combate à criminalidade no Brasil

  1. maso 24 de outubro de 2017 19:21

    Ou o governo age como em estado de guerra, ou larga pra la! Temos declaracoes de autoridades policiais que afirmam= Se quiserem acabamos com o trafico de drogas em um ano. Mas tem que afastar esse pessoal dos direitos humanos pra longe do trabalho. Esses ideologos de generos dos D.H. so atrapalham o trabalho policial.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.