Aftosa: pecuária e indústria se posicionam contra campanha da FAEP e OCEPAR

Entidades paranaenses e nacionais representativas da bovinocultura e da indústria frigorífica estão se manifestando contrariamente à campanha da Federação de Agricultura do Estado do Paraná (FAEP) e da Organização das Cooperativas Paranaenses (OCEPAR) para antecipar o fim da vacinação contra a febre aftosa no Paraná.

Elas contestam inclusive a divulgação de uma informação “equivocada”, segundo a qual todos os segmentos da agropecuária estariam apoiando irrestritamente essa iniciativa que pode comprometer a sanidade do rebanho bovino do estado.

“Nós, entidades que efetivamente representam a pecuária, reivindicamos que o Estado siga o calendário do Plano Estratégico de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), traçado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que prevê a retirada da vacina no Paraná em 2021, junto com os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O Mapa fez estudos de risco criteriosos para definir um calendário nacional de retirada da vacinação, visando declarar o Brasil zona “livre de febre aftosa sem vacinação”, e não entendemos o posicionamento de alguns segmentos que buscam a suspensão imediata da imunização, ainda que em desacordo com a classe produtiva diretamente afetada.

Na quinta-feira, 26 de outubro, ao dar início ao PNEFA, em Porto Velho (RO), o diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Mapa, Guilherme Marques, ressaltou que a decisão da retirada gradual da vacinação contra a aftosa já foi tomada e que “é preciso atender aos requisitos sanitários para obter o reconhecimento da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de país livre da doença sem vacinação”.

Qual a vantagem?

Isolar o Paraná de outras regiões do País é vantajoso para quem? Alega a Faep que ganhariam os setores da suinocultura, avicultura e lácteo, com a abertura de novos mercados externos. Mas isso é verdade? Vejamos o exemplo de Santa Catarina, que parou a vacinação do seu rebanho em 2007 e nem por isso teve valorização do seu produto. Prova cabal é que o Estado reduziu em 3,4% suas exportações de suínos, entre 2007 e 2014, enquanto o Paraná aumentou em 16,22% (dados Secex/Decex/MDIC).

A vacinação contra aftosa tem sido uma garantia da sanidade de nossos rebanhos perante o mercado internacional. Não fosse assim, nossas exportações não viriam crescendo. Entre 2002 e 2016, dobramos as exportações de suínos, aves e bovinos in natura (dados da Secretaria de Comércio Exterior / Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e das carnes industrializadas tivemos o expressivo crescimento de 200%.

Importante lembrar que o isolamento do Estado do Paraná criaria barreiras para os nossos pecuaristas, que hoje recebem cerca de 30% de animais vindos de outras regiões para recria e engorda, o que derrubaria o processo de produção, com consequente dispensa de mão-de-obra, tanto no setor produtivo, quanto na indústria, causando ainda um grande problema para a melhoria genética, na aquisição de touros e matrizes e descolamentos para feiras e exposições.

Mais preocupante ainda são os danos que podem ocorrer para os produtores, caso a doença volte a aparecer. Em 2005, quando se registrou o último foco de aftosa no Estado, a cotação da arroba do boi despencou de R$ 90,00 para R$ 48,00, sem contar as centenas de cabeças sacrificadas. Ora, voltando a ocorrer algo semelhante, quem pagaria o ônus? As entidades que defendem o fim antecipado da vacinação, responderiam por isso?

Considerando que a transição de status sanitário contempla a posição geográfica e estrutural do país, fatores de risco, fronteiras internacionais, movimentação de rebanho, indicadores de comercialização e interesses comuns, nós, representantes das entidades que assinaram o manifesto entregue ao Governador Beto Richa, no dia 4 de outubro, solicitando cautela nesta decisão, requeremos que o Paraná cumpra o cronograma estabelecido pelo MAPA, altamente técnico e precavido quanto aos cuidados que se deve ter, depois de anos de luta do setor produtivo e órgãos sanitários, para que a aftosa seja definitivamente erradicada e o Brasil possa ser reconhecido como zona “livre de aftosa sem vacinação”.

Gostaríamos de salientar a existência de um bom relacionamento do setor com o Governo do Paraná, ADAPAR e SEAB. Aprovamos e aplaudimos todo investimento que o Governo vier a fazer para aparelhar a ADAPAR, para que possamos ser exemplo de sanidade para o Brasil e exterior.

SOCIEDADE RURAL DO PARANÁ / SOCIEDADE RURAL DE MARINGÁ

(representando outras 38 entidades estaduais e nacionais)

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.