Mês: setembro 2014



O Yoga é uma prática milenar, conhecida por promover energia e, ao mesmo tempo, relaxamento entre aqueles que praticam. O Geração de Notícias conversou com a professora de Yoga, Juliana Albuquerque, sobre os benefícios que o Yoga traz para o corpo e para mente.

O que é Yoga?
Yoga é uma filosofia de vida muito antiga originária da Índia. Tem como objetivo Religar, a palavra Yoga significa “Religare” o nosso corpo e alma utilizando-se da filosofia prática para que a alma possa se libertar da identificação com o mundo fenomênico. Existem diferentes linhas de Yoga. A mais conhecida aqui no ocidente é o Hatha yoga, pois trabalha muito com o corpo físico, com posturas que estimulam mais do que fibras e músculos, ajudam a nível cerebral, sistema nervoso, glândulas e todos nossos órgãos. As posturas são conhecidas como psicofísicas, pois vão além do físico, juntamente com as respirações, pranayamas, meditação, gestos reflexológicos, técnicas de purificação e de relaxamento.

Quais são os princípios do Yoga?
A Filosofia da yoga foi codificada por Patanjali, 200 a.C., nesses sultras Patanjali descreve os princípios como métodos de autorrealização. São as disciplinas morais e éticas: não violência, verdade, não roubar, domínio da energia, não possessividade. A Conduta disciplinar: pureza, contentamento, perseverança, autoestudo e entrega ao absoluto. As posturas psicofísicas, domínio da energia vital, recolhimento dos sentidos, concentração , meditação e o êxtase.

Existe idade mínima ou máxima para a prática?
Não existe idade, qualquer pessoa pode praticar yoga. Existem formas de se trabalhar com todo tipo de público.

Há alguma contraindicação?
Algumas posturas e respirações possuem sim contraindicações. Por isso é importante na prática do yoga ter um instrutor para orientar. Por exemplo, para um sujeito com pressão alta, posturas invertidas são contraindicadas. Se a pessoa sofre de hérnia de disco, alguns movimentos que fazem extensão ou flexão da coluna não devem ser realizados, dependendo para que lado está a hérnia.

Quais são os benefícios para o corpo e para a mente de quem pratica?
Os benefícios para quem tem a yoga como filosofia de vida são imensuráveis. O autoestudo é observar tudo, o que você pensa, como está sua respiração, a forma com que age, etc. A partir do momento que você despertar e saber comandar esta máquina que é o seu corpo, quem se torna o escritor do seu futuro não é mais o “destino”, é você. Assim a yoga ajuda em doenças, ilusão e instabilidades emocionais, determinantes da inquietação mental, quando praticado com perfeição e assiduidade. Logo, diminui estresse, ansiedade e outros males mentais. Para o corpo físico temos a prática em grupo hatha yoga que melhora flexibilidade, obesidade, força e postura a yogaterapia que trata de forma individual diversas doenças, hipertensão, disfunções hormonais como hipertiroidismo, menopausa, escoliose, cálculos renais, fibromialgia, enfim qualquer enfermidade.

Priscila Dias é acadêmica do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Cachorros podem sentir ciúmes e até entrar em depressão

Uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia, publicada este ano, comprovou através de estudos científicos que, assim como humanos, os cachorros também sentem ciúmes.

A análise foi feita com 36 pessoas e seus respectivos cães. A missão dos participantes era interagir com um cachorro animado de mentira, uma abóbora e um livro infantil que tocava melodias. Era importante que os participantes tratassem os objetos como se fossem cachorros de verdade.

Como resultado, os animais, ao verem os donos brincando com os bonecos, tentavam encontrar alguma forma de chamar a atenção, tanto de forma agressiva quanto, e principalmente, de forma positiva dando carinho e afeto. De acordo com os dados da avaliação isso é um forte indício de ciúmes canino.

Segundo o veterinário maringaense Luís Carlos Morro, isso acontece porque os cães veem os donos com os mesmos olhos de uma criança pequena pelos pais. “É normal termos casos de cães que entram em depressão profunda com a chegada de um bebê ou um outro animal na casa”, conta Morro.

É o que ocorre na casa de Ângela Limão, que há pouco menos de um mês deu à luz a Pedro. A cachorrinha da casa, Mina, não gostou nada da chegada do pequeno e por isso, como forma de rebeldia, quase não sai mais da casinha para brincar. “Fico com o coração na mão ao ver ela assim, mas aos poucos vou aproximando o bebê dela. É uma forma da Mina entender que não precisa ter ciúmes”, conta Ângela.

A pesquisa ainda constatou o nível de ciúmes dos cães através da raça de cada um. Confira abaixo algumas das principais raças:

1408055070-2 %281%29

Fernanda Pedrone é acadêmica do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

1 Comentário


Cianortense conquista ouro na Olímpiada Nacional do Conhecimento

Nem só de ex- BBB’s é feita a Capital do Vestuário. No último fim de semana, foram anunciados os ganhadores da 8ª edição da Olimpíada do Conhecimento, em cerimônia realizada em Belo Horizonte. A aluna do Senai de Cianorte, Patrícia Ferreira Villas Boas, ficou em primeiro lugar na modalidade Costura. O evento, que ocorre a cada dois anos, reuniu cerca de 800 jovens profissionais de todo Brasil. Essa foi a maior competição de educação profissional já realizada nas Américas.

Patricia já é destaque dentro da instituição de ensino profissional pela criatividade na criação de peças e também no desempenho em manusear máquinas de costura. A jovem, que vai representar o Paraná junto com mais onze alunos, é deficiente auditiva. A gerente do Senai/Cianorte, Sueli Coelho, disse que não é a primeira vez que Cianorte participa na modalidade Costura dentro da competição. “Em 2012, participamos com um aluno PCD, que é um aluno com deficiência e no caso era uma deficiência auditiva, e hoje nós estamos felizes com a conquista da Patrícia que também é deficiente auditiva”.

A aluna teve que confeccionar e modelar várias peças para as provas que teve que executar dentro da competição. Com a participação nessa Olimpíada do Conhecimento, os alunos podem adquirir mais prática e experiência e com isso conquistar uma vaga no mercado de trabalho.

Com os primeiros lugares definidos, agora é hora de se preparar para a etapa mundial das competições de educação profissional. Em agosto de 2015, será realizada em São Paulo a primeira edição da WorldSkills em um país da América Latina. Para garantir uma vaga, os primeiros colocados da Olimpíada do Conhecimento terão de passar por provas e atingir o índice técnico exigido em sua modalidade. No mundial, 1.200 competidores de 60 países vão disputar medalhas em 49 ocupações do setor industrial e de serviços.

Eliza Bondezan é acadêmica do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Entrevista – “Água distribuída em Sarandi é 100% subterrânea”

A água é um recurso natural indispensável à vida no planeta. Seu valor ambiental, econômico e social a tornam um assunto extremamente importante para a sociedade, causando debates e discussões sobre o alto consumo nos dias atuais e o que fazer para ter esse bem natural por muito tempo. Em entrevista ao blog Geração de Notícias, o superintendente da empresa Águas de Sarandi, Michel Caudato, falou sobre a qualidade da água existente em Sarandi e deixou dicas úteis para que o consumidor possa usar a água de maneira racional.

Qual é o valor de PH aceitável para se consumir?
Hoje, o que regulamenta a qualidade da água na esfera nacional, estadual e até municipal é a portaria nº 2.414 do Ministério da Saúde. Nela são regulamentados vários parâmetros de qualidade, entre eles o PH. O valor de PH admissível é de 6,5 a 9, e aqui em Sarandi nós trabalhamos de 6,5 a 8. Nenhuma unidade de captação trabalha com um nível diferente disso.

Qual a qualidade da água existente em Sarandi?
Nosso sistema de abastecimento é 100% subterrâneo, podemos dizer que é água mineral. A gente conta com 53 unidades de captação, e a qualidade é 100%. Pra se ter ideia, um dos parâmetros que é regulamentado pela portaria é a turbidez. O limite é de oito, mas aqui em Sarandi é de 0,02. Em outros municípios aqui da região o nível chega a cinco. O que é a turbidez? A turbidez dá uma cor fosca à água e gera algumas bactérias como a escherichia coli e os coliformes fecais. Portanto, quanto mais a água é turva, maior é a tendência de apresentar esses tipos de bactérias. Nós temos um controle de qualidade bem rígido. Com certeza a população de Sarandi está tendo acesso a uma água praticamente mineral.

O consumo de água é muito alto em Sarandi?
Isso é histórico. Aqui no Brasil a gente tem esse costume de gastar muita água, mas todos pensam que a água é um bem renovável, mas infelizmente não é. A gente encontra várias maneiras de poluição, e o custo do tratamento fica muito grande. O que agente aconselha pra população é: evitar lavar a calçada todos os dias, lavar roupa todos os dias, lavar o carro todos os dias. É preciso usar a água de maneira racional e inteligente, para que as futuras gerações possam usufrui de água de qualidade também.

Rodolpho Roncaglio é acadêmico do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Cálculo renal é mais comum em regiões quentes

O tão temido cálculo renal, popularmente chamado de “pedra no rim”, pode ter motivações bem curiosas. Uma delas é que áreas com temperaturas elevadas e com grande umidade tendem apresentar mais pessoas que sofrem com cálculos renais. O médico urologista Paulo Henrique Goulart Fernandes Dias acrescenta que já foi observado que muitos casos ocorrem durante os meses quentes de verão. “Isso tudo devido ao maior grau de desidratação nestas condições climáticas”, afirma Dias.

calculo-renal-pedra-nos-rins-1 No processo de formação de pedras no rim outros fatores também são importantes, como a história genética de cada pessoa e a dieta. ”A ingestão excessiva de alguns alimentos pode provocar, ou acelerar, distúrbios pré-existentes no nosso organismo propiciando o desequilíbrio químico necessário para a formação destes cálculos”, explica o especialista.

O cálculo renal está associado a uma disfunção metabólica que faz com que algumas substâncias, como o cálcio, não sejam eliminadas naturalmente. Assim, ocorre um acúmulo destas substâncias no órgão, formando pedras que podem se alojar no rim ou ir para o canal da urina.

Dias alerta que muita gente pode apresentar sintomas de pedra no rim. “Cerca de 12% da população vai apresentar ao longo da vida, no mínimo, um episódio de sintomas associados ao cálculo renal”, conta.

Outro dado interessante é que a incidência é maior entre os homens. “A relação é de quatro homens para cada mulher afetada, predominando na terceira e quarta décadas de vida”, conta Dias.

Para tanto, a orientação mais importante para a prevenção da temida cólica de rim é beber de 2 a 3 litros de água por dia. Dias esclarece que somente esta medida, sem a ação de medicamentos, pode reduzir em 60% a incidência destes cálculos. Outra recomendação é evitar a ingestão em excesso de sal, restringido para aproximadamente 1 colher de chá por dia, e diminuir as proteínas de origem animal (carnes, peixes, aves, ovos, leite e derivados).

Isabella Cornicelli é acadêmica do curso de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Quase 80% dos jovens de Maringá desperdiçam água no banho

Um estudo desenvolvido por acadêmicos do Centro Universitário Cesumar sobre o uso consciente da água pelos estudantes maringaenses mostra que os jovens ainda são renitentes a mudar certos hábitos visando a economia de água. Segundo a pesquisa, quase 80% dos jovens de Maringá deixa o chuveiro ligado durante todo o tempo de duração do banho.

O questionário foi aplicado a 54 estudantes entre 13 e 17 anos. Quando o assunto é a demora no chuveiro, a pesquisa mostra que 50% demoram de 6 a 10 minutos e 17% ficam mais de 15 minutos sob o chuveiro.

Se os jovens maringaenses não economizam no banho, 85% dos entrevistados mostram que já se conscientizaram na hora de escovar os dentes e responderam que fecham a torneira durante a escovação.

Consciência
As pessoas já estão se conscientizando sobre a real necessidade do uso racional da água. A dona de casa Luzia Gomes, 59, é capaz de listar algumas das várias atitudes que adotou no dia-a-dia. “Pensando no agora e no futuro, eu economizo água. Aproveito a água da chuva para lavar calçada, no banho procuro não demorar, não deixo a torneira aberta enquanto lavo a louça ou escovo os dentes e se lavo roupa aproveito a água para lavar outras coisas”, conta.

A orientadora do projeto, professora Doutora Ana Paula Machado Velho, ressalta que a falta de conhecimento sobre assuntos relacionados a água pode justificar a falta de conscientização. “No cotidiano, as pessoas não se dão conta de como usam a água. Nós estamos sobre o Aquífero Guarani e apenas 30% dos adultos sabem. Nós vivemos em uma região que é uma mina de petróleo, mas futuramente a água vai valer muito mais. As pessoas não se dão conta”, lamenta.

Priscila Dias é acadêmica do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Moradores pedem sinalização em bairro de Paranavaí

A falta de placas de sinalização, pintura de faixas e lombadas no Jardim Monte Cristo, de Paranavaí, preocupa os moradores, que vêm reclamando há tempos. Em maio deste ano foram prometidas mudanças no bairro, mas as mudanças ainda não aconteceram.

O publicitário Samuel Ferreira da Silva foi um dos primeiros moradores do bairro, e conta que desde que chegou promessas são feitas, mas nada foi resolvido. “Estou aqui há mais de três anos, e já vi alguns acidentes acontecerem pela falta de sinalização. Nós reclamamos, mas até agora tudo está do mesmo jeito”, reclama o publicitário.

No bairro existem poucas placas de sinalização e faixas de pedestres pintadas. No final do bairro foram encontradas duas ruas com pinturas e apenas três placas de “Dê a preferência”. A Rua Guerino Pomin é uma das principais vias de acesso para o bairro. Nela, apenas duas placas de sinalização alertam os motoristas a respeito da velocidade permitida, e apenas no sentido de saída do bairro. As pessoas que entram não sabem qual a velocidade permitida.

O bairro já existe há aproximadamente quatros anos, e poucas ruas são sinalizadas. Onde existe sinalização, não têm casas, apenas terrenos vazios. Nos locais onde existem moradores e o risco de acidentes de trânsito é maior, as ruas não são sinalizadas.

Mais dois meses para resolver
O Engenheiro Civil da Prefeitura de Paranavaí responsável pelas sinalizações, Cássio Peron, conta que quando foram feitos, os loteamentos não precisavam ter sinalização, porém, a situação mudou. “Não constava nada no projeto, mas agora se tornou algo necessário e a prefeitura já está tomando providências. Estamos contratando uma empresa para fazer o serviço e dentro de 60 dias à pintura mecânica será feita”, afirma Peron.

Rodolpho Roncaglio é acadêmico do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Isostreching promete corrigir a postura

O Isostretching é um método de origem francesa que consiste em uma ginástica terapêutica composta por exercícios que permitem, simultaneamente, alongar e fortalecer os músculos do corpo, além de atuar na prevenção e no tratamento de alterações atuando na prevenção e no tratamento das alterações osteomusculares.

De acordo com o fisioterapeuta Ciro Wagner Petry, os exercícios trabalhados são posturais, globais e eretos. “Posturais porque os exercícios são executados em uma posição vertebral correta, globais porque é trabalhado todo o corpo em cada exercício, principalmente a coluna vertebral, que costuma ser pouco trabalhada na maioria das atividades físicas e eretos porque requer da coluna vertebral em auto engrandecimento, chegando a trabalhar até a musculatura mais profunda da coluna”, explica Petry.

Os exercícios são realizados na posição em pé, sentado e deitado, por vezes auxiliado por colchonetes, bastões e bolas de 1 kg, sendo que todas elas são de forma isométrica, ou seja, sem movimento. Na posição, é mantida a postura estática durante três respirações longas. O fisioterapeuta explica a importância da respiração nesta prática. “Quanto maior for o tempo da expiração com o freno labial, maior vai ser o fortalecimento e o alongamento global. Além de melhorar a dinâmica e capacidade pulmonar.”

O controle respiratório, o domínio das sensações, da posição, são a base do Isostretching, acrescentando um intenso trabalho muscular. Petry ressalta que o exercício procura melhorar a condição física. “Ele se traduz como não traumatizante, corretivo, educativo, preventivo, flexibilizante e tonificante”, explica. O especialista alerta que o objetivo primordial desta prática não é emagrecer, mas ainda sim se perdem algumas calorias.

Sônia Mendes Queiroz tem 63 anos e está na 15º sessão de Isostreching. Ainda faltam mais 15 para terminar o ciclo, mas a dona de casa já percebe muita mudança nas dores e na postura “Eu levanto cedinho e venho aqui fazer, depois fico o dia todo disposta”, conta Sônia. “A gente alonga, faz os exercícios e as dores somem.”

Todas as pessoas podem praticar o Isostreching, com exceção de pessoas com déficit de compreensão, restrição médica ou crianças menores de 6 anos. A recomendação é que seja praticado duas vezes por semana, com aulas de duração entre 40 minutos a uma hora.

Isabella Cornicelli é acadêmica do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


Entrevista – O vereador artista

Presidente por dois mandatos da Associação de Moradores da Vila Santo Antônio e morador desde 1970, Carlos Mariucci acumula muitas funções ao longo de sua vida. Além de artista plástico, Mariucci foi eleito em 2012 com 1.956 votos para exercer o mandato de vereador em Maringá até 2016 pela primeira legislatura. Também é Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Câmara de Maringá. Criou o troféu “Cunha de Aço” entregue aos vencedores do Festival de Cinema de Maringá. O artista, em entrevista ao blog Geração de Notícias, conta um pouco do seu trabalho.

Porque o Senhor escolheu a profissão de artista plástico?
Ser artista plástico não foi uma escolha. Foi uma decorrência da vida, do interesse que sempre tive pela arte e cultura que começou, ainda, em fase escolar. Eu já participava das feiras de Artes no Colégio Estadual Unidade Pólo do Jardim Alvorada de Maringá.

O que a arte representa para o senhor?
A Arte é fundamental na minha vida, por meio dela, também exerço a função de ourives que é aquele profissional que transforma metais preciosos (ouro e prata) em joias e ornamentos. E, isso significa felicidade em minha vida.

É possível citar quantas e quais são as obras que o senhor já produziu?
São inúmeras. Cada uma tem sua devida importância. Na Paróquia Jesus bom pastor localizada em Paiçandu fiz a imagem de Jesus, produzido em metal medindo 2,80m. Esta obra está exposta na frente daquela Igreja. Fiz muitas telas em homenagem ao folclore brasileiro. Uma delas são os personagens humanos e animais que dançam a lenda sobre a morte e ressurreição do folclore Bumba meu boi. Outra obra foram os troféus do Festival de Cinema em suas edições, troféu do Festival Acorde Universitário realizado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), troféu Liberdade, que premiou, em 2011, os melhores atores do 2º Festival de Cinema de Petrópolis, Rio de Janeiro. Também produzi o relicário de Santo Antônio que esteve em exposição entre os dias 16 e 19 de outubro de 1999, na mostra de arte sacra com o tema, “A vida de Santo Antônio”, entre outras obras.

Como o senhor concilia as atividades profissionais com a atividade pública?
Não é fácil, mas, é possível. Tenho trabalhado muito como vereador e, com isso, infelizmente, meu tempo de criação e ou produção da arte diminuiu.

A respeito da criação do troféu “Cunha de Aço” entregue aos vencedores do Festival de Cinema de Maringá. Foi por livre e espontânea vontade, ou alguém pediu para o senhor produzir?
Fui convidado a desenvolver um troféu que representasse a história de Maringá. Criei o símbolo da “Cunha de Aço” em homenagem aos desbravadores de Maringá.

Em junho deste ano, completou dois meses da exposição “Fragmentos da História de Maringá”, realizada em um shopping de Maringá. Porque este trabalho foi tão gratificante para o senhor?
O primeiro bispo de Maringá, Dom Jaime Luiz Coelho, fez a doação da madeira usada na antiga Catedral de Maringá. Esta madeira, segundo Dom Jaime estava preservada na casa Núcleo Social Papa João XXIII, portanto tive um carinho especial em mostrar peças que retratam um pouco da história da antiga Catedral e de Maringá.

Celso Dutra é acadêmico do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui


UniCesumar avalia 300 projetos experimentais por ano

Cerca de 300 projetos experimentais são analisados por ano pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Unicesumar. Estes projetos são, em sua maioria, da área da saúde e acabam rendendo frutos para os estudantes e para a instituição. Porém, a maioria deles prevê um objetivo maior, como os projetos de mestrado e doutorado.

Destes 300 projetos, apenas 10, em média, são reprovados. Isto porque alguns pesquisadores submetem a pesquisa ä avaliação apenas depois da conclusão do trabalho, ou seja, fazem o projeto todo e querem envia-lo ao CEP apenas para publicação. Porém, segundo a secretária do Comitê de Ética, Tainara Santos, esse não é o procedimento correto. “Não cabe ao CEP avaliar projetos que já foram realizados, por isso acontece a reprovação”, explica.

O Comitê de ética e pesquisa (CEP), segundo a Resolução nº196/96, do Conselho Nacional de Saúde, é um colegiado multi e transdisciplinar, independente, que deve existir nas instituições que realizam pesquisa envolvendo seres humanos no Brasil, criado para defender os interesses dos sujeitos da pesquisa em sua integridade e dignidade e para contribuir no desenvolvimento da pesquisa dentro de padrões éticos.

De acordo com um dos membros do CEP da Unicesumar, Joaquim Martins Jr., é imprescindível a existência de conselhos desse tipo nas instituições de ensino superior. “o conselho de ética de uma universidade existe porque é preciso seguir as metodologias adequadas e adotar os padrões internacionais de ética, além de garantir que os seres humanos possam ser tratados com respeito”, afirma. “Quando o comitê de ética avalia determinado projeto, analisa que tipo de experiência e como vai ser feita e até que ponto não vai prejudicar as pessoas que estão envolvidas”.

Isabella Cornicelli é acadêmica do 4º ano de Jornalismo do UniCesumar

Comente aqui