Mês: junho 2017



Mídias digitais são alternativa para jovens empreendedores

Investir em um novo negócio não é tarefa fácil. Inserir uma marca ou produto em determinado setor exige pesquisa, determinação, espírito empreendedor e, principalmente, persistência, já que nem sempre o empreendimento dá certo logo de primeira. É por isso que muitos jovens têm recorrido à web na hora de empreender. Não apenas pela vantagem dos custos reduzidos, mas pela abrangência e repercussão que a internet é capaz de alcançar no cenário atual.

Pensando em dez anos atrás, somente grandes empresas eram capazes de comercializar um serviço ou produto na internet. Hoje, com o avanço da tecnologia e mídias digitais, qualquer membro de uma rede tem a possibilidade de utilizá-la para dar início a um empreendimento.

Bianca Virgilio, 20 anos, é estudante de Moda e enxergou a internet como uma possibilidade rentável antes mesmo de concluir a metade da graduação. Ela uniu os conhecimentos adquiridos na faculdade com a experiência do irmão, que é analista de sistemas, para desenvolver uma loja virtual e comercializar acessórios de prata. A loja, criada em fevereiro de 2016, também ganhou uma conta no Instagram, canal em que seriam feitas as divulgações.

Apesar da grande contribuição da internet, Bianca conta que, com o tempo, as vendas passaram a se tornar presenciais. A loja virtual acabou ficando em segundo plano e o Instagram serve como meio de divulgar e se comunicar com as clientes que acompanham as novidades da marca. “Hoje, minha maior venda é presencial e o Instagram é na verdade uma forma de divulgação”. Segundo ela, o que atrapalha as vendas online é o valor do frete que, muitas vezes, acaba saindo mais caro do que o próprio produto e a vontade do público em ver as peças ao vivo. “As pessoas têm muita vontade de experimentar o produto antes de comprar”, observa. Apesar disso, Bianca afirma que a rede favorece a comunicação com o público, que a procura pelo WhatsApp ou envia mensagens pelo próprio Instagram.

Essa nova maneira de empreender abre portas não só para os comerciantes, mas também gera espaço para profissionais que utilizam a comunicação para impulsionar as vendas e a visibilidade dessas empresas. Ademir Freitas, 29, é social media e trabalha com produção de conteúdo, análise, anúncios, planejamento e campanha para redes sociais. Segundo ele, as marcas, finalmente, estão se dando conta de que a internet pode ser um ótimo meio de divulgação. “Antes, havia receio, talvez pela falta de conhecimento, mas não tem como nadar contra. Tudo é digital, tudo é online hoje em dia”, afirma.

Freitas ainda conta que gosta muito quando os formatos online trazem uma imagem positiva, além do comercial. “Trabalhar na internet é isso: impactar pessoas com um conteúdo que agregue e que se identifiquem, mesmo que o propósito, no fim das contas, seja vender”.

Ana Carolina Prado, acadêmica do 4º ano de Jornalismo

Comente aqui


Maringá tem queda no número de acidentes em três anos

Desde o início deste ano, Maringá registou 20 mortes por acidente de trânsito no perímetro urbano. Somente no dia 26 de fevereiro foram registrados 12 acidentes – oito envolveram motocicletas, e ninguém morreu.

De acordo com relatório da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), os condutores de motocicletas foram os que mais morreram por conta dos acidentes. Ao todo foram 11 mortes de motociclistas, seguido dos pedestres com seis mortes. Ainda conforme o relatório, de todas as mortes registradas até o momento, 19 são vítimas do sexo masculino, com idade variando entre 30 e 59 anos.

Luana Gabriela, de 21 anos, é uma das vítimas do trânsito maringaense. Ela já sofreu quatro acidentes na cidade, três deles foram com moto. Segundo ela, é difícil pilotar em Maringá, pois, o trânsito está cada vez mais violento. “É muita desatenção por parte dos motoristas e dos pedestres em geral”, salientou.

Para Luana, ainda é preciso modificar muita coisa na cidade. “Melhorar a sinalização, as condições de algumas ruas e avenidas, ajudaria a diminuir os acidentes. Outra questão seria reforçar programas de conscientização para pedestres e motoristas.”

Por mais que seja evidente o grande número de acidentes ocorrido no início de 2017, a quantidade de mortes vem diminuindo ao longo dos últimos anos. Em 2010 foram registrados 81. De lá para cá, o número diminuiu: nos três últimos anos, os acidentes com mortes não ultrapassaram 50 ocorrências.

Alessandro Alves, acadêmico do 4º ano de jornalismo

Comente aqui


Cresce o número de brasileiros que recorrem à cirurgia plástica

O número de pessoas que busca corrigir algumas imperfeições no corpo é grande. Algumas optam por produtos de beleza e rejuvenescedores, enquanto outras preferem seguir o caminho da cirurgia plástica. Não é todo mundo que concorda, mas adotar cirurgia plástica, em alguns casos, pode ajudar a elevar a autoestima do indivíduo. Mulheres e homens não hesitam em seguir esse caminho. Buscam novos métodos para corrigir imperfeições do corpo e consequentemente sentir-se bem. Além do valor estético, as cirurgias podem devolver a personalidade e identidade perdidas em casos crônicos.

Em 2013, de acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), o Brasil foi responsável por 1,49 milhão de cirurgias plásticas. Atualmente, conforme pesquisa realizada pela Isaps, esse número teve uma queda por conta da crise econômica. Independentemente disso, o Brasil ainda permanece no ranking de países que mais fazem cirurgia plástica no mundo.

Em Maringá, existem diversas clínicas que realizam esse tipo de cirurgia, e várias pessoas que já realizaram esse método não se arrependem.  Um dos mais procurados é o implante para aumentar os seios. A designer gráfico Djulyene Wurmeister, de 23 anos, fez essa cirurgia e diz que, pelo resultado, ela faria tudo de novo. Ela realizou a operação no ano passado e a recuperação foi tranquila.

Além do implante de seios, outro tipo de cirurgia que é bastante procurada é lipoaspiração. Em 2016, de acordo com Isaps, chegou a quase 183 mil a procura por esse método. A pedagoga Amanda Peçanha de 23 anos, conta que uma das cirurgias que gostaria de realizar é justamente essa. “Se eu tiver a oportunidade, quero fazer a cirurgia para um auto estima mais elevado, faria uma lipoaspiração e uma cirurgia nos seios. Faria as duas no mesmo dia, pensando na recuperação de uma vez só.”

Essa busca por cirurgias não é só das mulheres. Hoje, diversos homens também estão atrás de realizar esse procedimento. De acordo com o cirurgião plástico Carlos Uebel, diretor da Isaps, 35% dos procedimentos estéticos atualmente são realizados pelo público masculino, e a lipoaspiração, remoção do excesso de pele nas pálpebras e micro implante capilar, para corrigir a calvície, são os preferidos.

Para realizar as cirurgias plásticas, alguns cuidados devem ser tomados: boa alimentação, parar de fumar 30 dias antes, parar com o uso de anticoncepcionais, evitar o sol, entre outras precauções.

A cirurgia plástica é um método alternativo que pode proporcionar bem-estar a quem se submete ao procedimento. O psicanalista Sigmund Freud escreve que o eu não corresponde àquilo que o sujeito pensa sobre si ou como ele se avalia, mas está associado a uma série de outros processos, inclusive inconscientes.  Para a psicóloga Denise Portinari, o indivíduo modifica o comportamento e valoriza aspectos corporais.

Bruna Gabriel, estudante do 4º ano de jornalismo

Comente aqui