Primeira Igreja Evangélica Protestante no Brasil foi criada por índios afirma historiadora-Confira

Igreja Reformada Potiguara segundo a historiadora e professora cearense Jaquelini de Souza é a primeira igreja evangélica do Brasil, que foi criada por índios evangelizados por holandeses em Pernambuco. No seu livro “A Primeira Igreja Protestante do Brasil” pela Editora Mackenzie a historiadora faz este relato. – Confira, fique informado e comente… 

Em 1625, holandeses numa frota aportaram na Baía da Traição, na Paraíba, antes de seguirem viagem para a Europa, e encontraram a tribo Potiguara. Treze índios dessa tribo foram levados para a Holanda. Pelo menos dois deles, Pedro Poty e Antonio Paraupaba, ficaram cinco anos por lá desfrutando a melhor educação formal do país. Os dois conheceram o protestantismo na Holanda, e foram evangelizados. Depois desse período, voltaram para a sua tribo no Brasil a fim de ensinar a doutrina e para serem mediadores culturais entre a tribo e a Holanda. Segundo Jaquelini foi a partir disso que a primeira igreja evangélica protestante originou-se no Brasil, pois segundo a historiadora teologicamente, havendo dois ou três reunidos em nome de Deus, independentemente do lugar, está ali uma igreja, como relata as Escrituras Sagradas.

Confira na integra a matéria da revista IstoÉ e comente…

Os primeiros protestantes brasileiros

Em trabalho inédito, historiadora revela que a primeira igreja evangélica do Brasil foi criada por índios da tribo potiguara convertidos por holandeses em Pernambuco. Perseguidos pelos portugueses, eles se refugiaram no Ceará

Muito se fala do legado das invasões holandesas no Brasil, que duraram quase três décadas durante o século XVII. A cidade do Recife, por exemplo, quartel-general dos invasores em Pernambuco, guarda até hoje as marcas do urbanismo batavo, com ruas e avenidas de traçado reto e pouco usual para a época. Em museus do Brasil e do mundo, sobrevive a arte de gênios holandeses da pintura e da botânica como Albert Eckhout e Frans Post, que documentaram o Brasil com cores e formas incomuns em outros registros. A partir de agora, um lado mais obscuro, mas não menos importante, da herança holandesa deve ganhar renovada atenção: o religioso. No livro “A Primeira Igreja Protestante do Brasil” (Editora Mackenzie, 2013), lançado na semana passada, a historiadora e professora cearense Jaquelini de Souza conta a história da “Igreja Reformada Potiguara”, criada por índios com apoio holandês e mantida em funcionamento pelos nativos mesmo depois da expulsão desses colonizadores pelos portugueses.

Como a história de qualquer igreja em seus primórdios, a da Igreja Potiguara começa confusa, com a ida para a Holanda, em 1625, daqueles que viriam a ser duas de suas maiores lideranças indígenas. Pedro Poty e Antônio Paraupaba, índios potiguaras, embarcaram para os Países Baixos em junho daquele ano sem saber bem o que fariam por lá. Ao aportar, foram apresentados ao que o país tinha de melhor, receberam educação formal e religiosa de ponta e logo se converteram ao protestantismo. Mas, diferentemente do que costumava acontecer com índios que iam à Europa com os ingleses e os franceses, cinco anos depois Paraupaba e Poty voltaram ao Brasil, em data que coincide com o início da segunda invasão holandesa (leia quadro-clique e aplie) no País. Por aqui, assumiram funções administrativas, militares e espirituais. Aos poucos, deram corpo, com outros índios igualmente educados na fé, a um programa intenso de ensino e de formação de professores reformados indígenas. Incipiente, a igreja em formação se reunia nas aldeias e fazia batismos, casamentos, profissões de fé e ceias do senhor. “Já era a Igreja Potiguara porque, teologicamente, havendo dois ou três reunidos em nome de Deus, independentemente do lugar, está ali uma igreja”, diz Jaquelini.

Pouco na nascente igreja a fazia diferir de outras experiências religiosas europeias nas Américas. Havia o componente protestante, que aproximava o índio do colonizador de forma inédita por colocar a educação do nativo como pré-requisito para sua conversão, algo que os católicos pouco faziam. Mas, ainda assim, tratava-se de uma experiência religiosa mediada por uma força impossível de ignorar: a de colonizador sobre colonizado. “Por isso, argumento que foi só depois da expulsão dos holandeses que vimos aflorar a verdadeira Igreja Potiguara”, diz Jaquelini. Expulsos do Brasil em 1654, os batavos abandonaram os potiguaras convertidos e outros nativos, aliados políticos e militares contra os portugueses, à própria sorte. Mesmo assim, a maioria dos protestantes manteve sua fé. Refugiados dos portugueses na Serra da Ibiapaba, no Ceará, onde chegaram depois de caminhar 750 quilômetros do litoral pernambucano ao sertão, eles continuaram praticando a fé protestante e chegaram a converter índios tabajaras, que também estavam no refúgio. Enquanto isso, Paraupaba, já tido como um brilhante historiador e profundo conhecedor da “Bíblia”, tentava, na Holanda, apoio para os refugiados – um esforço que não rendeu frutos imediatos.

Nada, porém, tirou o peso da experiência protestante na Ibiapaba. Um relato do famoso padre Antônio Vieira, jesuíta português incumbido de relatar à Companhia de Jesus o que acontecia na região, dá o tom ao batizar o lugar de “Genebra de todos os sertões”. A cidade de Genebra está para os protestantes como o Vaticano está para os católicos. Em outro trecho, Vieira diz que os índios “estão muitos deles tão calvinistas e luteranos como se nasceram em Inglaterra ou Alemanha”. Não se sabe ao certo o que restou dos índios da Igreja Potiguara depois que o grupo se desfez, ao que tudo indica, passados seis anos de vida em comunidade na Ibiapaba. Especula-se que alguns se juntaram aos opositores dos portugueses durante as Guerras dos Bárbaros a partir de 1688. Outros teriam voltado ao catolicismo ou às religiões nativas. O que fica para história é que esses índios foram os primeiros brasileiros protestantes. E que a Igreja Reformada Potiguara foi a primeira igreja evangélica do Brasil.

Para se tornar protestante, o índio precisava estudar, entender e aceitar a doutrina. No catolicismo, os índios tinham apenas que ser batizados.

Mas, quando os holandeses foram expulsos do Brasil, todas as igrejas protestantes foram queimadas. Parte dos índios foi recatolizada. Pedro Poty foi capturado pelos portugueses durante a Batalha dos Guararapes. Preso em Pernambuco, ele foi torturado para renegar a sua fé. Não renegou e acabou morto. Ele, segundo Jaquelini de Souza, foi o primeiro latino-americano martirizado pela Igreja Católica.

post inforgospel.com.br – com informação IstoÉ.com.br-por: João Loes e blog Ancelmo.com- 06/10/13

11 comentários sobre “Primeira Igreja Evangélica Protestante no Brasil foi criada por índios afirma historiadora-Confira

  1. Diego 6 de outubro de 2013 23:14

    Interessante essa reportagem! Que pena que não lembraram de falar dos chamados ” Protomártires do Brasil”, isto é, os vários homens católicos do Rio Grande do Norte que por não aceitarem o fato de ter que se converter ao calvinismo à força, foram um a um sendo massacrados! Esses sim morreram por defender sua fé contra os intolerantes calvinistas! Em uma missa foram massacrados 30 católicos e em outro evento foram massacrados mais 70 católicos por índios protegidos pelos calvinistas! ” Lá foram entregues à mercê de 200 ferozes índios, comandados por um chefe pervertido ao calvinismo, e protegidos por soldados holandeses. Os selvagens caíram sobre as vítimas, matando-as com requintes de crueldade: “A uns cortaram os braços e pernas; a outros degolaram; a outros arrancaram os olhos, as línguas, narizes e orelhas; aos mortos despedaçaram-nos em pequenas partes. A Mateus Moreira foi arrancado o coração pelas costas e este morreu exclamando: ‘Louvado seja o Santíssimo Sacramento’”. Veja a referencia: http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=8C2D2A06-F015-8FF9-5B629B9BACD79838&mes=Abril2000

  2. Francisco 9 de dezembro de 2013 09:45

    MAS RAPAZ, É CADA UMA QUE APARECE! E AS FOGUEIRAS, INQUISIÇÃO ETC. E A FÚRIA DO FREI DAMIÃO CONTRA O EVANGÉLICOS QUE INCITAVA COISAS HORRENDAS? E TAMBÉM ANCHIETA QUE MANDOU MATAR MUITOS QUE VIERAM DA EUROPA PRA PREGAR A PALAVRA DE DEUS. VAI PRA IRLANDA, RAPAZ.

  3. Helena Barudi dos Santos 28 de dezembro de 2013 19:16

    preciso de um endereço ou telefone para localizar uma igrja Protestante mais proxima da minha casa, moro no bairro de Americanopolis subdistrito do Jabaquara

  4. Edgar Nascimento 14 de abril de 2014 01:15

    Oi, Helena. Tudo bem?

    Moro em Curitiba, sou primo do Osmar. O pai dele e o meu pai (Octacílio) são irmãos. Como faço para entrar em contato com o Osmar?

    Um abraço,

    Edgar Nascimento
    (41) 9930.6988 TIM
    [email protected]

  5. moisés 1 de dezembro de 2014 12:21

    joão 8;32,conhecereis a verdade e a verdade voz libertará.aos idólatras diz o Senhor Jesus;vóz adorais oque não sabem,nós adoramos oque sabemos,porque a salvação vem dos judeus.qualquer um,se não sabe,passará a saber,o judaismo é antes do catolicismo,este é o povo separado por Deus,decendencia de Braão,seguidores de Moises que recebeu os mandamentos do Senhor,e aguardando a promessa da graça que veio por Jesus Cristo,como sabemos o catolicismo é que protesta contra o povo de Israel,que são antes dele,e matando os santos do altissímo,Crucificando o apstolo judeu Pedro,condenando Paulo em Roma,matando Tiago degolado,e João etc.de Roma vem morte e os que adoram as imagens mortas,matando os santos vivos e adorando mortos.convertam-se ao nosso judeu Jesus Cristo e ele te dará vida eterna,deixem os mortos seguir os mortos e sigam-nos

  6. Fausto G. Cavalheiro 7 de fevereiro de 2015 22:19

    O diabo não conseguiu entender a Deus, tentou atingir o plano divino atacando o homem. Ora Deus fez o homem aquilo que lhe é próprio mas pela inveja do diabo a morte entrou no mundo e a experimentam os que são do seu partido. sou feliz por ser católico.

  7. Kaiuá Padilha freire Galdino 16 de abril de 2015 13:57

    Muito bom seu Histórico sou Ìndigena da etnia Potiguara, e realmente nossos ancestrais,falaram para nossos avós que eram bem assim: Os jesuítas tiravam nossos filhos e catequizavam tirando assim nossa linguá e obrigando eles a seguir uma religião que Católica e falar o português, e só devolvia para as mães já catequizado e isto foi um ato de brutalidade muito grande! Eis ai uma verdade porque ninguém sabe o que nós passávamos nas mão desses Jesuítas que creio eu que agora estão todos no inferno. pois agora que nós estamos introduzindo nossa verdadeira linguá Tupi.

  8. jose sebastião micossi 9 de agosto de 2015 16:44

    contrariado com a situação que existe no mundo, em relação as igrejas pedi a DEUS que me desse, uma orientação, e ele me mostrou, a VERDADE E A MENTIRA são duas palavras que difere uma da outra, a VERDADE é uma coisa que não tem divisão ela é uma coisa só para todo mundo, no entanto as igrejas estão todas divididas entre si uma condenando a outra, e tendo cada uma a sua VERDADE,e estando cada uma com a mesma BÍBLIA debaixo do braço e colocando-a como o livro da VERDADE, dessa forma eu vejo a BÍBLIA como o livro da MENTIRA, porque só a MENTIRA pode justificar o que esta acontecendo neste mundo, só existe duas alternativa, ou os Homens estão errados e a BÍBLIA certa, ou a BÌBLIA esta errada e os homens estão certo, isso tem que mudar diz o senhor, obrigado por me dar esta oportunidade de poder levar a VERDADE como esta escrito a VERDADE é a vida.

  9. valdecir 27 de fevereiro de 2016 11:00

    A verdade é que Deus veio ao mundo, sendo ele a luz do mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz por suas obras serem más. Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o direito de serem filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome (Jo.1). Confira tambem em Romanos 5.12 a 21 que diz que por um, adão, entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte, mas por outro Jesus Cristo entrou o perdão e por ele temos a vida eterna. Em efesios 6.12 diz que não é contra carne e sangue nossa luta, e sim contra os espíritos das trevas e potestades do mal. Quem convence o homem do pecado, da justiça e do juízo é o Espírito Santo e nos fará lembrar de tudo o quanto Jesus falou. E lembro que ele nos advertiu: “vos envio como cordeiros ao meio de lobos”Lc.10.3 e ainda “se me perseguiram a mim também vos perseguirão a vós” Jo.15.20 e “os teus inimigos serão os da própria casa” Miq.7.6.

  10. william marcos 1 de março de 2016 23:27

    O qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.
    1Tm. 2.4

  11. violeta 9 de dezembro de 2016 19:04

    bom, dizem que vivemos num mundo evoluído, porém na minha humilde visão não somos capazes de ver ou não queremos admitir o que realmente aconteceu, será que realmente os índios fizeram o massacre?, será que os índios são os verdadeiros vilões?, será que os índios eram realmente selvagens?, vc deixaria um estranho entrar em sua residência se apropriar de seus pertences e violentar sua esposa e filhos?, com certeza vc lutaria com garras e dentes pra protege-los ..
    tiraram deles tudo, a cultura, o idioma, a crença, enfim muitas coisas, isto tudo no nome de DEUS, da evolução entre outras coisas mais..
    e se tivesse ocorrido ao contrário, como seria?
    ainda nos dias de hoje, em pleno século 21 ainda os índios sofrem, ainda perdem suas terras, suas famílias, seu idioma, sua cultura e crença…
    e mesmo assim falamos que foi por DEUS, SERÁ QUE ELE(DEUS) CONCORDA COM TUDO ISTO QUE OCORRE EM NOSSO PAÍS, ALIAS EM NOSSO PLANETA, pois aqui nós citamos apenas os índios, porém outros povos foram massacrados em nome de DEUS ou por força maior ou melhor dizendo conveniência. pois sempre há um interesse maior.
    Mas se um dia pensarmos no próximo ou no desconhecido, como pensamos em viver haverá uma esperança de que tudo pode melhorar, e como consequência resgatar o que ficou pra traz isto é nossa origem indígena…

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.