Pastor Silas responde o porque “Evangélicos em geral não ingerem bebidas alcoólicas”-Confira

bebida-forteA ingestão de bebidas alcoólicas por evangélicos é por uma ala contestada e por outra já não vê nenhum problema, pois se justificam através de texto bíblicos para esta posição. O pastor Silas no seu portal respondeu uma pergunta, o qual o internauta queria saber se há ou não restrições na Bíblia para esta pratica. – Confira, fique informado e comente…

Alguns que compõem a liderança de ministérios evangélicos de algum tempo tem se posicionado abertamente sobre esta questão deEdir Macedo ingestão ou não de bebidas alcoólicas por cristãos/evangélicos. Já tivemos como por exemplo o posicionamento do líder da Igreja Universal do Reino de Deus – Edir Macedo que afirmou beber cerveja (veja matéria com depoimento do bispo-Clique aqui) e recentemente uma declaração do ex-reverendo Presbiteriano Caio Fábio dizendo que bebe e caio-fabio-papo-da-graça-27-09-13-gosto-de-cervejasempre bebeu bebidas alcoólicas em um dos programas transmitidos pelo You Tube- ( confira matéria com vídeo -Clique aqui).

Vemos que ao longo do tempo este tema vem causado algum tipo de confusão na direção dos evangélicos,tanto os jáindeciso maduros como nos recém convertidos. O pastor Silas neste post tenta jogar um pouco de luz neste tema, onde você vai ler e tomar a sua decisão de ingerir ou não bebida alcoólica, pois Deus é Deus de amor e nos concede o livre arbítrio para fazermos o que bem entendermos da nossa vida. Entendemos que a bebida alcoólica não faz bem a ninguém, mesmo em pequena dose.

Leia o texto na integra, reflita e comente…

Evangélicos podem ingerir bebidas alcoólicas?

pastor-silas-malafaiaPr. Silas, por que os evangélicos, de um modo geral, não ingerem bebidas alcoólicas? Na Bíblia, há alguma proibição ou restrição à ingestão delas?

Em Levítico 10.9-11, lemos:

E falou o SENHOR a Arão, dizendo: Vinho ou bebida forte tu e teus lhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações, para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo, e para ensinar aos lhos de Israel todos os estatutos que o SENHOR lhes tem falado pela mão de Moisés.

Fomos separados para Deus. Como reis e sacerdotes do Altíssimo, não devemos ingerir bebidas alcoólicas para não dar lugar à nossa carne e ao pecado. Além disso, em Provérbios 20.1, é dito o vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; e todo aquele que por eles é vencido não é sábio. O álcool compromete nossos reflexos e nosso bom senso, e prejudica a nossa saúde.

Essa droga psicotrópica, que atua no sistema nervoso central, pode causar dependência e mudança de comportamento. Além da euforia e desinibição, ela provoca falta de coordenação motora, sono e descontrole. Após alguns anos, os efeitos agudos do álcool são sentidos no fígado, no coração, nos vasos sanguíneos e no estômago.

Somos templo do Espírito Santo (1 Coríntios 3.16,17). Devemos, portanto, cuidar dele. Além de exercício físico e repouso adequado, precisamos adotar uma alimentação mais saudável e abster-nos de bebidas alcoólicas, fumo e do uso irresponsável e sem prescrição médica de medicamentos.

Mesmo um copo de cerveja antes de dirigir pode ser fatal. Você sabia que um copo de cerveja demora cerca de seis horas para ser eliminado pelo organismo? Uma dose de uísque, que é bem mais forte do que a cerveja, demora mais tempo ainda. Por isso, a nova lei de trânsito não admite qualquer teor alcoólico ao motorista, uma vez que, ao diminuir seus reflexos, a probabilidade de acidentes aumenta muito.

O uso do álcool a longo prazo também pode produzir dependência química e cirrose hepática, bem como causar problemas nos relacionamentos interpessoais, atrapalhando o convívio na família e no trabalho.

Em Romanos 6.16, Paulo exortou: Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?

Não devemos ser escravos de nada nem de ninguém, quanto mais de bebidas alcoólicas, que nada de bom acrescentam à nossa vida!

Há aqueles que contra-argumentam: “Ué, mas Jesus não bebeu vinho? Por que os cristãos também não podem?” Jesus e os judeus, de um modo geral, bebiam um tipo de vinho que era resultante da fermentação natural do sumo da uva. Além disso, a questão não é poder ou não poder beber; é não dever. Como Paulo disse em 1 Coríntios 6.12: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.

Para evitar problemas e mau testemunho, há muitas coisas com aparência de mal de que o cristão deve abster-se. Jesus disse a seus discípulos: É inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vêm! (Lucas 17.1). Não podemos escandalizar ninguém, tampouco ser pedra de tropeço à fé de ninguém. Foi isso o que Paulo afirmou em Romanos 14.13 — Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça — e em 1 coríntios 8.13 — Pelo que, se o manjar escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize.

São pelas razões acima expostas que nós, evangélicos, não ingerimos bebidas alcoólicas e condenamos essa prática, que pode levar ao vício do alcoolismo, trazer danos à saúde e aos relacionamentos, acarretando a destruição de vidas.

SUGESTÕES DE LEITURA:

Levítico 10; Provérbios 20; Romanos 14; 1 Coríntios 6; 8

post inforgospel.com.br – com informação verdadegospel.com – 09/10/13

66 comentários sobre “Pastor Silas responde o porque “Evangélicos em geral não ingerem bebidas alcoólicas”-Confira

  1. Washington 17 de agosto de 2016 23:25

    O VINHO na epoca ele era um outro tipo de vinho nao tinha teor de alcool.

  2. André luiz 25 de setembro de 2016 01:14

    Achei maravilhoso o ensinamento do pastor Silas se temos o Espírito de Deus é muito fácil entender , não precisamos buscar subterfúgios para alimentarmos a nossa carne parabéns pastor Silas um abraço servo do Senhor

  3. wellington 6 de outubro de 2016 09:10

    cerveja sem álcool e pegado? Coca-Cola?

  4. sabino antonio lino 8 de dezembro de 2016 04:00

    Se beber nao é pecado entao tambem so cubissaramulger de alguem uma so ves nao é pecado?…ser golutao,so uma ves nao é pecado?..,mais eu continua a dizer que é pecado.

  5. Jhonatan 11 de dezembro de 2016 21:06

    A bíblia não proíbe e nunca proibiu a ingesta de vinho, porém, não cita o consumo de outras bebidas por Jesus e seus discípulos. Não é pecado que em sua casa com sua esposa por exemplo, em um jantar romântico o casal tome uma taça de vinho. Mas, entrar em um bar e tomar uma cerveja gera escândalo na sociedade como servo do Senhor, sendo isso sim um pecado.

    A bíblia varias vezes nos fala sobre o uso do VINHO, dando a entender que não e pecado ate que não ocorra a embriagues.

    Já a cerveja e outras bebidas não são aconselháveis, tendo em consideração que a cerveja já existia naquela época no Egito. O vinho e bom para saúde, e presente de Deus e alegra o coração do homem segundo a bíblia sagrada.

    Agora se alguém falar que mesmo o vinho em pequena quantidade faz mal a saúde, porque a igreja não orienta sobre os riscos dos refrigerantes? Tem crente que toma 2 litros de Coca-Cola sozinho em minutos. Você sabe o mal que a Coca-Cola faz?? Os embutidos? Os enlatados? O miojo? O café? Entre tantas outras coisas que faz mal a saúde e o crente faz uso como se fosse a melhor coisa do mundo.

    Temos que saber que somos livres e temos a bíblia como respaldo para nossos passos. Não devemos viver em baixo de decisões sem verdadeiramente respaldo bíblico só porque o homem determina.

    Exemplo.:

    A lei não municipal e mais forte que a estadual? Não!
    A lei estadual e mais forte que a federal? Também não!
    Da mesma forma é a bíblia, os usos e costumes de nossa igreja tem que estar ligada com o que esta escrito na bíblia sagrada, não em doutrinas, saberes e pensamentos colocados pelos homens.

    Boa noite…

  6. Jacque 16 de dezembro de 2016 14:20

    Para mim, Jesus transformou sim água em vinho mas para de colocar Jesus na parede como se ele que quisesse saber das respostas, ficam há mas foi Jesus que transformou a água em vinho, então Jesus que tá errado? Misericórdia! na minha opinião acho que Ele só fica olhando lá de cima na Glória Celestial e falando meus filhinhos em vez de preocupar com a sua salvação, ficam preocupados em saber se é certo ou não ingerir bebidas com álcool em vez de se preocupar em ver minha Face e também o Batismo não é pra lavar nós do pecado, se você se prostituía não prostitui mais, se fumava não fuma mais, se matava ou roubava não faz mais e se bebesse não bebe mais e agora ficam revertendo as coisas. O Batismo é pra nos purificarmos de todas as impurezas e agora falam que não é pecado beber um pouquinho, então pra que o batismo se a pessoa vai continuar fazendo a mesma coisa que fazia quando não era cristão, cadê a Nova Criatura?

  7. Maria do Carmo Rodrigues Barbosa 21 de dezembro de 2016 13:19

    Esse rapaz, o Jonathan, está mais interessado no prazer do vinho, do que na alegria de servir à Deus

  8. Flávio ângelo de jesus Santos 30 de dezembro de 2016 12:09

    A explicação do pastor Silas está correta, concordo com ele .Deus o pastor Silas. Não ingiro álcool, gostei muito da explicação, paz do Senhor Jesus Cristo

  9. Flávio ângelo de jesus Santos 30 de dezembro de 2016 12:13

    Deus abençoe o pastor Silas

  10. Ale 2 de janeiro de 2017 10:18

    Sou totalmente contra a qualquer tipo de bebida que contenha álcool, acho hipocrisia e burrice de quem ingere, acho que Deus não quer cristãos BÊBADOS, pois sim, quem toma um cálice, toma dois e mais alguns. E a coca cola trás males diferente, nunca vi ninguém dizer que matou porque bebeu coca-cola.

  11. Jose Manuel Godinho Fialho 8 de janeiro de 2017 19:14

    Afirmo enfaticamente que, bebedeira é pecado sim, e além disso é prejudicial à saúde, sem nenhuma dúvida.

    Tomar vinho com parcimónia, sem exagero, sem bebedeira, NÃO, NÃO É PECADO NÃO!

    Comer com glutonaria, é pecado sim, e sim, também faz mal à saúde.

    Comer com parcimónia sem exagero, sem gula, NÃO, NÃO É PECADO NÃO!

    A VERDADE COMO PRINCÍPIO BIBLICO

    Jesus por mais de uma vez, referencia a sua desaprovação com relação às pessoas que distorcem os ensinos da bíblia por causa de tradições humanas, e nos exorta a praticar a verdade e a obter conhecimento exato desta, para que não nos deixemos enganar.

    Podemos facilmente constatar isso, em Mateus 15:9:

    “Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.”

    E em Marcos 7:9-13:

    “E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.”

    (…)

    “Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas.”

    Os verdadeiros seguidores de Jesus devem basear suas crenças na Bíblia. Jesus disse que nossa adoração a Deus deve se basear na verdade – A verdade Bíblica.

    João 4:24 e 17:17:

    “Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.”

    “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.”

    E Paulo falou que para nossa salvação é essencial termos “conhecimento” da verdade.

    1 Timóteo 2:4:

    “Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.”

    Ora, é assim indene de dúvidas que, o cristão deverá viver em verdade e buscar o conhecimento profundo e exato da verdade, digo eu, porque disso poderá depender a sua salvação.

    Por outro lado, fica claro que, Jesus de forma clara se insurgiu contra os preceitos dos homens que constroem doutrinas, sem qualquer relação com a bíblia, senão mesmo contrariando a própria verdade bíblica.

    Agora com o compromisso com a verdade bíblica é preciso demonstrar, que não há verdade bíblica alguma, naqueles que defendem a proibição sem mais, marginalizando os crentes que conscientemente, e impregnados da verdade, usufruem com deleite mas sóbria e conscientemente de um bom vinho.

    REFERENCIAS BÍBLICAS AO VINHO ANTIGO TESTAMENTO

    Vemos uma primeira referência Biblica ao vinho, quando Melquisedeque (considerado por muitos teólogos como uma representação de Cristo), abençoa Abrão trazendo pão e vinho. ( Genesis 4:18: )

    4:18 “ E Melquisedeque, Rei de Salém, trouxe pão e vinho, e este era sacerdote do Deus Altíssimo.”

    Ressalte-se que, além de Melquisedeque ser uma provável representação de Cristo, este é sem dúvida sacerdote do Deus Altíssimo, que vai abençoar Abraão, o nosso pai da fé, e carrega para a benção pão e VINHO (Yayin em hebraico que quer dizer vinho fermentado).

    Encontramos uma segunda referência ao vinho ainda no livro de Genesis, quando Noé, o pai da vinha e do vinho, logo que saiu da arca plantou uma vinha e depois colheu e bebeu o vinho, se embebedando:

    9:20 E começou Noé a ser lavrador da terra, e plantou uma vinha.

    9:21 E bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda.

    Realce-se que Deus estabeleceu com Noé uma aliança, lhe indicando o que podia fazer e comer e o que lhe era proibido, nada estipulando quanto ao vinho e obviamente não proibindo seu consumo.

    Aliás é bem significativo, que Noé, após sair da arca da aliança, a primeira coisa que faz e plantar uma vinha, sinal de que ela e seu fruto são uma benção e não uma maldição.

    Encontramos depois outra referência a cristãos bebendo vinho em Genesis, quando as filhas de Ló dão vinho a este. Genesis 19:32-37:

    19.32 “Vem, demos de beber vinho a nosso pai, e deitemo-nos com ele, para que em vida conservemos a descendência de nosso pai.”

    19:33 E deram de beber vinho a seu pai naquela noite; e veio a primogênita e deitou-se com seu pai, e não sentiu ele quando ela se deitou, nem quando se levantou.

    Realce-se que se trata de vinho alcoolico, como é bom de ver.

    Ainda em Genesis, quando Isaque dá a Jacó seu pai, o guisado supostamente de caça, vemos claramente, mais uma referência ao beber vinho e fermentado, sem nenhuma proibição, antes para santificação, no caso a benção de Jacó a seu filho Isaque. Genesis 27:25

    27:25 “Então, disse: Faze chegar isso perto de mim, para que coma da caçada de meu filho; para que minha alma te abençoe. E chegou-lho, e comeu; trouxe-lhe também vinho, e bebeu.”

    E para libação no holocausto, Deus manda em Exodo, que se lhe dê a quarta parte de um HIM de vinho. Um him corresponde a 3,47 litros.

    29:40 “Com um cordeiro a décima parte de flor de farinha, misturada com a quarta parte de um him de azeite batido, e para libação a quarta parte de um him de vinho,”

    E em levítico o Sumo Sacerdote Arão tinha instruções especificas de Deus para quando entrasse na tenda não podia beber VINHO ou BEBIDA FORTE. Lógico que, quando não fosse entrar na tenda da congregação o poderia fazer, senão não teria sentido a proibição.

    10:9 “Não bebereis vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações;”

    Em números quando estipula a lei do Nazireado, fica igualmente demonstrada a liberdade para se beber vinho.

    Números 6:3

    6:3 “De vinho e de bebida forte se apartará; vinagre de vinho, nem vinagre de bebida forte não beberá; nem beberá alguma beberagem de uvas; nem uvas frescas nem secas comerá.”

    Repare-se que durante o nazireado, não podia o Nazireu sequer usar vinagre de vinho, nem qualquer beberagem de uvas, nem sequer uvas frescas ou secas, sinal obvio de que não era proibido apenas o vinho, “aquele maldito”, demonstrando-se que não pendia nenhuma maldição especifica sobre este, senão as uvas frescas, as uvas passas e o próprio vinagre, que não embebedam, são igualmente proibidos.

    Veja-se por outro lado, que após cessar o nazireado, o cristão é liberado de forma ostensiva, já podendo beber vinho e comer os demais frutos da vide (uvas frescas).

    Números 6:20

    6:20 “E o sacerdote os oferecerá em oferta de movimento perante o Senhor: Isto é santo para o sacerdote, juntamente com o peito da oferta de movimento, e com a espádua da oferta alçada; e depois o nazireu poderá beber vinho.”

    Em Deuteronômio, vemos com clareza lapidar, mais uma autorização de Deus para o homem beber vinho:

    14:25 Então vende-os, e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o Senhor teu Deus;

    14:26 E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o Senhor teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa;

    Em Juizes, podemos ver também essa referencia ao vinho na parábola de jotão, dizendo que o “mosto” (sinónimo de vinho, alegra a Deus e aos homens, bem como o conselho de Deus através de um anjo, à mãe de Sansão, Nazireu de nascença, que se abstivesse de beber vinho ou bebida forte durante a gravidez.

    9:13“Porém a videira lhes disse: Deixaria eu o meu mosto, que alegra a Deus e aos homens, e iria pairar sobre as árvores?”

    13:4”Agora, pois, guarda-te de beber vinho, ou bebida forte, ou comer coisa imunda.
    13:5”Porque eis que tu conceberás e terás um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu de Deus desde o ventre; e ele começará a livrar a Israel da mão dos filisteus.

    Repare-se que Deus já faz saber que o vinho e/ou a bebida forte são desaconselhados à mulher, durante a gravidez, denotando ao mesmo tempo, que era habitual a mulher tomar vinho e alcoolico, senão não faria sentido a advertência.

    Ainda em II Samuel, relata que Davi e Urias se embebedam:

    11:13 “E Davi o convidou, e comeu e bebeu diante dele, e o embebedou; e à tarde saiu a deitar-se na sua cama com os servos de seu senhor; porém não desceu à sua casa.”

    Fica claro que Davi, bebia vinho alcoólico e sabia de suas qualidades alcoólicas.

    Ainda em 2 Samuel, podemos ver não só que o vinho usado era alcoólico, mas também para alegrar o coração. 2 Samuel

    13:28 “ E Absalão deu ordem aos seus moços, dizendo: Tomai sentido; quando o coração de Amnon estiver alegre do vinho, e eu vos disser: feri a Amnon! (…)

    Em I cronicas, levam provisões para Davi e seus homens e lá vai vinho e azeite.

    Davi quando trouxe a arca da aliança, em festa distribui para todos os homens um frasco de vinho. Repare-se que a festa e a alegria de trazer de volta a arca do senhor é imensa, e que essa festa e alegria é regada com vinho distribuído a todos por Davi, a par das danças e outras manifestações de muita alegria.

    12:40 “E também seus vizinhos de mais perto, até Issacar, e Zebulom, e Naftali, trouxeram, sobre jumentos, e sobre camelos, e sobre mulos, e sobre bois, pão, provisões de farinha, pastas de figos e cachos de passas, e vinho, e azeite, e bois, gado miúdo em abundância; porque havia alegria em Israel.”

    16:3” E repartiu a todos em Israel, tanto a homens como a mulheres, a cada um, um pão, e um bom pedaço de carne, e um frasco de vinho.”

    Em 2 Cronicas

    29:35 E houve também holocaustos em abundância, com a gordura das ofertas pacíficas, e com as ofertas de libação para os holocaustos. Assim se restabeleceu o ministério da casa do Senhor.

    31:5 E, depois que se divulgou esta ordem, os filhos de Israel trouxeram muitas primícias de trigo, mosto, azeite, mel, e de todo o produto do campo; também os dízimos de tudo trouxeram em abundância.

    Da mesma forma em Esdras:

    6:9 E o que for necessário, como bezerros, carneiros, e cordeiros, para holocaustos ao Deus dos céus, trigo, sal, vinho e azeite, segundo o rito dos sacerdotes que estão em Jerusalém, dê-se-lhes, de dia em dia, para que não haja falta.

    7:22 Até cem talentos de prata, e até cem coros de trigo, e até cem batos de vinho, e até cem batos de azeite; e sal à vontade.

    E durante a construção do muro, Neemias, Governador:

    5:18 E o que se preparava para cada dia era um boi e seis ovelhas escolhidas; também aves se me preparavam e, de dez em dez dias, muito vinho de todas as espécies; e nem por isso exigi o pão do governador, porquanto a servidão deste povo era grande.

    Repare-se que se trata da reconstrução dos muros da cidade de Jerusalém, ordenada por Deus a Neemias. A reconstrução sagrada dos muros, não poderia estar ligada ao vinho, se este fosse demonizado como fazem alguns hoje em dia.

    De igual forma, Deus através de Ester, promove a salvação e libertação do povo Judeu, utilizando esta, para amaciar e alegrar o coração do rei, o vinho, promovendo inclusive um banquete de vinho:

    1:7 E dava-se de beber em copos de ouro, e os copos eram diferentes uns dos outros; e havia muito vinho real, segundo a generosidade do rei.

    1:8 E o beber era por lei, sem constrangimento; porque assim tinha ordenado o rei expressamente a todos os oficiais da sua casa, que fizessem conforme a vontade de cada um.

    1:10 E ao sétimo dia, estando já o coração do rei alegre do vinho, mandou a Meumã, Bizta, Harbona, Bigtá, Abagta, Zetar e Carcas, os sete camareiros que serviam na presença do rei Assuero,

    5:6 Disse o rei a Ester, no banquete do vinho: Qual é a tua petição? E ser-te-á concedida, e qual é o teu desejo? E se fará, ainda até metade do reino.

    7:1Vindo, pois, o rei com Hamã, para beber com a rainha Ester,

    7:2 Disse outra vez o rei a Ester, no segundo dia, no banquete do vinho: Qual é a tua petição, rainha Ester? E se te dará. E qual é o teu desejo? Até metade do reino, se te dará.

    Ressalte-se que se trata de vinho alcoolizado (fermentado), estando o coração do Rei alegre do vinho.

    Da mesma forma em jo:

    1:13 E sucedeu um dia, em que seus filhos e suas filhas comiam, e bebiam vinho, na casa de seu irmão primogênito,

    Em Salmos uma ode ao vinho azeite e pão:

    104:15 E o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que fortalece o coração do homem.

    Em provérbios alertando para os efeitos perniciosos que o vinho pode ter:

    20:1 O vinho é escarnecedor, a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar nunca será sábio.

    Ressalte-se que o alerta como o próprio versículo adianta, aquele que errar no vinho e bebida forte, ou seja o que beber em demasiado, saiba que o vinho é escarnecedor e a bebida forte alvoroçadora.

    21:17 O que ama os prazeres padecerá necessidade; o que ama o vinho e o azeite nunca enriquecerá.

    Repare-se também aqui o alerta para aquele que amar demais o vinho nunca enriquecerá. O engraçado é que coloca o azeite no mesmo patamar, e pior o que ama os prazeres, sejam eles quais foram padecerá necessidade.

    23:20 Não estejas entre os beberrões de vinho, nem entre os comilões de carne.

    Aqui uma clara alusão e proibição à bebedeira, mas também à gula. Ressalte-se-se que beberrão, ou bebedeira, não é a mesma coisa do que beber moderadamente.

    23:21 Porque o beberrão e o comilão acabarão na pobreza; e a sonolência os faz vestir-se de trapos.

    Veja que beberrão e comilão estão exatamente no mesmo patamar, os que abusam cometem pecado, e passarão necessidade, pois acabarão na pobreza, demonstrando também de forma clara que o que se diz do crente que não bebe mas come demais, não tem nada de bíblico, seja contra a condenação da bebida moderadamente ingerida, seja em relação à permissividade da glutonaria.

    Seguindo o nosso percurso bíblico, vemos depois em Eclesiastes, o vinho como uma espécie de recompensa divina, pelas boas obras:

    9:7 Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe com coração contente o teu vinho, pois já Deus se agrada das tuas obras.

    10:19 Para rir se fazem banquetes, e o vinho produz alegria, e por tudo o dinheiro responde.

    Me perdoem os irmãos que pensam de forma diversa, mas não consigo ver nenhuma espécie de demonização do vinho, como pretendem, nem qualquer proibição, ao invés, vejo como permissão divina, a sua ingestão com moderação.

    Mas vamos adiante e veremos em Isaías, o que realmente Deus nos proíbe em relação ao vinho:

    5:11 Ai dos que se levantam pela manhã, e seguem a bebedice; e continuam até à noite, até que o vinho os esquente!

    Fica, creio, bem evidente que é a bebedice desenfreada que Deus abomina, os que se levantam pela manhã já na bebedice e continuam até à noite.

    5:22 Ai dos que são poderosos para beber vinho, e homens de poder para misturar bebida forte;

    No entanto Isaías também nos indica que o vinho estará presente na festa que Deus nos dará.

    25:6 E o Senhor dos Exércitos dará neste monte a todos os povos uma festa com animais gordos, uma festa de vinhos velhos, com tutanos gordos, e com vinhos velhos, bem purificados.

    Repare-se que se trata de vinhos velhos, não vinhos novos que alguns associam a suco de uva. Não há pois, lugar a dúvidas, trata-se de vinho alcoólico que abrilhantará a festa com que Deus nos rececionará no dia da Ressurreição, como também Jesus confirma como veremos no Novo Testamento.

    27:2 Naquele dia haverá uma vinha de vinho tinto; cantai-lhe.

    Entretanto Isaías também adverte, sobretudo em relação à bebida forte:

    28:7 Mas também estes erram por causa do vinho, e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta erram por causa da bebida forte; são absorvidos pelo vinho; desencaminham-se por causa da bebida forte; andam errados na visão e tropeçam no juízo.

    Portanto cuidado, apesar de não haver proibição expressa, o abuso é claramente pecaminoso, mesmo do vinho, mas sobretudo da bebida forte.

    Em Amós, Deus dizendo com todas as letras:

    9:14 E trarei do cativeiro meu povo Israel, e eles reedificarão as cidades assoladas, e nelas habitarão, e plantarão vinhas, e beberão o seu vinho, e farão pomares, e lhes comerão o fruto.

    Vejamos agora, as referências ao vinho, contidas no Novo Testamento.

    A primeira referência, que assume particular importância, encontramo-la em Mateus:

    9:17 Nem se deita vinho novo em odres velhos; aliás, rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; mas deita-se vinho novo em odres novos, e assim ambos se conservam.

    11:18 Porquanto veio João, não comendo nem bebendo, e dizem: Tem demônio.

    11:19 Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um homem comilão e beberrão, amigo dos publicanos e pecadores. Mas a sabedoria é justificada por seus filhos.

    Aqui abstraindo da acusação dos fariseus, logicamente exagerada e não verdadeira, que qualificam Jesus como comilão e beberrão que obviamente não foi, não há como olvidar que as escrituras afirmam que VEIO O FILHO DO HOMEM, COMENDO E BEBENDO.

    E aqui há uma afirmação inescusável. Jesus comia e bebia, conforme afirma a Palavra de Deus em Mateus. Comia e bebia com moderação como lhe era peculiar em tudo.

    Por obvio inexiste aqui qualquer tese desabonadora da índole sagrada de Jesus.

    Não foi por beber vinho e comer carne, que houve qualquer alteração no comportamento irrepreensível e sagrado de Jesus.

    Em Marcos encontramos uma segunda referência:

    2:22 E ninguém deita vinho novo em odres velhos; doutra sorte, o vinho novo rompe os odres e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; o vinho novo deve ser deitado em odres novos.

    Ressalte-se que tal ensinamento, se fundamenta exatamente na fermentação do vinho, que entra em ebulição, e por isso se deitado em odres velhos, sem capacidade de absorção das reações químicas violentas da fermentação, romper-se-ão. Nenhuma dúvida de que se trata de vinho fermentado, alcoólico portanto.

    E uma declaração de Jesus que também não dá lugar a dúvidas:

    14:25 Em verdade vos digo que não beberei mais do fruto da vide, até àquele dia em que o beber, novo, no reino de Deus.

    Refutando aqui de forma breve, a afirmação de muitos de que o vinho do milagre e/ou aquele bebido por Jesus não era vinho fermentado, alcoólico, mas sim suco de uva, com o fato de que, pelo ensinamento transmitido em Marcos, Jesus sabia perfeitamente do poder alcoólico do vinho, o que não o inibiu de o beber, naturalmente com moderação, nada retirando, assim, à santidade de Jesus, jamais posta em causa, a não ser pelos Fariseus como vimos acima.

    Não é por Ele ser santo que não bebeu vinho, é por Ele ser Santo que bebeu vinho, com MODERAÇÃO, dominando perfeitamente sua vontade, não comprometendo assim sua santidade, porque jamais exagerou.

    O que determina e compromete nossa santidade, é a nossa capacidade de dizer basta, de dominar o nosso eu carnal, não a proibição pura e simples de beber vinho, ou outra coisa qualquer, porque podemos fazê-lo sem comprometer nossa santidade, bastando para tanto, apenas usar do poder que nos foi conferido por Deus, de fazer prevalecer nossa vontade, de usar convenientemente o livre arbítrio com que Ele nos aparelhou.

    Depois em Lucas, referenciando o nascimento de João Batista, Nazireu de nascença, é confirmada a afirmação bíblica que Jesus comeu e bebeu vinho:

    1:15 Porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe.

    7:34 Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e pecadores.

    Há também a preocupação de alertar para que a glutonaria e a embriaguez não encham nossos corações. Vale lembrar mais uma vez que beber vinho moderadamente como fez Jesus, não carrega em si nenhum pecado nem muito menos qualquer maldição, apenas é preciso cuidado para não cairmos quer em glutonaria quer em embriaguez, onde, aí sim o pecado está presente.

    21:34 E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.

    Da mesma forma se reforça em Marcos a certeza que, Jesus bebeu vinho aqui na terra, e que voltará a beber quando nos receber no Reino de Deus.

    22:18 Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.

    De outro lado ainda em Lucas poderemos ver o vinho como remédio, portanto uma bebida recomendável e não amaldiçoada:

    10:34 E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre o seu animal, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;

    Vemos depois em João o primeiro milagre de Jesus, a transformação de água em vinho nas bodas de canaã:

    2:7 Disse-lhes Jesus: Enchei de água essas talhas. E encheram-nas até em cima.

    2:8 E disse-lhes: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E levaram.

    2:9 E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo,

    2:10 E disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho.

    2:11 Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galiléia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele.

    Em Romanos, podemos constatar um outro ensinamento bíblico relacionado ao vinho, não a proibição da sua ingestão moderada, mas um alerta para o seu abuso, como temos vindo a realçar:

    13:13 Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.

    Em I Coríntios, vemos com clareza, que os cristãos, na celebração da ceia do Senhor, bebiam vinho, de tal forma que Paulo critica os irmãos que “aproveitam” a ceia para comer e beber desmesuradamente, embriagando-se uns, enquanto outros ficam sem comida e bebida.

    11:21 Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se.

    11:22 Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.

    Repare-se que a referência à embriaguez salta à vista, “enquanto um tem fome outro embriaga-se”. Temos aqui sim vinho fermentado, alcoólico, e não suco (sumo) de uva, como alguns pretendem. Ressalte-se ainda que a reprimenda do apostolo Paulo se refere à santa Ceia, “enquanto uns se embriagam outros tem fome…” Na Santa Ceia usava-se portanto vinho fermentado, alcoólico, não suco de uva como alguns pretendem. Repare-se que não há nenhuma hipótese do vinho usado ser suco, porquanto a palavra empregue é “embriagam-se”.

    Finalmente, encontramos também em Timóteo outra referencia às propriedades curativas do vinho, recomendando a sua ingestão:

    5:23 Não bebas mais água só, mas usa de um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas frequentes enfermidades.

    Termino estas referências ao texto bíblico, com um ensinamento inestimável através de Mateus:

    15:11 O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem.

    15:17 Ainda não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e é lançado fora?

    15:18 Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem.

    15:19 Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, fornicação, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.

    Concluo dizendo para não ser maçador, que a ciência demonstra à evidência os benefícios associados ao vinho, bebido moderadamente.

    Espero ter contribuído, para fazer luz, quanto a esta questão que continua dividindo tantos teólogos, e ajudado a compreender que nada a não ser o próprio homem, pode decidir o que mais lhe convém. Deus espera de nós, que possamos em nosso livre arbítrio tomar as decisões que melhor se adequem ao nosso foro intimo e que sejamos capazes de em qualquer situação dizer basta, quando o caminho escolhido nos possa afastar de Jesus.

    Assim a decisão é tua, querido irmão, não só em relação ao vinho, mas em relação a tudo na vida. Se o vinho por fraqueza ou outra qualquer situação (alcoolismo) tiver hipótese de te dominar, e te impor uma conduta viciosa, aconselho veementemente a não beber.

    Se crerdes que não há nenhuma proibição bíblica, para ingerir vinho moderadamente, e não tiveres nenhum problema de alcoolismo ou outro vicio, toma vinho sem medo meu irmão, que Deus quer que comamos e bebamos o melhor desta terra.

    Porém se crerdes que há proibição bíblica para a ingestão de vinho ou outra bebida alcoolica, não tomes, porque estarias pecando.

    A comissão deixada por Jesus, entre outras, foi a de fazer tudo com fé para a gloria do Senhor.

    “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus” (1Co 10.31)

    Abatiá 04 de janeiro de 2017

    Jose Manuel Godinho Fialho

  12. Luzendo 17 de fevereiro de 2017 11:12

    QUEM QUISER BEBER VINHO OU OUTRA BEBIDA ALCÓOLICA QUE BEBA A PRODUZIDA POR SI MESMO! QUERES BEBER VINHO? FAÇA, PRODUZA, O TEU PRÓPRIO VINHO E NÃO O VINHO DOS OUTROS, VENDIDOS NOS MERCADOS! PLANTE SUA VINHA! E DEPOIS REBUSQUE O EXEMPLO DADO AOS RECABITAS! JEREMIAS 35.2 EM DIANTE. OS BÊBADOS NÃO HERDARÃO O REINO DOS CÉUS!

  13. joao 25 de fevereiro de 2017 13:37

    esta bem claro ,os babados
    obs os bebados

  14. haroldo 19 de março de 2017 08:26

    meus amigos eu só tenho uma coisa para dizer que por causa da bebida meu irmão morreu e eu quase morro também.

  15. joao edson ribeiro 5 de maio de 2017 22:18

    só fui batizado com o ESPÍRITO SANTO depois que parei de beber . e olha que ja estava bebendo pouquinho somente no sábado a noite . enquanto não tirei toda a bebida até mesmo de dentro da minha casa não aconteceu o BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO , QUE ACREDITO HABITAR SOMENTE NO TEMPLO LIMPO SEM SUJEIRAS .

  16. Silvia 18 de maio de 2017 09:50

    O vinho e muito bom para a saude se nao for em exagero. A biblia fala do beneficio do vinho e acima de tudo, o primeiro milagre de Jesus foi transformar agua em vinho. O proprio Jesus bebia vinho, nao ha nenhum motivo para nao se beber vinho se tivermos cuidado em nos controlar, mas isso nao e so com o vinho, com comida, com sexo, com trabalho. Tudo em exagero e mau.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.