Expandir islamismo no Brasil e na América Latina é meta de líderes muçulmanos

reuniao-de-lideres-muçulmanos-na-turquia-expandir-isla-no-brasil-e-am.lat-1Encontro com a participação de líderes muçulmanos na Turquia, apontou a América Latina como prioridade para expansão do islamismo no continente. O investimento de crescimento na América Latina é devido também, pelo fato de não haver “islamofobia” no continente, disse diretor do encontro. – Confira e comente…

Pouco divulgado no Brasil, aconteceu uma reunião na Turquia que tratou do expansionismo islâmico para o continente, realizada nareuniao-de-lideres-muçulmanos-na-turquia-expandir-isla-no-brasil-e-am.lat-3 semana passada este foi o primeiro encontro de líderes muçulmanos da América Latina. O tema foi “Construindo as nossas tradições e o nosso futuro”, e teve como promotor o Gabinete para Assuntos Religiosos do Presidente, chamado de Diyantet.

A reunião teve a participação de mais de 70 líderes muçulmanos de 40 países, sob a direção de Mehmet Görmez, chefe do Diyantet. Entre os participantes havia emissários de Brasil, Venezuela, Argentina, Chile, México, Suriname, Uruguai, Paraguai, Nicarágua, Panamá, Colômbia, Bolívia, República Dominicana, Guiana, Peru, Colômbia, Cuba, Equador, Jamaica e Haiti.

reuniao-de-lideres-muçulmanos-na-turquia-expandir-isla-no-brasil-e-am.lat.-Mehmet GormezÚnico continente do mundo que não tem um número expressivo de muçulmanos, a América Latina parece ser o “alvo” do expansionismo islâmico para os próximos anos. “Nós estamos aqui reunidos para discutir questões que dizem respeito aos muçulmanos em países da América Latina, seus cultos religiosos e as oportunidades de cooperação”, disse o Dr. Görmez.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, fez um pronunciamento no último sábado, afirmando que “A América não foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1492, mas sim por “navegadores muçulmanos” três séculos antes”. Além de querer mudar o passado, o presidente também parece querer mudar o futuro do continente, oferecendo-se para patrocinar a construção de mesquitas.

O encontro de líderes islâmicos latino-americanos abordou formas de cooperação mútua e como o governo turco poderá ajudar os reuniao-de-lideres-muçulmanos-na-turquia-expandir-isla-no-brasil-e-am.lat.muçulmanos da América Latina em suas atividades. Um dos principais aspectos levantados por Görmez é que ainda não há islamofobia na América Latina e por isso a resistência ao Islã é menor.

Durante a reunião, outro tema que mereceu atenção foi a falta de imãs fluentes em espanhol e português. A maior concentração de muçulmanos na América do Sul está no Caribe, com cerca de 4,5 milhões de seguidores.

Segundo Mazen Mokhtar, presidente para as Américas da Associação Muçulmana, existe uma “alta taxa” de conversão ao Islã no continente, embora não tenham divulgado números que comprovem essa afirmação.

reuniao-de-lideres-muçulmanos-na-turquia-expandir-isla-no-brasil-e-am.lat-1O número de muçulmanos no Brasil cresceu 29,1% entre 2000 e 2010, segundo o IBGE. Número bem maior que o crescimento médio da população, que foi de 12.3%.

Embora não existam registros oficiais, estima-se que eles possam chegar a meio milhão de seguidores. Os estados com maior concentração seriam São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Em muitos deles, existem grandes comunidades de imigrantes árabes. Só na capital paulista há cerca de 10 mesquitas, incluindo A Mesquita Brasil, a primeira mesquita construída na América Latina.

Por que na Turquia?

Embora nem todo árabe seja muçulmano, durante séculos o chamado Mundo Árabe reuniu a maior parte dos seguidores de Maomé do planeta. O último grande império a levar a mensagem de submissão a Alá foi o Otomano, cuja sede ficava na atual Turquia.

post inforgospel.com.br – com informação  via Epoch Times – 19/11/14

5 comentários sobre “Expandir islamismo no Brasil e na América Latina é meta de líderes muçulmanos

  1. Nâna Pricing 30 de novembro de 2014 12:19

    Que Deus nos livre dessa raça maldita! Os brasileiros têm que se levantar contra essa ideia maligna de implantação do islamismo no Brasil; no mínimo, o que eles querem é mudar a nossa cultura. Após o discurso da Presidente na ONU onde ela manifestou o seu total apoio ao terrorismo, o Islamismo sente-se no direito de se estabelecer na nossa nação, trazendo com eles o Estado Islâmico – (terroristas sanguinários).

  2. Pablo 5 de dezembro de 2014 19:34

    Isso é um problema sério, nosso país e nosso país já tem problemas de mais e com as declarações da nossa presidente, aquela comunista safada que apoia terroristas do Hammas e Estado Islâmico eles se sentiram a vontade para investirem aqui. Até os países Árabes apoiaram os ataque da coalizão liderada pelos Estados Unidos, devemos estar orando e pedindo livramento a Deus para que essa religião diabólica não se aloje em nosso país.

  3. Janduir 21 de janeiro de 2015 17:04

    Não vejo problema nenhum em virem para a américa. Lembre-se que a minoria que se explode ainda vivem na idade da pedra. 90% dos políticos ladrões se dizem cristãos…

  4. Ivani Medina 28 de agosto de 2015 17:07

    Uma das minhas preocupações, aqui no Brasil, é o investimento e a disputa entre as duas facções islâmicas: sunita (Arábia Saudita) e xiita (Irã). Uma comissão xiita já esteve aqui para agradecer ao Lula pelo apoio recebido por ocasião do seu governo. Ora, cristãos, culturalmente, somos todos nós brasileiros. O islamismo odeia os valores desenvolvidos aqui no Ocidente a duras penas, como a democracia, o direito de pensar diferente, o direito do outro e se aproveita disso. Enfim, direitos pelos quais ainda lutamos e haveremos de lutar pelo desejo do aprimoramento da nossa própria cultura que, felizmente, já não é tão religiosa. No entanto, o grosso do nosso povo desconhece o fato e, por ironia, acha justo estender o seu próprio direito ao inimigo fundamental (islã). Num país laico todas as religiões têm os mesmos direitos, é verdade. Ora, mas não precisamos nos empertigar nessa defesa, como muitos o fazem pensando fazer “bonito”. “Nem todo islâmico é terrorista!” É a palavra de ordem desse falso entendimento. Porém, o que não sabem é que aqueles que são terroristas são os heróis dessa maioria “pacifista”. O Alcorão só fala da guerra de Maomé pela dominação e imposição da sua crença e o Estado Islâmico faz por onde. O resto é enfeite naquele livro. Precisamos abrir os olhos também por aqui.
    https://www.youtube.com/watch?v=VTs4ii3GhSo

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.