Mês: abril 2014



Trabalhador pode pagar conta da crise automobilística

Montadoras de veículos pedirão ao governo incentivo à exportação

O Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT), que deve fechar 2014 com um rombo de R$ 3,4 bilhões, pode ter de arcar com uma parte do ônus gerado pela crise no mercado automotivo. Sindicatos, montadoras e autopeças têm um novo projeto, que cria uma espécie de alternativa para as demissões, reduzindo o número de dispensas e estendendo o período de suporte do FAT para o trabalhador.

O FAT é um fundo especial, vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que custeia o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial e ao financiamento de Programas de Desenvolvimento Econômico. O dinheiro vem das contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP). Ou seja, sai, em do bolso do trabalhador. Continue lendo

Comente aqui


Conta de luz terá reajuste de 20% em 2015

RADARConta de luz terá reajuste de quase 20% em 2015 e deve dobrar nos próximos anos.

Veja AQUI matéria interessante e preocupante do InfoMoney sobre o assunto.

Isso acontecendo colocará a economia em “xeque-mate” de vez.

Que os consumidores preparem os bolsos, porque, pelo visto, passadas a copa e as eleições presidenciais, o governo federal deverá desrepresar a pressão reprimida dos preços em relação a diversos serviços básicos à população (combustíveis, energia elétrica, telefonia, etc).

Comente aqui


Como renegociar suas dívidas

Radar do ConsumidorDados do Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) mostram que, nos últimos 12 meses, a inadimplência aumentou no País. A maior alta, de 7,9%, ocorreu na região Nordeste, seguida pelo Norte, com 6,7%.

De acordo com o Instituto Nacional de Defesa do Consumidor do Sistema Financeiro (Andif), que recebe por dia mais de 150 consultas de pessoas com contas em atraso, o mal uso do cartão de crédito continua sendo o principal vilão dos devedores brasileiros (60%), seguido pelo cheque especial (30%) e pelo financiamento de imóveis e bens de consumo (10%).

“A inadimplência não desaparece sozinha”, diz Fernando Cosenza, diretor de marketing, inovação e sustentabilidade da Boa Vista SCPC. “É preciso procurar o credor o quanto antes para negociar.” A Andif, porém, defende que entrar na Justiça é o caminho mais rápido para sanar problemas com instituições financeiras. “Mais de 80% das pessoas que entram com uma ação têm suas dívidas reduzidas em cerca de 70%”, diz Donizéte Piton, advogado e presidente da instituição. Confira a seguir como renegociar suas dívidas.

01.jpg

Fonte: Isto É

Comente aqui


Comércio e consumidores beirando o pessimismo

RADARHá dias a Fecomércio – Federação do Comércio do Estado de São Paulo – informava que o seu índice de confiança do empresário do comércio, no mês de abril, caiu 1,66% em relação a março. A queda, pelo terceiro mês consecutivo, a entidade atribui ao aumento da inflação, à redução da renda real do consumidor e ao crescimento pouco expressivo da própria atividade do setor varejista.

Grandes e pequenas empresas estão menos confiantes, enquanto o índice, em 109,07 pontos, se aproxima dos 100 pontos que são considerados o limite inferior da faixa de otimismo, abaixo da qual começa o pessimismo. Continue lendo

Sem categoria
Comente aqui


Alcool ou gasolina ? Aplicativo ajuda na escolha

Quem possui um automóvel bicombustível tem a opção de abastecer o carro tanto com álcool quanto gasolina.

Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), abastecer com etanol vale mais a pena quando o combustível custar 70% ou menos do que o preço cobrado pela gasolina. Isso porque o veículo abastecido com o primeiro combustível gasta mais litros para percorrer a mesma distância equivalente ao volume utilizado de gasolina.

O preço do etanol também subiu em 13 Estados na última semana.

Uma maneira de decidir em qual momento é melhor encher o tanque com o etanol é por meio do aplicativo Gasoleta — Gasolina ou Etanol?, disponível grátis para o sistema Android.

Basta abrir o aplicativo, informar o preço do litro do etanol e da gasolina e clicar em “Calcular”. A plataforma informa a relação percentual entre o preço dos dois combustíveis e qual deles é mais vantajoso.

A plataforma ainda mostra quanta grana se gasta por quilômetro rodado com o etanol e a gasolina e dá um resultado mais “preciso” no caso do preço do etanol equivaler aos exatos 70% do valor cobrado pela gasolina nos postos (R7).

2 Comentários


Risco de racionamento de energia elétrica

RADARO risco de racionamento de energia elétrica é eminente e já vem sendo debatido sem constrangimentos por analistas de diversas áreas.

É senso comum que se de fato o racionamento vier a ser adotado diversas áreas da economia serão afetadas. O tema já é motivo de preocupação de diversos analistas do mercado financeiro, investidores e empresários.

Enquanto isso no Palácio do Planalto pelo visto as preocupações se concentram no processo eleitoral federal e dos estados. A economia, ah sim, está é apenas um “detalhe”.

1 Comentário


Recall do Agile e do Classic por falha na roda

Gazeta do Povo

O novo chamado envolve unidades montadas entre a primeira quinzena de outubro e a segunda semana de dezembro de 2013

O recall ocorre por falha na montagem do cubo das rodas traseiras, podendo causar o superaquecimento do rolamento. Se isso ocorrer, pode haver travamento ou soltura da roda, causando a perda de controle do veículo, com risco de acidente.

Mais 192 veículos devem passar pelo reparo, totalizando 5.517 o número de carros envolvidos no chamado. Continue lendo

Comente aqui


Reclamações nos Procons do país cresceram 22%

RADAREmbora o país tenha uma das legislações mais avançadas do mundo sobre relações de consumo, embates em razão de problemas em entrega, troca ou reparo se proliferam. Em 2013, 2,4 milhões de reclamações chegaram aos Procons do país, segundo a Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça, um acréscimo de 22% em relação a 2012. No mesmo período, as vendas do comércio cresceram 4,3%.

O galope nas reclamações levou o Senado a aprovar no último dia 26 um relatório que determina mudanças no Código de Defesa do Consumidor (CDC), em comissão temporária criada para atualização das normas. As mudanças ainda precisam passar pelo plenário antes de seguirem à sanção presidencial. Continue lendo

Comente aqui


Economia derruba confiança do consumidor, diz FGV

CONSUMIDOR PREOCUPADO

A avaliação dos consumidores sobre a situação atual da economia registrou intensa piora em abril. O indicador que mensura a confiança neste quesito caiu 7,0% no mês ante março, ao passar de 76,1 para 70,8 pontos. É o menor nível desde julho de 2013, no período logo após as manifestações, quando a pontuação baixou a 68,5, notou a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O quesito ainda foi a principal influência para a queda de 0,8% na confiança dos consumidores em abril, após subir 0,1% em março e recuar 1,7% em fevereiro, sempre na comparação com o mês anterior. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) foi divulgado nesta sexta-feira (25/04). Continue lendo

Comente aqui


Construir ficou mais caro em abril, segundo FGV

Alta de 0,67% mostra que construir ficou mais caro em abril

A construção civil é outra área da economia que vem sofrendo reflexos da inflação

Construir ficou mais caro em abril. É o que indica o Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado (INCC-M), que teve alta de 0,67% neste mês. O Rio de Janeiro foi o destaque entre as sete capitais do Brasil, ao atingir alta de 2,73%. Em compensação, o Índice de Confiança da Construção (ICST), caiu 5,9% no trimestre que terminou em em abril em relação a igual período em 2013. Os dados são medidos pela Fundação Getulio Vargas (FGV)

 A variação do INCC-M ficou bem acima da registrada em março, quando atingiu 0,22%. A alta, desde janeiro, é de 2,04% e, nos últimos 12 meses, chegou a 7,75%. O aumento salarial no Rio e em Salvador, principalmente, ajudaram a aumentar o custo da mão de obra e, assim, do custo da construção.

 Já o ICST, ao cair 5,9% teve a maior queda desde abril do ano passado, quando atingiu -6,6% (Extra Online).

Comente aqui