Mês: janeiro 2016



Patrulhamento ideológico

O patrulhamento ideológico e de idéias é uma das piores pragas disseminadas pelo ativismo político, especialmente vindo da esquerda socialista comunista, não somente no nosso país, mas no mundo todo.

Em tudo – e tudo mesmo – os ativistas enxergam racismo, gênerofobia, xenofobia, discriminações sociais e outros tantos qualificativos.

A onda agora é qualificar/rotular tudo o que contraria o senso destes ativistas, que ao que parece são mais discriminadores do que os seus acusados. É o patrulhamento comportamental, de idéias e,até, da alma do cidadão.

A cerimônia do Oscar foi taxada de racista porque segundo tais ativistas de plantão nesta edição não há indicações de negros dentre os selecionados indicados nas categorias existentes. Como que se no Oscar vigorasse quota racial ou obrigatoriamente negros com participações elegíveis segundo os critérios estabelecidos pela organização do evento.

v
Um determinado ator, branco, que foi entrevistado pelo Faustão dias atrás está sendo escrachado na internet como racista – por ativistas negros – porque dentre aqueles que ele citou como seus referenciais na carreira ou de bons profissionais no meio artístico, nenhum deles é de pele morena. Continue lendo

Sem categoria
Comente aqui
 

Crise aumenta casos de depressão e ansiedade

Resultado de imagem para depressão

É notório o aumento do número de casos de pessoas estressadas ou com sinais e sintomas de transtornos de ansiedade, depressão e insônia durante a crise econômica atual que vivenciamos. Uma clínica especializada em Check Up detectou um aumento de praticamente 40% dos casos em 2015.

Foram colhidos dados de mais de 5 mil pacientes sendo que 60% deles sofriam de ansiedade. As pessoas sentem­se pressionadas e muitas ultrapassam os seus limites físicos e mentais. Há um grande temor de perder o emprego e dificuldades de gestão de várias empresas levam a jornadas extras dos funcionários.

Veja mais aqui.

Comente aqui


Improvisos no setor elétrico e a mentira contumaz

A cada dia que passa o governo Dilma se sobressai em mentiras e se revela ainda mais desastroso, especialmente em setores estratégicos como é o setor elétrico. Motivo pelo qual o governo perdeu irrecuperavelmente a credibilidade que lhe restava e o povo perdeu a esperança em ver dias melhores no país com esta senhora no poder.

Neste sentido muito interessante a análise feita pela economista Mirian Leitão (aqui).

Dentre as constatações levantadas pela economista, há a de mais uma mentira pregada no povo pelo governo federal, pela qual, segundo Mirian, “fica muito claro que não era verdade o que falava o governo, que a tarifa subia pela falta de chuva. Voltou a chover mas a tarifa continua muito cara.”

Este é o naipe do governo federal, o da contumácia na mentira, tal como a Dilma fez nas eleições presidenciais ao mentir para o povo afirmando que estava tudo bem e que o país ía de vento em popa, mas passadas referidas eleições os esqueletos da economia cambaleante do país foram tirados do armário, para surpresa geral da nação.

No entanto, quem não foi surpreendido foi o Senador Magno Malta (PR-ES), o qual logo após as eleições presidenciais de 2014, em discurso que realizou no Senado, descreveu nua e cruamente a situação econômica do país e fez a previsão de que Aécio Neves recebera uma espécie de “livramento” ao perder as eleições diante das desgraças econômicas ocasionadas pelo governo federal que estavam por vir à tona.

Assistam o vídeo e vejam como o Senador Magno “Nostradamus” Malta em 05/11/2014 acertou na mosca:

 

Comente aqui


Novo ICMS gera fechamento de uma empresa por minuto

Não bastasse a crise econômica ocasionada pela má gestão econômica do país, ainda mais esta.

O governo federal ao invés de atuar como facilitador do empreendedorismo, atua, como diria Odorico Paraguaçu, como agente “atravancador” e de modo “interferitório” na iniciativa privada.

Senão, vejam aqui.

Comente aqui


Cartilha para o consumidor entender melhor seus direitos

Por meio da Lei Federal n.º 8.078/90 foi criado o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Ela traz diversas previsões para proteger os consumidores nas relações de consumo. Foram também criadas cartilhas que ajudam os consumidores a entenderem melhor a legislação federal consumerista. Exemplo disso é a cartilha criada pelo Procon de Alagoas que pode ser conhecida clicando-se aqui.

CDC

Comente aqui


Dengue: 10 erros ao aplicar o repelente

Mau uso de repelentes pode causar intoxicação em crianças e adultos; aprenda técnicas e veja quantas vezes por dia você pode aplicá-lo, de acordo com a composição do produto

dldzvoa70dlests8mabtpfqlg

Com a epidemia de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti – dengue, zika vírus e chikungunya –  cada vez mais grave, os repelentes de insetos estão cada vez mais em destaque, chegando a ficar em falta nas farmácias. No entanto, para se proteger adequadamente não basta apenas comprar o primeiro repelente que se vê na farmácia e aplicá-lo indiscriminadamente.

LOGO-FACE3

Sob pena de jogar dinheiro fora e acabar desprotegido, é necessário obedecer algumas regras para que a eficácia seja satisfatória e não aconteçam problemas maiores, como uma intoxicação. Repelente não é uma água insossa, mas um produto que Continue lendo

dengue
Comente aqui


Direitos dos consumidores nos estacionamentos privados

 

image

LOGO-FACE3

Se você está pagando mais caro pelo serviço, precisa ficar atento às obrigações do estabelecimento onde deixa o carro.

Achar vaga para estacionar na rua não é tarefa fácil e aí a saída é pagar um estacionamento, mas os preços estão subindo. E se você está pagando mais caro pelo serviço, precisa ficar atento aos seus direitos quando deixa o carro em uma vaga.
Continue lendo

Sem categoria
Comente aqui


Crimes contra o consumidor podem dar B.O.

LOGO-FACE3

Muitos se metem a atuar no mundo comercial sem ao menos dar uma olhada no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Existem diversas condutas que se praticadas pelo fornecedor de produtos e serviços podem se constituir em crime contra o consumidor e literalmente podem dar B.O., ou seja, podem resultar em procedimentos e penas de ordem criminal.

O CDC trata destas condutas nos seus artigos 63 em diante, mas o que mais me chama atenção, por enquadrar um maior número de situações é o que dispõe o artigo 66, do CDC.

Sugiro que os senhores lojistas, supermercadistas e comerciantes em geral leiam referido dispositivo legal, o interpretem (não pudendo solicitem ajuda de um advogado) e repensem eventuais condutas que estejam a praticar e que coincidam com referida previsão legal.

Quanto aos consumidores, sugiro que eventuais situações encontradas no comércio que coincidam com o que trata o artigo 66, do CDC (abaixo transcrito), além de reclamarem nos Procons das suas cidades, também podem requerer a apresentar REPRESENTAÇÃO CRIMINAL perante a autoridade policial, munido das respectivas provas, para que o fornecedor seja responsabilizado criminalmente por sua conduta contrária aos interesses públicos dos consumidores.

————

Art. 66, do CDC:

Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços:

Pena – Detenção de três meses a um ano de multa.

§ 1º – Incorrerá nas mesmas penas quem patrocinar a oferta.

§ 2º – Se o crime é culposo:

Pena – Detenção de um a seis meses ou multa.

Sem categoria


Dengue: denúncias de abuso nos preços dos repelentes

LOGO-FACE3

Os consumidores devem estar atentos. Estão abusando nos preços dos repelentes em todo o país. Isso também pode estar acontecendo em Maringá e deve ser observado por todos.

Se o consumidor verificar elevação exagerada nos preços  (seja nas farmácias, supermercados ou lojas), devem guardar as notas fiscais das compras e abrir reclamações no Procon da sua cidade ou, na falta deste, ao Ministério Público.

Como o repelente visa combater doença que afeta a saúde pública, os Procons e o Ministério Público devem intervir em caso de eventual abusividade no exercício de preços.

Portanto, ficar atento e denunciar é a melhor arma que o consumidor tem neste caso.

Fica a dica.

Comente aqui