Mês: maio 2016



Empresas em recuperação judicial preocupam a economia

Radar do Consumidor“Sem dúvida nenhuma esta situação é muito preocupante para a economia, uma vez que ela sinaliza o grau de dificuldade que haverá para a sua recuperação.”

Segundo matéria do dia 23/06, de Fernando Scheller, do Estadão (aqui) as dívidas de empresas em recuperação judicial no país somam em torno de R$ 120 bilhões.

Tal situação reflete o `deficit` financeiro que o setor econômico vem experimentando e que se ampliaram significativamente nos últimos meses, até o ponto de resultar no fechamento de milhares de empresas e, num cenário um pouco menos gravoso mas não menos traumático, o ajuizamento de inúmeros processos judiciais de recuperação judicial por empresas que ainda tentam sobreviver. Sem dúvida nenhuma esta situação é muito preocupante para a economia, uma vez que ela sinaliza o grau de dificuldade que haverá para a sua recuperação.

Na ponta final de todo este cenário econômico de extrema penúria está o desemprego, que atualmente bateu na casa de 11 milhões de pessoas desempregadas.

Vejam a seguir o “mapa” das maiores recuperações judicial em andamento perante o Poder Judiciário no país. Uma calamidade econômica:

Comente aqui


Cuidado! WhatsApp Gold das celebridades não existe

É bem provável que você tenha WhatsApp e, por isso, recebe centenas de mensagens todos os dias, imagens, vídeos e links. Então fique atento com mais essa que circula no aplicativo. Desta vez, trata-se de um “convite” para acessar uma suposta versão “Gold” ou “Golden” do “Whats”, que só seria acessível para celebridades.

O convite promete que Continue lendo

Comente aqui


Família paranaense acima da média nacional

Mais um detalhe da pesquisa sobre consumo das famílias, apurada pela Confederação Nacional do Comércio e divulgada pela Fecomércio-PR nesta segunda-feira, 23, mostra que o Paraná se tornou um estado diferenciado no Brasil. A renda atual das famílias paranaenses está com 155,6 pontos nesta pesquisa e é quase o dobro da média nacional, de 87 pontos, em uma escala de zero a 200.

Apesar da intenção do consumo das famílias ter caído, uma tendência nacional dado o cenário macroeconômico e político instável, no Paraná o indicador ainda é superior ao índice nacional. “A renda das famílias é fruto do trabalho. E no Paraná o nível de emprego tem se mantido superior à média nacional”, avalia o presidente da Fomento Paraná, Juraci Barbosa.

“Isso reflete os esforços do governo do Paraná que não são poucos. O ajuste fiscal reforça o caixa dos municípios, permite manter obras e investimentos em infraestrutura no estado e cumprir compromissos com fornecedores. Temos um bom programa de atração de empresas. E nessa hora, até o reajuste e o pagamento em dia de salários de servidores públicos ajuda a manter o fôlego da economia, gerando empregos e assegurando renda”, completa Juraci Barbosa.

Fonte: Blog Fábio Campana

Comente aqui


A ANAC e a ANATEL precisam ser reformuladas e investigadas

O governo Temer precisa rever urgentemente as agências reguladoras, com especial atenção à ANAC e ANATEL, sobre as quais paíram fundadas suspeitas de leniência no trato dos interesses dos consumidores.

Estranhamente nos últimos anos estas agências reguladoras andaram tomando estranhas posições em desfavor dos consumidores.

O que teria acontecido? Quais os motivos da adoção de políticas tão favoráveis às operadoras aéreas e de telefonia por estas duas agências?

Sei lá, são apenas “alguns grilos” que me surgem à cabeça de quando em quando.

Nada que um boa reformulação e uma séria investigação sobre elas não pudessem ajudar a esclarecer estas dúvidas.

Vai que tem “gato na tuba”?

Comente aqui


A gravação de Jucá e o “golpe gostoso”

Radar do ConsumidorO que sobrou da esquerda a favor da Dilma e do PT, ou seja, a esquerda anacrônica e xiita, de ontem para cá soltou rojões alardeando que a gravação do então ministro afastado Romero Jucá comprova a existência de “golpe” na deposição da presidente afastada e a comprovação de complô dos golpistas para barrar a Operação Lava Jato. O senador Lindbegh Farias (PT), então, parecia criança no parque de diversão ao externar alegria até então apagada pelo afastamento da sua presidente.

Mas devagar com o andor que as coisas não são bem assim.

Não é segredo para ninguém que toda a classe política em Brasília – eu disse TODA a classe política (!), salvo raríssimas exceções, nutre velada repulsa à Operação Lava Jato. Não admitem publicamente, mas os políticos “brasilienses” querem ver o Juiz Federal Sérgio Moro, os investigadores da operação (PF) e os membros do Ministério Público Federal pelas costas.

Referida operação, para eles, representa mais do que a ameaça, mas a certeza de que mais cedo ou mais tarde a Justiça baterá às suas portas.

Portanto, não é segredo para ninguém que políticos de todas as matizes partidárias envolvidos no propinoduto disseminado – de modo sistêmico – na era PT Continue lendo

1 Comentário


Investigado é criminoso?

Radar do ConsumidorA indagação do título tem a ver com tudo o que temos aprendido com as investigações nas diversas operações em andamento, tanto na esfera federal como estadual.

Ouve-se muito no noticiário estadual e nacional que fulano ou beltrano teve instaurado contra si procedimento de investigação pela Polícia Federal ou Estadual, conforme o caso. A partir daí o que se vê nas redes sociais são pessoas bem ou mal intencionadas externando julgamentos à distância, sem qualquer base técnica ou nos fatos que efetivamente dizem respeito ao caso, que se prestam a condenar sumariamente o investigado.

Estabelece-se, assim, um tribunal popular de exceção que não concede ao investigado o direito à ampla defesa e ao contraditório, cânones do qualquer Estado democrático de direito. Bem do jeito que qualquer um de nós jamais gostaria de ser submetido.

Esclareça-se que na terminologia jurídica criminal a expressão “investigação” ou “investigado” diz respeito às fases Continue lendo

Comente aqui


A ANAC e o caso das bagagens

Os consumidores devem ficar muito atentos, pois sob a justificativa da necessidade de ser criado melhor ambiente econômico para o setor aéreo no país, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e as operadoras aéreas persistem na idéia de alterarem as regras para o transporte de bagagens nos vôos domésticos e internacionais.

Em conjunto estão trabalhando com a idéia de liberação de cobranças progressivas no decorrer dos próximos 3 anos, até ser liberada a cobrança integral por toda a bagagem transportada pelo consumidor.

No entanto não está sendo pensada em nenhuma garantia de que haverá contrapartida na redução dos preços das passagens aéreas.

Mais uma vez a ANAC, que devia primar pela defesa dos interesses dos consumidores, pelo visto vai sucumbir em desfavor destes.

Portanto, todos os consumidores devem estar muito atentos e mobilizados para não aceitarem que estas alterações sejam estabelecidas sem quaisquer garantias de benefício aos consumidores em contrapartida.

Consumidores unidos e bem informados jamais serão vencidos.

Comente aqui


As taxas de juros precisam baixar urgentemente

No contexto de ajustes que o novo governo deve realizar em relação aos desajustes promovidos na economia  pelo governo anterior, uma das metas é a redução dos juros, pelo Banco Central, a fim de que o crédito ao consumidor fique mais em conta e a “roda da economia” volte a girar.

Ninguém suporta mais, além da carga tributária desumana, a carga de juros que vem incidindo sobre o crédito. Somente em relação ao cheque especial passa dos 200% ao ano e no cartão de crédito supera a 400% a.a.

Assim não há barco que consiga navegar.

Uma das maiores maldades que um governo pode fazer em desfavor do seu povo é lhe retirar as condições econômicas mínimas de sobrevivência, e neste sentido o governo Dilma “soube” muito bem como produzir o resultado nefasto à população.

Agora a equipe econômica capitaneada pelo ministro Meirelles deve correr contra o tempo para gerar as condições necessárias para que os juros caíam, considerando que sem que isso seja implementado o consumo continuará desacelerado, não haverá reversão na dinâmica de desemprego e a expectativa dos mais de 11 milhões de brasileiros desempregados voltarem ao trabalho minguará cada vez mais com o passar do tempo.

Portanto, que os juros baixem com urgência para o bem de todos e que para isso a equipe econômica de Temer tenha a coragem necessária para realizar os cortes necessários, doa a quem doer, especialmente aos interesses políticos-partidários.

Infelizmente este é o preço a ser pago pela população pela incompetência e irresponsabilidade ecômica do governo anterior.

Comente aqui


Começou a faxina no aparelhamento do Estado

Radar do ConsumidorO Antagonista informa que foi publicado no Diário Oficial de hoje a exoneração de diversos cargos comissionados do antigo Ministério da Cultura, ideólogos pertencentes ao PT e PCdoB  que “estavam” no referido ministério  para fazer propaganda partidária e ideologização nas políticas do ministério.

São eles:

Helenise Brant, Gabriel Portela Saliés, Randal Farah, Juana Nunes, Alexandre Santini, Guilherme Varella, Eduardo Werneck e Vinicius Wu, que descreveu o novo governo com as seguintes palavras:

“Retrógrado como o conjunto do governo golpista e ilegítimo do vampiro sem-voto!”

Além do Ministério da Cultura, outros ministérios e órgãos federais foram aparelhados para dar suporte – especificamente – politico e ideológico ao governo Dilma/PT/PCdoB/PSOL.

Políticas agressivas à família, a defesa aberta do aborto (assassinato de bebês) e a disseminação da cartilha comunista rivalista e de confrontos sociais no campo e nas cidades, vinham sendo sustentados com o aparelhamento de diversos órgãos federais, mediante a criação exagerada de cargos comissionados para “acolher” o exército de “soldados” escalados pela esquerda anacrônica para transformar o Brasil, um país pacífico e ordeiro, num campo minado por batalhas ideológicas em contraposição aos princípios ocidentais que deram base à sua formação cultural e estruturação social.

Em resumo, a esquerda anacrônica deposta estava a importar os métodos mais abjetos de subversão social às custas do dinheiro público (nosso), sustentando tais “soldados” que agora começam a ser gradativamente defenestrados.

Por aí dá para se entender os reais motivos das “ardorosas” defesas à Dilma feitas pelos senadores Lindbergh Farias (PT), Vansessa Graziotin (PCdoB) e Gleise Hoffman (PT) quando da discussão sobre o recebimento do impeachment no Senado. Sabidamente estes senadores “rezam” a cartilha comunista que infelizmente muitos incautos – inocentes úteis à eles – também defendem sem saber.

É comum encontrarmos padres, pastores, bispos, dentre outros religiosos e leigos que se dispõem, dentro das Igrejas Cristãs, a defender, sem saber ou, pior, se fazendo de cegos, o projeto comunista escondido por trás dos supostos projetos sociais vindos da esquerda comunista anacrônica, cujos projetos muitas vezes encobrem a violação de diversos e elementares princípios cristãos.

Não podemos deixar de lembrar que a enganação da esquerda comunista se constitui necessariamente em se utilizar da criação de políticas com impactos sociais positivos e com finalidades socialmente justificáveis na sua aparência, para, por trás, enfiar goela a baixo da sociedade a doutrinação ideológica marxista e seus princípios devastadores das estruturas morais, da família e da sociedade. É a materialização do que se denomina “lobo em pele de cordeiro”.

Finalmente a faxina do aparelhamento ideológico do Estado realizado pelo PT e os seus aliados comunistas começou.

3 Comentários


Elogio a Temer

Michel Temer manifestou apoio à Lava Jato.

Ele acabou de dar um passo fundamental nesse sentido: suspendeu os efeitos da Lei de Leniência.

Diz a Folha de S. Paulo:

“As negociações de Dilma Rousseff com empreiteiras envolvidas na Lava Jato devem ser suspensas pela gestão interina de Michel Temer até a definição de um marco legal que sustente os acordos de leniência”.

E mais:

“Ganha força a hipótese de que o caso seja tratado no modelo de projeto de lei, em vez de medida provisória, que teve resistências na oposição e em órgãos externos, como TCU e PGR”.

O ministro Fabiano Silveira, que assumiu a antiga CGU, disse:

“Não podemos dar um passo em falso. É preciso ter um marco jurídico que ofereça muita segurança. A medida provisória causou muitas reações e resistências e é preciso construir um texto que reflita um consenso razoável”.

Em busca desse consenso, ele já está discutindo o novo texto com Rodrigo Janot e Fábio Medina Osório, o Advogado-Geral da União.

Podem elogiar Temer à vontade.

(O Antagonista)

Comente aqui