Prefeitos da AMUNPAR receberam visita do BRDE

Prefeitos da AMUNPAR se reuniram com o BRDE em Paranavaí (fotografias: Diário do Noroeste)

Prefeitos que compõem a Associação dos Municípios do Noroeste Paranaense (Amunpar) estiveram reunidos ontem na sede da entidade, em Paranavaí, com o diretor de operação do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo- Sul (BRDE), João Regiani, para conhecerem as linhas de financiamento disponibilizadas pelo banco aos municípios.

 
“São nas cidades que as coisas acontecem, e o BRDE tem recursos para o desenvolvimento dos municípios”, enfatizou Regiani.

 
As linhas de financiamento vão desde implantação da coleta seletiva, passando por recursos voltados à infraestrutura, mobilidade urbana, saneamento, entre outras ações.

 
“Temos linhas de financiamento para a realização do geoprocessamento para atualizar os valores dos impostos”, disse.

 
O BRDE foi criado em 1961, com objetivo de fomentar o desenvolvimento nos estados do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “O BRDE é um banco operador de crédito, hoje estamos voltados aos municípios, dos 1.991 municípios do Sul brasileiro estamos em 1.095, uma cobertura de 91,9%”, disse Regiani.


AMP – O presidente da Associação dos Municípios Paranaenses (AMP), Marcel Micheletto, também esteve conversando com os prefeitos da Amunpar. Para ele o momento é de cautela.

 
“Os municípios estão sem dinheiro e cada vez mais arcando com despesas que seriam da União e estado”, disse Micheletto.

 
O presidente lembrou que 60% de tudo que é arrecadado nos municípios vão para os cofres do governo federal. “Resta poucos recursos para trabalharmos em nossos municípios. Se aqui no Sul a situação está crítica eu não queria estar na pele dos prefeitos do Norte e Nordeste, onde a situação é ainda pior”.

 
O gestor lembrou ainda, que boa parte dos programas do governo federal está com os repasses defasados, e citou exemplos como a merenda escolar, onde a União repassa apenas R$ 0,36 por aluno.

 
“Temos ainda outro exemplo, que são as equipes de médico da família, onde o governo federal repassa R$ 10 mil por equipe, e os municípios complementam com mais R$ 30 mil para o programa continuar”.

 
Para ele é vexatório os prefeitos ficarem dependendo de emendas parlamentares para tocarem as prefeituras. “Cada deputado tem direito a R$ 15 milhões em emendas por ano, se esse recurso fosse repassado direto para os municípios seria melhor aplicado”, disse o gestor que é prefeito da cidade de Assis Chateaubriand (Fonte: Diário do Noroeste)

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.