Cesare Batistti e a ação em rede apoiada pelo PT, PCdoB, etc

Políticos integrantes da esquerda brasileira se solidarizando com Cesare Batistti (Foto: Ag. Brasil)

O episódio envolvendo o retorno à Itália do terrorista Cesare Battisti para cumprir a pena perpétua que lhe foi imposta naquele país há quase 40 anos, traz novamente à tona as circunstâncias da sua acolhida no Brasil pelo governo do PT então conduzido pelo presidente Lula.

Não nos esqueçamos que Battisti, na Itália, como ativista do Partido Proletário comunista italiano praticava assaltos a bancos e atos terroristas que resultaram em diversos assassinatos, similarmente ao que fizeram no passado no Brasil Dilma, Genoíno, Mirian Leitão, Marighella, dentre outros referenciais atuais da esquerda representada pelo PT, PCdoB, PSOL, PSTU, etc.

Partindo da análise sobre as origens históricas ativistas e comunistas de Cesare Batistti, se vê que desde o início da sua estranha acolhida no Brasil, pelo governo de esquerda de Lula e companhia, que contou inclusive com ato favorável do então Ministro da Justiça Tarso Genro (PT) (clique aqui aqui), que tal não se tratou de mero acaso tratá-lo como alguém que vinha sendo “perseguido politicamente”, considerando a visão enviesada e distorcida que a patota esquerdista no Brasil adota sobre o que vem a ser “perseguição política”.

Portanto, acolher referido terrorista no Brasil como uma vítima da suposta “perseguição politica” que este vinha sofrendo – nos fazendo passar verdadeiro vexame internacional – se tratou de ato de governo de Lula e seus comandados em reverência à rede comunista internacional que há décadas tenta solapar as democracias pelo mundo a fora, especialmente na América Latina.

Diria que se tratou de ato de fidelidade do PT e seus puxadinhos partidários (PCdoB, PSTU, PSOL) à causa comuno-socialista, também aderidas por estes partidos ao integrarem o Foro de São Paulo (espécie de coordenação política da esquerda-comunista visando torná-la hegemônica na América Latina), assim como ao terem sido lenientes politicamente com o projeto de entrega do patrimônio nacional (via BNDES, empréstimos internacionais bilionários e perdão de dívidas bilionárias) a países que não por mero acaso se tratam de ditaduras alinhadas politicamente ao que pode ser denominado como rede comuno-socialista.

Em tempo, também não se trata de mero acaso o silêncio que se percebe neste momento por parte do PT e seus puxadinhos partidários sobre a prisão e envio à Itália do referido terrorista. Devem estar apostando no esquecimento das circuntâncias do acolhimento deste bandido no Brasil. Só que não.

Sem categoria

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.