Autor: João Luiz Regiani



TCU quer devoluções rápidas ao Tesouro

A informação que se tem é a de que o Ministério Público de Contas, junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) deve encaminhar parecer no processo que trata da devolução de recursos de bancos federais ao Tesouro Nacional (TN), pelo qual o MP-TCU se posicionará pela devolução integral e imediata ao TN do dinheiro que estes bancos receberam da União por meio de emissão de títulos públicos.

O pano de fundo de toda esta questão é a necessidade da União retomar recursos financeiros necessários ao reequilíbrio das suas contas públicas, a quais vem apresentando rombos bilionários ocasionados pelos desequilíbrios financeiros herdados do governo Dilma.

Neste contexto, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) é a instituição financeira pública mais visada na devolução de valores ao TN, de um total de R$ 500 bilhões de aportes recebidos da União. No entanto, bancos públicos como o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste, também estão na “alça de mira” para efetuarem devoluções à União.

No caso específico do BNDES o MP-TCU quer que a instituição nacional de desenvolvimento econômico devolva de imediato à União todo o valor que não estiver cedido em empréstimos financeiros.

Em resumo, se vislumbra no curto prazo que se acentuará a dificuldade do setor produtivo acessar o crédito provindo diretamente de fontes internas (nacionais) voltado ao fomento econômico do país, como é o caso do crédito ofertado pelo BNDES.

Por tais razões, as instituições financeiras de fomento repassadoras de fundos do BNDES, como é o caso do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Fomento Paraná, Desenvolve São Paulo, dentre outras instituições de fomento voltadas ao desenvolvimento e financiamento do setor produtivo nas regiões onde atuam, terão que ser cada vez mais criativas na busca direta por fundos internacionais e na captação de recursos financeiros por meio da estruturação de fundos de investimentos, a fim de continuarem “irrigando” os investimentos no setor produtivo nacional, sob pena ocorrerem reflexos prejudiciais à rápida retomada econômica de que tanto o país precisa.

Comente aqui


Novo bloqueio de bens

Procuradoria Federal pediu junto à 10ª Vara Federal de Brasília, dentro da Operação Zelotes, em que Lula é processado por tráfico de influência na compra de caças suecos, bloqueio de bens de Lula e seu filho Luis Cláudio. Sim, um de seus filhos, Luis Claudio Lula, também está envolvido.

Os procuradores pedem para confiscar R$ 21,4 milhões de Lula e R$ 2,5 milhões de Luis Claudio.

Comente aqui


Poderá ser menor em 2018

Preço ruim, seca, chuvas mal distribuídas e atraso no plantio, podem se constituir num “pacote” desfavorável à produção agrícola no ano que vem.

Após ter atingido uma produção de mais de 240 milhões de toneladas de grãos em 2017, estimativas do IBGE em outubro apontam que para 2018 a produção poderá se limitar a 218 milhões de toneladas. Uma redução de mais de 8% na produção total da safra de grãos.

Se consolidada, esta previsão afetará razoavelmente a balança comercial brasileira.

Veja aqui.

Comente aqui


‘Compliance’ nas corporações

Os escândalos de corrupção envolvendo corporações na Lava Jato e os escândalos que abalaram o mercado internacional envolvendo a Volkswagem e a Mitsubishi, demonstram o quanto é necessário a adesão das corporações/empresas às políticas de ‘compliance’ e de conformidade das suas ações e de seus agentes com regras éticas e de posturas limpas e claramente dispostas nas relações de mercado.

Vivemos tempos em que as novas relações profissionais e de mercado excluirão do mundo dos negócios contrapartes que não adotem políticas claras de conformidade ética, moral e de lealdade ampla concorrencial.

Comente aqui


Porto de Paranaguá é o primeiro do Brasil

Investimentos feitos pelo governo Richa e administração eficiente no Porto de Paranaguá fazem deste destaque no setor portuário do Brasil.

O Porto de Paranaguá é o primeiro do Brasil em qualidade de serviços ambientais. A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) foi contemplada na noite desta quinta-feira (09), em Brasília, com o Prêmio da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) 2017 – Categoria “Desempenho Ambiental”. Obteve a melhor avaliação entre os 30 portos brasileiros avaliados no Índice de Desempenho Ambiental (IDA).

De acordo com o gerente de Meio Ambiente da Antaq, Marcos Maia Porto, entre todos os portos públicos avaliados no IDA, o de Paranaguá é o que mais evoluiu, saltando da 26ª colocação no ranking nacional de portos para a liderança.

“Paranaguá dobrou a nota do IDA de 2012 para cá, o que demonstra o avanço na execução das ações voltadas para o meio ambiente”, afirmou Maia Porto. Ele disse ainda que o Prêmio é um estímulo para a melhoria contínua da gestão ambiental nos portos brasileiros.

AVALIAÇÃO

O questionário do Índice de Desempenho Ambiental (IDA) –  aplicado aos portos organizados desde 2012 – é composto por 38 indicadores, com base na legislação ambiental e boas práticas do setor portuário mundial. Continue lendo

Comente aqui


Presidência do BRDE | Beto Richa e Cida Borghetti na posse de Pessuti

O governador Beto Richa participou da posse de Orlando Pessuti na Presidência do BRDE, em substituição a Odacir Klein. Curitiba, 14/11/2017. (Foto: Orlando Kissner/ANPr)

Nos últimos sete anos, as instituições de crédito pertencentes ao Governo do Estado aumentaram em 1.400% os recursos disponibilizados ao setor produtivo. A afirmação é do governador Beto Richa, que participou nesta terça-feira (14) da cerimônia de posse do ex-governador Orlando Pessuti na presidência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Os recursos mencionados por Richa são do próprio BRDE e da Fomento Paraná, entidades de financiamento a projetos de diversos setores da economia. “São mecanismos que contribuem de forma decisiva com o fomento à produção no Paraná e o desenvolvimento da nossa economia”, disse Richa.

O governador também destacou a ampliação da capacidade de financiamento do banco. “Os financiamentos são bilionários, e o maior percentual ficou para o Paraná”, afirmou. Ele também citou a capitalização do BRDE feita pelo Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Cada estado destinou R$ 200 milhões, totalizando R$ 600 milhões, que permitiram alavancar em sete vezes a capacidade de financiamento do banco. “Foi a maior capitalização feita por um governo nos 56 anos de história do BRDE”, ressaltou o governador.

A vice-governadoroa Cida Borghetti esteve presente ao ato de posse e parabenizou Pessuti fazendo-lhe votos de sucesso e êxito frente à presidência

PRESIDÊNCIA

Como controladores do BRDE, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul estabeleceram governança colegiada na instituição, cabendo a cada estado assumir a presidência do Banco por um período de um ano e quatro meses, dentro do tempo de mandato de seus respectivos governadores. Pessuti era vice-presidente do BRDE e diretor administrativo da agência paranaense do banco. Na presidência ele substitui a Odacir Klein, do Rio Grande do Sul.

O novo presidente destacou o apoio do BRDE ao setor produtivo, em especial ao agronegócio. “O banco atua em todos os setores: na agricultura, comércio, indústria, prestação de serviços, atua com os municípios, somos o principal agente financiador dos recursos de inovação da Finep”, disse. “E estes mais de R$ 1 bilhão que investimos todos os anos no Paraná têm propiciado o desenvolvimento do Estado, basta ver os índices de crescimento que são superados a cada ano”, afirmou.

Para o ex-presidente do Banco, Odacir Klein, o desafio da atual gestão é ampliar as fontes de recurso de financiamento, buscando parcerias com entidades como a Financiadora de Estudo e Projetos (Finep). “Enquanto a minha gestão enfrentou a crise econômica e problema da inadimplência, agora é preciso resolver o problema da diminuição dos recursos do BNDES. Agora estamos na busca de outros meios, recursos internacionais e das mais diversas origens”, explicou.

Galeria de imagens:

Comente aqui


Justiça do Trabalho já enterra velhas picaretagens

A reforma trabalhista, que entrou em vigor neste sábado (11), já produz seus frutos. No primeiro dia de vigência, com base no novo texto, um juiz do Trabalho recusou uma velha picaretagem agasalhada na velha legislação: a tentativa de arrancar dinheiro do patrão alegando ter sido vítima de “assalto” a caminho do trabalho. Nesse caso, o sujeito pedia R$50 mil. Acabou condenado a pagar R$8,5 mil por litigância de má-fé.
 V
O patrão vinha sendo responsabilizado pelo assalto ou o “acidente de trajeto” para o trabalho, da topada na calçada ao acidente de trânsito.
V
A decisão do juiz José Cairo Junior, da Bahia, inaugura fase histórica nas relações de trabalho no Brasil.
V
O economista Luiz Paulo Rosenberg chama a atenção para o fato de a reforma trabalhista contribuir para o reaparecimento dos empregos. (Diário do Poder).
Comente aqui


Carlos Massa (Ratinho) no BRDE

Hoje recebemos na Agência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), em Curitiba, a visita de Carlos Massa (Ratinho), proprietário da Rede Massa no Paraná.

Ratinho visitou ao BRDE para dar um abraço especial em Orlando Pessuti que amanhã assume a presidência da instituição.

Na foto, da esquerda para a direita, eu, Odacir Klein (Pres. BRDE), Carlos Massa, Orlando Pessuti (vice-pres. BRDE) e Antônio Silva (assessor Carlos Massa).

BRDE
Comente aqui


Governador Sartori confirmou acordo firmado entre o BRDE e a FINEP

Serão mais R$ 200 milhões a serem investidos pelo BRDE na região Sul em inovação e tecnologia.

(Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

Estive presente como diretor de operações do BRDE ao ato em que a Finep e o BRDE ajustaram interação institucional para desenvolver instrumentos de financiamento à inovação na Região Sul, em reunião realizada nesta sexta-feira (10), em Porto Alegre.

O governador do Rio Grande do Sul José Ivo Sartori chancelou o memorando de entendimento ass Nado pelo presidente do BRDE, Odacir Klein, o presidente da Finep, Marcos Cintra e o vice-presidente, Ronaldo Souza Camargo, para a renovação do convênio operacional.

Entre os desdobramentos, está a possibilidade de elevar os limites de crédito para o BRDE aplicar através do Programa Inovacred. Serão mais R$ 200 milhões a serem investidos pelo BRDE na região Sul em inovação e tecnologia.

(Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

Comente aqui


BRDE e FINEP assinaram ampliação de linhas para inovação


Segunda-feira (06) em na Federação da Indústria de Santa Catarina (FIESC), Florianópolis, foi realizada a solenidade realizada de assinatura de Memorando de Entendimento entre o BRDE (Banco de Desenvolvimento do Sul) e a FINEP (Financiando de estudos e projetos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação) a ampliação dos limites para financiamento de projetos voltados à inovação tecnológica na região.

Com a nova contratação junto a FINEP serão  adicionados aos limites do BRDE R$ 200 milhões que viabilizarão a implantação de projetos de inovação tecnológica na região Sul do país. A ampliação de financiamentos nesta área é de grande importância para o desenvolvimento econômico num seguimento estratégico para tornar o Brasil cada vez mais competitivo no mercado internacional.

Na oportunidade o diretor de operações do BRDE, João Regiani, e o Ministro de Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab (na foto acima) estiveram juntos e dialogaram sobre Os projetos de tecnologia e inovação para a região, bem como sobre as políticas de investimentos nestas áreas.

Comente aqui